.

segunda-feira, outubro 04, 2010

Cachorros - Viroses - Coronavirose.


Cachorros – Viroses – Coronavirose: A virose Coronavirose é uma doença infecto-contagiosa que acomete cachorros de qualquer faixa etária, sendo também denominada de Gastroenterite Contagiosa, e a contaminação ocorre quando o cachorro ingere alimentos infectados pela virose. Quando então o vírus se aloja no seu intestino delgado, causando descamação das vilosidades da parede do intestino delgado e destruindo as suas células, o que acarreta uma má absorçao dos nutrientes dos alimentos ingeridos pelo cachorro. E a virose Coronavirose apesar de apresentar um quadro de menor gravidade, quando comparada as viroses Parvovirose e Cinomose também é uma virose que pode ser fatal. 


Entretanto, as chances de sobrevivencia do cachorro acometido pela virose Coronavirose em relação a Parvovirose e Cinomose são bem maiores. E os sintomas apresentados pela virose Carnovirose e que são manifestados pelo cachorro acometido, são febre e diarreias com presença de sangue, intensas e cronicas, com consequente desitratação, perda de peso, prostação e perda de apetite. E o diagnóstico da virose Coronavirose é feito através de exames específicos e com visualização óptica através de microscópio eletronico, devido principalmente a semelhança de seus sintomas com os de outros tipos de viroses, principalmente a Parvovirose. 


É necessario então, uma detecção e confirmação precisa sobre a ocorrência da virose Coronavirose, e também para evitar-se diagnósticos confusos e imprecisos sobre o verdadeiro tipo de virose que realmente acomete o cachorro. E o tratamento da virose Coronavirose especifico e direto contra o vírus não procede, pois assim como as demais viroses caninas ainda não existe um medicamento que seja ativo e atue diretamente no vírus. Utiliza-se então, medicamentos que agem nos sintomas e nas doenças secundarias periféricas a virose. 


Sintomas e doenças estes que são diarreias, vômitos, febre, desitratação, anemia, cólicas estomacais. Os medicamentos são específicos e direcionados para estes sintomas e enfermidades como  anti-diarreicos, anti-vómitos, anti-térmicos, complexo vitamínicos, soro glicosado fisiológico e antibióticos para proteção do organismo debilitado do cachorro contra outras infecções oportunistas. Entretanto, somente utilize medicamentos com prescrição e acompanhamento veterinário, pois os mesmos podem ter graves contra-indicações. 

Cachorros - Raiva Canina/Zoonose.



Cachorros - Raiva Canina/Zoonose:  Desde a Antiguidade a raiva já era temida em razão da sua forma de transmissão, ao quadro clínico e sua evolução. Acreditavam os primitivos que era causada por motivos sobrenaturais, pois cães e lobos pareciam estar possuídos por demônios. É a doença de registro mais antigo, entre os egípcios era comum a crença de que havia a interferência maligna da estrela Sirius (da constelação de Cão Maior) sobre os cachorros, alterando-lhes o comportamento. Entre os mesopotânios, cerca de 1.900 a.C., já era citada no Código de Eshnunna, o que demonstra já ser a raiva um problema publico na época. Na Grécia Antiga era temida, e Homero (Ilíada) regista a presença de cães raivosos; na mitologia eram invocados os deuses Aristeu e Artêmis para a proteção e cura da raiva. Autores gregos e romanos estudaram o mal, entre os séculos IV e I a.C.


Tais como Demócrito, Cornelius Celsus e Galeno, descrevendo-as em homens e animais e sua transmissão, recomendando práticas como a sucção, cauterização por meio de substâncias cáusticas e/ou ferro em brasa e também a excisão cirúrgica dos ferimentos, e se a vítima não viesse a óbito ficaria com várias cicatrizes.. Foi descrita por Aristóteles, que assinalou o risco da mordida por cães infectos, embora ainda se acreditasse que sua ocorrência poderia se dar de modo espontâneo, por meio de alimentos muito quentes, pela sede, por conta da falta de sexo ou forte excitação nervosa. E durante a Idade Media até o século XIX, o medo causado pela doença atingia os campos e também as cidades; durante a Idade Média era chamada de Mal de Santo Huberto, e a Igreja recebia, no mosteiro de Andage, peregrinos em busca de salvação deste mal.


Porem foi somente em 1530, que o médico italiano Girolamo Fracastoro descreveu a doença de forma correta, de que sua transmissão dava-se através da saliva do animal infectado em contato com o sangue do indivíduo sadio; foi além, dizendo que a doença progredia de modo lento, raramente aparecendo os sintomas antes de vinte dias, a maioria se manifestando após trinta dias, alguns podendo durar 4 ou 5 meses e em outros, de um até cinco anos. No entanto, as práticas terapêuticas antigas e primitivas ainda eram mantidas e sobreviveram até o século XIX. Com os médicos testando diversos remédios, venenos e até nitrato de prata, ácido nítrico e sulfúrico para tentarem o tratamento e a cura da raiva, entretanto sem alcançar nenhum avanço e progresso eficaz contra a raiva.


Quando finalmente Louis Pasteur iniciou os seus estudos e pesquisas sobre a raiva de modo científico e eficaz, sendo então o primeiro a descobrir e desenvolver uma eficiente vacina anti-rábica. Conseguindo isolar o vírus, e reproduzi-lo em laboratório, de modo a se poder produzir uma vacina, testando inicialmente em coelhos, depois em cachorros e posteriormente em seres humanos, com resultados satisfatorios e eficientes. O sucesso da imunização humana fez seu método se espalhar rapidamente pelo mundo, e já em 1890 havia centros de tratamento anti-rábico em Argel, Bandung, Budapeste, Chicago, Florença, Madras, Nova Iorque, São Paulo, Tunis, Varsóvia, Xangai e outras cidades de vários países em todo o mundo. Pasteur foi recebido na Academia Francesa por Ernest Renan com as seguintes palavras: "A humanidade deve ao senhor a supressão de um terrível mal.


A raiva é uma zoonose infecto-contagiosa que geralmente é transmitida aos seres humanos pelos cachorros acometidos por está doença infecciosa, através de mordidas, arranhões e tambem pelo simples contato com a saliva. E dependendo do local em quer for feita a mordida, o processo infeccioso pode ser agilizado, lesões com mordidas nas pernas e nos braços tem um processo infeccioso mais lento, que mordidas feitas no pescoço e na cabeça da pessoa vitimada. E o período de desenvolvimento e manifestação da infecção nos seres humanos, leva em media dependendo do local da mordida de três a onze semanas. Mas o vírus pode também ficar latente no organismo da pessoa, somente vindo a manifestar sintomas depois de vários anos. E todos os anos no Brasil milhares de pessoas recebem a vacina imunizante após terem sido mordidas por cachorros e tambem animais selvagens.


Pois as pessoas após serem vitimas em virtude da ocorrência de um ataque de algum cachorro estranho ou qualquer outro animal, devem imediata e obrigatoriamente se imunizarem, pois é grande o risco de infecção, e a raiva não tem tratamento nem cura, ou seja é fatal. Pois é praticamente impossível de se certificar que o cachorro que atacou, apresentou um comportamentos agressivo devido à doença ou se os manifestou por uma outra razão, logo é fundamental e importantíssimo consultar um médico logo após a ocorrência do acidente para receber imediatamente a vacina, que consegue prevenir e impedir o desenvolvimento da doença mesmo após a infecção, desde que a vacina seja administrada de forma imediata. Pois após a infecção manifestar os sintomas na pessoa acometida, a doença é quase sempre fatal, alcançando um percentual de óbitos de quase 100%.


E o período de incubação da doença, que é o intervalo entre a exposição ao vírus e o início da doença, é em média de 1 a 3 meses, e sendo o tempo mínimo de manifestação da doença nunca inferior a 3 semanas. E o vírus se multiplica-se inicialmente de forma localizada no músculo ou tecido conjuntivo onde foi introduzido pela mordida ou arranhadela. Daí invade os terminais nervosos locais, e é levado até ao corpo celular da medula espinhal ou no tronco cerebral. Daí, dissemina-se rapidamente por toda a substância cinzenta via conexões neuroanatômicas estabelecidas. Por fim, distribui-se centrifugamente pelos nervos periféricos ao resto do organismo, inclusive glândulas salivares (o que possibilita a excreção viral


Os danos causados são devidos a encefalite (inflamação e danos no cérebro). A raiva tem a maior taxa de mortalidade de casos de todas as doenças infecciosas, superando outros vírus temidos como o HBV, HCV, HIV, Ebola e os agentes da dengue e febre-amarela. Embora o prognóstico após o estabelecimento dos sintomas seja sombrio, a administração de profilaxia pós-exposição precoce logo após o acidente com o cachorro ou outro animal suspeito, o que inclui inclusive a limpeza da lesão e a imunização ativa e passiva, atinge resultados percentuais de quase 100%. Apesar do cachorros ser o principal transmissor da raiva aos seres humanos, vários outros animais tambem podem ser transmissores da raiva, E entre eles estão o gatos, e animais silvestres e selvagens como os morcegos, os gambas, as raposas. Não é frequente os ratos, as ratazanas e outros mamíferos pequenos transmitirem a raiva, em parte porque a mordedura de outro animal lhes é habitualmente mortal
.
Nos países desenvolvidos, a vacinação eliminou, em grande medida, a raiva nos cachorros. Contudo, entretanto a raiva ainda continua a ser bastante frequente na maioria dos países da América Latina, África e Ásia, onde os cachorros e outros animais de estimação nem sempre estão vacinados contra a doença. E os cachorros infectados podem desenvolver e manifestar tanto a raiva denominada furiosa ou a denominada muda. Pois na raiva furiosa, o cachorro fica bastante agitado e apresenta um comportamento anormal, e posteriormente fica paralisado e morre. E na raiva muda, os sintomas manifestados pelo cachorro, são de uma paralisia localizada ou generalizada que predomina desde o início. Atualmente, nos países desenvolvidos, a maior parte dos casos de raiva humana costumam ser causados por ataques com mordeduras de animais selvagens infectados.


E é difícil distinguir com precisão ou certeza se o animal apresentou este comportamento agressivo, por está infectado pela raiva, ou por estar naturalmente furioso devido a presença humana em seu território. E os sintomas apresentados pelos seres humanos em decorrência da infecção pela raiva, se dividem em cinco fases que é a incubação da doença, o pródromos, a encefalite, o coma e finalmente o óbito. E se iniciam e se manifestam com falta de ar intensa, e uma forte sensação de estrangulamento com espasmos crônicos (aerofagia), náuseas, vômitos, aversão a agua (hidrofobia), insônia, agressividade e alucinações intensas e constantes. Na fase excitativa posterior, surgem espasmos musculares intensos da faringe e laringe com dores excruciantes na deglutição, paralisia muscular e asfixia. Outros sintomas são episódios de hostilidade violenta (raiva), tentativas de morder e bater nos outros e gritos, alucinações, insônia, ansiedade extrema, provocados por estímulos aleatórios visuais ou acústicos.


E apesar da intensidade dos sintomas, o doente permanece plenamente consciente durante toda a fase de progressão da doença. E o óbito acorre geralmente após cerca de quatro dias. E em todo o mundo, somente 3 casos da doença tiveram um desfecho positivo, um caso ocorreu nos Estados Unidos, outro na Colômbia e o terceiro e mais recente no nordeste do Brasil, sendo que os pacientes eram todos adolescentes entre 8 e 16 anos. E não há um tratamento para e raiva, depois que o organismo da pessoa infectada inicia a manifestação dos sintomas, ou seja, todo e qualquer tratamento tem se mostrado ineficaz e inócuo, sendo uma doença quase sempre fatal, pois o percentual de mortalidade é de praticamente 100%. E até o momento, todas as terapias antivirais falharam, assim como o uso de cetamina e indução de coma terapêutico. Pois apenas 6 casos de sobreviventes (após infecção sintomática) foram documentados, sendo que deste total, cinco pessoas já eram vacinados antes da inoculação do vírus.


E o diagnóstico da raiva é feito através de exames laboratoriais histológicos, para que seja feita a observação e analises das amostras do material recolhido “post mortem” para biopsia de tecidos do encéfalo utilizando-se microscópio eletronico, ou “ante-mortem”, que neste caso é o soro sanguíneo, para uma analise do sistema imunológico da pessoa infectada, e também para testar a resistência imunológica especifica do organismo para algum tipo de infecção, e especialmente se o seu organismo está ativando e assimilando o efeito da vacina, e reagindo e imunizanmdo-se do vírus da raiva,  E tambem exames biológicos, principalmente através da analise de substanciais especificas e características presentes na saliva e na urina da pessoa acometida pela infecção. Sendo que a prevenção ainda o melhor tratamento para a raiva, ou seja a vacinação dos cachorros que pode ser feito a partir dos três meses de idade e repetida anualmente. Atualmente as vacinas anti-rabicas atingiram um otimo grau de confiabilidade e eficácia. Pois a vacinação é o melhor meio de se evitar a contaminação, tanto dos cachorros, quanto consequentemente das pessoas, por está terrível e fatal doença que é a raiva.
































Cachorros - Raiva Canina/Tratamento.



Cachorros - Raiva Canina/Tratamento:  A raiva canina, tambem conhecida vulgarmente como hidrofobia, é uma doença infecto-contagiosa que é causada por um vírus da família Rhabdoviridae do genero Lyssavirus. E que acomete todos os animais endotermicos, categoria em que os integrantes são denominados como animais de sangue quente. Entre estes animais estão incluídas todas as espécies de aves e mamíferos, inclusive os seres humanos, sendo portanto tambem uma perigosissima zoonose, que em 99% dos casos é fatal. Entretanto em aves e alguns tipos de mamíferos como os marsupiais (Gambas/Cangurus), a ocorrência da infecção pela doença é muito rara. A transmissão da doença ocorre diretamente pela mordida do cachorro contaminado ou indiretamente pelo contato da saliva infectada com alguma lesão ou pelas mucosas de um cachorro sadio e ocasionalmente contaminado. 

Após penetrar e infectar o organismo do cachorro, o vírus inicialmente invade, se multiplica e simultâneamente destroi as células dos gânglios espinhais. E posteriormente migra para o cérebro continuando a sua multiplicação incessante e destruindo as células do encéfalo. O cachorro passa então a apresentar alterações no comportamento com um salivamento intenso e cronico (sialorreia), e também para de se alimentar e de beber agua. E mesmo a raiva sendo controlada e monitorada nos animais domésticos em quase todo mundo, está  temida doença fatal demanda uma grande atenção para o seu controle e vigilancia por parte das autoridades sanitárias e de saude publica, em razão dos animais silvestres. Mesmo em locais onde é considerada erradicada ou mantida sob controle, já que é uma doença que não tem tratamento ou cura, ou sejá, é fatal em todos os casos que evoluem para a manifestação dos sintomas. 

E até 2006 foram registrados apenas 6 casos de cura entre os seres humanos, dos quais 5 haviam recebido o tratamento vacinal e somente um, em 2004, parece não ter recebido estes cuidados. E sua incidência é global, salvo em algumas áreas específicas em que é considerada erradicada, os lugares livres da raiva, já a partir de 2010: são a Antartida, Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Fiji, Papua Nova Guiné, Províncias de Irian Jaya e Papua Ocidental na ilha de Nova Guiné na Indonésia, Alemanha, Áustria, Guam, Havaí, Reino Unido, República da Irlanda, Dinamarca, Noruega, Suécia, Islândia, Japão, Taiwan, Sardenha e Córsega.
E foi Cornelius Celsus, um dos primeiros a analisar e escrever sobre a raiva, e suas ideias sobre a utilização da cauterização vigorou até Pasteur. E o termo raiva deriva do latim rabere (significando fúria ou delírio), mas também encontra raízes no sânscrito rabhas (tornar-se violento). Entre os gregos era chamada de Lyssa ou Lytta (loucura, demência), também a palavra vírus deriva desta doença, significando veneno no latim, pois muito supunham que era um mal derivado de um veneno contido na saliva dos animais infectados.

Desde a Antiguidade a raiva já era temida em razão da sua forma de transmissão, ao quadro clínico e sua evolução. Acreditavam os primitivos que era causada por motivos sobrenaturais, pois cães e lobos pareciam estar possuídos por demônios. É a doença de registro mais antigo, entre os egípcios era comum a crença de que havia a interferência maligna da estrela Sirius (da constelação de Cão Maior) sobre os cachorros, alterando-lhes o comportamento. Entre os mesopotâmios, cerca de 1.900 a.C., já era citada no Código de Eshnunna, o que demonstra já ser a raiva um problema publicoco na época. Na Grécia Antiga era temida, e Homero (Ilíada) regista a presença de cães raivosos; na mitologia eram invocados os deuses Aristeu e Artêmis para a proteção e cura da raiva. Autores gregos e romanos estudaram o mal, entre os séculos IV e I a.C. 

Tais como Demócrito, Cornelius Celsus e Galeno, descrevendo-as em homens e animais e sua transmissão, recomendando práticas como a sucção, cauterização por meio de substâncias cáusticas e/ou ferro em brasa e também a excisão cirúrgica dos ferimentos,: e se a vítima não viesse a óbito ficaria com várias cicatrizes.. Foi descrita por Aristóteles, que assinalou o risco da mordida por cães infectos, embora ainda se acreditasse que sua ocorrência poderia se dar de modo espontâneo, por meio de alimentos muito quentes, pela sede, por conta da falta de sexo ou forte excitação nervosa. E durante a Idade Media até o seculo XIX, o medo causado pela doença atingia os campos e também as cidades; durante a Idade Média era chamada de Mal de Santo Huberto, e a Igreja recebia, no mosteiro de Andage, peregrinos em busca de salvação deste mal. 

Porem foi somente em 1530, que o médico italiano Girolamo Fracastoro descreveu a doença de forma correta, de que sua transmissão dava-se através da saliva do animal infectado em contato com o sangue do indivíduo sadio; foi além, dizendo que a doença progredia de modo lento, raramente aparecendo os sintomas antes de vinte dias, a maioria se manifestando após trinta dias, alguns podendo durar 4 ou 5 meses e, noutros, de um até cinco anos. No entanto, as práticas terapêuticas antigas e primitivas ainda eram mantidas e sobreviveram até o século XIX. Com os medicos testando diversos remedios, venenos e até nitrato de prata, ácido nitrico e sulfurico para tentarem o tratamento e a cura da raiva, entretanto sem alcançar nenhum avanço e progresso eficaz contra a raiva. 

Quando finalmente Louis Pasteur iniciou os seus estudos e pesquisas sobre a raiva de modo científico e aficaz, sendo então o primeiro a descobrir e desenvolver uma eficiente vacina anti-rábica. Conseguindo isolar o virus, e reproduzi-lo em laboratorio, de modo a se poder produzir uma vacina, testando inicialmente em coelhos, depois em cachorros e posteriormente em seres humanos, com resultados satisfatorios e eficientes. O sucesso da imunização humana fez seu método se espalhar rapidamente pelo mundo, e já em 1890 havia centros de tratamento anti-rábico em Argel, Bandung, Budapeste, Chicago, Florença, Madras, Nova Iorque, São Paulo, Tunis, Varsóvia, Xangai e outras cidades de varios paises em todo o mundo. Pasteur foi recebido na Academia Francesa por Ernest Renan com as seguintes palavras: "A humanidade deve ao senhor a supressão de um terrível mal. 

A doença se manifesta nos cachorros, com o vírus da raiva multiplica-se inicialmente de forma localizada no músculo ou tecido conjuntivo, e a partir daí invade os terminais nervosos locais, e é transportado dentro do axónio do neurónio até ao corpo celular da medula espinhal ou no tronco cerebral. E disseminando-se rapidamente por toda a substância cinzenta, via conexões neuroanatômicas estabelecidas. Por fim, distribui-se centrifugamente pelos nervos periféricos ao resto do organismo, inclusive glândulas salivares (o que possibilita a excreção viral na saliva de), fígado, músculos, pele, glândulas supra-renais e o coração. Os danos causados são devidos a encefalite (inflamação e danos no cérebro). quando então surgem, visíveis alterações no comportamento do cachorro acometido, e que são os primeiros sintomas apresentados por esta doença infecto-contagiosa, que é a raiva canina. 

E que se manifestam nos cachorros atraves de sintomas como salivamento cronico, hidrofobia (adipisia/aversão a agua), fotofobia (aversão a luz), latido rouco, e alterações comportamentais como desorientação, alucinações, tensão, agressividade com tendências há isolamento ou ataques furiosos e desordenados. E os sintomas clínicos típicos são febre intensa, dilatação das pupilas, paralisia da garganta e dos músculos mastigatorios com queda da mandíbula, contrações involuntárias (espasmos) no estômago, estofago e intestinos, e também convulções. E após a manifestação destes sintomas, os cachorros normalmente não conseguem sobreviver por mais que alguns dias, devido a não se alimentarem ou beberem agua, e também em consequencia da paralisia muscular progressiva.  E o diagnóstico da raiva canina é feito através de exames laboratoriais, que devem sempre ser realizados com muito cuidado e precaução devido ao grande risco de contaminação. E os exames, (post-mortem) para analise e confirmação da raiva canina, são feitos com o material mantido sob refrigeração retirados do encéfalo, do córtex, do cerebelo e do hipocampo de ambos hemisférios cerebrais do cachorro vitimado pela infecção.  

E após o cachorro ser infectado pela raiva,  a doença é fatal, não hávendo cura ou tratamento, pois até o momento todas as terapias antivirais falharam, sendo inócuos, e não surtindo efeito algum. E também devido ao grande risco de contaminação, torna-se muito perigosa qualquer tentativa de se aplicar um tratamento. Com os cachorros que apresentarem qualquer eventual sintoma ou suspeitas de contaminação devendo ser obrigatoriamente totalmente isolados, colocados de quarentena e monitorados com todo cuidado e atenção, devido ao grande potencial infecto-contagioso da raiva canina. Sendo a prevenção ainda, sem duvida alguma, o melhor tratamento para a raiva canina, ou seja a vacinação dos cachorros que pode ser feito a partir dos três meses de idade e repetida anualmente. Atualmente as vacinas anti-rabicas atingiram um otimo grau de confiabilidade e eficácia, e mesmo que a vacina anti-rabica não proporcione uma proteção com 100% de eficiência. A vacinação é o melhor meio de se evitar a contaminação por está terrivel e fatal doença que é a raiva Canina.   


                                                    








                                                                 

Raiva Canina/Diagnostico - Cachorros.




Cachorros - Raiva Canina/Diagnóstico:  A raiva canina, tambem conhecida vulgarmente como hidrofobia, é uma doença infecto-contagiosa que é causada por um vírus da família Rhabdoviridae do genero Lyssavirus. E que acomete todos os animais endotermicos, categoria em que os integrantes são denominados como animais de sangue quente. Entre estes animais estão incluídas todas as espécies de aves e mamíferos, inclusive os seres humanos, sendo portanto tambem uma perigosissima zoonose, que em 99% dos casos é fatal. Entretanto em aves e alguns tipos de mamíferos como os marsupiais (Gambas/Cangurus), a ocorrência da infecção pela doença é muito rara. A transmissão da doença ocorre diretamente pela mordida do cachorro contaminado ou indiretamente pelo contato da saliva infectada com alguma lesão ou pelas mucosas de um cachorro sadio e ocasionalmente contaminado. 

Após penetrar e infectar o organismo do cachorro, o vírus inicialmente invade, se multiplica e simultâneamente destroi as células dos gânglios espinhais. E posteriormente migra para o cérebro continuando a sua multiplicação incessante e destruindo as células do encéfalo. O cachorro passa então a apresentar alterações no comportamento com um salivamento intenso e cronico (sialorreia), e também para de se alimentar e de beber agua. E mesmo a raiva sendo controlada e monitorada nos animais domésticos em quase todo mundo, está  temida doença fatal demanda uma grande atenção para o seu controle e vigilancia por parte das autoridades sanitárias e de saude publica, em razão dos animais silvestres. Mesmo em locais onde é considerada erradicada ou mantida sob controle, já que é uma doença que não tem tratamento ou cura, ou sejá, é fatal em todos os casos que evoluem para a manifestação dos sintomas. 

E até 2006 foram registrados apenas 6 casos de cura entre os seres humanos, dos quais 5 haviam recebido o tratamento vacinal e somente um, em 2004, parece não ter recebido estes cuidados. E sua incidência é global, salvo em algumas áreas específicas em que é considerada erradicada, os lugares livres da raiva, já a partir de 2010: são a Antartida, Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Fiji, Papua Nova Guiné, Províncias de Irian Jaya e Papua Ocidental na ilha de Nova Guiné na Indonésia, Alemanha, Áustria, Guam, Havaí, Reino Unido, República da Irlanda, Dinamarca, Noruega, Suécia, Islândia, Japão, Taiwan, Sardenha e Córsega.
E foi Cornelius Celsus, um dos primeiros a analisar e escrever sobre a raiva, e suas ideias sobre a utilização da cauterização vigorou até Pasteur. E o termo raiva deriva do latim rabere (significando fúria ou delírio), mas também encontra raízes no sânscrito rabhas (tornar-se violento). Entre os gregos era chamada de Lyssa ou Lytta (loucura, demência), também a palavra vírus deriva desta doença, significando veneno no latim, pois muito supunham que era um mal derivado de um veneno contido na saliva dos animais infectados.

Desde a Antiguidade a raiva já era temida em razão da sua forma de transmissão, ao quadro clínico e sua evolução. Acreditavam os primitivos que era causada por motivos sobrenaturais, pois cães e lobos pareciam estar possuídos por demônios. É a doença de registro mais antigo, entre os egípcios era comum a crença de que havia a interferência maligna da estrela Sirius (da constelação de Cão Maior) sobre os cachorros, alterando-lhes o comportamento. Entre os mesopotâmios, cerca de 1.900 a.C., já era citada no Código de Eshnunna, o que demonstra já ser a raiva um problema publicoco na época. Na Grécia Antiga era temida, e Homero (Ilíada) regista a presença de cães raivosos; na mitologia eram invocados os deuses Aristeu e Artêmis para a proteção e cura da raiva. Autores gregos e romanos estudaram o mal, entre os séculos IV e I a.C. 

Tais como Demócrito, Cornelius Celsus e Galeno, descrevendo-as em homens e animais e sua transmissão, recomendando práticas como a sucção, cauterização por meio de substâncias cáusticas e/ou ferro em brasa e também a excisão cirúrgica dos ferimentos,: e se a vítima não viesse a óbito ficaria com várias cicatrizes.. Foi descrita por Aristóteles, que assinalou o risco da mordida por cães infectos, embora ainda se acreditasse que sua ocorrência poderia se dar de modo espontâneo, por meio de alimentos muito quentes, pela sede, por conta da falta de sexo ou forte excitação nervosa. E durante a Idade Media até o seculo XIX, o medo causado pela doença atingia os campos e também as cidades; durante a Idade Média era chamada de Mal de Santo Huberto, e a Igreja recebia, no mosteiro de Andage, peregrinos em busca de salvação deste mal. 

Porem foi somente em 1530, que o médico italiano Girolamo Fracastoro descreveu a doença de forma correta, de que sua transmissão dava-se através da saliva do animal infectado em contato com o sangue do indivíduo sadio; foi além, dizendo que a doença progredia de modo lento, raramente aparecendo os sintomas antes de vinte dias, a maioria se manifestando após trinta dias, alguns podendo durar 4 ou 5 meses e, noutros, de um até cinco anos. No entanto, as práticas terapêuticas antigas e primitivas ainda eram mantidas e sobreviveram até o século XIX. Com os medicos testando diversos remedios, venenos e até nitrato de prata, ácido nitrico e sulfurico para tentarem o tratamento e a cura da raiva, entretanto sem alcançar nenhum avanço e progresso eficaz contra a raiva. 

Quando finalmente Louis Pasteur iniciou os seus estudos e pesquisas sobre a raiva de modo científico e aficaz, sendo então o primeiro a descobrir e desenvolver uma eficiente vacina anti-rábica. Conseguindo isolar o virus, e reproduzi-lo em laboratorio, de modo a se poder produzir uma vacina, testando inicialmente em coelhos, depois em cachorros e posteriormente em seres humanos, com resultados satisfatorios e eficientes. O sucesso da imunização humana fez seu método se espalhar rapidamente pelo mundo, e já em 1890 havia centros de tratamento anti-rábico em Argel, Bandung, Budapeste, Chicago, Florença, Madras, Nova Iorque, São Paulo, Tunis, Varsóvia, Xangai e outras cidades de varios paises em todo o mundo. Pasteur foi recebido na Academia Francesa por Ernest Renan com as seguintes palavras: "A humanidade deve ao senhor a supressão de um terrível mal. 

A doença se manifesta nos cachorros, com o vírus da raiva multiplica-se inicialmente de forma localizada no músculo ou tecido conjuntivo, e a partir daí invade os terminais nervosos locais, e é transportado dentro do axónio do neurónio até ao corpo celular da medula espinhal ou no tronco cerebral. E disseminando-se rapidamente por toda a substância cinzenta, via conexões neuroanatômicas estabelecidas. Por fim, distribui-se centrifugamente pelos nervos periféricos ao resto do organismo, inclusive glândulas salivares (o que possibilita a excreção viral na saliva de), fígado, músculos, pele, glândulas supra-renais e o coração. Os danos causados são devidos a encefalite (inflamação e danos no cérebro). quando então surgem, visíveis alterações no comportamento do cachorro acometido, e que são os primeiros sintomas apresentados por esta doença infecto-contagiosa, que é a raiva canina. 

E que se manifestam nos cachorros atraves de sintomas como salivamento cronico, hidrofobia (adipisia/aversão a agua), fotofobia (aversão a luz), latido rouco, e alterações comportamentais como desorientação, alucinações, tensão, agressividade com tendências há isolamento ou ataques furiosos e desordenados. E os sintomas clínicos típicos são febre intensa, dilatação das pupilas, paralisia da garganta e dos músculos mastigatorios com queda da mandíbula, contrações involuntárias (espasmos) no estômago, estofago e intestinos, e também convulções. E após a manifestação destes sintomas, os cachorros normalmente não conseguem sobreviver por mais que alguns dias, devido a não se alimentarem ou beberem agua, e também em consequencia da paralisia muscular progressiva.  E o diagnóstico da raiva canina é feito através de exames laboratoriais, que devem sempre ser realizados com muito cuidado e precaução devido ao grande risco de contaminação. E os exames, (post-mortem) para analise e confirmação da raiva canina, são feitos com o material mantido sob refrigeração retirados do encéfalo, do córtex, do cerebelo e do hipocampo de ambos hemisférios cerebrais do cachorro vitimado pela infecção.  

E após o cachorro ser infectado pela raiva,  a doença é fatal, não hávendo cura ou tratamento, pois até o momento todas as terapias antivirais falharam, sendo inócuos, e não surtindo efeito algum. E também devido ao grande risco de contaminação, torna-se muito perigosa qualquer tentativa de se aplicar um tratamento. Com os cachorros que apresentarem qualquer eventual sintoma ou suspeitas de contaminação devendo ser obrigatoriamente totalmente isolados, colocados de quarentena e monitorados com todo cuidado e atenção, devido ao grande potencial infecto-contagioso da raiva canina. Sendo a prevenção ainda, sem duvida alguma, o melhor tratamento para a raiva canina, ou seja a vacinação dos cachorros que pode ser feito a partir dos três meses de idade e repetida anualmente. Atualmente as vacinas anti-rabicas atingiram um otimo grau de confiabilidade e eficácia, e mesmo que a vacina anti-rabica não proporcione uma proteção com 100% de eficiência. A vacinação é o melhor meio de se evitar a contaminação por está terrivel e fatal doença que é a raiva Canina.   


                                                    








                                  

Raiva Canina/Sintomas - Cachorros.



Cachorros - Raiva Canina/Sintomas:  A raiva canina, tambem conhecida vulgarmente como hidrofobia, é uma doença infecto-contagiosa que é causada por um vírus da família Rhabdoviridae do genero Lyssavirus. E que acomete todos os animais endotermicos, categoria em que os integrantes são denominados como animais de sangue quente. Entre estes animais estão incluídas todas as espécies de aves e mamíferos, inclusive os seres humanos, sendo portanto tambem uma perigosissima zoonose, que em 99% dos casos é fatal. Entretanto em aves e alguns tipos de mamíferos como os marsupiais (Gambas/Cangurus), a ocorrência da infecção pela doença é muito rara. A transmissão da doença ocorre diretamente pela mordida do cachorro contaminado ou indiretamente pelo contato da saliva infectada com alguma lesão ou pelas mucosas de um cachorro sadio e ocasionalmente contaminado. 

Após penetrar e infectar o organismo do cachorro, o vírus inicialmente invade, se multiplica e simultâneamente destroi as células dos gânglios espinhais. E posteriormente migra para o cérebro continuando a sua multiplicação incessante e destruindo as células do encéfalo. O cachorro passa então a apresentar alterações no comportamento com um salivamento intenso e cronico (sialorreia), e também para de se alimentar e de beber agua. E mesmo a raiva sendo controlada e monitorada nos animais domésticos em quase todo mundo, está  temida doença fatal demanda uma grande atenção para o seu controle e vigilancia por parte das autoridades sanitárias e de saude publica, em razão dos animais silvestres. Mesmo em locais onde é considerada erradicada ou mantida sob controle, já que é uma doença que não tem tratamento ou cura, ou sejá, é fatal em todos os casos que evoluem para a manifestação dos sintomas. 

E até 2006 foram registrados apenas 6 casos de cura entre os seres humanos, dos quais 5 haviam recebido o tratamento vacinal e somente um, em 2004, parece não ter recebido estes cuidados. E sua incidência é global, salvo em algumas áreas específicas em que é considerada erradicada, os lugares livres da raiva, já a partir de 2010: são a Antartida, Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Fiji, Papua Nova Guiné, Províncias de Irian Jaya e Papua Ocidental na ilha de Nova Guiné na Indonésia, Alemanha, Áustria, Guam, Havaí, Reino Unido, República da Irlanda, Dinamarca, Noruega, Suécia, Islândia, Japão, Taiwan, Sardenha e Córsega.
E foi Cornelius Celsus, um dos primeiros a analisar e escrever sobre a raiva, e suas ideias sobre a utilização da cauterização vigorou até Pasteur. E o termo raiva deriva do latim rabere (significando fúria ou delírio), mas também encontra raízes no sânscrito rabhas (tornar-se violento). Entre os gregos era chamada de Lyssa ou Lytta (loucura, demência), também a palavra vírus deriva desta doença, significando veneno no latim, pois muito supunham que era um mal derivado de um veneno contido na saliva dos animais infectados.

Desde a Antiguidade a raiva já era temida em razão da sua forma de transmissão, ao quadro clínico e sua evolução. Acreditavam os primitivos que era causada por motivos sobrenaturais, pois cães e lobos pareciam estar possuídos por demônios. É a doença de registro mais antigo, entre os egípcios era comum a crença de que havia a interferência maligna da estrela Sirius (da constelação de Cão Maior) sobre os cachorros, alterando-lhes o comportamento. Entre os mesopotâmios, cerca de 1.900 a.C., já era citada no Código de Eshnunna, o que demonstra já ser a raiva um problema publicoco na época. Na Grécia Antiga era temida, e Homero (Ilíada) regista a presença de cães raivosos; na mitologia eram invocados os deuses Aristeu e Artêmis para a proteção e cura da raiva. Autores gregos e romanos estudaram o mal, entre os séculos IV e I a.C. 

Tais como Demócrito, Cornelius Celsus e Galeno, descrevendo-as em homens e animais e sua transmissão, recomendando práticas como a sucção, cauterização por meio de substâncias cáusticas e/ou ferro em brasa e também a excisão cirúrgica dos ferimentos,: e se a vítima não viesse a óbito ficaria com várias cicatrizes.. Foi descrita por Aristóteles, que assinalou o risco da mordida por cães infectos, embora ainda se acreditasse que sua ocorrência poderia se dar de modo espontâneo, por meio de alimentos muito quentes, pela sede, por conta da falta de sexo ou forte excitação nervosa. E durante a Idade Media até o seculo XIX, o medo causado pela doença atingia os campos e também as cidades; durante a Idade Média era chamada de Mal de Santo Huberto, e a Igreja recebia, no mosteiro de Andage, peregrinos em busca de salvação deste mal. 

Porem foi somente em 1530, que o médico italiano Girolamo Fracastoro descreveu a doença de forma correta, de que sua transmissão dava-se através da saliva do animal infectado em contato com o sangue do indivíduo sadio; foi além, dizendo que a doença progredia de modo lento, raramente aparecendo os sintomas antes de vinte dias, a maioria se manifestando após trinta dias, alguns podendo durar 4 ou 5 meses e, noutros, de um até cinco anos. No entanto, as práticas terapêuticas antigas e primitivas ainda eram mantidas e sobreviveram até o século XIX. Com os medicos testando diversos remedios, venenos e até nitrato de prata, ácido nitrico e sulfurico para tentarem o tratamento e a cura da raiva, entretanto sem alcançar nenhum avanço e progresso eficaz contra a raiva. 

Quando finalmente Louis Pasteur iniciou os seus estudos e pesquisas sobre a raiva de modo científico e aficaz, sendo então o primeiro a descobrir e desenvolver uma eficiente vacina anti-rábica. Conseguindo isolar o virus, e reproduzi-lo em laboratorio, de modo a se poder produzir uma vacina, testando inicialmente em coelhos, depois em cachorros e posteriormente em seres humanos, com resultados satisfatorios e eficientes. O sucesso da imunização humana fez seu método se espalhar rapidamente pelo mundo, e já em 1890 havia centros de tratamento anti-rábico em Argel, Bandung, Budapeste, Chicago, Florença, Madras, Nova Iorque, São Paulo, Tunis, Varsóvia, Xangai e outras cidades de varios paises em todo o mundo. Pasteur foi recebido na Academia Francesa por Ernest Renan com as seguintes palavras: "A humanidade deve ao senhor a supressão de um terrível mal. 

A doença se manifesta nos cachorros, com o vírus da raiva multiplica-se inicialmente de forma localizada no músculo ou tecido conjuntivo, e a partir daí invade os terminais nervosos locais, e é transportado dentro do axónio do neurónio até ao corpo celular da medula espinhal ou no tronco cerebral. E disseminando-se rapidamente por toda a substância cinzenta, via conexões neuroanatômicas estabelecidas. Por fim, distribui-se centrifugamente pelos nervos periféricos ao resto do organismo, inclusive glândulas salivares (o que possibilita a excreção viral na saliva de), fígado, músculos, pele, glândulas supra-renais e o coração. Os danos causados são devidos a encefalite (inflamação e danos no cérebro). quando então surgem, visíveis alterações no comportamento do cachorro acometido, e que são os primeiros sintomas apresentados por esta doença infecto-contagiosa, que é a raiva canina. 

E que se manifestam nos cachorros atraves de sintomas como salivamento cronico, hidrofobia (adipisia/aversão a agua), fotofobia (aversão a luz), latido rouco, e alterações comportamentais como desorientação, alucinações, tensão, agressividade com tendências há isolamento ou ataques furiosos e desordenados. E os sintomas clínicos típicos são febre intensa, dilatação das pupilas, paralisia da garganta e dos músculos mastigatorios com queda da mandíbula, contrações involuntárias (espasmos) no estômago, estofago e intestinos, e também convulções. E após a manifestação destes sintomas, os cachorros normalmente não conseguem sobreviver por mais que alguns dias, devido a não se alimentarem ou beberem agua, e também em consequencia da paralisia muscular progressiva.  E o diagnóstico da raiva canina é feito através de exames laboratoriais, que devem sempre ser realizados com muito cuidado e precaução devido ao grande risco de contaminação. E os exames, (post-mortem) para analise e confirmação da raiva canina, são feitos com o material mantido sob refrigeração retirados do encéfalo, do córtex, do cerebelo e do hipocampo de ambos hemisférios cerebrais do cachorro vitimado pela infecção.  

E após o cachorro ser infectado pela raiva,  a doença é fatal, não hávendo cura ou tratamento, pois até o momento todas as terapias antivirais falharam, sendo inócuos, e não surtindo efeito algum. E também devido ao grande risco de contaminação, torna-se muito perigosa qualquer tentativa de se aplicar um tratamento. Com os cachorros que apresentarem qualquer eventual sintoma ou suspeitas de contaminação devendo ser obrigatoriamente totalmente isolados, colocados de quarentena e monitorados com todo cuidado e atenção, devido ao grande potencial infecto-contagioso da raiva canina. Sendo a prevenção ainda, sem duvida alguma, o melhor tratamento para a raiva canina, ou seja a vacinação dos cachorros que pode ser feito a partir dos três meses de idade e repetida anualmente. Atualmente as vacinas anti-rabicas atingiram um otimo grau de confiabilidade e eficácia, e mesmo que a vacina anti-rabica não proporcione uma proteção com 100% de eficiência. A vacinação é o melhor meio de se evitar a contaminação por está terrivel e fatal doença que é a raiva Canina.   


                                                    








                                    

COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado