terça-feira, outubro 07, 2014

Ciclo de Vida das Pulgas - Cachorros.



Ciclo de Vida das Pulgas - Cachorros:  As pulgas são insetos da ordem dos Siphonaptera, e existem a milhares de anos, estudos científicos indicam a existência de ancestrais da pulga na Era Paleozóica ( 225 a 280 milhões de anos ).  No Brasil elas foram introduzidas no século XVI, pelos europeus e seus animais respectivamente na época da colonização. E existem milhares de espécies de pulgas, cerca de 2500 em todo o mundo, porem as que parasitam preferencialmente os animais domésticos e os seres humanos são especificamente quatro espécies. Sendo a Pulex irritans a espécie de pulga doméstica que parasita preferencialmente os seres humanos. E a Xenopsylla cheopis é a espécie de pulga que parasita o rato do esgoto (ratazana), e é a espécie que pode transmitir aos seres humanos a Peste Bubônica. A Ctenocephalides canis, é a espécie que parasita preferencialmente os cachorros, e a Ctenocephalides felix que e a espécie que parasita preferencialmente os gatos. 


Sendo que no Brasil, as espécies predominantes são as Ctenocephalides canis e a Ctenocephalides felix, e existem alguns aspectos fundamentais a se considerar em relação a estas quatro espécies, pois são insetos parasitas hematófagos, que se nutrem consequentemente do sangue do hospedeiro que parasitam. E embora cada uma delas tenha predileção por parasitar o seu hospedeiro especifico, porem na ausência destes, podem vir a parasitar qualquer um dos outros ( Seres humanos, Cachorros, Gatos e Ratazanas ). Podendo com isto transmitir diversas doenças graves e até fatais. E quando se detectada a presença significativa de pulgas no cachorro, é grande a probabilidade de que o ambiente esteja completamente infestado por elas. Pois a quantidade de pulgas presente no cachorro, é o equivalente a 5% do total de pulgas existente no ambiente nos seus diversos ciclos de vida. 



E o ser humano não tem uma percepção direta desta infestação, porque as pulgas da espécie Ctenocephalides canis que parasitam os cachorros tem predileção pelos mesmos, e dificilmente parasitam o ser humano, só o fazendo quando da ausência prolongada da possibilidade de parasitar o seu hospedeiro preferencial que e o cachorro. E a pulga de espécie Pulex irritans, que parasita preferencialmente os seres humanos, habitam somente ambientes infectos e sem as mínimas condições de higiene, inclusive incluindo neste contexto as pessoas que os habitam. E a pulga Ctnocephalides canis que parasita os cachorros, aborda os seus hospedeiros com muita facilidade, não havendo sequer necessidade de contato direto, pois elas tem capacidade de darem proporcionalmente grandes saltos.  Os cachorros podem adiquiri-las facilmente passeando na rua, no gramado de um jardim, ou em um contato próximo com um cachorro hospedeiro. 


Assim independente do cachorro ter um otimo tratamento e uma excelente condição de higiene, as pulgas invadem e podem fácil e rapidamente infestarem um ambiente sendo trazidas pelo próprio cachorro. E durante o seu ciclo de vida, a pulga passa por quatro estágios diferenciados e distintos, que podem variar de 12 a 170 dias, dependendo de fatores como temperatura e umidade do ambiente. Sendo que a pulga fêmea deposita em media 50 ovos/dia continuamente, e geralmente no próprio cachorro, entretanto uma grande parte acaba caindo no próprio ambiente. E que encontrando condições apropriadas de temperatura e umidade, eclodirão e irão se transformar em larvas em um período de 2 a 10 dias, e as larvas abrigam-se nos tapetes, nos tecidos, nas frestas, e se alimentam de detritos orgânicos e das fezes dos cachorros e das próprias pulgas. 


E em um prazo médio entre 5 a 11 dias, as larvas criam um casulo onde desenvolvem o estagio de pupa, fase em que são extremamente resistente ao meio ambiente ou a produtos de detetização.  E após 5 dias as pupas já podem se transformar em pulgas adultas, entretanto necessitam encontrar um hospedeiro para concretizarem a mudança de fase, entretanto caso não consigam, conseguem resistir permanecendo no casulo e em jejum por um período de vários meses.  Geralmente os ciclos se completam entre 3 a 4 semanas, e depois disto as pulgas podem viver no hospedeiro por mais de 100 dias, se alimentando vorazmente de seu sangue e produzindo ovos continuamente, que é em torno de ate 50 ovos/dia em media a produção de uma pulga fêmea adulta. E a pulga Ctenocephalides canis que parasita o cachorro, alem de lhe transmitir diretamente varias doenças como anemias, viroses e verminoses, podem tambem parasitar e transmitir aos seres humanos doenças classificadas como zoonoses. 


E atravez de sua picada, mesmo que inclusive não transmitam nenhuma doença, podem provocar nos cachorros a Dermatite Alérgica ou (DAPP-Demartite Alérgica Picada Pulga). Pois ao sugar o sangue do cachorro, a pulga injeta sua saliva, que possui propriedades anticoagulantes, e é este anticoagulante, que causa nos cachorros alérgicos a ele, uma coceira (prurido) intensa. E que tem como consequências, a queda de pelos, descamação da pele, feridas e um odor caracteristico e desagradável, podendo inclusive vir a desenvolver eczemas, dermatite pruriginoso e infecções cutânea (Pioderme). E está é uma doença em que não existe cura, somente   o controle e o tratamento, e pode também ser transmitida geneticamente dos genitores para os seus descendentes. E uma mínima quantidade de pulgas parasitando o cachorro, já e o suficiente para provocar o aparecimento dos sintomas da Dermatite Alérgica. 


Devido a isto toda atenção se faz necessária, para eliminação imediata de qualquer eventual foco de pulgas que possam vir a parasitar o cachorro. E outra importante e grave doença, transmitida pelas pulgas aos cachorros, é uma verminose causada pelo parasita intestinal Dipylidium caninum, e que tambem é uma zoonose, e consequentemente tambem acomete os seres humanos (Dipilidioseespecie Ctenophalides canis que parasita os cachorros, é o vetor de transmissão do parasita intestinal Dipylidium caninum. Sendo a pulga o hospedeiro intermediário do Dipylidium caninum, que causa nos cachorros uma grave verminose, e no seres humanos a Zoonose Dipilidiose. Pois as pulgas quando estão na sua fase larval, ao se alimentarem das fezes de cachorros parasitados por pulgas contaminadas, acabam ingerindo os ovos da ténia do Cachorro (Dipylidium Caninum) existentes nestas mesmas fezes. 


Pois os cachorros muitas vezes ao reagirem a irritação causada pelas pulgas, tentam livrar-se delas pegando-as com os dentes e as engolindo, e assim se inicia todo o processo em que o cachorro adquire o parasita, desenvolve a doença com suas consequencias e sintomas, e a transmite e a dissemina através de suas fezes. E os ovos existentes nas pulgas ingeridas pelo cachorro, vão se desenvolver e transformar-se em vermes dentro do seu intestino, completando assim o seu ciclo de vida, e alcançando  seu completo e pleno desenvolvimento. O Dipylidium caninum, ou ténia do cachorro, é um parasita do grupo das solitárias, que mede em media de 15 a 20 cm de comprimento, e tem  de 2 a 4 mm de largura quando na fase adulta. Pertence ao grupo dos chamados vermes chatos, que tem o dorso e o ventre achatados, ou Platelmintos como são denominados pela zoologia. 


E na sua fase adulta são perfeitamente visíveis, já seus ovos são visíveis somente com auxílio de microscópio óptico, e encontram-se sempre agrupados formando o que se denomina sincício. E os ciclos de vida do parasita Dipylidium caninum, começam através dos seus  ovos, que são o estagio inicial da ténia do cachorro, e que são disseminados diretamente no ambiente ou através das fezes do cachorro parasitado. Sendo envolvidos e protegidos por invólucros chamados proglótides, que são semelhantes a grãos de arroz e que possuem mobilidade. E de dentro dos proglótides, saem os ovos dos quais se alimentam indiretamente as pulgas em seu estagio larval, atravez das fezes de cachorro e tambem das fezes de pulgas adultas contaminados, e no estagio larval, as Larvas do parasita Dipylidium caninum vivem e se desenvolvem no sistema digestivo  das pulgas adultas da espécie Ctenophalides. 



E os cachorros reagindo a irritação causada pelas picadas das pulgas, e na tentativa de elimina-las, involuntariamente as engolem e consequentemente se transformam em seus hospedeiros. No qual a verminose do  parasita Dipylidium caninum desenvolvera seu ciclo final. A verminose transmitida aos cachorros pelo parasita Dipylidium caninum, e que tem como vetor a pulga Ctenocephalides canis, provoca nos cachorros acometidos pela mesma vários sintomas e debilidades. Como anemia e consequente prostração, diarreia com presença de muco e sangue, perda de pelos, emagrecimento e suscebilidade a contrair diversas outras doenças devido a baixa assimilação nutricional dos alimentos ingeridos. E tambem uma forte irritação na região anal, fazendo com que o cachorro esfregue constantemente o ânus no chão. 


E dependendo da quantidade de infestação da verminose, ela pode inclusive até ocasionar ataques convulsivos no cachorro, pois o parasita Dipylidium caninum tambem secreta uma toxina que afeta o sistema nervoso dos cachorros acometidos. Inclusive se não for diagnosticada e tratada devidamente, esta verminose causada pelo parasita Dipylidium caninum pode provocar inclusive a morte do cachorro. Nos seres humanos esta doença se manifesta como uma Zoonose, que é a Dipilidiose, e zoonozes são doenças e infecções que são adquiridas principalmente por contato com animais domésticos, no caso especifico são os cachorros ou tambem pelo consumo de carne de animais contaminados da espécies dos bovinos e suínos. E a contaminação da Dipilidiose nos seres humanos, ocorre pelo consumo involuntário de ovos do parasita Dipylidium caninum através de alimentos contaminados, ou pelo contato das mãos com a boca. 


O que acontece frequentemente e principalmente com crianças, que ao porem as mãos inconscientemente no chão ou em objetos contaminados e depois na boca, são mais sucetiveis ao contagio. Inclusive este tipo de zoonose acomete com maior frequência as crianças. E o parasita Dipylidium caninum, ao se instalar no intestino dos seres humanos, se desenvolve e cresce podendo medir ate 50cm de comprimento, sendo que os sintomas apresentados pelas pessoas acometidas são, anemia com consequente apatia e perda de peso, diarreia, dores abdominais e prurido anal, porem nos adultos os sintomas não são tão intensos quanto nas crianças. E deve-se procurar imediatamente o auxilio medico e tambem veterinário quando do aparecimento de qualquer sintoma caracteristico, para um exame e diagnóstico, pois tanto no caso da Verminose Dipylidium caninum, quanto da Zoonose Dilipidiose, há tratamento e cura, inclusive a Zoonose Dilipidiose, quando detectada cedo, pode ser tratado e curada sem muitas dificuldades.                                                                                                                                                            








Piolhos Mastigadores - Cachorros,



Piolhos Mastigadores - Cachorros: A infestação produzida pelos piolhos mastigadores que são da espécie (Trichodectes canis) igualmente como ocorre aos piolhos sugadores, também denomina-se pediculose. Entretanto a ação nociva parasitaria do piolho mastigador no tecido cutâneo e na saúde do cachorro parasitado é mais intensa, extensa e com maior gravidade. Pois alem de causar uma intensa irritação (Plurido) ao  se alimentarem de resíduos celulares da pele e dos pelos do cachorro acometido pela infestação, os piolhos mastigadores (Trichodectes Canis) assim como os piolhos sugadores transmitem igualmente a dermatite alérgica. E alem disto os piolhos mastigadores também  podem contaminar os cachorros com uma verminose intestinal transmitida pelo parasita Dipillidium caninum. Entretanto alguns cachorros são assintomaticos, não manifestando os sintomas provocados pelo acão parasitaria dos piolhos mastigadores, como uma intensa irritação, e uma grande descamação com lesões no tecido cutâneo.    

O tratamento feito para eliminação da infestação (Pediculose) provocada pelos piolhos do tipo mastigador, tem um procedimento semelhante ao aplicado para eliminação da pediculose provocada pelos piolhos do tipo sugadores. Deve-se primeiramente procurar orientação de um veterinário para um diagnóstico completo e preciso, devido a possíveis contaminações provocadas pelo parasita Dipillidium Caninum. No resto, todo o processo de tratamento é muito parecido. E consiste em aplicar medicamentos de uso externo como loções, xampus e sabonetes específicos, evitando-se igualmente como foi dito anteriormente o uso de ivermectina, devido aos seus graves efeitos colaterais, principalmente em determinadas raças que possuem alta sensibilidade a este medicamento. Deve-se também higienizar e desinfetar os objetos e os locais frequentados pelo cachorro, para que se possa eliminar também os ovos e larvas dos piolhos.                            



  

Verme do Coração - Cachorros.



Verme do Coração - Cachorros: Os mosquitos Culex Pipiens, transmitem a Dirofilariose Canina ao picarem um cachorro sadio e inocularem no seu organismo larvas microscopicas que são denominadas filarias. E estas larvas evoluem na corrente sanguínea do cachorro, deslocando-se para as suas artérias pulmonares e para o coração, onde fixam-se e se desenvolvem levando em media uns 6 meses para tornarem-se adultas. Podendo alcançar depois um comprimento de até 40 centímetros, transformando-se posteriormente no parasita Dirofilaria immitis, conhecido vulgarmente como verme do coração. Sendo este parasita Dirofilaria immitis o causador da gravíssima doença denominada Dirofilariose Canina. Porem o cachorro, pode ficar por vários anos com o parasita em seu organismo sem manifestar qualquer sintoma, entretanto quando os sintomas se apresentem subitamente geralmente levam o cachorro ao óbito. 


E os cachorros contaminados pela doença Dirofilariose Canina, na maioria das vezes não manifestam os sintomas da doença até que a mesma atinga uma etapa avançada de desenvolvimento. Propiciando com isto, condições para disseminaçao involuntária da doença para outros cachorros, através das picadas simultâneas do mosquito Culex Pipiens nos cachorros infectados sem sintomas, e portanto sem a ciência de seus donos sobre a ocorrência da doença em seus cachorros. E a posterior picada em cachorros sadios das áreas próximas e também nos próprios seres humanos, pois o mosquito Culex Pipiens também pode transmitir a Zoonose Dirofilariose. Porem nos seres humanos esta Zoonose não e fatal, porque o parasita não consegue completar o seu ciclo de vida no organismo humano. Entretanto este parasita, o Dirofilaria  Immitis, fixa-se em determinados orgões, como os pulmões criando varias complicações e afetando seriamente a saúde da pessoa acometida.


E os sintomas apresentados pelo cachorro acometido pela Dirofilariose Canina, são decorrentes principalmente das diversas lesões e complicações causadas nos orgões, como o coração e pulmões e suas respectivas veias e vasos sanguineos, pela invasão e presença do parasita Dirofilaria Immitis nestes mesmos orgãos. E estes sintomas complexos e diversos, podem se manifestar de varias maneiras durante o período de evolução da doença Dirofilariose Canina. E que se apresentam como dificuldades respiratorias, perda de peso e de apetite com consequente anemia e prostação, com febre e tosse cronicas e sangue presente na urina (hematuria), com abdomem dilatado por edemas no fígado (hipertrofia hepatica), no baço (esplenomegalia) e pela própria presença de líquidos na região abdominal (ascite), e lesões cutâneas em forma de nódulos com irritação (prurido) podendo ocorrer também até paralisias nos membros posteriores e convulsões. 


E a presença invasiva do parasita Dirofilaria Immitis, em determinados orgãos dos cachorros acometidos pela doença Dirofilariose Canina, alem de causar diversos danos e lesões a estes mesmos orgãos. Originados como cansequencia da infestação do parasita, que podem chegar a uma quantidade media de ate 55 parasitas Dirofilaria Immitis, e que podem medir neste estagio entre 20 a 38 centímetros. E são conhecidos vulgarmente como Verme do Coração, e dependendo da evolução da doença e do grau da infestação, esta quantidade pode chegar a mais de uma centena. Estas infestações do verme do coração, ocorrem principalmente nas grandes veias, artérias e cavidades do coração e  também nas artérias pulmonares. Causando uma grande resistência e  uma obstrução significativa a circulação sanguinea, e forçando o coração a um ritmo de trabalho muito mais intenso. Causando consequentemente sua dilatação, e também de suas principais veias e artérias periféricas,  ocasionando graves lesões cardiovasculares, hepáticas e renais cronicas. Com possibilidades de ocorrências frequentes de tromboses e embolias e levando fatal e rapidamente o cachorro ao obito. 


E os graves sintomas, apresentados pelos cachorros acometidos pela Dirofilariose Canina ocorrem tardiamente, juntamente com a manifestação súbita da doença. E que na maioria das vezes mesmo recorrendo-se a um veterinário, e tentando-se fazer o tratamento com a respectiva medicação, acaba sendo tarde para se curar a doença,e evitar o obito do cachorro. Devido a gravidade do quadro clínico causado pela Dirofilariose Canina, em consequencia principalmente de sua difícil prevenção e detecção inicial  e também do tardio aparecimento dos sintomas. Cria-se uma situação critica e que acaba geralmente ocasionando a morte do cachorro. Pois o grave, cronico e irreversível comprometimento de orgões importantes e fundamentais como o coração, os pulmões, e os rins e de suas grandes veias e artérias periféricas, torna a Dirofilariose Canina dependendo do estagio em que e detectada uma doença fatal. Há estudos estatísticos estimativo de que no Brasil aproximadamente 11% da população canina esteja contaminada, mas que porem somente 10% deste total manifestaram a doença. Em países da Europa e nos Estados Unidos, devido a existência de programas preventivos sérios, bem elaborados e aplicados esta incidência e em media de !.5% do total da população canina. 


Devido a gravidade, diversidade e complexidade dos complicações, lesões e sintomas causadas pela Dirofilariose Canina, o tratamento para ter resultados positivos deve necessariamente ser feito na fase inicial da enfermidade. Pois depois que os sintomas tiverem se manifestado, a doença já terá  alcançado um grau de devastação irreversível, principalmente no sistema cardiovascular do cachorro. O que a torna em quase que 100% dos casos em que não há um tratamento preventivo, ou em sua fase já invasiva, uma doença fatal para os cachorros infectados. E mesmo quando a Dirofilariose Canina é detectada antes do aparecimento dos sintomas, o tratamento é complexo e o cachorro ainda e passível de um alto risco de óbito. O mais indicado é se fazer tratamentos preventivos periódicos anti-verminoses especificadamente contra o parasita Dirofilaria Immitis, principalmente se o cachorro habitar em regiões litorâneas. 


E o tratamento da doença Dirofilariose Canina, é extenso e exige uma atenção constante e assídua dos veterinários, sobre o quadro evolutivo das condições de saúde do cachorro. E os remédios prescritos normalmente são combinações de injeções e medicamentos orais em forma de comprimidos. E o tratamento está sujeito a fortes efeitos colaterais, devido ao grau de toxidade dos medicamentos e também a efeitos provenientes da ação dos medicamentos na própria erradicação dos parasitas. Pois quando da sua eliminação e consequente morte, os parasitas acabam obstruindo o coração e/ou suas veias e vasos periféricos, levando o cachorro a ter varias complicações cardio-vasculares e formação de tromboses. Em ambos os casos, quanto mais intensa for a infestação do parasita Dirofilaeia Immitis, maiores também serão os seus efeitos colaterais.


E o processo de tratamento da doença Dirofilariose Canina é dividido em três etapas, que se inicia com o tratamento preventivo, que é feito com injeções ou com comprimidos, e que são administrados mensalmente com a devida prescrição e orientação de um veterinário. Este tratamento tem como propósito a eliminação das larvas do parasita Dirofilaeia immitis, impedindo que estas mesmas larvas se desenvolvam e atinjam o estagio na forma adulta do Dirofilaeia Immitis no organismo do cachorro.  Ou seja, estes medicamentos não impedem que o cachorro seja parasitado (picado) pelo mosquito, entretanto sua ação preventiva e sua eficaçia se manifestam numa eventual contaminação através do mosquito pela larva do parasita Dirofilaeia Immitis. Pois eliminando as larvas em seu estagio inicial, a doença Dirofilariose Canina não completa o seu ciclo, e consequentemente não se manifesta no organismo do cachorro.


O tratamento preventivo feito para eliminação das larvas do parasita Dirofilaeia Immitis no seu ciclo inicial, é imprencindivel e surte grande efeito. Mas somente quando as larvas estão em seu ciclo inicial, e ainda não se desenvolveram e se deslocaram para órgãos como coração, rins e pulmões. Porem quando o parasita evolui, e consegue atingir este estagio de desenvolvimento, faz-se necessário a utilização da terapia adulticida, em que se utilizam remédios com maior grau de toxidade e que necessitam de prescrição e um constante acompanhamento veterinário, devido aos seus graves e até fatais efeitos colaterais. Os principais medicamentos que são utilizados no tratamento da doença Dirofilariose Canina na fase pós-larval do parasita Dirofilaeia Immitis sao o Merlasomina, a Vermectina, a Milbemicina Oxima, a Moxidectina e a Selamectina. Porem estes medicamentos, só devem ser utilizados com a prescrição e com acompanhamento de um veterinário. E dependendo do estagio atingido e do grau de infestação dos parasitas adultos no organismo do cachorro, a própria utilização dos medicamentos pode causar o seu óbito, pois ao morrerem pelo efeito dos medicamentos aplicados para o tratamento da doença, os parasitas obstruem as principais veias e artérias do coração, causando o óbito quase que imediato do cachorro por trombose ou insuficiência cardíaca.


A melhor forma de se evitar a Dirofilariose Canina, e suas respectivas e gravíssimas consequencias e sintomas na saúde do cachorro, sem duvida é atraves da prevenção. Que de certa forma é até algo simples, quando comparado com as complexidades decorrentes da doença e os seus sintomas, e tambem ao terrivel sofrimento a que são submetidos os cachorros acometidos pela doença Dirofilariose Canina. E existem atualmente, vários medicamentos eficazes que são usados de forma preventiva e que evitam que os cachorros desenvolvam a doença. Pois eliminam o parasita Dirofilaria Immitis em sua fase e forma larval. Impedindo que o parasita se desenvolva, e invada vários orgões vitais do cachorro como coração, pulmões e rins, causando uma grande devastação, e consequentemente trazendo grande sofrimento e posteriormente o óbito ao cachorro vitimado por esta grave doença. Estes remédios podem ser administrados mensalmente por via oral em forma de comprimidos, e eliminam eficazmente todos os tipos de larvas (L3/L4/L5). Existem também medicamentos injetáveis com proteção  para vários meses, porem devido a seus graves efeitos colaterais que podem ate causar a morte do cachorro, não são recomendados. Consulte um veterinário para maiores esclarecimentos, e somente utilize qualquer medicamento com a prescrição e acompanhamento do mesmo.




                                                                                                                                                                         

COMPARTILHE A POSTAGEM.

COMPRE E RECEBA EM CASA! COM TODA COMODIDADE, SEGURANÇA E RAPIDEZ.

,

,

CURSO DE VIOLÃO: EBOOK + VIDEO AULAS - TOTALMENTE GRATIS!