.

sexta-feira, julho 11, 2014

Faro dos Cachorros.



Faro dos Cachorros: O olfato é o sentido mais aguçado e desenvolvido nos cachorros, tendo este sentido nos mesmos um grande grau de evolução e complexidade, sendo portanto o olfato o sentido mais importante e consequentemente o mais utilizado, possibilitando aos cachorros se protegerem e tambem a sua matilha, por poderem perceber e identificar com facilidade e rapidez a aproximação ou a presença de predadores inimigos, a farejar e caçar as suas presas ou na busca e reconhecimento de outros alimentos, a encontrar filhotes perdidos ou outros integrantes da matilha. exercendo então o olfato uma função essencial, na sua dinâmica de ação e no seu comportamento , proporcionando aos cachorros uma percepção e uma sensibilidade olfativa sofisticadas e com uma capacidade e um potencial de percepção e distinção de odores extraordinarios. 


Sendo constituído o sofisticado e evoluído sistema alfativo dos cachorros, por narinas pares, que são os orifícios externos, por narinas internas ou coanas, câmaras ou cavidades nasais, células receptoras, nervos alfativos e os bulbos olfativos do cérebro. E há diferenças marcantes e significativas entre o sistema olfativo dos cachorros e outros mamíferos, tanto quanto as dimensões e a anatomia das estruturas olfativas, quanto ao potencial de percepção e identificação dos odores. Pois os cachorros alem de terem uma capacidade de percepção e distinção de odores muito superior a grande maioria dos mamíferos, incluindo os seres humanos, tambem são capaz de fazê-lo com uma quantidade ínfima de concentração de odores. E todo este evoluído e sofisticado sistema olfativo, ainda é auxiliado por um movimento respiratorio diferenciado e especifico. 


Que difere do padrão respiratorio normal dos cachorros que é o farejamento, pois o farejamento possibilita que uma maior quantidade de substancias odorificas concentradas chegue próxima à mucosa olfativa. Aumentando ainda mais, e de maneira significativa o seu potencial de percepção de odores. E através do farejamento, o ar é inspirado profundamente, ficando aprisionado nas cavidades nasais, ao contrário do ar inspirado através da respiração padrão normal, que é conduzido para os pulmões. O aprisionamento das moléculas das substancias odorificas, ocorre através de uma câmara formada por uma estrutura óssea presente no focinho dos cachorros. As células olfativas encontram-se situadas em uma área sensorial, denominada mucosa olfativa. 


Em termos comparativos, nos seres humanos esta mucosa tem uma dimensão media de aproximadamente 5cm², já nos cachorros está mesma mucosa olfativa possui uma dimensão de aproximadamente 150cm². Ou seja, uma dimensão incomparavelmente superior, alcançando inclusive está extensa área devido ao grande número de conexões e invaginações. A mucosa olfativa é coberta por uma camada de muco, secretado pelas glândulas de Bowman, dentro do qual as moléculas transportadas pelo ar, que criam a sensação de odor, penetram e ficam concentradas de maneira que, mesmo quando as concentrações de moléculas das substancias odorificas são pequenas, há facilmente a possibilidade da percepção e da distinção do odor destas substancias. 


No epitélio do sistema olfativo dos cachorros estão presentes aproximadamente 24 tipos diferentes de células olfativas, existindo assim a possibilidade de percepção de mais de um milhão de odores. Cada célula olfativa possui entre 100 e 150 cílios, que são protuberâncias na membrana da célula, responsáveis por captar as moléculas que causam o odor e transmitir esta informação para as células. Assim, os receptores estão, em sua maior parte, localizados nos cílios das células olfativas. Os seres humanos possuem cerca de 5 milhões de receptores olfativos, enquanto que os cachorros possuem uma quantidade imensamente superior, que é de cerca de 220 milhões. Inclusive nos cachorros estes cílios são mais longos e em maior número do que nos seres humanos, e tambem tambem da grande maioria de outras espécies. 


Aumentando de forma significativa, a sua sensibilidade e a capacidade perceptiva e seletiva de seu sentido do olfato. Cada célula receptora é um neurônio que transmite as informações olfativas para o bulbo olfativo, que é a parte do cérebro responsável pela interpretação dos odores. A sensibilidade aos odores é fortemente influenciada pela genética, isso significa que há variações entre as diversas raças. A raça Bloodhound é considerada a de melhor olfato, seguida do Pastor Alemão, ambas as raças possuem mais de 200 milhões de células olfativas. Portanto a acuidade olfativa é variável, e de acordo com a raça do cachorro, pois ela depende da superfície da mucosa olfativa, do número de receptores, assim como a anatomia facial que determina a direção da corrente aérea. 


O encurtamento do crânio dos cachorros braquicefálicos ( Buldogs e Pugs), cria um obstáculo à circulação do ar. Da mesma forma, a sensibilidade olfativa está correlacionada com a pigmentação da mucosa olfativa, sendo que, quanto mais escura, melhor é esta sensibilidade. E a fêmea tambem é mais sensível aos odores que o macho, e esta sensibilidade varia de acordo com o ciclo sexual, sendo maior durante a fase do cio. E quando o cachorro envelhece, o olfato é o primeiro sentido a declinar devido à atrofia das mucosas nasais e à degradação do tecido nervoso. Os cachorros ainda possuem narinas móveis que facilitam ainda mais a sua capacidade de percepção dos odores. 


Os odores exercem uma forte influência na fisiologia e no comportamento dos cachorros, e as suas memórias alfativas podem durar toda uma vida. Assim como o cérebro humano é estruturado para aprender idiomas, grande parte do cérebro do cachorros é voltado para a interpretação de odores. Pelo olfato os cachorros conseguem detectar um conjunto muito grande de animais de sua espécie, através dos odores liberados junto da urina e das fezes de outros animais. As fezes, por sua vez, trazem muito mais informações e num nível maior de detalhes que a urina, explicitando o seu status dentro de sua matilha e seu nível de segurança. E quanto maior a quantidade de marcas deixadas por um cachorro, mais poderosa é a sua posição dentro da sociedade canina. 














Extermínio de Cachorros.



Extermínio de Cachorros: Todas as Entidades Defensoras dos Animais, Ongs e simpatizantes da causa animal, defendem fortemente que todos os esforços possíveis devam ser feitos para se evitar a eutanásia de cachorros e outros animais sadios. Entretanto o que ocorre, no Brasil e em praticamente todo o mundo, é uma luta incessante para promover principalmente a posse responsável e a criação de locais adequados para abrigar os cachorros já existentes.


Porem infelizmente, além disto ainda estar longe de ser uma realidade, há tambem muita omissão, negligência e irresponsabilidade tanto por parte dos responsáveis que não se preocupam com a procriação excessiva e descontrolada o que vem a gerar posteriormente muitos abandonos de cachorros e o próprio poder publico que nada faz de concreto para solucionar o problema, que tambem é uma questão de saúde publica, e nem sequer para ao menos amenizar o sofrimento dos cachorros abandonados, resumindo-se a recolher através das clássicas "carrocinhas" os pobres e infelizes cachorros que foram covarde e cruelmente abandonados nas ruas, para posteriormente sacrifica-los, sob alegação que não há outra solução, ou seja, é a "solução final" que foi muito utilizada por Hitler nos campos de concentração.


Pois somente em São Paulo, todos os anos chegam ao Centro de Controle de Zoonoses, cerca de 30 mil cachorros recolhidos das ruas, deste total, aproximadamente 20 mil serão sacrificados. E mesmo nos EUA, onde a proteção e o cuidado com os animais é algo culturalmente já inserido na sociedade, e é uma atividade estruturada e respaldada pela própria sociedade, o numero de cachorros e outros animais sacrificados tambem é muito grande, porem estes são somente os dados oficiais.


Sabe-se que, quando a quantidade de cachorros confinados a um mesmo espaço é grande (o que, infelizmente, é a mais pura realidade da maioria dos abrigos públicos), muitos cachorros morrem devido a disseminação de doenças infecciosas ou até mesmo por fome por causa da carência e da falta de alimentos, o que gera uma competição por comida.  Sendo assim, e diante deste quadro cruel e dramático, a sociedade deve se concientizar que a solução para o gravíssimo e abominável problema dos cachorros e outros animais abandonados deve começar imediatamente com medidas, ações e atitudes como o controle de natalidade (para impedir a procriação indesejada) e a uma educação, concientização, cobrança e penalização dos proprietários irresponsáveis e inconsequentes e principalmente dos que abandonam impunemente cachorros e outros animais nas ruas..


Medidas estas que a médio e longo prazo certamente surtirem efeitos muito positivos, e poderiam vir a modificar profundamente e pra melhor a realidade do quiadro atual. Entretanto por enquanto, e a curto prazo, é praticamente impossível impedir o sacrifício de grande maioria dos cachorros e outros animais recolhidos das ruas. Pois como não existe uma cultura de adoção efetiva, a opção ao sacrifício ou ao abandono nas ruas é eles ficariam acumulados em abrigos superlotados, convivendo com doenças, com a falta de comida e sem a menor qualidade de vida.



Cachorros - Glandula Tiroide.


      

Cachorros - Glandula TiroideAssim como nos humanos, como no caso recente envolvendo o ex-jogador Ronaldo Fenómeno, em que o ele mesmo afirmou que tambem sofre de problemas de alteração na grandula tiroide. Os hormônios também são essenciais para a saúde, e a harmonia no funcionamento do organismo dos cachorros e outros animais. E dentre todos os desequilíbrios hormonais, os localizados na glândula tiróide são os que mais acometem os cachorros. Os hormônios tiroxina (T4) e triidotironina (T3), são produzidos pela glândula tiróide, que estão localizada no pescoço do cachorro, em ambos os lados da traquéia.


E os hormônios tiroidianos influenciam o metabolismo de importantes funções do corpo como a frequência cardíaca, o controle da temperatura corporal e até as funções relativas a mente. E a deficiência desses hormônios, leva a uma diminuição da taxa metabólica, o que significa uma redução no ritmo e na velocidade que a células trabalham. E a redução dos níveis dos hormônios tiroidianos, podem ocorrer por uma série de fatores, e levam a um quadro conhecido como hipotiroidismo. E inflamações na glândula, ou uma falha crônica com a atrofia, e em casos raros, tumores na tiroide, podem ser os responsáveis pela diminuição da secreção desses hormônios.


É comum os responsáveis pelos cachorros, esquecerem que várias funções do organismo mesmo, são suscetiveis a sofrerem alterações. Por isso muitas vezes, o cachorro manifesta sintomas de problemas hormonais, e o responsável não tem a mínima ideia do possa estar que está causando as alterações. E muitas vezes tambem, releva e negligência o problema, e quando vai procurar auxilio veterinário, a enfermidade já evolui bastante, podendo estar até em uma fase critica. E os sintomas mais comuns do hipotireoidismo, e que se manifestam nos cachorros acometidos, segundo os veterinários são, o ganho ou perda de peso rápidos e acentuados, intolerância ao frio, sonolência ou apatia e uma variedade de alterações na pele ou nos pelos.


As alterações cutâneas mais comuns são perda de pelos, mudanças na cor e qualidade do pelo, e predisposição a infecções cutâneas. Já os sinais menos comuns incluem alterações reprodutivas e neurológicas. O diagnóstico de hipotireoidismo é feito dosando-se a concentração dos hormônios tiroidianos (T3, T4 e T4 livre) no sangue. Se as concentrações desses hormônios estiverem baixas, outros testes podem ser realizados para determinar se a diminuição é por problema na tiróide ou por outras doenças ou medicamentos. É preciso estar atento aos cachorros que apresentam alterações de peso mesmo quando se alimentam com uma dieta balanceada. É tambem é muito importante sempre buscar atendimento veterinário em clínicas ou hospitais veterinários que possuam estrutura adequada para solicitar ou oferecer os exames laboratoriais necessários para diagnosticar quadros como o de hipotiroidismo. O hipotiroidismo acomete com maior frequência cachorros de médio e grande porte.


E as raças mais propensas a desenvolverem a doença são, o Labrador, o Golden Retriever, o Dobermann, o Boxer, o Cocker e o Sheepdog. Pois todas as patologias apresentam raças mais ou menos propensas a manifestarem as mesmas, e ainda não há uma explicação cientifica ou genética para esse fator. Entretanto alguns estudiosos especulam que o hipertiroidismo incidente sobre estas raças, é uma consequência dos cruzamentos e da seleção natural que aconteceu ao longo dos anos. No entanto, apesar dos gravidade da hipertiroidismo, e dos sintomas e da abrangência das alterações provocadas no organismo dos cachorros provocados pela doença, o hipertiroidismo pode ser facilmente tratada com medicação oral e geralmente os sintomas e as alterações provocadas no organismo do cachorro por ela começam a melhorar após as duas primeiras semanas de tratamento. E geralmente, na maioria dos casos, o tratamento e acompanhamento do cachorro que apresenta o hipotiroidismo tem que ser administrados de forma vitalícia, ou seja, durante toda a vida do cachorro.



Cachorros e Cigarros.



Cachorros e Cigarros: Um dos assuntos mais polêmicos ultimamente tem sido a implantação das leis anti-fumo no Brasil. Neste momento em que todos se preocupam com o cigarro e suas consequências. Também é hora de pensarmos nas consequências do fumo nos cachorros e outros animais domésticos, que são nossos companheiros próximos no dia-a-dia. Pois a fumaça expelida pelos cigarros tambem os afeta gravemente, assim como aos humanos. Porem no caso dos cachorros alem de fumarem involuntariamente, tambem fumam inconscientemente, pois assim como as crianças, eles tambem são vitimas inocentes do fumo passivo.


Que é a 3ª maior causa de mortes no mundo, e a origem da maior parte dos problemas respiratórios, principalmente em idosos e crianças, e que atualmente tambem compromete seriamente a saúde dos cachorros. Porque a fumaça proveniente dos cigarros, pode causar graves problemas cardiorespiratórios nos cachorros. E os que estão expostos ao fumo passivo, tem uma maior incidência de neoplasias [cânceres], que estão diretamente relacionadas à uma exposição frequente e continuada de fumaça procedente de cigarros.


Inclusive as alergias respiratorias tendem a se agravar, e a bronquite tem uma piora considerável. E a tosse manifestada devido a presença do cigarro, é um sintoma, e um sinal que pode indicar a presença de um problema crônico e grave no sistema cardiorespiratorio do cachorro. Devendo se procurar imediatamente auxilio medico veterinário. Entretanto é mais do que recomendável, e até mesmo uma obrigação moral, não esperar que o cachorro manifeste algum sintoma proveniente do fumo passivo, para só então decidir afastar o cigarro do mesmo.


O ideal seria aproveitar a oportunidade, e parar com o cigarro em definitivo, que é o melhor para todo mundo, principalmente para a saúde do fumante. Entretanto se isto não for possível, deve-se não somente por obrigação moral, mas por uma questão de consciência, fumar somente em ambientes abertos e ventilados, e sem a presença do cachorro. Porque até o cheiro residual do cigarro que fica impregnado nas roupas e móveis, já é um fator irritante para as vias respiratórias que são muito mais sensíveis nos cachorros do que nas pessoas, e isto vale para os gatos tambem.


Pois o esforço de não fumar, em locais onde os cachorros e outros animais circulam traz como recompensa, não só uma consciência tranquila, mas tambem a preservação da saúde deles. Entretanto vale lembrar tambem, que não é só em casa que podemos ao fumar prejudicar a saúde dos cachorros. Pois tambem ao jogar-mos bitucas no chão, além de poluirmos o ambiente, colocamos tambem outros cachorros em perigo, pois eles podem se queimar e até comer os restos destas bitucas ou filtros.


E se o seu cachorro era um fumante passivo cronico, e agora devido a sua concientização já não é mas, mesmo assim, em virtude ao tempo de exposição do mesmo ao fumo passivo, deve-se ficar atento em caso de aparecimento de qualquer sintoma de crise alérgica respiratória e procurar imediatamente um medico veterinário.

Cachorros - Maturidade Sexual.




Cachorros - Maturidade Sexual: A ocorrência de cio nos cachorros, acontece somente nas cadelas pois somente elas entram no cio, porque os machos estão sempre aptos e prontos para cruzar. E as cadelas atingem a sua maturidade sexual em media entre os seis a sete meses de idade, tendo posteriormente repetição destes ciclos em um prazo aproximado que varia de seis em seis meses. E normalmente, com envelhecimento das cadelas, o intervalo de tempo entre estes ciclos tendem a se alongar, porem as cadelas têm cio até o final da sua vida.

E o cio tem uma duração que varia entre  18 a 21 dias, entretanto a fêmea só aceita a cobertura do macho somente durante alguns dias, normalmente após a metade do período. A primeira fase do cio pode ser observada pelo inchaço dos lábios da vulva. ocorrendo também um  sangramento que vai de leve a moderado, porem algumas cadelas não apresentam sangramento durante o cio. Nas fêmeas que apresentam esta caracteristica, que se denomina cio seco é difícil identificar o momento da ocorrência de cio e isso pode se tornar um problema com serias consequências.

Pois acasalamentos indesejáveis poderão acontecer, em cadelas mais velhas e comum também a ocorrência de cio seco. E na segunda metade do cio, há uma diminuição significativa no sangramento com as cadelas permitindo a monta e o acasalamento com os machos . Os machos podem detectar o odor das fêmeas no cio a uma grande distância, um feromônio é eliminado junto com a urina das cadelas nessa fase, e é este feromônio que exala o odor que atrai os machos. E o final  do cio é notado pela diminuição evidente da região genital e durante este período é quando a fêmea passa a rejeitar o macho.

E para se evitar que a cadela fique prenhe durante o período do cio,  não se pode permitir que ela tenha contato com machos, principalmente do 7o. ao 15o. dia e no final do cio. A  castração é uma excelente opção para se evitar definitivamente o cio e a gestação nas cadelas. pois após a castração as fêmeas não terão mas o inconveniente do cio e também o risco de acasalamentos indesejáveis.  E evite também o uso de anticoncepcionais, pois é um método que apresenta varias contra indicações, e o sua utilização acarreta vários problemas de saúde as cadelas. Para maiores informações e esclarecimentos, consulte um veterinário.  

COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado