.

terça-feira, março 25, 2014

Beneficios Para Ambos - Cachorros.


Beneficios Para Ambos - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

O Melhor Tamanho - Cachorros.


O Melhor Tamanho - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Aceitar e Gostar - Cachorros.


Aceitar e Gostar - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Comportamento Emocional - Cachorros.


Comportamento Emocional - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Amigo e Companheiro - Cachorros.


Amigo e Companheiro - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Passeio com o Cachorro.


Passeio com o Cachorro:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Cachorros Sentem Dor e Tambem se Machucam.


Cachorros Sentem Dor e Tambem se Machucam:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador.

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro.

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças.

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças.

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança.

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Tranquilos e Comedidos - Cachorros.


Tranquilos e Comedidos - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Personalidade Brincalhona - Cachorros.


Personalidade Brincalhona - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Cachorro não é um Brinquedo.


Cachorro não é um Brinquedo - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador.

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro.

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças.

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças.

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança.

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Evitar Disputas - Cachorros.


Evitar Disputas - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Atenção e Carinho - Cachorros.


Atenção e Carinho - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Atitudes Toleráveis - Cachorros.


Atitudes Toleráveis - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador.

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro.

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças.

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças.

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança.

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Noção das Necessidades - Cachorros.


Noção das Necessidades - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Zelo e Responsabilidade - Cachorros.


Zelo e Responsabilidade - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Emocionante Lembrança - Cachorros.


Emocionante Lembrança - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Empatia e Respeito - Cachorros.


Empatia e Respeito - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

Proporcionar Auto-Estima - Cachorros.


Proporcionar Auto-Estima - Cachorros:  Existem varias experiências edificantes e positivas que o seu filho pode obter, ao se relacionar e cultivar amizade e carinho para com os cachorros, e dependendo do grau e da intensidade desta amizade, isto pode tornar essa relação uma experiência positiva e inesquecível, que seu filho leva-rá como uma bonita e emocionante lembrança para a sua vida adulta. Pois a relação entre uma criança e um cachorro pode trazer muitos benefícios para ambos, e além da companhia e amizade, os cachorros podem proporcionar auto-estima ao seu filho, ensina-lo a ter zelo e responsabilidade e inspira-lo a ter empatia e respeito pela vida animal. Tudo começa na escolha de ter ou não um cachorro, a família inteira deve estar disposta a dedicar um pouco do seu tempo às necessidades básicas do novo morador. 

É importantíssimo para a criança participar desta discussão, pois assim, ela terá uma maior noção das necessidades que o novo habitante da casa terá. E se for decidido que este não é o melhor momento para ter um cachorro, poderá entender mais facilmente os motivos dessa decisão. A idade mínima aconselhável para que uma criança comece a conviver com um cachorro é de seis anos. Antes disso, como as crianças ainda não têm noção de sua força, podem sem querer brincando ferir os cachorros, e serem revidados pelo cachorro com mordidas e arranhões. E dependerá dos pais estabelecer o limite das atitudes toleráveis tanto aos filhos como aos cachorros e evitar disputas de espaço e atenção, de um tempo para que ambos se conheçam, porem deve-se ficar atento ao comportamento do cachorro. 

E é preciso deixar claro para a criança, que o cachorro não é um brinquedo, pois eles sentem dor e também se machucam, ficam doentes, e precisam de atenção e carinho, e também deve-se evitar brincadeiras ou agarramentos que possam machuca-los e provocar uma reação defensiva, porem agressiva dos cachorros. E para evitar acidentes, o cachorro preferencialmente deve ter pelo menos seis meses, fase em que já tem capacidade de fugir de uma situação sufocante ou que o coloque em perigo. O melhor tamanho para cachorros que convivem com crianças, são os cachorros de porte médio e grande, e que possuam uma personalidade brincalhona e dinâmica para poderem acompanhar o ritmo das crianças. 

E a criança não deve assumir todas as responsabilidades sobre o cachorro, pois desta maneira as atividades entre os dois ganharão conotação de obrigação e a criança deixará de usufruir e ter um prazer natural com o seu amigo e companheiro. A missão da criança a principio deve ser cuidar para que seus brinquedos não fiquem ao alcance do cachorro para não correr o risco de que o cachorro os danifique ou destrua. E é tarefa dos adultos educarem os cachorros para que respeitem as regras da casa, e como os cachorros dependendo do tamanho, têm brincadeiras um pouco bruscas, devem aprender a serem mais tranquilos e comedidos com as crianças. 

E até os 10 anos, o convívio com os cachorros ou outros animais deve ser supervisionado por um adulto. É importante que uma relação saudável seja incentivada, convide seu filho para participar da escovação, do recolhimento das fezes, do passeio com o cachorro e das brincadeiras. Assim, a criança desenvolverá um senso de responsabilidade e compaixão e, aos poucos, naturalmente cria-ra seus próprios elos de amizade e carinho no relacionamento com o cachorro. Porem se o cachorro começar a demonstrar um comportamento de disputa de espaço com a criança,rosnar e ficar com ciumes é preciso tomar uma atitude imediata para evitar que ocorra um acidente, não permitindo que a criança brinque ou fique sozinha com o cachorro. E gradualmente ir entrosando e acostumando com cuidado a criança com o cachorro, e ir orientando e repreendendo se necessário o cachorro a aceitar a gostar da presença da criança. 

Geralmente este é um comportamento emocional e passageiro nos cachorros, mas caso seja necessário é recomendável que se consulte um veterinário ou um especialista em comportamento de cachorros. Seu filho quer ter um cachorro, porem antes de adotar o seu novo amigo, considere se o seu filho é maior de seis anos, pois assim poderá interagir melhor com o novo companheiro. Analise inclusive se você terá tempo para cuidar do cachorro, e não deixe a criança se sentir totalmente responsável pelo cachorro, pois a relação dos dois deve ser apenas de amizade. E também de preferência a adoção de um cachorro com mais de seis meses de vida, e ensine a criança a ter responsabilidade a cuidar e guardar de seus brinquedos para o cachorro não os danificar. Ensine também seu filho a fazer carinho no cachorro, porem sem machucar, deixando claro para a criança que o cachorro não é um brinquedo, que tem sentimentos, sente dor, fica triste, e que precisa de atenção e carinho para ser feliz.

COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado

.COMO ACABAR COM AS PULGAS!