.

sexta-feira, agosto 01, 2014

Degeneração Articular - Cachorros.



Degeneração Articular - Cachorros: Não são apenas os seres humanos que mudam os hábitos do dia a dia conforme a idade vem chegando, os cachorros também passam por isso, e é por esse motivo que é preciso ficar atento. Se o seu cachorro começar a mancar, diminuir suas atividades físicas, relutar ou ter dificuldade de subir escadas ou pular, ele pode estar com os sintomas da chamada Doença Articular Degenerativa (DAD), e esta doença é o quarto motivo que mais leva os cachorros a visitarem os veterinários.

Normalmente, os cachorros de porte grande e gigantes são os mais propensos a manifestarem a doença, entretanto observa-se tambem a DAD em cachorros de pequeno e médio porte. E segundo veterinarios especialistas em ortopedia, as causas mais freqüentes que dão inicio a DAD em cachorros são as rupturas do ligamento cruzado cranial e displasias, mas qualquer doença envolvendo as articulações pode desencadear a DAD, até mesmo a falta de movimentos articulares (sedentarismo) provoca degeneração articular.

E o diagnóstico precoce facilita o tratamento indicado em cada caso, que pode ser clínico ou cirúrgico, o primeiro sinal de dificuldade de locomoção por parte do cachorro, deve ser motivo para procurar a opinião de um médico veterinário, especialmente em filhotes, pois há o perigo da doença passar desapercebida pelos proprietários e causar problemas mais sérios com o passar do tempo. Um dos principais fatores envolvidos no aparecimento da doença é o peso do animal, que implica na carga aplicada em suas articulações, hoje em dia sabe-se que cachorros em forma, apresentam menos possibilidades de desenvolverem lesões articulares.

E tambem cachorros com idade avançada, e que tem o costume de fazer movimentos não-naturais, como pulos em excesso ou andar sobre as patas traseiras, também tem maior sucetibilidade de desenvolver a doença. Há a necessidade de exercícios e de medidas preventivas, e o ideal é que os cachorros sejam criados em pisos não lisos, com espaço para brincarem, se exercitarem, e tambem fazerem passeios diários, terem um controle do peso e uma alimentação de boa qualidade. Além disso, existem reguladores de posição da comida para cachorros altos e acolchoados que podem evitar os famosos calos de apoio nos cachorros de grande porte.

E em relação ao Tratamento, existem várias opções, que vão desde medicamentos para a amenizar a dor ou para reduzir a velocidade da degeneração articular, até cirurgias. Há também, tratamentos complementares como reabilitação física, acupuntura e homeopatia, todos vizando melhorar a qualidade de vida do cachorro e retardar a progressão da doença. pois estes são os objetivos do tratamento, porem infelizmente a Doença Articular Degenerativa não apresenta cura.

E por recomendação de médicos veterinários, deve-se evitar que o cachorro com DAD, fique subindo e descendo escadas, mesmo que ele não manifeste desconforto ou dor, pode-se manter os passeios, porem algumas brincadeiras que exijam muito esforço ou energia devem ser abandonadas. E em casa deve-se evitar que o cachorro faça movimentos que não sejam naturais, para impedir o agravamento de seu quadro, pois a DAD alem de incuravel tambem é crônica.

Cachorros - Horror e Agonia.



Cachorros - Horror e Agonia: Esta postagem descreve a provável sensação de medo, horror e agonia que um cachorro sente ao ser submetido a este terrível procedimento. Que é ser utilizado com vida, em uma aula de dissecação anatómica num curso de medicina veterinária. E antes desta indiferente e cruel experiência derradeira, ele é deixado isolado, numa sala escura preso numa gaiola, juntamente com outros cachorros e demais animais. E todos igualmente aguardando de forma passiva e inconscientemente, o mesmo trágico e tenebroso destino. E no silêncio e na solidão da noite, ele acaba ficando acordado com medo e em agonia, na expectativa e pressentindo algo entranho e sinistro. Pois já se cansou de latir, uivar, e agora apenas espera resignado e sem esperanças, pelo terrível destino.

Que mesmo não conseguindo prever nem saber que destino o aguarda, consegue de forma apavorante pressenti-lo. E ele foi trazido, para está sala fria e escura provavelmente de um Centro de Controle de Zoonoses de alguma prefeitura. E depois de ter sido capturado nas ruas, sem ter um lar, sem ter um nome, esteve próximo da execução no Centro de Controle de Zoonoses. Porem alguém interveio e se apropriou dele, mais precisamente uma faculdade de medicina ou veterinária, entre as muitas que ainda se utilizam deste procedimento abominável e monstruoso, para com os cachorros e outros animais. O tempo parece não passar, só existe a companhia e os e ruídos de lamento e desespero de outros cachorros e demais animais. E para piorar o quadro dramático e dantesco, ainda são privados de alimentos, pois são mantidos em jejum, pois faz parte do procedimento para a aula de dissecação.

E o cachorro se mantém inerte e em silencio, como se anestesiado pela pavorosa e implacável realidade, e a única coisa que os seus olhos conseguem ver, alem das grades da gaiola é a desesperança. Então de repente, uma porta se abre, e um homem vestido com uniforme entra na sala, e todos os cachorros em uma atitude de ansiedade, medo e desespero começam a latir incessantemente. Mas o cachorro se mantem frio e estático na sua gaiola, e apenas pressente impotente o seu trágico destino, e acompanha com os olhos a todo a movimentação. Vê as grades se abrirem, até ser seguro por mãos firmes, e é retirado imediatamente da jaula, sem o menor carinho ou compaixão. E o homem de uniforme, o retira tambem da sala fria e escura, e os latidos de lamento e desespero dos outros cachorros vão ficando cada vez mais distantes.

Cruzam um corredor de paredes brancas e janelas gradeadas, e depois de passarem por uma porta, o cachorro se-vê diante de varias de pessoas, e todos vestidos com jalecos brancos. Sentindo e farejando no ar, o cachorro percebe o ambiente pesado e sinistro, e o pavor, o medo e o desespero tomam conta do seu ser. E ele implora, tremendo e chorando, por algum tipo de compaixão ou ajuda, mas a única resposta que recebe, é o silêncio e a desfaçatez de todos. E um outro homem de jaleco branco, certamente o professor que vai ministrar a aula de dissecação para a turma, toma-o fria e mecânicamente, das mãos do primeiro homem. E absolutamente sozinho e impotente, o cachorro olha ao em redor, mas só vê nas pessoas frieza e indiferença. E ai vê e ouve o professor falar aos estudantes, e vira o alvo da atenção e dos olhares de todos. E todos ficam em silêncio, atentos a cada palavra do homem de branco, que o manipula sem a menor delicadeza, com as suas mãos percorrendo e apertando todo o seu corpo.

Chega então o momento em que o professor, ou o homem de jaleco branco para de falar, e os alunos todos tambem de jalecos brancos acercam-se do cachorro. E juntos, colocam o cachorro sobre uma fria mesa metálica de costas, e enquanto os alunos o seguram, o professor o estende e amarra as suas patas, mantendo-o nesta posição. O cachorro assiste a tudo, tente resistir, lutar, se mover, mas impotente e resignado é obrigado a se submeter. Sentem manipularem e pressionarem sem nenhuma gentileza ou compaixão todo o seu corpo, seu crânio, sua barriga, e seu dorso. E sob um imenso terror, desespero e tensão, o cachorro vê todos os movimentos e escuta todas as palavras e instruções do homem de jaleco branco, mas são movimentos, palavras e instruções que ele não entende. Porem se pudesse entender, o seu sofrimento seria ainda maior, pois teria consciência do terrível, abominável, cruel e desnecessário procedimento de que viria a ser a vitima.

Então, de repente o cachorro sente uma picada, pois estão aplicam-lhe uma injeção anestesica, mas ele continua consciente, porem não pode mais se mover. E ele consegue escutar um som metálico, de uma caixa que é colocada ao seu lado, e um estudante de jaleco, tira um objeto e o entrega ao professor. E o cachorro sente o seu coração batendo no peito, e os seus pulmões respirando com rapidez, e está sensação fica cada vez mais angustiante. Já não consegue ver com muita nitidez, mas consegue ouvir os ruídos e os sons das conversas na sala, e tenta olhar ao redor de si, mas só consegue ver objetos metálicos e frascos escuros e cartazes com desenhos. Nesse momento, o grupo aproxima-se e se fecha ao seu redor, varias pessoas de jalecos brancos, sendo que o mais próximo é o professor. Que a seguir manipula o objeto metalico, brilhante e pontiagudo, que lhe foi entregue por um aluno, em sua direção.

Então logo a seguir o cachorro sente uma terrivel dor aguda, pois de uma forma fria, e sem nenhum sentimento de piedade, o professor começa a corta-lhe a barriga, E o seu coração dispara, e ele tenta em vão desesperadamente soltar-se, mas nada acontece, pois devido a anestesia seu musculos não respondem. E a dor vai ficando cada vez mais insuportável, e os seus pulsos estalam, o seu pescoço incha, seus olhos ficam vermelhos, e um gemido de agonia escapa por sua boca já inerte. Mas impotente ele não consegue ganir ou desabafar a terrivel dor, que se apossa de seu corpo quente e pulsante. So lhe resta a resignação conciente, e a assimilação do sofrimento e da dor, em seu ventre que arde e queima enquanto o bisturi avança. E o cachorro tenta ao menos gemer ou gritar, para tentar dissipar a dor, mas o som perde-se na garganta. Não mas se consegue distinguir nenhum som, apenas o barulho desconexo de um lamento de dor, pois so lhe restou o som das batidas do seu coração.

E as demais pessoas de jaleco branco, com seus rostos serios e rigidos, com um olhar atento e indiferente, mas que porem evitam cruzar os seus olhares, com o olhar de agonia, desespero e dor expressado pelo cachorro. Que agora quase inconsciente, já tem a sua visão vacilante e embaçada e sua respiração ofegante, e sobre a mesa fria, só consegue tremer e gemer de dor. Mas ainda está vivo e consciente, e sua mente delira de agonia, e seu sangue vivo e quente jorra escorrendo pelo seu dorso. E ele ainda consegue sentir o bisturi rasgando suas entranhas, e suas vísceras sendo manuseadas. Porem o seu coração bate cada vez mais fraco, e seus olhos se escurecem, e se fecham lentamente, a sua respiração diminui drasticamente, quando então, ele inerte ele dá o seu ultimo e quase silencioso gemido de dor, e o seu ultimo e derradeiro suspiro, que o liberta desta desumana, pavorosa e agoniante experiência. E a questão crucial, e a que fica é, não existe outra alternativa que não está, de submeter os inocentes e indefesos animais a tamanha crueldade e sofrimento? Sera que os seres humanos, tem o direito de tratar os animais desta maneira repugnante, indgina, impiedosa e desumana? E você o que acha?




Alagamentos - Cachorros.



Alagamentos - Cachorros: Alagamentos, queda de barreiras ou qualquer outra catástrofe natural são temas de tragédias preferidos pela mídia em geral, entretanto, a grande questão é a forma como estes fatos são abordados. Pois existem diversas maneiras de se expor uma matéria, porem à imprensa as focalizam sempre com o mesmo olhar, e do mesmo ângulo.É neste olhar, não existe um angulo em que se possa focalizar os animais. Pois os assuntos relacionados a eles, são de interesse, na visão distorcida da grande imprensa, de uma minoria. Principalmente quanto são assuntos relacionados ao fim da exploração e da crueldade contra os  animais. Porque a notícia antes de ser uma fonte de informação, é um produto e uma mercadoria a ser.“Vendida” e falar sobre animais não da audiência ou "ibope", então matérias sobre animais não merecem destaque. O que resultado em uma falta de cobertura quase que total da mídia em geral sobre a situação dos animais vitimas de catástrofes.

E quando o fazem, é de forma limitada e superficial, como o caso de uma noticia sobre um cavalo que.havia ficado preso entre os escombros de uma casa e uma árvore ainda o prendia, a mídia noticiou o. fato ocorrido, no entanto não deu mais informações,.e não se sabe se ele foi resgatado e conseguiu sobreviver, ou se continua lá até agora, e consequentemente morreu. Por causa do desprezo e o descaso em relação aos animais, o publico em geral só é informado do superficial, pois a mídia não se interessou e não se deu ao trabalho de acompanhar o desdobramento do fato ocorrido com este e outros animais. E tambem não. informa ou cobra por parte do poder público uma maior atenção e um maior cuidado para com os animais, que tambem foram vitimas potenciais da tragédia da Região Serrana. Simplesmente não ha. interesse por parte da grande mídia sequer em informar o drama sofrido pelos animais. Ou seja, para a mídia empresarial, que é regida pelos índices de audiência, o sofrimento e a vida dos animais não tem a menor importância.

Houve casos de abrigos de animais, localizados na Região Serrana, em Nova Friburgo e Teresópolis que foram atingidos por deslizamentos e enchentes, ficando isolados em uma situação calamitosa e desesperadora, com centenas de animais correndo risco de morte, com frio, fome e sede, alem de. vários gravemente feridos. E que se não fosse pelo socorro, ajuda e colaboração de entidades protetoras dos animais e tambem de voluntários, a tragédia teria se consumado, e o drama e sofrimento dos animais teria se transformado em uma tragédia muito maior. E graças ao precioso auxilio destas entidades e dos voluntários foi possível salvar a vida de centenas de animais, inclusive muitos que estavam gravemente feridos. Enquanto que a grande mídia e o poder publico, foram totalmente omissos, e nada fizeram para ajudar ou ao menos divulgar a situação calamitosa, dramática e desesperadora vivido por estes animais. Que por não serem considerados uma vida, mas sim. seres inferiores e desprezíveis foram totalmente ignorados e deixados para morrer a mingua.

Inclusive o poder público não possui qualquer tipo de estratégia para o auxilio e resgate de animais neste tipo de situação Embora os meios de comunicação não tenham como obrigação ajudar a salvar animais em situação de catástrofe, a mídia tem o poder de ao divulgar os fatos concientizar, influenciar e solidarizar aos que assistem o noticiario, e que tem a possibilidade de ajudar. Principalmente o poder publico que não somente tem a possibilidade, como tambem deveria ter aa obrigação. Entretanto o poder publico, não tem o menor interesse ou preocupação com assuntos relacionados aos animais. Pois já existem milhares de animais abandonados famintos e doentes pelas ruas das grandes cidades, com total omissão das autoridades constituídas. E seria no mínimo uma grande ilusão, esperar algum tipo de auxilio ou preocupação para com os animais vitimados por esta e outras tragédias por parte do poder publico. E em relação à omissão da mídia, houve tambem o caso da senhora que foi resgata por pessoas de um prédio próximo, mais a mídia sequer comentou sobre os três cachorros que lhe pertenciam. 

E estavam juntamente com ela, passando pelo mesmo drama. E da escolha que ela teve de fazer para tentar salvar ao menos um, ao invés de simplesmente largá-los lá, e só pensar em sua própria vida. Mas que infelizmente acabou com todos os cachorros sendo levados pela enxurrada. E depois ela extremamente triste disse em um site que lamentou profundamente não poder ter feito nada para salvar a vida dos seus bichinhos de estimação. Entretanto a mídia pouco ou nada falou a respeito da vida perdida destes três animaizinhos, e a tristeza desta senhora por tê-los perdidos. Não dando a menor importância, ao fato da senhora ter. tentado salvar ao menos um cãzinho e não ter conseguido. Parecia ao ver na TV, que o cachorrinho que a senhora não conseguiu salvar, e os outros dois que não puderam ser carregados, eram apenas pares de sapatos velhos, ou simples objetos descartáveis. Pois se a mídia tivesse dado mais atenção aos animais vitimados pela tragédia da Região Serrana, muitos animais que perderam a vida poderiam ter sido salvos.

Pois uma grande quantidade ficou perdida, sem água ou comida, e que no desespero de seus donos foram simplesmente abandonados em áreas de risco, alguns até presos por correntes. Muitos foram levados pela enxurrada, alguns morreram afogados ou soterrados, e muitos ficaram gravemente feridos. E os jornais e noticiários simplesmente pouco ou nada falaram, houve abrigos de animais abandonados que foram seriamente atingidos, cavalos que morreram, e outros tiveram ferimentos gravíssimos e até faturas expostas tendo que ser sacrificados. Se as notícias sobre os animais que foram vitimas deste drama, fossem mais difundidas, com certeza haveria mais ajuda, e muitos dos animais que morreram poderiam ter sido salvos. Pois as ONGs que estão atuando no auxilio e resgate destes animais, como a participação de voluntarios, praticamente trabalharam sozinhas principalmente no inicio, sem nenhuma colaboração do poder publico ou orientação e informação por parte da mídia.

As ONGSs heróica e eficientemente montaram toda uma estrutura para mapear a área, localizar, socorrer e resgatar os animais, e tambem arrecadar donativos que foram e ainda são essenciais, como rações, medicamentos, jornais e até dinheiro, para serem depositados em contas bancárias. Porem muitas pessoas que queriam participar de alguma forma, não o conseguiram fazer, pois para saberem notícias sobre como ajudar os animais, era preciso buscar informações na internet, pois em outros meios de comunicação quase nada era falado. É lastimável e vergonhosa a situação dos animais no Brasil, e isto já prevalecendo em situações normais do cotidiano, porem em casos de tragédias como a da Região Serrana e similares, esta situação se torna dramatica para os animais, com total omissão, despreso e abandono. E se depende-se da atenção da mídia ou da ação do poder publico, estas tragédias para os animais alcançariam proporções imensuráveis.

Mas porem, graças à atuação heróica, na base da cara e a coragem das ONGs e dos amigos voluntários, superando todas as adversidades, obstáculos e carências com muita eficiência e determinação, o sofrimento dos animais vitimados foi bastante minimizado, com muitos sendo atendidos, alimentados, tratados e resgatados e tendo as suas vidas salvas. Em outros paises, existe toda uma cultura voltada para a consideração e o respeito pelos animais. Na Austrália, por exemplo, que tambem esta sendo atingida por fortes chuvas e inundações, há preocupação e respeito pela vida animal. Com atenção da midia, e ação por parte do poder publico, com o proposito de salvar e resgatar todos os animais vitimados, incluindo cavalos, bois e até animais selvagens, que estejam precisando de socorro. No Brasil, no entanto ha necessidade de se criar uma conscientização de que os animais são seres vivos, são vidas que apesar de serem considerados irracionais, tambem sofrem, sentem dor, fome, e frio como qualquer ser humano. E são dignos de todo respeito e consideração, pois são vitimas inocentes e indefesas dos efeitos nocivos da ação dos racionais e pretensiosos seres humanos na flora e na fauna do planeta, como desmatamentos de florestas, poluição dos rios, mares e do ecossistema com lixo, detritos e esgoto. 



COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado