.

segunda-feira, setembro 29, 2014

Cachorros - Raticidas.



Cachorros - Raticidas: Muitas pessoas tem como opinião, de que os cachorros devem ser criados livres, ou que para o cachorro ficar sossegado, deve-se solta-lo para que ele de umas voltas pelo quarteirão, você já deve ter ouvido essas frases e talvez até possa pactuar com elas. Pois saiba que esses passeios sozinhos, consentidos ou não, podem colocar a vida do cachorro em grande risco. Pois além da possibilidade de haver brigas e atropelamentos, as ruas tambem trazem o perigo da contaminação por venenos, principalmente por chumbinho, que é uma substância altamente toxica e mortífera, e vendida ilegalmente em todo o país, como veneno para ratos.


Constantemente chegam as clinicas veterinarias pessoas que tiveram seus cachorros envenenados por esta substanncia conhecida popularmente como chumbinho. Que é habitual causa de óbitos entre cachorros e demais animais de estimação, sendo responsável por milhares de entradas em setores de emergência de faculdades e clínicas veterinarias. Este veneno na forma do aldicarbe (um carbamato), é o principal componente do Temik 150, um agrotóxico produzido pela Bayer, que é uma multinacional de origem Alemã. Este produto que é caracterizado por sua forma de pequenos grânulos pretos, é proibido em diversos países, incluindo a própria Alemanha, e só poderia ser vendido em estabelecimentos credenciados, com receita emitida por um profissional agrônomo e em sacos de 20kg.


No entanto, é facilmente adquirido em pequenas quantidades e de forma clandestina em casas de produtos agropecuários, produtos veterinarios e até em camelos como raticida. Como resultado, não só cachorros e demais animais domesticos são intoxicados acidental e incidentalmente, mas crianças e adultos humanos também são vítimas. E o chumbinho é um veneno cruel, que age muito rápidamente, sendo altamente letal e não possui um antídoto específico. E mesmo que esta substância não fosse ilegal, o "chumbinho" tem pouca abrangência e eficiencia para acabar com infestações de roedores. Pois não é eficaz porque mata, quase que instantaneamente, apenas o roedor que se alimentou da substância, deixando livre todo o resto da colônia.

O correto e o ideal seria que a população se concientiza-se dos maleficios que este veneno causa ao meio ambiente, aos animais e inclusive aos seres humanos, e denuncia-se os pontos onde há venda deste veneno altamente tóxico para todo o ecossistema, e tambem informa-se as autoridades competentes os casos de contaminação. Pois informação e denúncia são o melhor caminho para se evitar a venda ilegal e a disseminação deste veneno letal, e consequentemente os envenenamentos. Os sintomas de envenenamento por chumbinho, são bem caracteristicos, deve-se prestar atenção quando o cachorro estiver vômitando, se há pontinhos pretos junto ao vomito, pois estes são sinais aparentes do veneno.


Entretanto podem háver casos, de o vomito não apresentar residuos do veneno. O cachorro tambem tende a ficar arqueado, com a barriga encolhida, e com fortes dores abdominais, fica cambaleante (atarexia) e com salivação intensa. E se o cachorro estiver apresentando estes sintomas, ele provavelmente foi contaminado por chumbinho, e é preciso correr urgentemente para o veterinário. E o próximo sintoma e efeito do veneno no cachorro, é o estado de convulsão e qualquer segundo pode ser decisivo para manter a sobrevivência e evitar ao morte do cachorro.




O Brasil é um dos últimos cinco países da América do Sul que continuam a comercializar o Temik 150, a campanha pela proibição da venda do agrotóxico é encabeçada pela Sentiens Defesa Animal por meio de procurações e ações junto ao Ministério Público. e também existe um projeto de lei com o mesmo objetivo (leia o PL 7586/2006), que no entanto está parado no "Congresso Nacional". Que é muito rapido em votar leis que aumentem seus proprios salarios e mordomias, ou tambem leis de interesse de mafiosos movidas a mensalão.

Cachorros - Bacterias Beneficas.



Cachorros - Bacterias Beneficas: O funcionamento adequado do intestino dos cachorro está diretamente ligado a uma microbiota intestinal saudável, ou seja, a presença de bactérias benéficas presentes em quantidade e variedade adequadas na flora intestinal. Estas bactérias benéficas competem com as bactérias nocivas ou potencialmente patológicas na busca de alimento/combustível para sua sobrevivência. Impedindo nutrição das bacterias nocivas, a sua fixação e a proriferação destas no intestino e o consequente desenvolvimento do seu potencial patológico no organismo. Desta forma, a microbiota saudável exerce uma importante ação protetora na flora intestinal e mantendo o seu equilibrio no organismo. Esta microbiota, quando em equilíbrio, funciona como uma barreira contra os invasores, estimulando as bacterias benéficas a se multiplicarem e aderirem à mucosa intestinal.

Funções da Microbiota Saudável:

- Ajudam na digestão de alimentos
- Importantes funções metabólicas (carboidratos, proteínas e lipídeos)
- Colaboram na síntese de nutrientes (vit. K, B12, B1 e B12, dentre outras)
- Manutenção do pH ácido do tubo digestivo
- Fornecimento de alimento às células intestinais (enterócitos e colonócitos) através da fermentação das fibras alimentares
- Estimulam a proliferação das células de revestimento do intestino
- Melhoram o fluxo sanguíneo local


E a microbiota intestinal materna, existente na cadela lactante e o meio ambiente são fontes naturais de microorganismos que colonizam os filhotes recém nascidos, cujo trato gastrointestinal é estéril, ou seja, isento de bactérias ao nascerem. Porem uma microbiota saudavel e adequada vai-se formando no filhote com o passar dos meses. E quando o equilíbrio desta microbiota intestinal é afetado, aumentando a quantidade das bactérias nocivas e comprometendo o bom funcionamento intestinal, cria-se consequentemente no organismo dos cachorros um quadro de disbiose.


E a disbiose ocorre proincipalmente devido ao uso indiscriminado de antibióticos, que matam tanto as bactérias úteis como as nocivas, utilização prolongada e repetitiva de antifúngicos e de antiinflamatórios hormonais e não-hormonais; utilização continuada e frequente de anti-ácidos e protetores de mucosa intestinal (omeprazol); o consumo de rações de baixa qualidade ou alimentos como petiscos contendo grande quantidade de conservantes, corantes e aromatizantes; parasitoses crônicas intestinais e/ou o uso abusivo de vermífugos sem nenhum critério ou prescrição veterinaria.


As doenças debilitantes, como câncer, doença crônica intestinal, gastroenterites hemorrágicas, diabetes, cinomose, etc... as disfunções hepáticas e pancreáticas; e o proprio estresse. Além desses fatores, a idade, o pH intestinal, a disponibilidade de material fermentável, o estado imunológico do hospedeiro, a má digestão e o estresse físico e psicológico são outros fatores que predispõe os cachorros a Disbiose. Uma das principais funções da mucosa intestinal é sua atividade de barreira, que impede as moléculas ou microrganismos patogênicos de entrarem na circulação sistêmica.


Quando a mucosa é rompida, a permeabilidade intestinal pode ocorrer e as bactérias do intestino, alimento não digerido ou toxinas podem se translocar através desta barreira. A translocação bacteriana é a passagem de bactérias e/ou endotoxinas, do interior do intestino, através da mucosa do trato gastrintestinal, para o sangue ou sistema linfático, iniciando uma resposta inflamatória sistêmica. São poucas as doenças desenvolvidas pelos cachorros e outros animais, que não estão de alguma forma relacionadas a este distúrbio.


Pois o crescimento exagerado de bactérias patogênicas na flora intestinal dos cachorros, causa alterações significativas na função gastrintestinal, que acaba desequilibrando a produção das secreções pelos órgãos que a compõem. Isto resulta em insuficiência pancreática, diminuição da função biliar, deficiência de ácido clorídrico e, por fim, dano ao funcionamento intestinal. Até mesmo a propria depressão ou prostação nos cachorros pode ser em consequência de uma disbiose, pois alguns microorganismos têm o poder de diminuir a formação de serotonina.


O estresse facilita a instalação de bactérias oportunistas que mandam para o cérebro toxinas que inibem sua síntese. Este desequilíbrio também é capaz de provocar a perda de peso, já que a predominância de bactérias patogênicas pode afetar a produção de enzimas importantes e com isso diminuir a capacidade de absorção dos nutrientes, causando um déficit nutricional que, entre outros prejuízos, poderá gerar perda de peso.
E os principais sintomas e sinais clínicos que evidenciam a menifestação da disbiose no organismo dos cachorros são:
- dores abdominais
- ingestão excessiva de gramíneas
- flatulência
- fezes sanguinolentas

- fezes com muco

- fezes com alimentos mau digeridos

- constipação

- diarréia intermitente

- coprofagia

- lambedura excessiva

E o tratamento da disbiose deve sempre ser feito com prescrição medicamentosa e acompanhamento veterinário, com conhecimentos em nutracêutica bio/ortomolecular. pois o tratamento exige certos cuidados e é bem abrangente, envolvendo varios fatores que podem desencadear, manter e agravar o quadro clinico da doença. Sendo muitas vezes necessario a consulta a especialistas em nutracêutica bio/ortomolecular, pois a dibiose pode ser resultante de doenças debilitantes crônicas ou viroses agudas, sendo necessario então se tratar as causas, para poder se curar de forma efetiva a doença.
Sendo que o tratamento para a cura da disbiose consiste basicamente em:
- Eliminação ou minimização das fontes de estresse.

- Controle e correção da dieta.

- Recolonização da microbiota intestinal (prebióticos e probióticos).

- Correção da hipocloridria, principalmente em animais idosos.

- Utilização de enzimas digestivas.

- Utilização de fibras solúveis e insolúveis.

- Utilização de antioxidantes.

- E se necessario, a utilização de antiparasitários.



Cachorros - São Muitas Emoções.



Cachorros - São Muitas Emoções:  Segundo estudos de especialistas em comportamneto canino e de Institutos de Ciências Biomédicas e Veterinaria. Os cachorros são capazes de sentir e interpretar as emoções humanas, inclusive houve a constatação pelos pesquisadores de que os cachorros tem a percepção, e podem assimilar as emoções de seus responsaveis. Isto em diversas situações e de forma imediata, mesmo que o responsavel não esteja interagindo com ele naquele exato momento.

De acordo com os estudos, os cachorros não copiam simplesmente as emoções que estão ao seu redor, mas tambem tem a percepção de presenti-las. Mesmo que não estejam participando, ou envolvidos diretamente com a situação que as ocasionou. Pois os cachorros podem ficar tão sentidos, aprensivos e tristes quanto uma criança quando criados em um ambiente familiar em que aconteçam brigas constantes. E podem inclusive pedir por ajuda a terceiros, no caso de presentirem situações de perigo ou emergências.


O que evidencia, um grande grau de percepção em relação a situação, e tambem um sentimento de proteção e empatia, para com o seu responsavel e familiares. E os cachorros tem um grau de percepção e sensibilidade tão apuradas, que conseguem distinguir, se os acontecimentos são simulados ou reais. Como por exemplo uma simulação de briga, ou o fingimento de um acidente ou um mal estar, pois não é fácil enganar um cachorro. Os cachorros podem a principio até ficaram confusos, mas logo concluem que aquela situação não passa de uma brincadeira, e ficam tranquilos.


Para os pesquisadores, isso acontece porque o cachorro tem a capacidade de sentir e interpretar, não somente as atitudes e movimentos corporais. Mas tambem outros sinais, como cheiro, respiração, sons e a tonalidade da voz. Ou seja, uma discussão real em voz alta, já põe o cachorro em alerta, e uma simulação de brigas, ele logo percebe que é uma brincadeira, e vai querer participar tambem. E inclusive os cachorros, que são utilizados em terapias com pacientes especiais ou idosos, acabão sendo afetados emocionalmente tanto pelo seu trabalho, quanto pelos proprios pacientes.




E de acordo com os estudiosos e especialistas, os cachorros são afetados pelas emoções humanas por serem descendentes dos lobos, que são caninos sociais, cooperativos e que sentem empatia pelos integrantes de sua familia ou do seu grupo. E a evolução do seu grau de integração com os humanos, e a consequente domesticação, teriam feito com que os cachorros conseguissem sincronizar as suas emoções com as emoções humanas. Outra razão tambem sugerida pelos estudiosos, teria sido a seleção e o aprimoramento artificial das raças. Que objetivou sempre, cachorros com caracteristicas especificas, que integrassem e se adequassem ao padrão, a rotina e ao tipo de vida das pessoas na sociedade humana.

COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado