.

sábado, outubro 04, 2014

Como Transportar Cachorros.



Como Transportar Cachorros: Levar o cachorro solto dentro do carro pode parecer algo inofensivo e sem perigo, entretanto este procedimento coloca em risco tanto o cachorro quanto os demais ocupantes do carro. Podendo em caso de acidente ou freadas bruscas, causar-lhes graves lesões ou ate mesmo o próprio óbito do cachorro, podendo atingir tambem o motorista e demais ocupantes do carro. Pois o cachorro solto no interior do veiculo, pode ocasionalmente por qualquer motivo, distrair e desviar a atenção do motorista e provocar um acidente. Com o cachorro, tendo o seu corpo projetado para frente com uma força de impacto violenta. Consequentemente se ferindo, e podendo tambem ferir seriamente as pessoas que tambem estejam no carro. 

E a questão tambem, é que o Código Nacional de Trânsito, não possui nenhuma legislação específica para o transporte de cachorros ou outros animais domésticos. Pois pela legislação vigente, os animais domésticos são considerados objetos. Só não podendo serem conduzidos no colo, à esquerda do motorista, ou nas partes externas do veículo. Pois a condução de animais nas partes externas do veículo, como caçambas, ou com parte do corpo para fora da janela, é considerada infração grave. E o condutor pode perder cinco pontos na carteira, e pagar uma multa de R$ 127,69. E se o motorista estiver dirigindo, com animais à sua esquerda ou entre os braços e pernas, tambem pode perder quatro pontos na carteira, e pagar multa de R$ 85,13, sendo considerada uma infração média. 

Entretanto, um cachorro totalmente solto dentro do carro, não é considerado infração. E nenhuma autoridade de transito pode, multar ou ate mesmo advertir o motorista, em cujo carro, esteja solto no banco traseiro ou no do carona um cachorro. Inclusive é comum em clínicas veterinárias, cachorros chegarem com lesões, por terem se desequilibrado dentro dos carros em freadas bruscas ou batidas. E mais frequente ainda, são os cachorros se ferirem gravemente, e terem que geralmente serem submetidos a cirurgias por estarem viajando com a cabeça para fora da janela. Pois muitos dos traumas físicos que ocorrem com os cachorros, acabam acontecendo dentro dos próprios carros. 

Como luxações, além de traumatismo craniano e fraturas do maxilar, acontecendo inclusive ate o esmagamento dos cachorros, como em casos de colisão, devido ao fato de os motoristas insistirem em leva-los no colo enquanto dirigem. Mesmo que a legislação de transito permita este procedimento durante a condução de animais domésticos. Ou seja deixar os cachorros, ou outros animais domésticos totalmente soltos no interior dos carros, pode ser extremamente perigoso, principalmente no caso dos cachorros, que podem ter grandes dimensões e peso, o que torna ainda mais problematico e arriscado, agravando ainda mais as consequencias em caso de acidentes. 

A melhor maneira e a mais recomendada, é a opção pela utilização de acessórios específicos para a condução (transporte) dos cachorros no interior dos veículos, ou ate mesmo na cacamba. Que são as caixas transportadoras, que são especificas e apropriadas para o transporte de cachorros e outros animais domésticos. E que devem ter como padrão um tamanho adequado para proporcinar simultâneamente conforto e segurança aos cachorros. Tendo espaço suficiente, para que o cachorro consiga ficar em pé e tambem se virar, e de preferência tambem ter um cinto, alças ou um ponto de fixação especifico para ser acoplado ao cinto de segurança do carro. Tambem existe a opção por cadeiras especiais, mas seu uso é recomendado somente para pequenos trajetos urbanos, pois para viagens mesmo curtas, a caixa de transporte proporciona um maior conforto e comodidade para o cachorro. 

E sempre que for necessária a permanência do cachorro por longos períodos na caixa transportadora como por exemplo em viagens longas, antes de acomodar o cachorro na caixa deve-se deixar que ele possa fazer suas necessidades fisiológicas, assim tambem como durante a viagem, pois alem de fazer suas necessidades fisiológicas o cachorro tambem precisa exercita-se. Tomando-se certas precauções e cuidados se evita que um simples acidente se transforme em uma tragédia, ao se conduzir cachorros em automóveis durante viagens, ou ate mesmo em um simples passeio. Pois o uso de caixa transportadora ou cadeiras especiais, torna a viagem ou o passeio mais seguro e agradável para todos, tanto para os ocupantes do carro como para próprio o cachorro.

Cachorros - Compartilhar Cama.



Cachorros - Compartilhar Cama: Os cachorros são criaturas adoráveis, leais e capazes de grandes desmonstrações de emoção e sentimentos. Porem, apesar de toda está lealdade, cumplicidade e interatividade para com as pessoas com quem ele convive, especialmente os seus responsaveis. Não é recomendavel se compartilhar camas ou sofas com eles, principalmente dormir na mesma cama Entretanto está pratica tem se tornando bastante comum e habitual atualmente, pois mais de 50% dos responsaveis compartilham a cama de dormir com os seus cachorros. Porem, segundo pesquisas feitas por especialistas em zoonoses, os cachorros e tambem os gatos podem transmitir mais de 100 tipos diferentes de doenças para os seres humanos.



Pois muitas pessoas estão tratando os seus cachorros com todo mimo e carinho como se fossem verdadeiros filhos, dividindo o mesmo espaço e tendo uma contato fisico muito proximo e de forma constante. Não que não se deva tratar os cachorros e outros animais de estimação com todo amor e carinho, e tambem não se ter contato fisico com os mesmos, muito pelo contrario. Porem é recomendavel, se tomar certas precauções higienicas, e se evitar compartilhar certos espaços como sofas e camas com os mesmos. Não que seja por culpa deles, porem ha um risco real de transmissão de doênças graves e serias classificadas como zoonoses por parte dos cachorros para as pessoas. E mesmo que estas contaminações não ocorram com grande frequência, não vale a pena arriscar, pois com saude não se brinca. Entretanto estas doenças podem ser facilmente evitadas, se forem tomadas certas precauções e cuidados.



Por exemplo, alem de não ser recomendavel, não se deve deixar que os cachorros não só não compartilhem sofas e camas. Como não frequentarem tambem certos cômodos da casa, como os quartos, e principalmente se forem quartos de bebês. Pois entre as doenças que podem ser transmitidas, principalmente, pelos cachorros que dividem a cama com seus responsaveis, estão graves enfermidades infecçiosas e verminoses. E geralmente os cachorros, que compartilham a mesma cama com seus responsaveis e familiares, são cachorros de raça. E a grande maioria são os de raças pequenas, como yorkshire, poodle e shi tzu. Mas tambem é comum entre os responsaveis de alguns cachorros de raça de grande porte principalmente de labradores, de habituarem os seus cachorros a este comportamento.



No entanto, não ha necessidade de alarde ou aprenssão, porem amar e cuidar dos cachorros com carinho e atenção, não significa necessariamente mimalos em excesso, e um pouco de disciplina e limites faz muito bem a personalidade do cachorro. Basta apenas se tomar certos cuidados e precauções basicos, e ter um pouco de bom senso, e principalmente manter sempre atualizadas as vacinas e a vermifugação dos cachorros. E as vantagens e benefícios de se ter um cachorro ou qualquer outro animal de estimação são muito maiores do que os riscos. Pois esta comprovado clinica e estatisticamente que quem os possui, têm a pressão arterial mais baixa, um menor indice de depressão. Ou seja desfrutam de uma otima saude fisica e mental, em grande parte decorrentes de sua relação afetiva e emocional com os cachorros ou outros animais de estimação.



Cachorros - Sentido Mais Aguçado.



Cachorros - Sentido Mais Aguçado: O olfato é o sentido mais aguçado e desenvolvido nos cachorros, tendo este sentido nos mesmos um grande grau de evolução e complexidade, sendo portanto o olfato o sentido mais importante e consequentemente o mais utilizado, possibilitando aos cachorros se protegerem e tambem a sua matilha, por poderem perceber e identificar com facilidade e rapidez a aproximação ou a presença de predadores inimigos, a farejar e caçar as suas presas ou na busca e reconhecimento de outros alimentos, a encontrar filhotes perdidos ou outros integrantes da matilha. exercendo então o olfato uma função essencial, na sua dinâmica de ação e no seu comportamento , proporcionando aos cachorros uma percepção e uma sensibilidade olfativa sofisticadas e com uma capacidade e um potencial de percepção e distinção de odores extraordinarios. 


Sendo constituído o sofisticado e evoluído sistema alfativo dos cachorros, por narinas pares, que são os orifícios externos, por narinas internas ou coanas, câmaras ou cavidades nasais, células receptoras, nervos alfativos e os bulbos olfativos do cérebro. E há diferenças marcantes e significativas entre o sistema olfativo dos cachorros e outros mamíferos, tanto quanto as dimensões e a anatomia das estruturas olfativas, quanto ao potencial de percepção e identificação dos odores. Pois os cachorros alem de terem uma capacidade de percepção e distinção de odores muito superior a grande maioria dos mamíferos, incluindo os seres humanos, tambem são capaz de fazê-lo com uma quantidade ínfima de concentração de odores. E todo este evoluído e sofisticado sistema olfativo, ainda é auxiliado por um movimento respiratorio diferenciado e especifico. 


Que difere do padrão respiratorio normal dos cachorros que é o farejamento, pois o farejamento possibilita que uma maior quantidade de substancias odorificas concentradas chegue próxima à mucosa olfativa. Aumentando ainda mais, e de maneira significativa o seu potencial de percepção de odores. E através do farejamento, o ar é inspirado profundamente, ficando aprisionado nas cavidades nasais, ao contrário do ar inspirado através da respiração padrão normal, que é conduzido para os pulmões. O aprisionamento das moléculas das substancias odorificas, ocorre através de uma câmara formada por uma estrutura óssea presente no focinho dos cachorros. As células olfativas encontram-se situadas em uma área sensorial, denominada mucosa olfativa. 


Em termos comparativos, nos seres humanos esta mucosa tem uma dimensão media de aproximadamente 5cm², já nos cachorros está mesma mucosa olfativa possui uma dimensão de aproximadamente 150cm². Ou seja, uma dimensão incomparavelmente superior, alcançando inclusive está extensa área devido ao grande número de conexões e invaginações. A mucosa olfativa é coberta por uma camada de muco, secretado pelas glândulas de Bowman, dentro do qual as moléculas transportadas pelo ar, que criam a sensação de odor, penetram e ficam concentradas de maneira que, mesmo quando as concentrações de moléculas das substancias odorificas são pequenas, há facilmente a possibilidade da percepção e da distinção do odor destas substancias. 


No epitélio do sistema olfativo dos cachorros estão presentes aproximadamente 24 tipos diferentes de células olfativas, existindo assim a possibilidade de percepção de mais de um milhão de odores. Cada célula olfativa possui entre 100 e 150 cílios, que são protuberâncias na membrana da célula, responsáveis por captar as moléculas que causam o odor e transmitir esta informação para as células. Assim, os receptores estão, em sua maior parte, localizados nos cílios das células olfativas. Os seres humanos possuem cerca de 5 milhões de receptores olfativos, enquanto que os cachorros possuem uma quantidade imensamente superior, que é de cerca de 220 milhões. Inclusive nos cachorros estes cílios são mais longos e em maior número do que nos seres humanos, e tambem tambem da grande maioria de outras espécies. 


Aumentando de forma significativa, a sua sensibilidade e a capacidade perceptiva e seletiva de seu sentido do olfato. Cada célula receptora é um neurônio que transmite as informações olfativas para o bulbo olfativo, que é a parte do cérebro responsável pela interpretação dos odores. A sensibilidade aos odores é fortemente influenciada pela genética, isso significa que há variações entre as diversas raças. A raça Bloodhound é considerada a de melhor olfato, seguida do Pastor Alemão, ambas as raças possuem mais de 200 milhões de células olfativas. Portanto a acuidade olfativa é variável, e de acordo com a raça do cachorro, pois ela depende da superfície da mucosa olfativa, do número de receptores, assim como a anatomia facial que determina a direção da corrente aérea. 


O encurtamento do crânio dos cachorros braquicefálicos ( Buldogs e Pugs), cria um obstáculo à circulação do ar. Da mesma forma, a sensibilidade olfativa está correlacionada com a pigmentação da mucosa olfativa, sendo que, quanto mais escura, melhor é esta sensibilidade. E a fêmea tambem é mais sensível aos odores que o macho, e esta sensibilidade varia de acordo com o ciclo sexual, sendo maior durante a fase do cio. E quando o cachorro envelhece, o olfato é o primeiro sentido a declinar devido à atrofia das mucosas nasais e à degradação do tecido nervoso. Os cachorros ainda possuem narinas móveis que facilitam ainda mais a sua capacidade de percepção dos odores. 


Os odores exercem uma forte influência na fisiologia e no comportamento dos cachorros, e as suas memórias alfativas podem durar toda uma vida. Assim como o cérebro humano é estruturado para aprender idiomas, grande parte do cérebro do cachorros é voltado para a interpretação de odores. Pelo olfato os cachorros conseguem detectar um conjunto muito grande de animais de sua espécie, através dos odores liberados junto da urina e das fezes de outros animais. As fezes, por sua vez, trazem muito mais informações e num nível maior de detalhes que a urina, explicitando o seu status dentro de sua matilha e seu nível de segurança. E quanto maior a quantidade de marcas deixadas por um cachorro, mais poderosa é a sua posição dentro da sociedade canina. 













COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado