.

quinta-feira, maio 31, 2012

Cachorros - Sentido do Olfato.



Cachorros - Sentido do Olfato: O olfato é o sentido mais aguçado e desenvolvido nos cachorros, tendo este sentido nos mesmos um grande grau de evolução e complexidade, sendo portanto o olfato o sentido mais importante e consequentemente o mais utilizado, possibilitando aos cachorros se protegerem e tambem a sua matilha, por poderem perceber e identificar com facilidade e rapidez a aproximação ou a presença de predadores inimigos, a farejar e caçar as suas presas ou na busca e reconhecimento de outros alimentos, a encontrar filhotes perdidos ou outros integrantes da matilha. exercendo então o olfato uma função essencial, na sua dinâmica de ação e no seu comportamento , proporcionando aos cachorros uma percepção e uma sensibilidade olfativa sofisticadas e com uma capacidade e um potencial de percepção e distinção de odores extraordinarios.

Sendo constituído o sofisticado e evoluído sistema alfativo dos cachorros, por narinas pares, que são os orifícios externos, por narinas internas ou coanas, câmaras ou cavidades nasais, células receptoras, nervos alfativos e os bulbos olfativos do cérebro. E há diferenças marcantes e significativas entre o sistema olfativo dos cachorros e outros mamíferos, tanto quanto as dimensões e a anatomia das estruturas olfativas, quanto ao potencial de percepção e identificação dos odores. Pois os cachorros alem de terem uma capacidade de percepção e distinção de odores muito superior a grande maioria dos mamíferos, incluindo os seres humanos, tambem são capaz de fazê-lo com uma quantidade ínfima de concentração de odores. E todo este evoluído e sofisticado sistema olfativo, ainda é auxiliado por um movimento respiratorio diferenciado e especifico.

Que difere do padrão respiratorio normal dos cachorros que é o farejamento, pois o farejamento possibilita que uma maior quantidade de substancias odorificas concentradas chegue próxima à mucosa olfativa. Aumentando ainda mais, e de maneira significativa o seu potencial de percepção de odores. E através do farejamento, o ar é inspirado profundamente, ficando aprisionado nas cavidades nasais, ao contrário do ar inspirado através da respiração padrão normal, que é conduzido para os pulmões. O aprisionamento das moléculas das substancias odorificas, ocorre através de uma câmara formada por uma estrutura óssea presente no focinho dos cachorros. As células olfativas encontram-se situadas em uma área sensorial, denominada mucosa olfativa.

Em termos comparativos, nos seres humanos esta mucosa tem uma dimensão media de aproximadamente 5cm², já nos cachorros está mesma mucosa olfativa possui uma dimensão de aproximadamente 150cm². Ou seja, uma dimensão incomparavelmente superior, alcançando inclusive está extensa área devido ao grande número de conexões e invaginações. A mucosa olfativa é coberta por uma camada de muco, secretado pelas glândulas de Bowman, dentro do qual as moléculas transportadas pelo ar, que criam a sensação de odor, penetram e ficam concentradas de maneira que, mesmo quando as concentrações de moléculas das substancias odorificas são pequenas, há facilmente a possibilidade da percepção e da distinção do odor destas substancias.

No epitélio do sistema olfativo dos cachorros estão presentes aproximadamente 24 tipos diferentes de células olfativas, existindo assim a possibilidade de percepção de mais de um milhão de odores. Cada célula olfativa possui entre 100 e 150 cílios, que são protuberâncias na membrana da célula, responsáveis por captar as moléculas que causam o odor e transmitir esta informação para as células. Assim, os receptores estão, em sua maior parte, localizados nos cílios das células olfativas. Os seres humanos possuem cerca de 5 milhões de receptores olfativos, enquanto que os cachorros possuem uma quantidade imensamente superior, que é de cerca de 220 milhões. Inclusive nos cachorros estes cílios são mais longos e em maior número do que nos seres humanos, e tambem tambem da grande maioria de outras espécies.

Aumentando de forma significativa, a sua sensibilidade e a capacidade perceptiva e seletiva de seu sentido do olfato. Cada célula receptora é um neurônio que transmite as informações olfativas para o bulbo olfativo, que é a parte do cérebro responsável pela interpretação dos odores. A sensibilidade aos odores é fortemente influenciada pela genética, isso significa que há variações entre as diversas raças. A raça Bloodhound é considerada a de melhor olfato, seguida do Pastor Alemão, ambas as raças possuem mais de 200 milhões de células olfativas. Portanto a acuidade olfativa é variável, e de acordo com a raça do cachorro, pois ela depende da superfície da mucosa olfativa, do número de receptores, assim como a anatomia facial que determina a direção da corrente aérea.

O encurtamento do crânio dos cachorros braquicefálicos ( Buldogs e Pugs), cria um obstáculo à circulação do ar. Da mesma forma, a sensibilidade olfativa está correlacionada com a pigmentação da mucosa olfativa, sendo que, quanto mais escura, melhor é esta sensibilidade. E a fêmea tambem é mais sensível aos odores que o macho, e esta sensibilidade varia de acordo com o ciclo sexual, sendo maior durante a fase do cio. E quando o cachorro envelhece, o olfato é o primeiro sentido a declinar devido à atrofia das mucosas nasais e à degradação do tecido nervoso. Os cachorros ainda possuem narinas móveis que facilitam ainda mais a sua capacidade de percepção dos odores.

Os odores exercem uma forte influência na fisiologia e no comportamento dos cachorros, e as suas memórias alfativas podem durar toda uma vida. Assim como o cérebro humano é estruturado para aprender idiomas, grande parte do cérebro do cachorros é voltado para a interpretação de odores. Pelo olfato os cachorros conseguem detectar um conjunto muito grande de animais de sua espécie, através dos odores liberados junto da urina e das fezes de outros animais. As fezes, por sua vez, trazem muito mais informações e num nível maior de detalhes que a urina, explicitando o seu status dentro de sua matilha e seu nível de segurança. E quanto maior a quantidade de marcas deixadas por um cachorro, mais poderosa é a sua posição dentro da sociedade canina.





quarta-feira, maio 30, 2012

Cachorros - Sentido da Visão.



Cachorros - Sentido da Visão: A visão dos cachorros se diferencia em varios aspectos da visão humana, porem eles não enxergam somente em preto-e-branco. Pois os cachorros possuem tambem a capacidade de enxergar e distinguir algumas cores, mesmo que não seja da mesma maneira que os seres humanos. Pois a sua visão é bicromática, diferente dos humanos que é tricromática, devido a isto eles só conseguem distinguir as cores amarelo, azul, branco, preto e violeta, os demais aspectros e combinações de cores como vermelho, verde, rosa entre outras não são distinguidas pelos cachorros, pois eles as enxergam am preto e branco ou cinza. 

Entretanto, os cachorros possuem um alta capacidade de percepção dos diferentes tons da cor cinza. E a explicação para está potencialidade, é que os seus antepassados canideos selvagens eram predadores noturnos, e a diferenciação dos tons de cinza era muito mais importante, tanto para caça, quanto para sua defesa, que a visão das cores. Ou seja, apesar das limitações os cachorros conseguem enxergar algumas cores, porem com menos matizes e menos precisão que os seres humanos. Pois a visão humana consegue distinguir aproximadamente cerca de 10 milhões de cores e combinações diferentes. Porem alem de possuirem tambem uma visão tridimensional, a visão noturna dos cachorros e bem superior e mais apurada que a dos seres humanos. 

E o seu angulo de visão tambem é mais amplo e panoramico, devido principalmente a localização e posionamento anatomico de seus olhos. Inclusive a visão dos cachorros tem uma grande sensibilidade para a luz e para o movimento, podendo perceber com muita facilidade algo movendo-se no escuro. Pois como todos os predadores, os cachorros tem uma grande parcepção e capacidade visual para identificar rapidamente qualquer animal ou objeto em movimento. E a estas qualidades foram fundamentais para os cachorros terem obtido durante a sua existencia selvagem um bom desempenho durante as caçadas e tambem para garantir a sua propria sobrivivencia. 

E Ainda hoje existem varias raças que se utilizam da visão como principal arma de caça, como os galgos, os whippets e quase todos os lebréis. Pois estes cachorros conseguem em um campo aberto, enxergar e distinguir animais do tamanho de um rato em movimento a quase 1.000 m. No entanto podem ter dificuldades e demorar a enxergar ou identificar animais ou objetos parados a poucos metros de distancia. Motivado principalmente, pela sua limitação visual em perceber ou identificar animais ou objetos que estejam estáticos, sem movimento. Devido a estas caracteristicas visuais, é mais fácil se comunicar ou chamar a atenção dos cachorros através de gestos, movimentos e sinais.







terça-feira, maio 29, 2012

Cachorros - Sentidos da Audição.



Cachorros - Sentido da Audição: Os cachorros pertencem à família dos canídeos, na qual integram também tanto as raposas e quanto os lobos. E esta família de eficientes predadores possui sentidos apurados, o que consequentemente os auxilio na captura de presas para obtenção de alimentos, como tambem na sua própria defesa e na proteção da matilha. E mesmo após a sua domesticação e depois de sucessivos cruzamentos, os cachorros preservaram em grande parte a habilidade dos seus sentidos. E apesar de não viverem mas em seu ambiente selvagem de origem, ainda possuem uma incrível e aguçada capacidade sensorial. 

E entre estes sentidos, a audição está entre os principais, sendo um dos mais apurados e desenvolvidos. Pois os cachorros possuem uma percepção auditiva com capacidade para ouvir sons de alta frequência e de baixo volume, sons estes que são inaudiveis e imperceptíveis para o ouvido humano. E atraves de suas orelhas direcionáveis, são capazes de se orientar e localizar com precisão, a direção e a origem do som em seis centésimos de segundo. E este potencial auditivo, juntamente com outros sentidos, lhes permite seguir a pista e localizarem a presa com extrema facilidade e rapidez. São capazes ainda, de ouvir um som a uma distância quatro vezes superior, em comparação aos seres humanos. 

E esta incrivel capacidade auditiva, alem de aguçada, proporciona tambem aos cachorros a habilidade de discernir com facilidade tons e palavras pronunciados pelas pessoas. E existem vários motivos pelos quais o sentido da audição é tão evoluido e aguçado nos cachorros. A principio vem da sua própria necessidade natural de ter que caçar, e tambem se defender e defender a matilha da ameaça de outros predadores, como dito anteriormente. E devido à importância da audição, o seu cérebro privilegiou este sentido, pois os cachorros que tinham um maior potencial auditivo, possuiam consequentemente uma maior capacidade tanto para caçar, como para se defender. Além disso, as suas orelhas são proporcionalmente grandes, moveis e de forma côncava, 

O que lhes permite, captar com maior eficiência as ondas sonoras e direciona-las diretamente para o tímpano. Entretanto, mesmo com todas as possibilidades proporcionadas por sua capacidade auditiva, existem casos em que este potencial e sensibilidade trazem sérios problemas aos cachorros. Como no caso em que há ocorrência de alarmes, trovões, fogos de artificio ou outros ruídos demasiadamente altos. Situações estas, que são extremamente desagradáveis para os mesmos. E diferentemente do que muitas pessoas imaginam, não existe diferenciação na capacidade auditiva entre as diversas raças de cachorros. Inclusive os cachorros com orelhas caídas ouvem tão bem quanto os cachorros com orelhas eretas, quer estejam com as orelhas relaxadas ou quando deitam, deixando encoberto o canal auditivo. 

A diferença entre as raças, entretanto, influi na possibilidade de ocorrerem percentualmente o nascimentos de muitos filhotes surdos em determinadas raças. Pois mesmo que está deficiência possa ocorrer ou acontecer com qualquer raça de cachorro, e até mesmo com os cachorros SRD. A maior ocorrência e incidência de surdez, a principio está relacionada a um problema genético ligado às cores branca e cinza da pelagem dos cachorros. E cachorros da raça Dálmatas, tem uma grande incidência de nascimento de filhotes com surdez. 

Porem estes cachorros desde filhotes, já são capazes de superar este problema, e compensam a falta de audição, com o desenvolvimento de outros sentidos. Assim, desenvolvem outros sentidos, e tem mais facilidade em interpretar a linguagem corporal do que os cachorros que tem audição normal. E devido à sua grande capacidade auditiva, uma das melhores maneiras de se comunicar com os cachorros, é se utilizando a voz. E está é a maneira, mais eficiente e adequada de se chamar a atenção de um cachorro ou ainda de elogiá-lo. Sendo que os tons mais altos lembram grunhidos, e soam como reprimenda. 

Pois este, era o tom que sua mãe usava para chamar sua atenção por um erro, ou que o líder da matilha usava para informar uma atitude desagradavel. Usar este tom, entretanto, pode ter um efeito negativo, pois pode deixar o cachorro nervoso, e ele será incapaz de prestar atenção e aprender o comportamento correto, provocando apenas medo e dúvida. Da mesma forma, gritos são totalmente contra-indicados, pois chamam a atenção, mas provocam medo e angústia, e tambem impossibilitando o aprendizado. Assim, falar calma e pausadamente, e com a voz baixa é a melhor forma de fazer com que o cachorro preste atenção e consiga entender e interpretar o que se pretende comunicar, orientar ou ensinar ao mesmo. 













segunda-feira, maio 28, 2012

Cachorros - Sensibilidade e Emoção.



Cachorros - Sensibilidade e Emoção:  Segundo estudos de especialistas em comportamneto canino e de  Institutos de Ciências Biomédicas e Veterinaria. Os cachorros são capazes de sentir e interpretar as emoções humanas, inclusive houve a constatação pelos pesquisadores de que os cachorros tem a percepção, e podem assimilar as emoções de seus responsaveis. Isto em diversas situações e de forma imediata, mesmo que o responsavel não esteja interagindo com ele naquele exato momento.

De acordo com os estudos, os cachorros não copiam simplesmente as emoções que estão ao seu redor, mas tambem tem a percepção de presenti-las. Mesmo que não estejam participando, ou envolvidos diretamente com a situação que as ocasionou. Pois os cachorros podem ficar tão sentidos, aprensivos e tristes quanto uma criança quando criados em um ambiente familiar em que aconteçam brigas constantes. E podem inclusive pedir por ajuda a terceiros, no caso de presentirem situações de perigo ou emergências.

O que evidencia, um grande grau de percepção em relação a situação, e tambem um sentimento de proteção e empatia, para com o seu responsavel e familiares. E os cachorros tem um grau de percepção e sensibilidade tão apuradas, que conseguem distinguir, se os acontecimentos são simulados ou reais. Como por exemplo uma simulação de briga, ou o fingimento de um acidente ou um mal estar, pois não é fácil enganar um cachorro. Os cachorros podem a principio até ficaram confusos, mas logo concluem que aquela situação não passa de uma brincadeira, e ficam tranquilos.

Para os pesquisadores, isso acontece porque o cachorro tem a capacidade de sentir e interpretar, não somente as atitudes e movimentos corporais. Mas tambem outros sinais, como cheiro, respiração, sons e a tonalidade da voz. Ou seja, uma discussão real em voz alta, já põe o cachorro em alerta, e uma simulação de brigas, ele logo percebe que é uma brincadeira, e vai querer participar tambem. E inclusive os cachorros, que são utilizados em terapias com pacientes especiais ou idosos, acabão sendo afetados emocionalmente tanto pelo seu trabalho, quanto pelos proprios pacientes.

E de acordo com os estudiosos e especialistas, os cachorros são afetados pelas emoções humanas por serem descendentes dos lobos, que são caninos sociais, cooperativos e que sentem empatia pelos integrantes de sua familia ou do seu grupo. E a evolução do seu grau de integração com os humanos, e a consequente domesticação, teriam feito com que os cachorros conseguissem sincronizar as suas emoções com as emoções humanas. Outra razão tambem sugerida pelos estudiosos, teria sido a seleção e o aprimoramento artificial das raças. Que objetivou sempre, cachorros com caracteristicas especificas, que integrassem e se adequassem ao padrão, a rotina e ao tipo de vida das pessoas na sociedade humana.




domingo, maio 27, 2012

Cachorros - Potencial de Imunização/Vacinas.


Cachorros - Potencial de Imunização/Vacinas: Vacinar o cachorro, ou aplicar-lhe somente a vacina, não é uma garantia, nem significa que o cachorro esteja realmente imunizado, para que o seu organismo possa desenvolver defesas através dos anti-corpos contra determinadas doenças. Pois Se o cachorro não estiver em condições orgânicas e até pisco-emotivas ideais, para que seu organismo possa assimilar e interagir com a vacina, o cachorro será vacinado, porem não será imunizado, e seu organismo não conseguira desenvolver a proteção e as defesas necessárias, contra as doenças especificas e relativas a vacina.

E isso pode acontecer devido a varias situações, que vão desde as condições de saúde do cachorro, devido ao mesmo estar com alguma doença, ou fazendo algum tratamento que tenha que consumir algum medicamento anti-alérgico à base de cortisona, tanto de forma oral, topica ou em gotas, pois existem inúmeras pomadas e remédios de ouvido que utilizam cortisona em sua formulação. e até mesmo se o cachorro estiver passando por uma situação de depressão (tristeza/melancolia), tensão e stress intensos o seu próprio organismo produz a cortisona, e não desenvolvera uma boa resposta à vacina, pois o corticóide é imuno-supressor e diminui as defesas do organismo.

O cachorro pode estar doente, porem ainda sem manifestação ou sintomas visíveis da doença. Pois Quando se vacina um cachorro que esteja doente, alem de ele não criar e desenvolver as defesas orgânicas induzidas pela vacina, pode tambem dependendo do estagio e da gravidade da doença ter sérias complicações com a própria vacinação. Pois vacinar o cachorro, pura e simplesmente, sem se tomar os cuidados e as precauções necessárias com relação a sua saúde física e mental (psico-emotiva) e fazer uma verificação através de um medico veterinário de seu estado geral, avaliando a sua temperatura corporal, os seus gânglios, os seus olhos, ouvidos, a sua boca, o seu estado de animo e o seu apetite, e é recomendável tambem se fazer um exame de fezes e urina.

E caso seja constatado alguma doença ou algum problema com o cachorro, deve-se tratar o cachorro e aguardar a sua cura ou melhora do seu estado geral, e simultâneamente preparar o organismo do cachorro para receber a vacina, e somente depois que o cachorro estiver apto a receber a vacina e desenvolver a consequente imunização proprcionada por ela, é que se deve vacina-lo. Para se evitar o risco de o cachorro reagir desfavoravelmente a vacina, devido a estar com uma doença latente e consequentemente ainda não manifestada. Hávendo ainda a possibilidade de uma falsa impressão e a ilusão de que o cachorro esteja realmente imunizado contra uma determinada doença do qual foi vacinado, deixando o mesmo vulnerável e suscetivel a se infectar e desenvolver está mesma doença, devido ao seu organismo ter sido incapaz de produzir e desenvolver os anti-corpos ativos e induzidos pela vacina.
     

sábado, maio 26, 2012

Banho - Cachorros Filhotes.



Banho - Cachorros Filhotes: A higienização do filhote e a limpeza do local onde ficam os mesmos inicialmente é feito caprichosamente pela própria cadela lactente, inclusive está tarefa já começa logo após o nascimento dos filhotes. E durante um determinado periodo a cadela se encarregará da mesma, mantendo tanto o filhote quanto o ambiente sempre limpos e higienizados. O que juntamente com os anti-corpos fornecidos por seu leite materno, impedirão os filhotes de adoecerem ou contraírem infecções ou problemas de pele. E tão logo a fêmea lactante cesse este procedimento de higienização autónoma dos filhotes. A pessoa responsavel já pode assumir está tarefa e começar a fazer o processo de higienização dos filhotes. e não somente por uma questão de limpeza, mas tambem para se evitar que os mesmos fiquem suscetiveis a doenças e infecções.

A principio deve-se fazer a higienização dos filhotes utilizando-se uma toalha ou um pano macio com agua morna. E em um prazo médio de trinta aproximadamente dias do nascimento dos mesmos, já se pode banhá-los, devendo-se utilizar água morna e sabonete e xampu apropriados para filhotes, e de preferência em um ambiente fechado, para evitar que possam vir a sofrer com variações bruscas de temperatura. E durante o banho deve-se tomar alguns cuidados, principalmente com os ouvidos. pois a entrada de agua nos ouvidos pode consequentemente facilitar e propiciar a ocorrência de infecções e inflamações no canal auditivo. E para evitar que isso venha a acontecer, deve-se colocar um tampão de algodão embebido com produtos de limpeza específicos nos ouvidos dos filhotes. pois este procedimento irá impedir a entrada de água,

Inclusive não se deve colocar o algodão seco nos ouvidos do filhote, pois assim ele irá permitir que a água passe, podendo causar sérios problemas auditivos nos mesmos. E após este procedimento, pode-se dar banho tranquilamente e com toda segurança nos filhotes, somente tomando-se certos cuidados para que o xampu não entre nos seus olhos e possa vir causar alguma irritação. E o banho para uma higienização completa e correta do filhote, deve remover todas as impurezas e as gorduras naturais residuais contidas na pele e nos pêlos dos filhotes. E depois de se esfregar bem o pelo e a pele, deve-se então se enxaguar suficientemente para se tirar todo o sabão, e depois pode-se utilizar um xampu apropriado e especifico para filhotes. Existem no mercado diversos tipos de xampus para pêlo escuro, branco, longo, curto e todas as outras variações possíveis.

Porem durante está fase de filhote lactante do cachorro, deve-se usar somente xampus específicos para filhotes, pois estes não possuem substancias que possam vir a causar alergias ou problemas cutâneos nos mesmos. E após o termino do banho, pode-se tirar o algodão dos ouvidos dos filhotes. inclusive pode-se perceber que a cera que havia dentro dos ouvidos já está amolecida, facilitando a sua remoção e consequentemente limpeza, que deverá ser feita com algodão seco e somente na parte externa e no inicio do canal auditivo. Não se deve em hipotese alguma tentar limpar dentro dos ouvidos, pois há um grande risco de se ferir o canal auditivo ou até de se perfurar os tímpanos.E após o termino da limpeza dos ouvidos e do banho nos filhotes, vem a seguir uma etapa tão importante quanto o próprio banho, que é a secagem.

E deve-se usar uma boa toalha, e que seja bem absorvente para que possa retirar a maior quantidade de água possível dos pêlos. Caso somente a toalha não seja suficiente para a secagem total dos pelos e da pele. Pode-se utilizar um secador de cabelos para a finalização do processo de secagem, principalmente da pele dos filhotes, pois a pele úmida propicia a proliferação de fungos e bactérias, o que pode vir inclusive a acarretar a descamação na pele sensível dos filhotes. E quanto ao espaçamento ou intervalo entre os banhos nos filhotes, em regiões de clima quente, pode-se dar banho um vez por semana,já em regiões mais frias pode-se aumentar o prazo para a cada 15 dias. Porem é de fundamental importância que seja feita a higienização nos filhotes, principalmente para se proteger e preservar a saúde dos mesmos, evitando-se que estes fiquem vulneráveis e suscetiveis a contraírem doenças e infecções diversas devido a falta de limpeza e higienização.








sexta-feira, maio 25, 2012

Cachorros - Prevenção de Mordidas.



Cachorros - Prevenção de Mordidas: E embora as mordidas de cachorros sejam de ocorrência mais frequente, elas uma menor possibilidade de infeccionar, e são muito menos perigosas do que as mordidas de outros animais domésticos, como por exemplo os gatos, que tem os seus dentes mais afiados e penetram mais profundamente na pele. Porem as mordidas dos cachorros e outros animais domésticos, podem causar uma variedade de problemas, que vão desde infecções leves na pele até doenças mais graves, como tétano e raiva. Devido a estas graves consequencias, não é recomendável se prevenir e não se expor a risco de acidentes, principalmente com cachorros ou outros animais estranhos.

Mas caso ocorra algum acidente, como arranhados e mordidas, lave imediatamente e de forma cuidadosa o local ferido com sabão e agua abundante por alguns minutos, e depois ponha algum antisseptico ou álcool na ferida. E logo após procure procure auxilio medico, principalmente se a mordida ou o arranhão, for nas mãos ou nos dedos, pois mordidas nestes locais são mais propensas a desenvolverem infecções graves, e precisam ser tratadas mais rápido e cuidadosamente. E mesmo que após a consulta medica, nada tenha sido constatado a principio, Se nos próximos dias houver manifestação de febre e/ou inchaço progressivo, vermelhidão e dor no local da mordida, deve-se retornar ao medico imediatamente.

Para que sejam feitos os exames necessários para confirmar e se assegurar de que não houve contaminação e não se contraiu nenhuma infecção através da mordida. Pois há um grande número de bactérias, vírus e germes que podem ser encontrados na boca dos cachorros e outros animais domésticos. Como bactérias estafilococos, estreptococos, e Pasteurella multocida, que podem levar a infecções serias e potencialmente perigosas, que podem se espalhar por todo o organismo como tendões, ossos e corrente sanguínea. e vírus como o Clostridium tetani, que causa de tétano e o vírus Rhabdovirus RNA que causa raiva, que é uma infecção que afeta todo o sistema nervoso e o cérebro e em 99% dos casos é fatal.

E as crianças são as que estão mais propensas a estes acidentes e consequentemente correm um maior risco de serem mordidas ou arranhadas, por cachorros ou outros animais domésticos. Por elas não tem conciencia ou noção de como se deve proceder e tratar e o perigo que representa a possibilidade de uma eventual reação agressiva principalmente por parte dos cachorros a uma brincadeira bruta ou incomoda feita pelas crianças. e crianças do sexo masculino, ou seja meninos com idades variando entre 5 e 9 anos estão mais propensos a sofrerem este tipo de acidente e apresentam um maior risco de serem mordidos por cachorros.

Sendo que a grande maioria dos acidentes são reativos por parte dos cachorros, pois os cachorros apenas reagem ou se defendem de uma brincadeira bruta, ação agressiva ou provocação por parte das crianças. E as medidas e formas mais efetivas de se prevenir estes acidentes e as eventuais infecções é é saber controlar e conter em uma abordagem dupla tanto o comportamento da criança, quanto o comportamento do cachorro. Educando e orientando as crianças de como devem proceder ao lidar com os cachorros e outros animais, e treinar, orientar e conter os cachorros em relação a seu comportamento com as pessoas, principalmente com as crianças da família.

Os cachorros que estão habituados a viver cercados por muitas pessoas são menos propensos a se tornarem agressivos ou se envolverem em acidentes deste tipo. porem cachorros que passam muito tempo sozinhos, e tem pouco contato com crianças, tem um tendência a serem mais impacientes e agressivos, tanto com estranhos, quanto com situações que os incomodem ou os provoquem. Se necessário treine ou contrate um adestrador para ensinar o cachorro a controlar a sua tendência agressiva. E tambem ensinar as crianças que não deve-se brincar ou provocar cachorros ou outros animais estranhos. Pois mesmo um pequeno gatinho, pode reagir com um arranhão ou uma mordida, que podem ser ter graves consequencias.

E principalmente que as crianças evitem provocar os cachorros, com chutes, empurrões, puxões ou ou perseguições. E tambem a nunca incomodar um cachorro que está comendo ou dormindo. E mantenha a vacinação em dia, principalmente a vacina contra raiva, e caso haja algum acidente, não exista a possibilidades de infecção por este vírus fatal. Neutralize tambem a propenso comportamento agressivo do cachorro através do procedimento da Castração, pois cachorros e outros animais castrados são mais calmos e menos propensos a reagirem agressivamente. Se informe com o seu veterinário, sobre as vantagens deste procedimento, e o momento mais apropriado para se fazê-lo.





Cachorros - Perigos Cama/Sofá.



Cachorros - Perigos Cama/Sofá: Os cachorros são criaturas adoráveis, leais e capazes de grandes desmonstrações de emoção e sentimentos. Porem, apesar de toda está lealdade, cumplicidade e interatividade para com as pessoas com quem ele convive, especialmente os seus responsaveis. Não é recomendavel se compartilhar camas ou sofas com eles, principalmente dormir na mesma cama Entretanto está pratica tem se tornando bastante comum e habitual atualmente, pois mais de 50% dos responsaveis compartilham a cama de dormir com os seus cachorros. Porem, segundo pesquisas feitas por especialistas em zoonoses, os cachorros e tambem os gatos podem transmitir mais de 100 tipos diferentes de doenças para os seres humanos.

Pois muitas pessoas estão tratando os seus cachorros com todo mimo e carinho como se fossem verdadeiros filhos, dividindo o mesmo espaço e tendo uma contato fisico muito proximo e de forma constante. Não que não se deva tratar os cachorros e outros animais de estimação com todo amor e carinho, e tambem não se ter contato fisico com os mesmos, muito pelo contrario. Porem é recomendavel, se tomar certas precauções higienicas, e se evitar compartilhar certos espaços como sofas e camas com os mesmos. Não que seja por culpa deles, porem ha um risco real de transmissão de doênças graves e serias classificadas como zoonoses por parte dos cachorros para as pessoas. E mesmo que estas contaminações não ocorram com grande frequência, não vale a pena arriscar, pois com saude não se brinca. Entretanto estas doenças podem ser facilmente evitadas, se forem tomadas certas precauções e cuidados.

Por exemplo, alem de não ser recomendavel, não se deve deixar que os cachorros não só não compartilhem sofas e camas. Como não frequentarem tambem certos cômodos da casa, como os quartos, e principalmente se forem quartos de bebês. Pois entre as doenças que podem ser transmitidas, principalmente, pelos cachorros que dividem a cama com seus responsaveis, estão graves enfermidades infecçiosas e verminoses. E geralmente os cachorros, que compartilham a mesma cama com seus responsaveis e familiares, são cachorros de raça. E a grande maioria são os de raças pequenas, como yorkshire, poodle e shi tzu. Mas tambem é comum entre os responsaveis de alguns cachorros de raça de grande porte principalmente de labradores, de habituarem os seus cachorros a este comportamento.

No entanto, não ha necessidade de alarde ou aprenssão, porem amar e cuidar dos cachorros com carinho e atenção, não significa necessariamente mimalos em excesso, e um pouco de disciplina e limites faz muito bem a personalidade do cachorro. Basta apenas se tomar certos cuidados e precauções basicos, e ter um pouco de bom senso, e principalmente manter sempre atualizadas as vacinas e a vermifugação dos cachorros. E as vantagens e benefícios de se ter um cachorro ou qualquer outro animal de estimação são muito maiores do que os riscos. Pois esta comprovado clinica e estatisticamente que quem os possui, têm a pressão arterial mais baixa, um menor indice de depressão. Ou seja desfrutam de uma otima saude fisica e mental, em grande parte decorrentes de sua relação afetiva e emocional com os cachorros ou outros animais de estimação.





quarta-feira, maio 23, 2012

Cachorros - Acidentes Domésticos.



Cachorros - Acidentes Domésticos: Dentro da ambiente residencial em que vive o cachorro, é necessario que se tenha bastante cuidado para se evitar a possíbilidade eventual da ocorrencia de varios acidentes, que podem vitimar seriamente o cachorro. Como no exemplo, a historia de um cachorro que encontrou uma embalagem de anti-pulgas enquanto passeava pela casa, e como o cachorro é um animal naturalmente curioso, começou a mordiscá-la, até que a furou e derrubou seu conteúdo no chão. E sem-querer, acabou sujando as patas com a substância e ao usar a língua para se limpar, foi vítima de grave intoxicação. O remédio, que foi feito para ser aplicado na pele, não poderia ser ingerido, pois devido a sua toxicidade, havia grandes chances de ser fatal.

O cachorro infelizmente, não conseguiu resistir, apesar do todo o esforço de seus proprietários, em terem corrido com ele para o veterinário. Não há como vigiar os cachorros em tempo integral, para proteje-los de acidentes domésticos, como o ocorrido. No entanto, histórias tristes podem ser evitadas com medidas simples que podem ser tomadas por parte dos proprietários, como ter um maior cuidado com produtos quimicos, com venenos parasiticidas, fios de alta tensão e alimentos como chocolates. Inclusive contaminação por produtos para matar parasitas e venenos contra ratos, como o famoso chumbinho, estão entre os principais acidentes que envolvem cachorros no dia-a-dia. Além dos envenenamentos, os perigos dentro de casa incluem os fios elétricos, que causam choques ao serem roídos.

Até o chocolate, que contém substâncias tóxicas para os cachorros e é letal se ingerido em grande quantidade. São também comuns os atendimentos a cachorros que sofrem quedas de janelas de apartamento ou ainda que são atropelados ao escaparem de suas residências. Evite também o acumulo de entulhos e madeira, pois podem atrair escorpiões, lacraias e outros animais peçonhentos. Inclusive é preciso atenção especial para com os filhotes, pois é freqüente a ingestão de pequenos objetos, como brinquedos, pontas de chupetas, entre outros, cuja retirada muitas vezes só é possível por cirurgia. E para se evitar esses acidentes, que muitas vezes são fruto do descaso e não do acaso, é recomendavel que se tenha certos cuidados e precauções, como por exemplo.

Animais peçonhentos: Não junte entulho no ambiente em que o animal vive ou próximo a ele, deixar ralos tampados e fechar buracos no muro também podem evitar visitas perigosas e indesejadas.

Automedicação: Não se deve dar medicamentos ao cachorro sem orientação de um veterinário, pois substâncias aparentemente inofensivas e que curam seres humanos podem ser fatais para os cachorros.

Botijão de gás: Não se deve deixar o cachorro ter acesso à mangueira do botijão de gás, se ela for perfurada, pode colocar a vida de todos ao redor em perigo. Uma saída pode ser cobrir o botijão e a mangueira com um pano para que fiquem invisíveis e difíceis de alcançar.

Brigas: Deve-se manter separados os cachorros que demonstram antipatia entre si. pois Uma briga seria pode acontecer quando você não estiver por perto e eles podem se machucarem gravemente.

Crianças: Nunca se deve deixar cachorros sozinhos na companhia de crianças menores de 9 anos, ou de crianças mesmo com mais idade, mas que não sejam confiaveis, ou mesmo com relação àquelas que já tenham demonstrado atitudes suspeitas ou invasiva para com os cachorros.

Chocolates: Nunca dê chocolate ao seu cachorro e fique de olhos bem abertos na páscoa, pois basta um pouco desse alimento para fazer com que o cachorro passe muito mal, deve-se fiicar atento e ter cuidado especial com as crianças, que têm mania de dividir o que estão comendo com o cachorro.

Doenças: Dependendo de como conservamos o ambiente, podemos atrair transmissores de doenças como pulgas (DAPP), carrapatos (Babesia) e mosquitos (Leishmaniose). Recomenda-se o uso de imunização e repelentes, além de higienização do local onde o cachorro vive.

Eletricidade: Nada de fios de alta tensão em locais freqüentados pelos cachorros.

Escadas: Janelas e lages, o acesso a essas áreas deve ser restringido, e Um pequeno portão ou grade nas escadas pode evitar as temíveis quedas.

Fuga (muros e portões): Nunca deixe o seu cachorro ir à rua sozinho, poios ele corre o risco de ser atropelado, de se envolver em brigas, de sofrer maus-tratos e ainda pode ser envenenado.

Garagem: Se você cria o seu cachorro no mesmo espaço em que guarda o automóvel, lembre-se sempre de prende-lo, quando for entrar ou sair com o carro. Isto previne fugas, atropelamentos ou que ele encoste no escapamento quente. Mas não vá se esquecer de desamarrá-lo depois, pois é uma tortura para o cachorro ficar preso por mais de cinco minutos.

Lixo: Acondicionar o lixo adequadamente, tornando-o inacessível ao cachorro, bandejas da seção de carnes de supermercados são especialmente tentadoras e muito perigosas quando ingeridas pelos cachorros.

Passeios: São fundamentais para os cachorros, mas somente com guia, coleira e conduzidos por quem possa conte-los.

Portas: Portas que batem com o vento podem causar sérios acidentes, mantenha as mais perigosas sempre fechadas, utilize peso de portas ou instale uma dobradiça especial.

Plantas: Nunca se deve deixar os cachorros se aproximarem de plantas estranhas, que podem ser tóxicas, e que se ingeridas podem ser fatais. As mais comuns e que devem ser evitadas são a comigo-ninguém-pode e a Lantana.

Pratos, objetos decorativos e vidros: não deixe nada quebrável onde o cachorro possa alcançar ou ter acesso, Você pode perder sua porcelana favorita e seu cachorro ainda sair machucado.

Remédios e produtos químicos: como shampoos, perfumes e pastas de dente nunca devem ser deixados em locais onde os cachorros tenham acesso, pois na imaginação deles tudo vira brinquedo, e eles podem perfurar as embalagens e consumir seu conteúdo.

Para higienizar os locais de convivência do cachorro, devem ser usados produtos específicos não ofensivos, lembre-se que o olfato do cachorro é oito vezes mais apurado que o do homem.

Objetos pequenos como pregadores, escovas de dente, bolinhas e até a piaçava da vassoura, ou qualquer objeto que possa ser engolido pelo cachorro, principalmente se forem filhotes, não devem ser deixados nos locais onde eles têm acesso. Pois estes objetos podem causar sufocamento ou terem que ser extraídos por via cirúrgica.

Venenos, nunca deixe ratoeira ou veneno nos locais onde seu cachorro possa ter acesso (mesmo que seja raro ele estar por ali), pois meio segundo de descuido pode ser suficiente para o cachorro ingerir o veneno e sofrer sérias conseqüências. Acondicione corretamente o lixo. Cuidado também com descupinizadores, formicidas e dedetizações em geral.

E em relação aos primeiros socorros, na maioria dos casos em que há uma emergência, a melhor saída é a ida imediata ao médico veterinário, mesmo no caso das mordeduras com pequenos ferimentos (durante brigas, por exemplo). Pois as bactérias podem se espalhar rapidamente, podendo causar infecções graves e colocar a vida do cachorro em risco. Se houver convulsões, é preciso colocá-lo sobre uma superfície rigida e manter sua cabeça elevada durante o transporte.

Se o cachorro estiver sentindo muitas dores, talvez seja necessário uma mordaça de pano para que ele não morda o próprio dono durante o desespero. E mantenha sempre o telefone do veterinário de sua confiança, num local de facil acesso (imã de geladeira) ou na agenda do celular. Em alguns casos o socorro deve ser imediato e o profissional poderá orientá-lo à distância. Calma e prontidão são fundamentais para que a situação seja resolvida da melhor forma possível.





terça-feira, maio 22, 2012

Cachorros - Tratamento Fisioterápico.



Cachorros - Tratamento Fisioterápico: Cachorros que perderam os movimentos ou estão obesos, são beneficiados por esta especialidade veterinária que é a fisioterapia. E os responsáveis pelos cachorros, ficam satisfeitos e felizes, é com o resultado do processo fisioterapico. Que devolve os movimentos aos cachorros que não podiam mais andar, de uma forma natural, indolor e sem necessidade de cirurgias. Pois para os responsáveis, não tem nada melhor do que ver um cachorro, que estava praticamente condenado a condição de deficiente físico, conseguir recobrar os movimentos depois do trabalho de reabilitação. E só tem aumenta, a cada dia a quantidade de responsáveis por cachorros, que reconhecem a importância e os benefícios fundamentais deste tipo de tratamento na recuperação e na melhoria da qualidade de vida dos cachorros.

As ocorrências mais comuns, e que levam os cachorros a recorrerem ao processo fisioterapico, são as lesões de joelho e rompimento dos ligamentos. A perda de peso em cachorros com quilos a mais, também é obtida com exercícios coordenados por fisioterapeutas.Nos cachorros mais idosos, lesões na coluna vertebral e algumas alterações neurológicas são os problemas mais frequentes. Pois os cachorros mais idosos não suportam muito bem o uso de medicamentos alopáticos, e como a fisioterapia não é invasiva, consegue-se melhorar a dor do cachorro, de uma forma mais agradável para ele. A empatia com os pacientes, ou seja entre o fisiterapeuta e o cachorro, também acontece aos poucos.

E na primeira consulta, devido a ansiedade dos pacientes, o processo é feito com muita tranquilidade e carinho, para se ganhar a confiança do cachorro. A partir da segunda consulta, inicia o tratamento de forma efetiva, e o cachorro já se sente mais à vontade. E a partir da terceira sessão, o paciente já superou a desconfiança, e já passa a se habituar, e a gostar de todo processo fisioterapeutico. Entretanto é recomendável, que se conheça, e se tenha referencias sobre o trabalho do fisioterapeuta. Então peça informações, a outros responsáveis e tambem para o seu veterinário. Pois, se o veterinário fisioterapeuta, não for bem preparado, pode trazer mais problemas que benefícios, para a saúde do seu cachorro.





segunda-feira, maio 21, 2012

Problemas/Doenças Oculares/Catarata - Cachorros.



Problemas/Doenças Oculares/Catarata - Cachorros: A catarata é uma doença ocular que provoca uma opacidade no cristalino, e o cristalino dos cachorros é uma lente biconvexa com pouca capacidade de distinção visual variável, ou seja, tem pouca capacidade de focar objetos a distâncias variadas. E entre as causas da catarata se incluem, os defeitos genéticos, as inflamação intra-oculares, as doenças da retina, os traumatismos, a diabetes e a senilidade. E as raças que possuem uma tendência e uma pré-disposição hereditária a desenvolverem a catarata são a raça Afghan Hound, Beagle, Cavalier, Cocker Spaniel, Golden Retriever, Husky Siberiano, Labrador Retriever, Old English Sheepdog, Pastor Alemão, Pointer, Poodle Toy e Miniatura, Schnauzer Miniatura, Setter Irlandês, Welsh Corgi, e o West Highland White Terrier. E catarata é o termo que designa a doença que afeta a opacidade do cristalino, pois o cristalino a principio  é uma lente biconvexa responsável pela importante função da acomodação visual, ou seja o ajuste do olho para focalizar distancias variáveis. 

Alguns animais possuem essa faculdade mais desenvolvida que outros, daí a maior acuidade visual de alguns predadores como as aves de rapina e alguns felinos. O cristalino possui duas cápsulas, que são a anterior que se confronta com a íris, e a posterior que se confronta com a membrana hialóide intimamente aderida ao corpo vítreo. E o seu interior pode ser classificado como região cortical (córtex) e região nuclear (núcleo), e o desenvolvimento das cataratas ocorre pôr diversas etiologias, mas quaisquer que sejam as causas temos sempre o envolvimento de alterações bioquímicas complexas relacionadas com a coagulação de protêínas. As fibras ( camadas simples ou em linhas de células especializadas cuboidais) do cristalino recebem energia e oxigénio através do humor aquoso que atravessa a cápsula bastante permeável. Por isto alterações na composição do humor aquoso, pôr diversas causas podem resultar em perda da transparência ( catarata ).  

A classificação das cataratas pode ser quanto a sua localização, podendo ser capsular, sub -capsular, nuclear e cortical, quanto a idade em que ocorrem podem ser, até 2 anos de idade congénita ou hereditária, sendo que a congénita pode ser deflagrada pelo estado materno (infecção, toxemia). E de 2 anos até 5 ou 6 anos são classificadas como cataratas juvenis ( hereditária, diabétogênica, Traumática), e de 6 anos em diante são classificamos como cataratas senis.  Seu estado relativo a transparência é classificado como catarata incipiente, imatura, madura e hipermadura. E o melhor e o mais adequado tratamento para a catarata, é o cirúrgico, pois ainda não existem medicamentos ou substâncias disponíveis capazes de tratar a catarata de uma forma eficiente e concreta. E apesar da utilização de uma gama variada de drogas (Bendalina, Clavirsol, Cinerária Marítima), na tentativa de um tratamento que surta efeito significativo, a ação terapêutica destas drogas e incipiente ou inócuo, enquanto que a cirurgia retira o cristalino, resolvendo de forma definitiva o problema e devolvendo a visão ao cachorro.  

Atualmente utilizam-se técnicas modernas, e que  estão disponíveis a nível mundial, que são técnicas de facoemulsificação, com o auxílio de microscópio cirúrgico, sob anestesia geral volátil, e um aparelho sofisticado é inserido no interior do olho pôr uma incisão de apenas 3 mm e emite vibrações ultra-sônicas que destroem o cristalino, pulverizando-o e tornando possível sua aspiração pelo mesmo instrumento. E mesmo que o olho dos cachorros, apresentem maiores dificuldades cirúrgicas que o olho humano (exposição do olho ruim, mais hemorragia, mais aderências, maiores reações inflamatórias, cristalino firmemente aderido pôr robustas estruturas,etc...). A utilização da técnica de facoemulsificação, possibilita facilmente superar estas dificuldades apresentadas pelos olhos dos cachorros, e é indiscutivelmente de uma superioridade avassaladora em relação a outras técnicas tradicionais empregadas no passado (Aspiração/Dissecação, Intra-Capsular, Extra-Capsular). 

Não só pelo refinamento técnico, mas principalmente pelos resultados finais relativos ao recobramento da função visual, mesmo que ainda existam complicações na percentagem de aproximadamente 10 % dos casos. Sendo que estas complicações, incluem glaucoma pós-operatório, sangramento secundário a descolamento de retina, infecções e inflamações que podem se tornar crônicas. e apesar da utilização de todas as precauções existentes e necessarias para superar esses riscos, entretanto eles ainda existem. E após a cirurgia o cachorro fica sem o cristalino (afácico), e se mantém enxergando bem de longe e pouquíssimo de perto, entretanto aos poucos ele consegue se adaptar a eventuais limitações ou dificuldades visuais a curta distancia. E o fator positivo e mais importante, é que recupera sua visão funcional, rê-adquirindo um grau de visão suficiente para voltar a ter uma certa liberdade e autonômia, para poder sem grandes dificuldades voltar a ser um cachorro ativo, feliz e rê-integrado à sua rotina normal .

domingo, maio 20, 2012

Problemas/Doenças Oculares/Glaucoma - Cachorros.



Problemas/Doenças Oculares/Glaucoma - Cachorros: O glaucoma é o aumento da pressão intra-ocular do olho, e a pressão intra-ocular é mantida pôr complexas reações bioquímicas, e algumas enzimáticamente controladas. A principio pode se dizer que na fisiopatologia do glaucoma estão envolvidas a enzima anidrase carbónica, que age a nível do corpo ciliar na produção contínua do humor aquoso, o ligamento pectinato, a rede trabecular corneoescleral e a rede trabecular uveal. E o humor aquoso é produzido constantemente pelo corpo ciliar, O fluxo que ele segue dentro do olho é o seguinte, após ser produzido no corpo ciliar ele passa pelo orifício pupilar e segue na direção do ângulo iridocorneal. O ângulo iridocorneal é composto do ligamento pectinato, rede trabecular corneoescleral e rede trabecular uveal, passando pôr essas estruturas e através de uma rede de drenagem venosa da esclera ele ganha a circulação sistémica.

E deficiências em quaisquer dessas estruturas podem levar à glaucoma, e pode-se classificar o glaucoma como, glaucoma primário e glaucoma secundário, e no glaucoma primário temos 3 formas da apresentação que são o ângulo fechado, aberto ou estreito. No glaucoma de ângulo fechado, temos uma contração do ligamento pectinato obstruindo o ângulo iridocorneal, e no glaucoma de ângulo aberto as estruturas estão normais e o problema deve estar relacionado a rede trabecular corneoescleral, a rede trabecular uveal ou ainda à própria composição do humor aquoso. Este tipo de glaucoma é comum nos Beagles, Poodles Toy e miniatura e Cocker Spaniel Inglês. E o glaucoma de ângulo estreito é visto nas raças Fox terrier, Husky siiberiano, Samoyeda e Cocker Spaniel Americano.

Entre várias patologias capazes de virem a provocar um glaucoma secundário, temos mais frequentemente luxações e sub-luxações, facolítico, catarata intumescente, catarata induzindo uveíte relacionadas ao cristalino. Relacionadas a causas inflamatórias temos as uveítes por doenças sistémicas como a síndrome de Vogt-Koyanagi-Harada (Síndrome dermato-uveal). Glaucomas secundários, também podem ser ocasionados pôr traumatismos oculares com lesões diretas ou indiretas ao ângulo iridocorneal (incluindo-se iatrogenia cirúrgica). Alguns glaucomas também podem ser provocados pôr tumores intra-oculares primários ou secundários à metástases sistémicas. Pôr fim temos os glaucomas de origem congênitos com goniodisgenes mesodermal principalmente nos cães da raça Basset-Hound.

Glaucomas clínicos possuem um conjunto de sinais que devem ser percebidos, no glaucoma iniciante vemos descarga ocular, blefaroespasmos, desconforto, midríase intermitente, hiperemia conjuntival e variação na pressão intra-ocular com diferenças de até 10 mmHg entre a pressão de um olho e outro. No glaucoma clássico a midríase já é permanente, vasos episclerais estão congestos e há dor ocular, na forma crônica vemos buftalmia e megaloglobus, deficit visual, queratopatia estriada, luxação ou subluxação do cristalino, degeneração retinal e abaulamento do disco óptico (papila). Fora a compreensão desses sinais clinicamente exploráveis, só podemos perceber ou diagnosticar com precisão um glaucoma por tonometria. 

Tonômetria é a medição da pressão intra-ocular, ela pode ser feita digitalmente ou com o uso de instrumentos adequados chamados tonômetros, obviamente a tonometria digital só é viável quando a pressão intra-ocular está bastante elevada sendo imprecisa e imprevisível. Diversos tipos de tonômetros estão disponíveis, e o mais utilizado é o tonômetro de Schiotz, que possui uma razoável acurácia (posição que toca à córnea, contenção adequada do animal etc...). O melhor sem sombra de dúvida é o tonômetro eletrônico tonopen que pode ser usado em grandes e pequenos animais e é de precisão absoluta. As pressões intra-oculares normais em pequenos animais se situam entre 15 e 25 mm Hg, outro equipamento utilizado para se diagnosticar o tipo de glaucoma primário envolvido é o gonioscópio.

Vem a ser uma lente de contato, com objetivo de cisualizaçào direta do ângulo iridocorneal a fim de se diagnosticar qual tipo de glaucoma primário se trata, como aberto, estreito ou fechado. Existe uma tendência mundial a considerar o glaucoma uma doença eminentemente cirúrgica, isto ainda é controverso, pois no caso dos procedimentos que visam a diminuição da produção do humor aquoso por destruição térmica do corpo ciliar (ciclocriotermia ) os resultados são as vezes frustrantes. E não é muito aconselhável uma vez que não se conhece até o momento doenças que originem o glaucoma a partir de um aumento na produção do humor aquoso. Em termos cirúrgicos alguns cirurgiões veterinários bastante experientes tratam o problema fazendo trabeculectomias ou fistulizações, e tambem existem válvulas comerciais disponíveis para humanos que apresentam resultados nefastos nos cachorros.

Pois estes apresentam absurdas, e as vezes incompreensíveis reações inflamatórias às cirurgias intra-oculares produzindo muita fibrina e estas acabam entupindo mecânicamente as válvulas comerciais disponíveis. Em termos de tratamentos com drogas existe uma quantidade variável e cada caso corresponde de uma maneira distinta. Em casos de pressões muito elevadas acima de 50 mm Hg, deve-se que baixar a pressão rapidamente sob risco de lesão irreversível no disco ótico e/ou retina. Para isso faz-se a nível de ambulatório infusão venosa de Manitol 20 % na dosagem de 1 ou 2 gramas do produto por quilograma de peso vivo, e o Glicerol oral pode ser utilizado na dosagem de 1 ou 2 mililitros por quilo de peso vivo (proibido obviamente à diabéticos).

Estes tratamentos clássicos sistêmicos sofrem hoje controvérsias, parece que a redução brusca da pressão intra-ocular aumentada é tão danosa à retina e ao nervo ótico quanto a sua brusca elevação. Existe uma tendência portanto de se tentar a terapia médica veterinária com drogas antiglaucomatosas IOP elevados, institui-se imediatamente terapia tópica. Existem dois grandes grupos de drogas que provocam miose e consequente liberação do ângulo irido-corneal, mióticos parassimpáticomiméticos como a pilocarpina e o carbacol (estimulaçào direta da íris e musculatura ciliar). E os inibidores da acetilcolinesterase como demecário, ecotiofato e a fisiostigmina ( efeitos indiretos por prolongamento da atividade da acetilcolina), efeitos colaterais são frequentes devendo-se ficar alerta (estimulação parassimpática com salivação, taquicardia).

Outras drogas tópicas de importancia em medicina veterinária são os bloqueadores Beta-Adrenérgicos como o Maleato de Timolol que podem ser usados em combinação com mióticos em casos refratários. Nos últimos anos os inibidores das prostaglandinas como o Latanaprost vem assumindo importante papel no nosso arsenal terapêutico, porem as drogas orais devem ser utilizadas tomando-se muito cuidado com intoxicações e a manutenção adequada com os níveis de potássio já que estas as espoliam. Acetazolamida na dose de 10 mg por quilo dividida em duas tomadas e diclorfanamida na dose de 5 miligramas por quilo. Em casos desesperadores com perda da visão e incapacidade de controlar a dor deve-se pensar em meios de propiciar conforto ao cachorro. Com o uso de trabeculectomias, criociclodestruição, enucleação, implante de prótese de silicone, e em último dos casos perfazer uma enucleação química com injeção intra-vítrea de sulfato de gentamicina.


sábado, maio 19, 2012

Problemas/Doenças Oculares/Ulcera de Córnea - Cachorros.



Problemas/Doenças Oculares/Ulcera de Córnea - Cachorros: A córnea dos cachorros é formada basicamente por 4 camadas, que são o epitélio, o estroma, a membrana de descemet e o endotélio,  e as úlceras corneais são soluções de continuidade de uma ou mais camadas da córnea, ocasionadas por traumas físicos, substancias químicos, ou por infecções entre outros. E podemos classificar as úlceras pela profundidade da lesão, pois são as ulceras superficiais quando vemos envolvido somente o epitélio corneal, e úlceras profundas quando ocorre o envolvimento da camada estromal, e a descemetocele quando chega à membrana de descemet, ruptura ou perfuração corneal. Ao chegarmos à fase de ruptura em seguida teremos prolapso da íris pela ferida, vemos ainda outras estruturas intra-oculares se apresentando e subsequente desenvolvimento de endoftalmite.

E todo o tratamento de qualquer tipo de ulceração corneal, começa a partir de sua provável etiologia, temos nas causas mecânicas as abrasões, os corpos estranhos, queratites de exposição, os entrópios, as alterações de cílios como as triquíases, as distiquíases e os cílios ectópicos. Nas causas infecciosas temos as infecções bacterianas, micóticas e virais, temos ainda queratoconjuntivites secas, queratopatias bolhosas, queratopatias neurotróficas ( paralisia de um ramo do nervo trigeminal). Praticamente todo cachorro com úlcera corneal sofre com dores cronicas, blefaroespasmos, epífora, descarga ocular purulenta, fotofobia, miose, edema corneal, e perda da transparência da córnea.

E toda vez que houver algumas das condições acima, é inprescindível se colorir os olhos do cachorro com tintura de fluoresceína, a fluoresceína possui solubilidade aquosa e se difunde e se fixa em meio aquoso, e após o diagnóstico diferencial, é necessário fazer-se um transplante corneal penetrante a fim de curar o problema. Entretanto alguns transplantes sofrem rejeição, mesmo sob a ação da ciclosporina tópica, acarretando perda da transparência no local do transplante, porém o cachorro permanece sem dor, o que por si só já é o sufiênte para se tentar a cirurgia. As queratites fúngicas tem que sofrer tratamento com drogas tópicas antifúngicas, como a Pimaricina ou Miconazole, e culturas para identificação de microorganismos são por vezes necessárias.

Da-se sempre preferência a utilização de antibióticos aminoglicosídeos pois por vezes (a maioria ) temos envolvimento de Pseudomonas aeruginosa, e esta bactéria associada à normal cicatrização produz ambas substâncias químicas conhecidas como proteases e também colagenases. Enzimas estas que digerem os tecidos e criam a figura comum em oftalmologia veterinária conhecida como melting córnea, que quer dizer derretimento, pois o que ocorre é a liquefação dos tecidos. Os corticosteróides tópicos potencializam enormemente essas substâncias, diminuem a força da cicatrização, da regeneração epitelial, endotelial e atividade fibroblástica.

As úlceras corneais devem ser tratadas conforme sua severidade, e os meios de tratamento cirúrgicos incluem uma variada gama de procedimentos que incluem, tarssorrafia, cobertura com retalhos de membrana nictante, transposições corneoesclerais e cobertura com retalhos de conjuntiva. Nunca deixe de usar fluoresceína em olhos doloridos e reacionais, e trate as úlceras conforme sua gravidade, sempre lançando mão caso necessário de recursos cirúrgicos que podem salvar o olho acometido pela ulcera do cachorro. Para maiores informações e esclarecimentos, consulte um veterinário.



sexta-feira, maio 18, 2012

Problemas/Doenças Oculares/Uveite.



Problemas/Doenças Oculares/Uveíte - Cachorros: A uveite ocorre, e se manifesta nos cachorros em decorrência da manifestação de outras doenças, e entre estas doenças podemos citar como a principal a erliquiose, que é uma doença transmitida por carrapatos, sendo que a uveite também é comumente confundida com a conjuntivite. Entretanto se a uveite se não for tratada adequadamente, pode inclusive levar o cachorro à cegueira. E os sintomas apresentados e manifestados pelo cachorro são os olhos vermelhos, podendo tambem haver a ocorrência de sangramento intraocular e deslocamento da retina. E o tratamento definitivo, consiste fundamentalmente em identificar a causa primária da doença, que é decorrente e originária da manifestação de outra doença, e tratá-la. O colírio ajuda a amenizar os efeitos dos sintomas da doença nos olhos do cachorro, porem não cura a doença. Ao se observar o aparecimento de sintomas caracteristicos, deve-se procurar o auxilio vetérinario imediatamente.


quinta-feira, maio 17, 2012

Problemas/Doenças Oculares - Cachorro.



Problemas/Doenças Oculares - Cachorros: Existe uma variedade grande de doenças oculares que acometem os cachorros, e entre as principais e de maior ocorrência podemos citar a ulçera de córnea, a uveite, a catarata, o glaucoma, a dacriocistite, a conjuntivite, a ceratoconjunitivite seca. Que são doenças passíveis de tratamento veterinario, e se for necessário serem feitas cirurgias, estas geralmente proporcionam excelentes resultados. Entretanto os veterinários especialistas nestas doenças, são unânimes em afirmar que muito embora a oftalmologia veterinária recentemente tenha se desenvolvido muito, é muito importante detectar o problema precocemente, pois aumenta bastante as chances de restituição da visão na maioria dos casos. Então aos primeiros sintomas físicos ou comportamentais, é muito importante que o responsável leve o cachorro imediatamente a um veterinário. 

A hereditariedade também é um fator que contribui para o surgimento de problemas de visão, raças de focinho curto e olhos projetados têm uma maior tendência a terem problemas de visão, há também algumas doenças características de determinadas raças, como as manchas peri-oculares nos Poodles, o olho seco nos Cocker Spaniels, as úlceras nos Boxers, o entrópio nos Shar Peis, lesões de córnea nos Shih tzu, Lhasa Apso, Pug e Buldogue. Inclusive até mesmo a utilização de xampus não apropriados podem causar problemas oculares que surgem do contato constante dos olhos com o xampu e são muito frequentes e vão desde uma conjuntivite até uma lesão grave na córnea, que pode comprometer a visão e os olhos de forma irreversível. 

E uma maneira de diminuir esse risco é usar na face do cachorro um xampu neutro e suave, que não arde nos olhos, e mesmo assim deve-se enxaguar bem após a lavagem. Quanto aos remédios não devem ser utilizados de forma inadvertida, sem prescrição veterinária, pois o uso equivocado de um colírio é capaz de complicar muito um problema oftálmico que poderia ser resolvido sem dificuldade com medicamentos adequados. E um exame oftalmológico em cachorros e relativamente rápido, simples e indolor e leva em média de 45 a 60 minutos e inclui tambem o exame clínico, para descartar associações a problemas de outras partes do organismo. 

O exame oftalmológico consiste em uma avaliação detalhada do globo ocular e das pálpebras, e o procedimento é realizado em uma sala escura, com auxílio de equipamentos oftalmológicos específicos, corantes e colírios. Os veterinários reafirmam a importância da prevenção, ressaltando que um exame desse tipo, realizado anualmente pode evitar uma série de problemas e até mesmo a cegueira, que felizmente, já pode ser reversível em alguns casos, pois um cachorro cego por catarata pode recuperar a visão após uma cirurgia, Entretanto, existem situações que levam à cegueira irreversível, como degeneração da retina ou glaucoma.




Limpeza/Higiene Ocular - Cachorros.



Limpeza/Higiene Ocular - Cachorros: Ao se observar os olhos de um cachorro, estes devem estar claros e brilhantes, e sem nenhum excesso de lacrimejamento ou secreção de muco. Pois os olhos vermelhos, inflamados, opacos ou com lacrimejamento excessivo são caracteristicas e indicações de ocorrência de uma possível infecção ou lesão ocular. E como os olhos são órgãos muito delicados, qualquer indicio de uma possível lesão deve receber a assistência imediata de um veterinário.

Pois os olhos dos cachorros, são suscetiveis a absorverem muitos resíduos, poeiras e corpos estranhos devido principalmente a produção quase que continua de corrimento ocular (remela) que podem acarretar diversas infecções. E até mesmo, a utilização de xampus não apropriados pode causar doenças, e os problemas oculares que surgem pelo contato com o xampu são muito frequentes. E vão desde uma conjuntivite, até uma lesão grave na córnea, que pode comprometer a visão e os olhos de forma irreversível.

E uma forma  de se eliminar, ou minimizar bastante este problema, é usar na face do cachorro um xampu neutro ou suave, que não ardem nos olhos, devendo-se tambem enxaguar bem após a lavagem. Pois a higiene dos olhos, elimina o incómodo causado pelo corrimento ocular nos cachorros, devido a isto é necessário se limpar os olhos do cachorro regularmente. Algumas raças, apresentam  um corrimento constante, o que facilita o acúmulo de poeira e resíduos diversos, facilitando e possibilitando o aparecimento de infeções oculares (conjuntivites).

E este é o caso dos Basset Hound, que têm as pálpebras caídas, dos Poodles e Bichon Frisé, que têm dutos lacrimais estreitos, dos Lhasa Apsos, Shi Tzu e Pequinês que têm o globo ocular muito exposto. Já os cachorros da raça Cocker, têm as suas orelhas muito longas, e que encostam facilmente no chão, levando consequentemente, muitos resíduos para os seus olhos. E para se proceder a higiene ocular dos cachorros.

Pode-se utilizar de preferência diariamente, algodão embebido em água ou fazer a aplicação de gotas oftálmicas de limpeza com anti-séptico ou toalhetes oftálmicos.  Quanto a utilização de remédios,  os cachorros   não devem ser medicados de forma inadvertido, sem prescrição e orientação veterinária. Pois o uso equivocado de um simples e inofensivo colírio, é capaz de complicar muito um problema oftálmico que poderia ser resolvido sem dificuldade com medicamentos específicos adequados. Para maiores orientações e esclarecimentos, consulte um veterinário.

terça-feira, maio 15, 2012

Sarna de Ouvido/Tratamento - Cachorros.



Sarna de Ouvido/Tratamento - Cachorros: O tratamento da sarna de ouvido consiste basicamente em se fazer a devida aplicação de medicamentos parasiticidas especificos no conduto  auditivo dos cachorros. E para a obtenção de um melhor e mais rapido resultado, deve-se fazer a aplicação de preferencia diariamente, por um período de tempo prolongado e com a prescrição e o acompanhamento de um veterinario. E o ácaro causador da sarna de ouvido mesmo não causando lesões fora do conduto auditivo, normalmente se encontra presente na pelagem dos cachorros, e assim além do tratamento especifico no conduto auditivo e nos ouvidos.

Deve-se tambem dar banhos parasiticidas para a eliminação dos acaros da sarna de ouvido que se alojam e se espalham  na pelagem dos cachorros. Além da desinfecção dos objetos usados pelo cachorro e tambem do local onde ele habita e dorme. E Mesmo após a cura, que pode ser observada através da interrupção da irritação cronica (prurido), e do desaparecimento da cera escura e do odor desagradavel, o cachorro pode vir a se reinfestar novamente caso entre em contato com outros cachorros acometidos pela doença ou com ambiente contaminados. Para maiores orientações e informações, consulte um veterinario.

segunda-feira, maio 14, 2012

Tratamento/Otite - Cachorros.



Tratamento/Otite - Cachorros: O tratamento da otite depende basicamente do diagnóstico podendo ser feito o procedimento do tratamento de forma tópico ou sistêmico. Para se certificar do medicamento correto a ser utilizado, principalmente em casos em que ocorre  a reincidência da doença no cachorro, o veterinário precisa realizar a coleta de material e fazer exames microscópios para analisar e descobrir que tipos de agente são os causadores da doença. Posteriormente é necessário estudar e prescrever um antibiótico especifico e que seja o mais adequado para o caso.

E dependendo da situação o cachorro pode precisar ser submetido à um procedimento cirúrgico, mas a cirurgia é indicada geralmente para cachorros com a presença de otite estenosante. Que se desenvolve e manifesta em consequência das otites anteriores, que o cachorro teve no decorrer de sua vida, e que vai acarretando progressivamente o fechamento do conduto auditivo. E através da cirurgia é possível com uma percentagem positiva media de até 80% dos casos,  abrir e desobstruir o conduto auditivo do cachorro, permitindo uma maior ventilação e maior luminosidade do local.
E quando a otite é negligenciada, não sendo devidamente  tratada pelo responsável pelo cachorro, evolui e se agrava seriamente,  podendo se transformar e evoluir para uma otite interna.

Provocando o rompimento da membrana timpânica e afetando significadamente o equilíbrio do cachorro, resultando em uma síndrome vestibular, e a ocorrência desta síndrome acaba acarretando sintomas aparentes, como a cabeça do cachorro  pendendo para os lados e ele passando a andar em círculos. E Além destes sintomas, o cachorro também   pode ter perda parcial ou total da audição, e se mesmo com a manifestação destes sintomas e agravantes o cachorro não tiver um tratamento adequado, a doença  pode desenvolver infecções generalizadas evoluindo e atingindo orgões vitais como o fígado, o coração e também o sistema nervoso, e levando consequentemente o cachorro ao óbito. 

domingo, maio 13, 2012

Cachorros - Problemas/Doenças Periodentais.



Cachorros - Problemas/Doenças Periodontais: São muito frequentes entre os cachorros adultos, e cerca de 85% dos cachorros nesta faixa etária apresentam alguns sintomas ou tem manifestações de problemas periondontais, desde uma simples inflamação da gengiva (gengivite), que é reversível, até a destruição das estruturas que sustentam os dentes (periodontite), que é irreversível, porem pode ser minimizada e controlada, mas pode provocar lesões no interior da boca e levar à formação de graves abscessos dentários. Nessas situações, é necessário levar imediatamente o cachorro ao veterinário, pois caso contrário o mesmo poderá até mesmo deixar de se alimentar devido à intensa dor proveniente dos dentes. E cachorros de raças pequenas, como os Poodles ou Maltês, são os mais propensos a manifestarem e desenvolverem estas doenças. 

E a melhor prevenção contra estas enfermidades é a escovação diária dos dentes, usando creme dental e escova específicos para cachorros, pois está é a melhor forma de prevenir a maior parte das afecções bucais em cachorros. E sem estes cuidados preventivos, formam-se camadas de placa bacteriana e tártaro calcificadas sobre os dentes. E o cachorro pode vir a sentir muita dor e consequentemente tambem perder os dentes. Sendo que o ideal é começar a escovar os dentes do cachorro o mais cedo possível. Pois as infecções bucais decorrentes da falta de higiene, também podem se espalhar pelo organismo e causar infecções em diversos outros órgãos, como por exemplo, no coração (miocardite). No caso de cachorros rebeldes ou inquietos que não permitam a escovação dos dentes, recomenda-se a limpeza periódica em clínicas veterinárias, sempre sob efeito de anestesia inalatória, que é a opção mais segura e eficiente em qualquer tipo de intervenção.




sábado, maio 12, 2012

Ouvidos/Limpeza - Cachorros.



Ouvidos/Limpeza - Cachorros: É muito importante verificar os ouvidos do cachorro semanal ou quinzenalmente para manter a sua audição perfeita e os seus ouvidos limpos e arejados, pois limpar os seus ouvidos é fundamental para a saúde dos cachorros. E o próprio responsável pelo cachorro pode fazer este procedimento de limpeza. E este procedimento é bem simples, basta enrolar um chumaço de algodão no dedo indicador, embebido em uma pequena quantidade de ceruminolítico, que é um produto que dilui a cera, e que é encontrado facilmente em pet shops, e a um preço bem acessível. E evite enfiar objetos pontudos, como cotonetes ou pinças,  pois estes objetos podem causar graves danos ao conduto auditivo do cachorro.

E este produto, o ceruminolitico é apresentado em forma de loção, e contém substâncias emolientes e queratolíticas que agem solubilizando o cerúmen acumulado no conduto auditivo e no pavilhão auricular do ouvido dos cachorros. E vem com uma bula, que explica de maneira simples e objetiva a sua forma de  utilização, sendo melhor e mais seguro limpar os ouvidos do cachorro com este produto, do que álcool ou éter. Que podem causar uma grande irritação ou alergia, e tambem ocasionar uma seria infecção no ouvido do cachorro. Pois o conduto auditivo dos cachorro, é uma região de difícil  acesso e tambem extremamente sensível. Cachorros com orelhas eretas e semi-eretas, têm esta região do corpo mais arejada, portanto menos sujeita a juntar cerume e doenças como sarna, fungos, seborreia excessiva e micoses.

Problemas estes que além de incomodarem muito o cachorro, tambem causam dor, irritação, mau cheiro e mal estar. Já os cachorros com orelhas tombadas e compridas são mais suscetiveis a desenvolve-rem estes problemas, porque as suas orelhas encobrem o conduto auditivo, impedindo desta forma a sua ventilação. Cachorros como Poodles, Yorkshires e Terries em geral ainda possuem pelos ou penugens dentro do conduto auditivo, que devem ser removidos para que o local seja arejado. Uma observação e cuidado semanal, ajudam a evitar sérios problemas nos ouvidos do cachorro. Há diversas marcas de solução de limpeza de ouvidos no mercado. escolha a mais adequada para a raça do cachorro, e certifique-se de que o cachorro não é alérgico a nenhum dos componentes antes de utiliza-lo. Pingue de 2 a 8 gotas nos ouvidos do cachorro dependendo do seu tamanho, pois essa solução soltará o cerume que está preso dentro do conduto auditivo.

Tenha bastante cuidado, pois o conduto auditivo do ouvido e muito sensível e deve-se evitar toca-lo , e o cerume natural é uma proteção para o mesmo, portanto somente o seu excesso deve-rá ser removido pelo produto. E tambem existem algumas raças, que apresentam um certa quantidade de pêlos no interior do conduto auditivo. Contudo não é recomendável a retirado  dos pêlos, pois estes funcionam como uma protecção natural contra umidade. E é preferível, fazer o procedimento de aplicação do produto, no dia anterior ao banho. Para aproveitar, e se fazer uma higienização completa e se eliminar o mau cheiro, e os resíduos de cerume que serão removidas pelo sabonete ou shampoo após o enxague do banho. Para maiores informações e esclarecimentos consulte um veterinário.
               




Otite/Doenças de Ouvido - Cachorros.



Otite/Doenças de Ouvido - Cachorros: A otite a principio, é uma infecção inflamatoria no canal auditivo dos cachorros, e normalmente é causada por bactérias ou fungos, porem o acumulo de cera, o excesso de pêlos, poeira e sujeiras também podem vir a provocar está infecção. E a ocorrência da otite, geralmente é facilitada pela presença de elevada umidade nas orelhas, então é recomendável que sempre que se for dar banho no cachorro, deve-se limpar, e principalmente secar muito bem as suas orelhas. A otite também podem se originar  de outros problemas ou doenças, tais como alergias ou alterações hormonais, pois estas duas ocorrências, causam  alterações no ambiente do ouvido,  propiciando o desenvolvimento de bactérias ou fungos. 

A otite é de fácil tratamento em sua fase inicial, geralmente o veterinário prescreve  um antibiótico no caso de uma infecção por bactérias, ou antifúngico se a infecção for causada por fungos. Entretanto em muitas ocasiões, a otite é negligenciada tanto pelos responsaveis, que imaginam que o cachorro coçar constantemente as orelhas é algo normal, quanto pelos próprios veterinários, que não realizam os exames e os diagnósticos de forma completa e com precisão. Porém está doença infecciosa, gera muitos incômodos aos cachorros, e pode acarretar serias complicações, tornando-se um problema grave e crônico. E a otite pode ser caracterizada, como sendo parasitária, micótica, bacteriana ou eczematosa (causada por doenças alérgicas sistêmicas). 

Em alguns casos, o cachorro pode adquirir a infecção no proprio pet shop, durante o procedimento de banho e tosa, quando uma mesma pinça de limpeza da orelha é utilizada em um cachorro acometido pela doença, e depois em um saudável. Porém, na grande maioria das vezes, a doença ocorre pelo desenvolvimento da flora que vive no conduto auditivo, ou tambem em conseqüência de baixa resistência do organismo do cachorro, da permanência em ambientes propícios à aquisição da enfermidade (locais úmidos), ou o ouvido constantemente molhado. Os cachorros naturalmente tem predisposição ao desenvolvimento de microorganismos no sistema auditivo, principalmente os que tem orelhas grandes e caidas. 

Pois possuem o conduto auditivo muito comprido e curvo, o que o torna um lugar escuro, quente e úmido, propicio ao aparecimento e crescimento de fungos, bactérias e parasitas, principalmente em situações de banhos constantes, mas tambem e principalmente, por negligencia de seus responsaveis. E os cachorros  dão sinais de que estão com a doença, quando chacoalham demais a cabeça, ficam com ela pendente para um lado, coçam as orelhas a todo instante, e tambem não deixam que as pessoas as toquem. E outras manifestações caracteristicas da otite, são a presença de secreção no conduto auditivo, e um odor fétido nas orelhas. E há uma predisposição em algumas raças, para o desenvolvimento da otite, e cachorros de algumas raças específicas, costumam ter maior facilidade de serem acometidos por está infecção.. 

E geralmente, apresentam a doença em maior quantidade de vezes, raças de cachorros que tem como caracteristicas terem orelhas grandes, caidas e peludas, pois em cachorros com ouvidos com esté tipo de anatomia , o conduto auditivo recebe pouca luz e oxigênio. Além disto, os pelos tambem impedem a saída de cera, o que vem a favorecer o aparecemento e o desenvolvimento de germes. E entre as raças mais propícias a desenvolverem este problema em função de especificidades anatômicas estão, o Cocker Spaniels, o Shih-Tzu, o Lhaza Apso, o Yorkshire, o Poodle e o Golden Retriever, pois estatiticamente, 80% dos casos relatados de otite, são verificados em cachorros de raças com orelhas caídas. E a maior incidência da doença costuma ocorrer nos meses de verão, em que umidade e temperaturas altas são fatores propricios a sua manifestação, desenvolvimento e propagação 

E o tratamento da otite, depende basicamente do diagnóstico, podendo ser feito o procedimento do tratamento de forma tópico ou sistêmico, e para se certificar do medicamento correto a ser utilizado, principalmente em casos em que ocorre a reincidência da doença no cachorro, o veterinário precisa realizar a coleta de material, e fazer exames microscópios, para analisar e descobrir que tipos de agente são os causadores da doença. E posteriormente é necessário tambem, analisar e prescrever um antibiótico especifico, e que seja o mais adequado para o caso. E dependendo da situação o cachorro pode precisar ser submetido à um procedimento cirúrgico, mas a cirurgia é indicada geralmente para cachorros com a presença de otite estenosante. 

Que se desenvolve e manifesta em consequência das otites anteriores, que o cachorro teve no decorrer de sua vida, e que vai acarretando progressivamente o fechamento do conduto auditivo. E através da cirurgia é possível com uma percentagem positiva media de até 80% dos casos,  de se abrir e se conseguir desobstruir o conduto auditivo do cachorro, permitindo uma maior ventilação e maior luminosidade do local. E quando a otite é negligênciada, não sendo devidamente  tratada pelo responsável do cachorro, pode evoluir, e se agravar seriamente,  podendo se transformar, e passar para uma otite interna. Provocando o rompimento da membrana timpânica e afetando significadamente o equilíbrio do cachorro. 

Resultando em uma síndrome vestibular, e a ocorrência desta síndrome, acaba acarretando sintomas aparentes, como a cabeça do cachorro  pendendo para os lados, e com ele passando a andar em círculos. E além destes sintomas, o cachorro também   pode ter perda parcial ou total da audição, e se mesmo com a manifestação destes sintomas e agravantes o cachorro não tiver um tratamento adequado, a doença pode desenvolver infecções generalizadas, evoluindo e atingindo orgões vitais como o fígado, o coração e também o sistema nervoso, e levando consequentemente o cachorro ao óbito. 




COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado

.COMO ACABAR COM AS PULGAS!