.

terça-feira, setembro 09, 2014

Riscos da Anestesia - Cachorros.



Riscos da Anestesia - Cachorros: Atualmente com a evolução e com os os avanços na área de anestesia veterinária, faz-se necessário um profissional bem preparado e com treinamento atualizado para a realização de diferentes técnicas de anestesia, e está é uma condição fundamental para o sucesso destes procedimentos no tratamento anestésico de cachorros e outros animais. Pois nos últimos anos ocorreram vários avanços que proporcionaram melhorias na segurança e na eficácia do processo de anestesia, entretanto tais avanços geraram a necessidade de profissionais bem preparados e  treinados. Pois todos os anestésicos oferecem algum tipo de risco, e tambem cada cachorro individualmente reage de forma diferente a estes. 


Desta forma, os agentes anestésicos são preparados de forma individual, devendo ser específicos para cada cachorro, variando de acordo com a sua idade, o seu estado de saúde, o seu condicionamento físico e todas estas diferentes variáveis irão servir de parâmetros para os procedimentos anestésicos a serem efetuados. E para um bom procedimento na realização desta prática, é de suma importância que o profissional tenha o devido conhecimento sobre os fármacos receitados anteriormente e da fisiologia dos cachorros, tendo que ter a capacidade de identificar as particularidades existentes. Pois anestesiar um cachorro, para que se possa fazer qualquer procedimento, desde um exame clínico mais minucioso até uma intervenção cirúrgica. 


É algo muito serio e arriscado, e dependendo da situação e das circunstancias pode até significar um grande risco a vida do cachorro. E não pode pura e simplesmente se resumir a uma ação de dopar o cachorro, sem se informar sobre o seu histórico de vida e as reais condições de saúde do cachorro, para que sejam tomadas todas as precauções necessárias. Para que se possa se aplicar com tranquilidade e sem riscos, as mais avançadas técnicas e conceitos de fisiologia e farmacologia nos procedimentos de aplicação da anestesiologia veterinária. Pois para um procedimento seguro, correto e adequado, para a aplicação da anestesia veterinária para se sedar ou induzir cachorros e outros animais, há a necessidade de se analisar e interpretar previamente vários parâmetros como:  


-Exames pré-operatórios hematológicos e cardiorrespiratórios para que se possa determinar as necessidade e as condições cirúrgicas.

-Procedimentos específicos e individualizados com os pré-anestésicos, para que se possa calcular doses e administrá-los de acordo com as caracteristicas de cada cachorro. 

-Inserir correta e assepticamente e manter e estabilizar o cateter, calcular com precisão a administração de fluidos intravenosos e medicamentos, para anestesia geral ou anestesia local.

-Aplicar técnicas de anestesia inalatória, aplicar técnicas de eliminação de resíduos e do potencial de toxicidade humana.

-Anestesiar casos emergenciais, reconhecer e tomar medidas para evitar emergências anestésicas.

-Monitorar o paciente anestesiado. Isso inclui a manutenção de registros, testes de reflexo, e a utilização dos equipamentos disponíveis como estetoscópio esofágico, o eletrocardiograma, monitores de apneia, etc.

-Saber atuar corretamente em situações normais e de emergência, e fazer uma monitorização e avaliação do paciente no pós-operatório.


Pois os procedimentos anestésicos aplicados aos cachorros e outros animais, são tão complexos, sérios e arriscados quanto aos procedimentos anestésicos aplicados aos seres humanos. Devido a isto, é de fundamental importância que os responsáveis pelos cachorros se informem e cobrem junto a seu veterinário, quando de uma eventual necessidade da utilização de um procedimento anestésico, sobre os pré-requisitos e parâmetros necessários para um perfeito e seguro procedimento anestésico, como idade do cachorro, suas reais condições de saúde, e informem ao veterinário se o cachorro é acometido por alguma doença cronica e tambem se faz  utilização de algum tipo de medicação especifica de forma frequente.      




Insensibilidade - Cachorros.



Insensibilidade - Cachorros: É comum se observar em vitrines dos grandes shopping cachorros de raça como os Cocker Spaniel sendo ensaboado numa banheira ou assistir a um Poodle Toy estático passando pela tosa. Porem poucas pessoas podem imaginar ou desconfiar de que os pets shop, que são o paraíso de consumo da indústria canina no Brasil, e tambem os hotéis para cachorros estão se transformando em verdadeiros orfanatos de cachorros de raça. Pois ao contrário das "desovas" de filhotes em portas de clínicas, hospitais veterinários, parques e ONGs de defesa animal, quando a autoria é desconhecida, nesse novo tipo de abandono, chamado premeditado, sabe-se exatamente quem o cometeu, só não há como localizá-lo. 

E a cena segue quase sempre o mesmo script, o cliente chega com o bicho no colo, demonstra afeto, faz varias exigências e mil recomendações e depois promete voltar horas depois para buscá-lo. No entanto nunca mais dá as caras, e pra completar tambem geralmente fornece telefone e endereço falsos. Inclusive nos últimos seis meses, vários cachorros de raça sendo a maioria Cockers e Poodles ficaram à espera de seus responsáveis após banho e tosa em vários pet shop, isto somente na cidade de São Paulo. E para tentar coibir novos casos de abandono, as lojas inclusive passaram a exigir RG, CPF e comprovante de residência para clientes sem cadastro, e o número do telefone é checado na hora. 

E quando se consegue ao menos um contato telefonico, o que porem é um fato muito raro, os motivos alegados para o abandono são meras desculpas inconsistentes, que denotam insensibilidade, indiferença e uma grande irresponsabilidade. Alegações como um comportamento destrutivo e barulhento do filhote, pois o mesmo roí moveis e objetos pessoais, chora muito a noite, e urina em local indesejado, que é um comportamento absolutamente natural na grande maioria dos filhotes. Deficiência física do cachorro, desemprego ou crise financeira do responsável, doença crônica ou sequela de acidente,idade avançada do cachorro, mudança de casa para apartamento, fêmeas gravidas, problemas comportamentais como agressividade, ausência de socialização e adestramento, e separação conjugal. 

E é muito triste observar e acompanhar de perto a angustia, o desespero e a ansiedade de um cachorro esperando pelo responsável, que no entanto o abando-nou e nunca mas virá. Os cachorros filhotes ou mais jovens ainda se consegue encaminhar para a adoção, porem no caso de cachorros já adultos, idosos ou fêmeas gravidas, a situação já fica bem mais difícil e desesperadora para estas cachorros. Pois nem sempre casos assim têm um final feliz, pois existem varios cachorros das raças Border Collie, Lhasa Apso, alem das raças tradicionalmente abandonados Poodle e Cocker Spaniel que foram abandonados nestas condições e estão à espera de adoção. 

E todos esses cachorros deram entrada como clientes dos pet shops ou hóspedes dos hotéis caninos, mas os seus responsáveis alem de  não pagarem pelos serviços ou pelas diárias, tambem não voltaram lá para buscá-los. E este tipo de abandono, está se tornando um problema grave, pois apesar de todos os cuidados e precauções já se tornou cronico e está aumentando cada vez mais. E infelizmente, a adoção não é o destino de todos os cachorros abandonados, pois os que tem principalmente problemas de saúde, ou idade avançada, por exemplo, são muito rejeitados, e ninguém os quer. E este novo tipo ou modalidade de abandono, tem a sua ação executada por um novo perfil de abandonador, que são constituídos por pessoas de classe média e alta. 

Que não tem a menor sensibilidade e responsabilidade, e tambem nenhuma noção do possa ser uma posse responsável, pois estas pessoas tratam o cachorro como se fosse um descartavel brinquedinho de luxo. Inclusive há situações em que o cliente chega a pagar a conta do banho e da tosa antes do serviço ser feito, alega que está com pressa, e estipu-la um horário para poder pegar o cachorro, somente para não despertar suspeitas, e depois simplesmente desaparece. É bom lembrar que os casos de abandono premeditado não se restringem aos somente a pet shops ou a hotéis para cachorros. Pois há relatos de clientes que levam o seu cachorro para o veterinário examinar e nunca mas retornam. 

E nestes casos a grande maioria são de cachorros sem raça definida, e que geralmente tambem são deixados desnutridos, com pulgas e carrapatos. Entretanto nem todos os cachorros tem a sorte de ter alguém que se sensibiliza e os acabe adotando, pois muitas clínicas, pet shops e hotéis de cachorros acabam não conseguindo conter a demanda de cachorros e outros animais abandonados. Inclusive, infelizmente as próprias clínicas acabam tendo que praticar a eutanásia, por não têm como cuidar, e onde colocar tantos cachorros. E só para citar como exemplo, o problema do abandono em São Paulo é extremamente crítico, e é reflexo de um crescimento desordenado do segmento de cachorros e outros animais domésticos. Pois só para se ter uma idéia, cerca de 60 cachorros e gatos são recolhidos das ruas da cidade diariamente pelo CCZ (Centro de Controle de Zoonoses). 

E cerca de 80% deles acabam não sendo resgatados pelos seus responsáveis, e que infelizmente tem um terrível destino, que é o sacrifico. E mesmo que o abandono de cachorros ou outros animais, seja considerado crime ambiental por maus-tratos, com pena prevista de detenção de três meses a um ano, além de multa a ser estipulada pelo juiz, está é mais uma lei inócua, que não tem aplicação real, e somente existe no papel. E estimativa do Ipab mostram que, de cada cem cachorros e gatos adquiridos em São Paulo, ao menos 50 são abandonados de diferentes formas em até 30 meses. Tanto pelos números oficiais quanto pelos da ONG ainda não se sabe ao certo o percentual especifico de abandono premeditado, mas as próprias entidades reconhecem que ele vem crescendo.

O que levar em conta antes de adquirir um cachorro ou outro animal:

- Defina qual bicho você deseja, levando em conta raça, tamanho e temperamento do animal

- Evite comprar de criadouros irresponsáveis, que vendem animais doentes. Na dúvida, opte pela adoção

- Sua casa ou apartamento precisa ter espaço suficiente para a espécie escolhida

- Certifique-se estar disposto a cuidar dele por toda vida, pois cachorros e gatos chegam a viver de dez a 20 anos, incluindo férias e períodos de ausência.

- Não se esqueça de que ele é um ser vivo e não um produto que se pode trocar, jogar fora ao apresentar "problemas" ou tornar-se "obsoleto"

- Toda a família deve estar de acordo em receber o novo integrante, inclusive a empregada

- Além de alimentação e abrigo, precisa de carinho e atenção e deve ser levado sempre ao veterinário, o que implica custos.

- Assim como o responsável, o bicho também necessita de exercício físico com regularidade e tambem gosta de passear.

- Eles tambem não devem ficar sozinhos em casa por longos períodos, pois cachorros quando deixados sozinhos, se sentem abandonados e latem, choram e incomodam a vizinhança.

- Se não deseja filhotes, a melhor solução é castrá-los, enquanto isso não ocorre, prenda o animal na época do cio.

Entretanto este tipo de problema não é exclusividade brasileira, pois segundo Elizabeth Mac Gregor, representante da WSPA (sigla em inglês para Sociedade Mundial de Proteção Animal), com sede em Londres, os casos aumentam nesta época do ano em países como França, Espanha e Portugal no período das férias de verão, quando as famílias saem em viagem e deixam os animais sozinhos em parques e estradas, apesar das leis contra o abandonador. Nos EUA, no Canadá, na Inglaterra, na Suíça e na Suécia, novos mecanismos vêm sendo adotados para tentar frear o número de cachorros abandonados, como o uso externo de chapas de identificação e microchip. 

Com isso, é possível localizar o dono e puni-lo diante de uma irresponsabilidade, mas ainda é muito difícil de ser praticado em países que ainda não tem um certo nível cultural, como é o caso do Brasil.  E tambem no Brasil, um dos principais motivos do abandono tambem são o desemprego e a crise econômica, pois quando o orçamento aperta, o bicho de estimação também é coisificado e entra na lista de itens dispensáveis e cortáveis. E em uma clínica em São Paulo, um Poodle teve que passar por uma cirurgia no tórax depois de ter sido atropelado, e acabou ficando 30 dias esperando pelo seu responsável. E o responsável pelo Poodle dizendo depois que não tinha como pagar a conta, e que tambem não o queria de volta, como se o cachorro fosse um produto descartável. E muitas vezes o cachorro é abandonado na hora da consulta, pois o responsável sai com a desculpa de que irá buscar dinheiro em casa, e acaba nunca mais voltando. 



Pois o abandono premeditado envolve uma sucessão de atos de insensibilidade, irresponsabilidades e mentiras, e não somente o cachorro que é fria e insensivelmente enganado e abandonado como qualquer pessoa ou entidade que inconsciente e involuntariamente possa vir a dar suporte ao abandono. Pois o "boom" da indústria pet acabou transformando os cachorros e outros animais domésticos em  objetos de moda e consumo. Inclusive determinadas raças se tornaram grifes e viraram mania, mas porem, tempos depois ficam fora de moda, e são descartados e jogados fora como se fossem objetos como roupas e sapatos velhos. E muitas pessoas acabam comprando o cachorro só por impulso, sem a mínima reflexão, e irresponsávelmente, acabam os abandonando justamente em lugares criados para atender também a seus caprichos.

Gestação - Cachorros.



Gestação - Cachorros: A gestação nas cadelas dura em torno de 58 a 63 dias, e este tempo é influenciado por diversos fatores como por exemplo, número e tamanho dos filhotes. A gestação pode ser confirmada por ultra-sonografia, que também mostrará o número de fetos e sua posição no útero, e também importante para o acompanhamento do desenvolvimento dos fetos. Já o diagnóstico através de palpação pode ser feito a partir dos 30 dias, com 35 dias já se observa o desenvolvimento das glândulas mamarias, que ficam rosadas e túrgidas, inclusive nesta fase já há um aumento acentuado de peso. E com 40 dias o abdome já está aumentado, aos 45 dias o RX já evidencia ossos da cabeça, vértebras, costelas e ossos longos dos membros. 


E com 49 dias a cabeça dos fetos já é bem palpável e há grande aumento nas glândulas mamarias. E a partir da 8a semana de gestação, o movimento dos filhotes já pode ser visto quando a cadela está deitada, e é um sinal e um indicio de que os filhotes estão bem desenvolvidos e demonstram saude e tambem poderam nascer de forma segura. E uma semana antes do parto, principalmente nas fêmeas em primeira gestação, ocorre secreção aquosa nas glândulas mamarias, nas 3 ultimas semanas de gestação sua alimentação deve ser reforçada. O uso de ração balanceada de boa qualidade e de formulação para filhotes e fêmeas em gestação, é a melhor forma de garantir os nutrientes necessários, sem a necessidade de suplementos extras. 


Durante a gestação, devido a ação da progesterona, o tempo de esvaziamento gástrico da cadela aumenta, mas ao mesmo tempo a motilidade gástrica diminui, conforme o estômago é deslocado pelo útero em crescimento. Portanto o ideal é que se forneça a alimentação em pequenas porções várias vezes ao dia, facilitando a digestão. É normal que no final da gestação a cadela perca o apetite, principalmente quando está próximo da hora do parto. Duas semanas antes do parto prepare o local onde a cadela irá ter seus filhotes e a estimule a deitar e dormir lá, pois isto a deixará mais segura na hora do parto. Inclusive na última semana de gestação, já deve-se estar com tudo preparado, caso os filhotes nasçam antes do tempo. 


Com o carro preparado com toalhas e jornais caso seja necessário levá-la a uma clínica com urgência. A caixa ou local onde ela terá seus filhotes, jornais para manter o local onde ela terá os filhotes sempre limpo durante o trabalho de parto, lixeira para os jornais sujos e materiais que serão usados durante o parto, uma caixinha menor forrada com toalha macia para colocar os filhotes enquanto a mãe está em trabalho de parto dos outros filhotes. um relógio para controlar o tempo de parto, uma lâmpada de 100w para ser colocada próximo a caixa dos filhotes caso esteja fazendo frio, se estiver fazendo muito calor coloque um ventilador para a mãe. 


Fio dental e tesoura afiada e esterilizada para amarrar e cortar os cordões umbilicais, anti-séptico para desinfetar o cordão umbilical cortado, toalhas e panos macios para serem trocados 2 vezes ou mais ao dia, na caixa onde ficarão mãe e filhotes. Os primeiros sinais começam com 48h antes do parto, quando começa a produção de colostro pelas glândulas mamarias e a fêmea começa a construir um ninho. E aproximadamente 12 horas antes ocorre descarga vaginal, decréscimo de 1o C na temperatura, sendo que a temperatura normal do cão é em torno de 38,9 a 39,9o C. É a hora de entrar em contato com o seu veterinário e deixá-lo de sobreaviso, caso você precise de ajuda.


1- O filhote é expulso, ainda envolvido na bolsa amniótica

2- A mãe abre a bolsa com os dentes e puxa-a para baixo

3- A cadela corta o cordão umbilical e lambe o filhote

4- Ao lambe-lo, estimula a circulação

5- Os filhotes encontram os mamilos da mãe por instinto 


Quando chega a hora do parto as fêmeas demonstram desconforto, não acham posição para se deitar e dormir, respiram de forma acelerada como se estivessem com dor, lambem e olham para a vulva, recusam comida, procuram o seu "ninho". As contrações podem ser observadas nos músculos das costas, num movimento descendente. E se ela quiser sair e caminhar vá junto, pois caminhar ajuda no trabalho de parto, mas é preciso sempre estar atento para que nenhum filhote nasça no chão e ninguém veja, principalmente se estiver escuro. Após o começo das contrações pode levar até 4h para a saída do primeiro filhote, se até esse tempo nenhum filhote nascer, procure logo seu veterinário. 


É importante observar o comportamento da fêmea, presença de contrações, estado geral da mãe, estado dos filhotes ao nascerem. Qualquer sinal de apatia, falta de contrações uterinas ou contrações sem a saída do feto, indica problemas e o veterinário deve ser procurado imediatamente. Entre as causas de atonia de útero estão: insuficiência de cálcio, déficit energético, fetos muito grandes e obesidade, partos muito prolongados. O intervalo entre os nascimentos podem ser de 15 min. Até 1h, mais do que isso chame o seu veterinário. Para a saída do filhote a bolsa de água aparece e normalmente se rompe, então o filhote sai de dentro dela. 


A placenta pode ou não se soltar nessa hora, nunca puxe o filhote porque você poderá causar nele uma hérnia umbilical. Espere ela se soltar, se a mãe não cortar o cordão você terá que fazê-lo, usando fio dental e tesoura esterilizada. Depois passe um anti-séptico como por exemplo iodo. Importante também é contar o número de placentas, elas devem corresponder ao número de filhotes, se isso não ocorrer é porque houve retenção e caso não seja tratada, ela corre o risco de uma séria infecção uterina. Você pode ajudar a mãe a limpar os filhotes com uma toalhinha macia, os enxugando até que chorem, esfregá-los ao mesmo tempo que limpa, ajuda a estimular a respiração. 


Se isso não fizer o filhote respirar e chorar, segure-o firmemente de cabeça para baixo, protegendo sua cabeça e pescoço e o balance, a força centrífuga irá ajudar a retirar o muco da garganta e narinas dele, para que ele possa respirar. No intervalo entre os nascimentos deixe os filhotes mamarem o colostro, é muito importante para a saúde e imunidade contra infecções, assim como ajuda nas contrações e no trabalho de parto da mãe, e assim que as contrações recomeçarem, coloque-os de novo separados da mãe. Quando termina o trabalho de parto a cadela se acalma, sua respiração volta ao normal e param as contrações. Limpe tudo, passe um pano úmido na cadela para limpá-la e faze-la sentir-se melhor, ofereça água e uma refeição leve como caldo de galinha com arroz. 


Isso lhe dará uma alimentação leve e com bastante líquido. Ideal no pós parto, as mães de primeira viagem podem ficar confusas durante e após o parto, você precisará ter firmeza, paciência e muito carinho com ela, ajudando no parto, no cuidado com os filhotes e na amamentação. É muito importante que todos os filhotes recebam o colostro nas primeiras 24h de vida. Dentro de 24h no mínimo eles devem ser examinados pelo veterinário, para saber se tudo está bem, e a secreção vaginal após o parto dura de 24 a 48h e a cor deve ir clareando. A cadela deve ficar com os seus filhotes em local calmo e tranqüilo. 




Com temperatura ambiente constante por volta de 32o C, sem correntes de vento e sua alimentação deve continuar a ser balanceada e fortalecida, sendo indicado ainda as rações próprias para aleitamento, encontradas no mercado. Deve-se oferecer também bastante água fresca para ajudar na produção de leite. A mãe deve ficar sempre junta dos filhotes para lhes fornecer calor. É bom observar se ela toma o cuidado de não sentar ou deitar sobre eles. Ao nascer os filhotes tem a temperatura baixa, por volta de 35o C, com uma semana de vida ela estará em torno de 38o C. Seus olhos se abrirão com 8 a 10 dias de vida e seus ouvidos com 13 a 17 dias.

COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado