.

quinta-feira, outubro 27, 2011

Cachorros - Transplante de Rins.





            

Cachorros - Transplante de Rins: O transplante renal em animais de estimação doentes já é feito no Brasil, inclusive desde 2003. E o Médico Veterinário que primeiro executou a técnica cirúrgica, experimentalmente, foi o Professor Ney Luis Pippi (Universidade Federal de Santa Maria/RS), durante dissertação de mestrado em 1970. Inclusive, o transplante possibilita o retorno da função renal endócrina e excretora do paciente, com aumento da sobrevida e da qualidade de vida, igualmente e como amplamente comprovados na medicina humana. E para a indicação e a realização do transplante, o cachorro deve ser encaminhado com o diagnóstico prévio de Insuficiência Renal Crônica. 




Ele tambem não pode estar em fase terminal da doença ou apresentar outra enfermidade grave concomitante. Sendo que normalmente o cachorro permanecerá internado por uma semana antes da cirurgia e até o 15º dia após a realização da mesma. Há porem situações que contra indicam a realização da cirurgia de transplante renal, e que são, as cardiopatias graves, a insuficiência hepática, a Leishmaniose (cães), o FIV ou FELV (gatos), e tambem tumores malignos e idade superior a 10 anos. E o doador do rim pode ser um outro cachorro do mesmo responsável, ou um cachorro capturado pela prefeitura e que tenha sido condenado à eutanásia, sem que porem apresente nenhuma doença ou alteração que justifique o sacrifício (Situação está em que o CachorrosBlogs absolutamente não concorda e nem aprova). 




E a condição básica para a realização do transplante, é que o responsável pelo cachorro receptor adote também o cachorro doador, ficando então com os dois cachorro após a realização do transplante. Entretanto, o cachorro doador deve ser do mesmo tipo sanguíneo que o cachorro receptor, inclusive o parentesco entre os dois cachorros, é um fator que aumenta em muito as chances de sucesso do procedimento. E tambem existem vários trabalhos científicos comprovando em medicina humana e veterinária que o doador não sofre prejuízo algum na sobrevida, e nem mesmo na qualidade de vida tanto a médio quanto a longo prazo. 



Uma vez que o procedimento tenha conseguido apresentar êxito, o cachorro já não necessita-ra receber fluidoterapia (soro), e há uma melhora imediata na sua condição clínica (excreção e anemia), com melhora na sua disposição, no apetite, etc. inclusive, é muito importante estar ciente de que o cachorro terá que receber medicação de imunossupressão (para evitar rejeição) pelo resto de sua vida. E tambem os imunossupressores podem favorecer a ocorrência de infecção bacteriana, sendo assim, o cachorro tem que estar sempre coberto de cuidados de higiene para evitar as conseqüências destas infecções oportunistas. E tambem a expectativa de vida pós transplante é bastante variável, podendo ser de meses, há até vários anos.




Locais que realizam a cirurgia:
Hospital Veterinário Fead-Minas
Rua Otílio Macedo, nº12
Bairro Olhos D'água
Belo Horizonte / MG
Tel: (31) 3288-1218










Cachorros - Doenças Renais/Nefritis.





             

Cachorros - Doenças Renais/Nefrites: O rim é o órgão responsável pela filtragem do sangue do organismo, pois ele retém substâncias importantes, como as proteínas e alguns minerais, e elimina junto com a água resíduos e produtos tóxicos resultantes do metabolismo, como a uréia entre outros. Portanto quando o sistema renal, que é responsável pela filtragem e consequente limpeza do sangue não funciona bem, esse mecanismo de seleção do que é bom ou do que é mal para o organismo fica comprometido. E tambem uma outra função muito importante dos rins é secretar uma substância responsável por estimular a medula óssea a formar sangue. 




E a nefrite é justamente uma alteração inflamatória dos rins, que pode ser aguda ou crônica, e que faz com que eles percam total ou parcialmente a sua capacidade de filtragem e consequente eliminação de impurezas do sangue. E a nefrite aguda é um quadro de aparecimento súbito, normalmente causada por uma infecção renal, e esta infecção pode ter se iniciado com uma simples cistite (infecção na bexiga), que, quando não tratada, pode atingir os rins. E os sinais clínicos da doença são apatia, vômitos, falta de apetite e anúria (o animal não urina ou urina pouco). Porem nem sempre todos esses sinais podem estar presentes, mas a falta de urina é um alerta. 




Uma vez que o "filtro" não está funcionando corretamente, produtos tóxicos como a uréia (resultado do metabolismo das proteínas) não são eliminados, intoxicando assim o organismo, daí os vômitos. Exames de urina e sangue irão confirmar o diagnóstico da nefrite e, após o início do tratamento (antibióticos, diuréticos, etc..), os rins voltam a funcionar normalmente na grande maioria dos casos. Já a nefrite crônica é um quadro bem mais preocupante, pois nesse caso a maior parte do rim está lesado e sem capacidade de regeneração. Ao contrário da nefrite aguda, o quadro crônico caracteriza-se por uma produção excessiva de urina, pois o rim não consegue reter a água e substâncias importantes ao organismo, mas retém os produtos tóxicos. 




Assim, teremos um cachorro desidratado, com emagrecimento progressivo, que urina grandes quantidades a todo o momento e ingere muita água. Ocorrem os vômitos, falta de apetite e apatia. Os rins passam a não produzir mais a substância que estimula a medula a produzir glóbulos vermelhos (eritropoetina). E o cachorro consequentemente tambem acaba apresentando um quadro de anemia, sendo que o desequilíbrio orgânico causado pela falência renal será permanente, uma vez que o rim não tem capacidade de se regenerar. Inclusive, o maior problema da nefrite crônica é a retenção de uréia, que é altamente tóxica. 




Sinal comum desse quadro de elevação da uréia é o odor e úlceras (feridas) na boca do cachorro. A uréia tambem pode atingir o sistema nervoso, causando sinais neurológicos como convulsões, porem já é realizada no Brasil a hemodiálise nos animais (filtragem do sangue através de aparelhos), o que permite na maioria dos casos uma sobrevida do cachorro, e com qualidade de vida. O transplante de rins também é uma opção de tratamento para insuficiência renal crônica, e esta cirurgia tambem já é realizada no Brasil, e com grande sucesso.










COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado