.

sábado, novembro 08, 2014

Barbone/Caniche - Cachorros.



Barbone/Caniche - Cachorro: O Poodle, também chamado de Barbone e Caniche, é uma raça em que especula-se, seja de origem francesa, entretanto muitos peritos acreditam que o Poodle pode ser originário da Alemanha, da Rússia, da Irlanda ou também da  região da Ibéria, e descenda de raças como o Cão de água Português e o Cão D'Água Irlandês, ou o Walter Spaniel Irlandes, entretanto ainda não se conseguiu afirmar com certeza e axatidão qual a verdadeira origem da linhagem dos Poodle.  Alem de ser classificada como uma das melhores raças de companhia também é considerado uma das raças mais inteligentes, devido a sua versatilidade, fidelidade e docilidade. E por possuir tais características e também uma aparência encantadora, é considerado uma das raças mais populares.

E o seu nome Podlle, deriva da palavra alemã "pudel", que significa "chapinhar na água", pois no passado, seus antepassados serviram como um excelente cachorro de busca.  Na França o Poodle é chamado Caniche, que é derivado da palavra Canard, que significa pato, pois era muito usado em caça de aves selvagens aquáticas, por ser considerado um excelente resgatador, pois buscava com precisão e rapidez a caça abatida e a trazia para o seu dono. Mas, atualmente os Poodles são geralmente utilizados como cachorros de companhia e estimação, entretanto, é uma raça muito versátil, pois é capaz também, e com muita eficiência, de caçar, rastrear, ou proteger.

E nas alfândegas francesas, por exemplo, os Poodles são usados para encontrar substâncias ilegais, e devido a sua inteligencia, agilidade e ao seu porte menor, são mais adequados para vistoriar compartimentos de carros e trens, do que raças maiores como o Pastor Alemão.  E são cachorros muito inteligentes, criativos, travessos, otimos nadadores, caçadores e também excelentes cães de guarda, e possuem um temperamento super dócil, sendo extremamente dedicados às pessoas e, consequentemente, zelosos a elas se afeiçoando muito aos seus donos, e com as pessoas com quem estejam familiarizados, não se limitando a ficarem apegados a uma só pessoa da família.  E quanto as suas características físicas, os Poodles tem como padrão, focinho retangular, orelhas pendentes, pelagem encaracolada e macia. E seus olhos têm cores, que dependendo da pelagem podem ser marrom, âmbar escuro ou preta, e as cores da pelagem variam entre branco, marrom, cinza e abricó, existindo também exemplares com pelagem de cores mescladas.

E o tamanho e o tipo de raça do Poodle, de acordo com a FCI, pode ser:
Gigante (ou grande), variando de 45 a 60 cm na altura da cernelha.
Tamanho médio, que varia de 35 a 45 cm na altura da cernelha.
Tamanho miniatura (mini ou anão) entre 28 a 35 cm na altura da cernelha.
Toy, cujo cão mede no máximo 28 cm na altura da cernelha.
Micro Toy, são menores que 25 cm na altura da cernelha.

E em relação a saúde dos Poodles, apesar de serem normalmente saudáveis, como em qualquer cachorro de raça pura, alguns pontos devem ser observados com mais atenção por seus donos, pois principalmente os cachorros mais velhos tem certa predisposição a desenvolverem certos problemas de saúde. E os problemas de saúde mais frequentes em Poodles toy, são a catarata, entropia, epilepsia, degeneração do disco intervertebral, atresia dos dutos lacrimais, Síndrome de Legg-Calvé-Perthes, luxação na rótula, atrofia progressiva da retina, trichiasis, e urolithiasis. E nos Poodles do tamanho miniatura são, catarata, distichiálise, entropia, epilepsia, glaucoma, degeneração do disco intervertebral, atresia dos dutos lacrimáis, Legg-Perthes, luxação na rótula, atrofia progressiva da retina, trichiasis, e urolithiasis.

Já os de tamanho médio ou gigante podem apresentar, Doença de Addison, catarata, displasia da bacia, distichiálise, entropia, epilepsia, torção gástrica, persistência do duto arterioso, adenosíte sebácea e Doença de Von Willebrand. E a alergia é comum a todos os tamanhos da raça, entretanto pode ser facilmente resolvida com um simples exame de sangue. O coração aumentado, também é comum a todos os portes, porem, não traz nenhuma consequencia ou limitação à vida dos cachorros afetados. E em relação aos Poodles fêmeas,  as de todos os tamanhos, têm predisposição a desenvolverem tumores na mama, e se não houver uma intenção de cruza-las, é recomendável que se faça a castração antes do primeiro cio, pois este procedimento reduz significadamente as chances de aparecimento de tumores. Para maiores detalhes e esclarecimentos, consulte um veterinário

Spitz Alemão Anão.



Spitz Alemão Anão - Cachorros: O Spitz Alemão Anão ou Pequeno, conhecido popularmente como Lulu da Pomerânia ou simplesmente Pomerânia, é uma raça de cachorros muito antiga, porém seu reconhecimento oficial é relativamente recente, remontando ao século XIX. E o que mais chama atenção nesta raça, é certamente sua exuberante pelagem, que atinge todo o seu esplendor por volta dos 2 anos de idade, extremamente abundante e armada. A raça possui ainda olhos amendoados e orelhas pequenas e pontiagudas, lembrando a aparência de uma raposa. Descendentes dos cães de puxar trenó originários da Islândia e da Lapônia, seus ancestrais foram introduzidos na Inglaterra pela Rainha Vitória, no começo do século XIX, trazidos da região da Pomerânia na Alemanha - daí o nome popular da raça.

Muito difundido na Europa e nos Estados Unidos da América, este cachorro foi o companheiro de Mozart, em Viena, enquanto compunha. Os exemplares primitivos possuíam ossatura mais pesada, orelhas maiores e não possuíam profusão de pelos, que caracteriza a raça hoje em dia. Os primeiros Spitz eram empregados como hábeis condutores de gado por seu porte grande e pesado, porém, na Inglaterra, foram criados menores e mais leves, com pelagem copiosa. Atualmente os Lulus da Pomerânia ou Pomeranian nos EUA (AKC) são chamados oficialmente pelo sistema FCI (da qual o Brasil faz parte) de Spitz Alemão Anão. Em 1995 e 1996 a CBKC não registrou nenhum exemplar da raça. A raça foi re-introduzida no Brasil no final dos anos 90 principalmente pelo canil Love Blue, que importou diversas matrizes dos EUA, principalmente o macho "Starfire's Thunder Wind".

Desde 2005 a popularidade da raça vem crescendo, registrando-se cada vez mais exemplares ao ano pela CBKC (Confederação Brasileira de Cinofilia). O Spitz Alemão Anão/Pequeno precisa de cuidados para que a pelagem seja mantida em boas condições, entretanto 2 escovadas na pelagem por semana são suficientes. O único cuidado é que a escova deve ser de aço, com cerdas retas e sem pinos nas pontas. As de cerdas retorcidas de Poodle não são indicadas, pois retiram muito sub-pelo impedindo a pelagem de armar. Mesmo os banhos não precisam ser frequentes, bastando um a cada 40 dias para mante-los limpos e bonitos. Os filhotes passam por uma dramática troca de pelos ao redor dos 4 meses, a qual só termina por volta de 1 ano de idade, quando adquirem a esplendorosa pelagem de adulto (chegando ao ápice em torno dos 2 anos de idade). 

E existe uma grande variedade de cores de pelagem existentes nos Spitz, entre as principais estão a cor cinza sombreado, preta, marron, marron escuro, branco, laranja, castanho, cinza, creme, sable claro, e sabre alaranjado. São extremamente dóceis, por isso mesmo são considerados cachorros de companhia, sendo um cachorro fácil de ser treinado, extremamente dedicado ao dono e capaz de ficar sozinho por bastante tempo, sem problema algum. E é um cachorro que esta sempre alerta, esperto e excepcionalmente devotado a seu dono, de fácil condução e treinamento.

Sua desconfiança para com estranhos, e a ausência do interesse para com a caça, o tornam ideal como cachorro de vigia, para o lar e fazenda. Não é tímido, porem também não é agressivo, e seus mais importantes atributos são a resistência à mudanças climáticas, a robustez e a longevidade. Mas o que seduz realmente nos Spitz é a beleza de suas pelagens, mantidas eretas pela abundância do subpêlo, e particularmente impressionante é a exuberante juba em torno do pescoço. E a frondosa cauda emplumada portada, de maneira soberba, deitada sobre o dorso. A cabeça de raposa de olhos aguçados e inteligentes. e as orelhas pequenas, pontudas e de inserção conferem ao Spitz alemão uma ar característico impertinente.

-Tamanho e peso segundo o padrão oficial: 

-O peso varia de 1,5 kg a 5 kg, dependendo da varidade e sexo.

•Spitz lobo: 50 cm, pode ter uma variação para mais ou para menos de 5 cm, admite-se até 60 cm

•Spitz grande: 42 a 50 cm

•Spitz médio: 30 a 38 cm

•Spitz pequeno: até 29 cm

•Spitz anão: até 22 cm

O Spitz alemão remonta da idade da pedra, a origem vem doTurfspitz (canis familiaris palustris) são as mais antigas raças de cachorros da Europa Central. Muitas outras raças foram reproduzidas a partir delas. Nos países de língua não germânicas os wolfspitz são conhecidos como keeshonds e o Spitz anão como Pomerânia. O nome Pomerânia vem de uma pequena região na Alemanha oriental, local de onde a raça se originou, presumivelmente derivado de um Spitz.

A Rainha Charlotte (a esposa do Rei George III) importou um casal da Inglaterra em 1767. Ela deu nome a eles de Phoebe e Mercúrio. Ela gostou tanto da raça que mandou pintar vários quadros e, essas pinturas podem ser vistas em vários locais em Londres. Nestas pinturas está claro que o Pomerânia era substancialmente maior que a variedade moderna, pesando presumidamente uns 12 quilos, bem mais pesado que os Lulus da Pomerânia atuais, que pesam 2.5 quilos em média. O envolvimento de Rainha Victoria foi de grande importância para o desenvolvimento da raça. Embora ela fosse neta de Charlotte, ela parece não ter se encontrado com os cachorros até 1888 quando viajava pela Itália. Ela parece ter obtido vários cães em Florença, e desenvolveu uma afinidade particular com a raça. Seu cãozinho favorito, o Turi estava ao seu lado quando morreu.

O interesse da Rainha Victoria teve um impacto significativo e a raça Pomerânia cresceu. O Kennel Clube reconheceu a raça em 1870 mas até 1900 havia relativamente poucos exemplares competindo nas exposições. O primeiro Pomerânia registrado pelo Kennel Clube americano (AKC) foi Dick em 1888. E o seu nome varia em diferentes regiões no mundo, Lulu é apelido da raça na França e no Brasil, Pomerânia é o nome que americanos e canadenses usam e que em seus padrões deve ter de 1,3 a 3,1 quilos. Como a nossa criação se baseava na americana até 1986, muitos estão mais familiarizados com tal nome. Spitz Alemão é o nome da raça em seu País de origem, que é a Alemanha, e adotado pela Federação Cinológica Internacional, que rege mais de 70 países, inclusive a maior parte da criação brasileira.

E em relação a saude e higiene, o Lulu da Pomerânia, é um cachorro naturalmente com perspectiva de vida longa, porem existem algumas doenças que são relativamente comuns de lhes acometer. Como problemas cardíacos e de pele, especialmente alergias, e algumas complicações ao nível das articulações, tais como o síndrome de Legg-Calvé-Perthes, tambem podem ocorrer nos cachorros desta raça. Em estações de tempo quente, durante o dia, o Lulu da Pomeranea deve ficar sempre a sombra, e não deve ser exercitado. 

O Lulu da Pomerânia tende a ser selectivo com a comida, mas não deverá substituir a comida seca. Devido à alta probabilidade de desenvolverem problemas dentários, deve-se ter especial atenção ao seu tipo de dieta. As rações secas são a melhor forma de prevenir tártaro, è importante por isso, não descuidar tambem da escovação dos dentes do cachorro. A profusa pelagem do Lulu da Pomerânia obriga a escovagens frequentes, uma a duas vezes por semana. Apesar de cada escovagem demorar algum tempo, se as mantiver regulares, não será difícil desembaraçar o pêlo. O Lulu larga pêlo durante todo o ano, mas uma a duas vezes por ano renova a pelagem. Nessas alturas, deve se intensificar as escovações, para remover o pêlo solto e prevenir





Pequeno Cachorro.



Pequeno Cachorro: O Chihuahua é a menor raça de cachorros do mundo, e a sua origem e o seu nome, estão ligados a região de Chihuahua no México, É um cachorro extremamente inteligente e afetuoso, porem bastante possessivo, sendo considerado um otimo cachorro de companhia. Pois alem de ser um excelente companheiro para todos os momentos, o Chihuahua é também um bom cachorro de guarda, pois está sempre alerta a qualquer barulho ou movimento. O Chihuahua é um cachorro encantador que sempre cativará as pessoas, e ainda proporciona muitos benefícios e facilidades, para aquelas pessoas que não querem ter muito "trabalho" na hora de cuidar de seu cachorro, entre elas, o seu pequeno tamanho e peso, alem de sua rusticidade e facilidade de adaptação. A historia cronológica da raça, por falta de registros, ainda não foi totalmente revelado, o que se sabe, é que há um consenso entre pesquisadores de que a origem da raça é mexicana, mas existem especulações também de que o Chihuahua pode ser originário da ilha de Cuba ou até do Egito. È provável que sejam descendentes de uma raça muito antiga, a Techichi, que é uma raça associada a realeza da civilização Asteca, e é a raça mais antiga da América do Norte. E os Chihuahuas estão muito relacionados aos Techichis, devido a imagens de cachorros cravadas em pedras no período tolteca serem muito parecidas com os Techichis e os Chihuahuas. 

Alguns dizem que o Techichi viveu de forma selvagem, na época da civilização tolteca, onde foi capturado e domesticado por seus habitantes, sendo que os Techichi, eram um pouco maior que os Chihuahuas, suas cores também eram similares, os Techichi, não auxiliavam os humanos no trabalho, por serem muito pequenos para o rebanho de gado ou para a caça, eles também não conseguiam carregar pacotes ou puxar carga, mas, mesmo assim os toltecas valorizavam os Techichis, e acreditavam que a amizade entre humanos e cachorros continuava após a morte, sendo assim quando o seu dono morria, o Techichi tinha que morrer também, e era enterrado junto, fato que ficou comprovado em tumbas onde foram encontrados os techichis. E por estes fatos, especula-se que os Chihuahua tenham se originado, a partir do cruzamento do Techichi, com um pequeno cachorro que foi trazido da Ásia para o Alasca, esse cachorro que não tinha nenhum pelo , supostamente seria o responsável, pela baixa estatura do Chihuahua. Depois disto, apareceram vários outros indícios sobre sua origem, alguns deles apontam para a ilha de Cuba, e inclusive o Egito, onde muitas pessoas acham que é de lá que o Chihuahua tenha se originado, devido a achados de restos mortais de e pinturas de cachorros com aparência muito próxima a dos Chihuahua, e esses achados eram de aproximadamente 1000 anos A.C.. Entretanto os Chihuahua foram quase extintos, depois que os espanhóis invasores chegaram a costa mexicana. 

Pois a civilização asteca foi quase que totalmente destruída, e os Chihuahuas ficaram sem as pessoas que criavam e cuidavam deles, e a grande acabou morrendo abandonada, Entretanto os remanescentes da civilização asteca, juntamente com outros povos nativos do México, acolheram muitos exemplares do Chihuahua, dando continuidade a sua reprodução, e consequentemente salvando a raça. Até que os norte-americanos descobriram esta raça exótica que nomearam de Arizona ou Texas, provavelmente por esses estados estadunidenses, fazerem fronteira com o México. Os norte-americanos se apaixonaram pelo pequeno cachorro e ajudaram a aumentar em muito o número de chihuahuas. Porem, o reconhecimento e a popularização dos Chihuahua, só veio a ocorrer no final do século XIX, aproximadamente em 1890, e a partir dai, a raça ganhou fama mundial, e para aumentar mais ainda a sua popularidade, houve a aparição do Chihuahua, ao lado de artistas, como a mexicana Lupe Vélez, atriz que fez o filme The Wolf Song (1929), do diretor Victor Fleming, e o longa-metragem de Cecil B. de Mille em The Squaw Man (1931). E o que ajudou para a disseminação do Chihuahua no mundo, foi principalmente seu aspecto exótico, sua personalidade e o seu tamanho e peso diminuto, o Chihuahua também é uma das raças mais antigas a serem registradas no kennel club. 

A estatura do Chihuahua está compreendida entre 16-22 cm(mini) e é proporcional ao seu peso, que vai de 1,0 a 3,0 kg, e os tamanhos menores são os mais apreciados. Tem um crânio em forma de maçã, com o focinho curto e pontudo, olhos redondos, orelhas grandes que se erguem quando alerta e bem separadas entre si, um corpo compacto, com um comprimento proporcionalmente maior que a altura, cauda mantida curvada sobre o dorso ou de lado, e um Chihuahua de olhos verdes, apesar de ser aceitável, não é desejável. E as cores mais frequentes são o fulvo-claro, o areia, o marrom, o prateado e o azul-aço, a pelagem pode ser unicolor ou malhada. O Chihuahua é encontrado em dois tipos de pelagem, uma curta, e outra alongada e ondulada, esta mais rara e difícil. Sua pele é lisa e elástica em toda a superfície corporal, seu comprimento é quase do mesmo tamanho que a altura na cernelha, com tronco quase quadrado, especialmente nos machos, entretanto nas fêmeas, o tronco é um pouco maior por causa que isso irá ajuda na sua função reprodutiva. Existem duas variedades, o pêlo longo e o pêlo curto. o Chihuahua de pêlo curto, tem o seu pelo assentado em todo o corpo, ligeiramente mais longo quando apresenta capa interna (subpêlo), se haver uma certa escassez na garganta e no abdome, sendo ligeiramente mais longo no pescoço e na cauda, e curto na cara e as orelhas; é brilhante e sua textura suave, E o de pelo longo, o seu pelo deve ser fino e sedoso, liso ou ligeiramente ondulado. 

É desejável a capa interna (subpêlo) não muito densa, apresentando pelo muito longo em forma de pluma nas orelhas, pescoço, face posterior dos membros anteriores e posteriores, patas e cOs Chihuahuas podem ter várias cores e são conhecidos pelas suas grandes orelhas em pé. Filhotes de Chihuahuas às vezes são confundidos com porquinhos-da-índia por causa das suas caras apertadas, tamanho extremamente pequeno. olhos grandes, redondos e brilhantes, não exageradamente salientes. E, o focinho ideal é o curto, levemente apontado num ângulo de praticamente 90º, orelhas grandes, portadas eretas em estado de alerta, e ficam mais caídas com inserção lateral num ângulo de 45º de abertura quando estão em repouso (parece um morcego). Dentição desejável em forma de tesoura, mas é comum encontrar mordeduras em torquês, ou até mesmo uma leve prognatismo, mas os dentes nunca devem ser visíveis. Todas as cores são admissíveis, inclusive todas as combinações de cores (quanto mais exótico, melhor). Nas cores claras, a trufa e os olhos podem ser claros, a cor mais comum é a rubi escuro. Cauda moderadamente longa, portada em foice para cima, ou fazendo uma curva sobre o dorso, com a ponta tocando o mesmo. O Chihuahua apesar de seu pequeno tamanho, mostra-se um habilidoso caçador de ratos. De uma natureza forte, o cachorro, é um dos poucos autóctones do continente americano, isso se pode observar pelas suas origens indígenas. Sempre muito alerta ele, late a menor ruído, e é muito fiel ao dono. 

E em relação a alimentação do Chihuahua, eles são são onívoros, e deve-se tomar cuidado para fornece-los uma alimentação adequada e equilibrada. E ao mesmo tempo, não alimenta-los demais, pois eles tem uma certa tendencia a ficarem obesos, e os Chihuahuas com excesso de peso podem vir a ter problemas com os ligamentos, colapso da traqueia, bronquite crônica e esperança de vida encurtada. Alguns potenciais compradores buscam animais extremamente pequenos. e eles podem estar doentes ou desnutridos, ou, se forem saudáveis, podem ter vida curta e problemas de saúde devido ao extremo nanismo. Normalmente são utilizados para reprodução e podem precisar de cuidados especiais. Alguns criadores de chihuahuas propositadamente tentam produzir exemplares muito pequenos, para consequentemente poder aumentar os preços destes examplares, a maioria dos reprodutores respeitáveis desaprova essa prática, pois o tamanho de um Chihuahua adulto é imprevisivel. Os chihuahuas apresentam diversos atributos que fazem dele um cachorro perfeito, principalmente para pessoas que não dispõem de muito espaço, e tempo para cuidar de um cachorro. No entanto, algumas características dele, podem se tornar um desafio para muitos que devem ser tomados com muito cuidado. Na hora de adquirir o seu Chihuahua esteja certo de que você está completamente consciente dos atributos da raça e seus eventuais problemas, e que está pronto para lidar com eles. 

Um Chihuahua pode ser um excelente companheiro na casa certa e com o dono certo. Na verdade, o cachorro pode se adaptar muito fácil a qualquer casa, devido ao seu tamanho. Essa raça pode igualmente viver em um apartamento pequeno, assim como em uma mansão. A chave para o sucesso de ter o seu próprio Chihuahua, está no seu próprio dono, pode-se dizer que quem quer adotar esse cachorro irá ter sucesso. Se você está disposto a enfrentar e conhecer todos os desafios de ter um Chihuahua, então ele será seu companheiro, por longos anos. Além do mais, é muito importante manter a segurança de seu cachorro, assim como, sua higiene e beleza bem cuidadas. O Chihuahua não se tornou uma raça popular, e favorita para quem quer ter um cachorro, por várias razões incluindo essas, entre estas o seu tamanho e pesos pequenos, da para carregar facilmente e até para viajar confortavelmente no colo, a sua grande variedade de cores, E se corretamente alimentado e cuidade é um cachorro de vida longa, com tempo medio variando entre 14 e 18 anos, podendo chegar até mais de 20 anos.Se adapta tranquilamente em qualquer local, mesmo pequeno, não sendo necessario fazer-se exercicios ou caminhadas, e alem de fazer companhia, é um excelente cachorro de guarda. Assim como todo cachorro de raça, o Chihuahua tem seus próprios problemas, muito deles são ocasionados pela reprodução de má qualidade, é podem ser evitados através de cachorros que venham de um reprodutor de qualidade. 

Isso é uma das coisas mais importantes ao se adquirir um cachorro, e outros podem ser próprios de todos os membros da raça. Para que o chihuahua venha a ter uma vida longa e para que você não fique preocupado, caso tenha que deixar seu cachorro sozinho em casa, é necessário que tome algumas medidas de segurança. Como não deixar fios conectados a tomada, pois um choque pode lhe ser fatal, não se deve também usar produtos de limpeza com quimica muito forte no vaso sanitario, ou mata mosquitos em spray, pois eles são muitos sensiveis a estes produtos, inclusive pequenas quantidades de certas plantas, alimentos extragados ou venenos que eles possam vir eventualmente a ingerir, podem lhes ser fatais. E em relação aos banhos, apesar de existirem afirmações de que o Chihuahua só deve tomá-los após a última dose de vacina, pode-se banhar o filhote antes desta data tranquilamente, em casa, com água morna e em local sem correntes de vento e frio. Evite dar banhos em Pet Shops antes das vacinas completas para preveni-lo contra eventuais contágios. Com as unhas caso seu Chihuahua não saia frequentemente de casa, pode vir a ter problemas com o crescimento exagerado destas. Neste caso, convém apará-las de mês em mês, de preferência em um veterinário de confiança. E pela parte da escovação procure escovar os dentes do seu Chihuahua com frequência. Acostume-o desde cedo com este hábito. pois a escovação, e a consequente hugiene bucal, traz enormes benefícios de saúde dos cachorros. 

Os Chihuahuas, são conhecidos pela sua personalidade e lealdade, mas não são recomendáveis para as crianças por causa do seu tamanho e pela fragilidade. No entanto, sua agilidade, inteligência e tamanho os fazem adaptáveis a vários ambientes, inclusive cidades e apartamentos. Negativamente, podem estar propensos a serem muito nervosos. Muitos Chihuahuas tendem a focalizar seu amor e devoção a uma pessoa apenas, tornando-se extremamente ciumentos em relação a mesma. E o Chihuahua pode ter vários graus de temperamento, e apesar de seu tamanho, eles se mostram muito corajosos em diversas situações, inclusive podendo ser muito agressivo com outros animais e pessoas que não conheça, mas, se educado corretamente, para não ser agressivo com estranhos, mostrarar-se um cachorro afetuoso, divertido, amoroso, e uma boa companhia. Os Chihuahua são caracterizados por seus donos, como cachorros de colo, que não precisam de muito exercício, mas, mesmo assim, é sempre bom para ele pequenos passeios pela rua. Como excelente cachorro de alerta que é, deve-se evitar que desenvolva o hábito de latir demais, para isto, deve haver paciência na hora de educá-lo. A raça aparece na 67ª posição em um ranking do livro 'A inteligência dos cães', de Stanley Coren, de cachorros mais comportados. No Brasil, infelizmente há 'vendedores', que produzem com frequência cachorros pequenos, isso gera graves desvios de comportamento. 

A raça sofre também com a mestiçagem do Chihuahua com o Pinscher e até mesmo com o Lulu da Pomerânia, e é por esse motivo que se deve escolher bem onde adquirir o seu cachorro, para não ser enganado por esses vendedores, que só querem lucrar. Toda a educação do cachorro depende da criação que lhes é dada por seus donos, o que pode definir fatores como longevidade, obediência ao dono, doenças, temperamento, inteligência, entre outros, ou seja, o cachorro pode ser bem-educado ou mal-educado. No caso do Chihuahua, como foi mostrado pode haver críticas positivas ou negativas em relação ao comportamento desse cachorro. Alguns donos de Chihuahua dizem: "Seu comportamento é muito bom. e ele é muito sociavel, inclusive late pouco, e se dá muito bem com outros cachorros e crianças, e é muito inteligente!". Porem há donos que dizem exatamente o contrário, que seu cachorro é anti-social, que faz muito barulho à noite, e que tem um temperamento agressiva. Então, há necessidade de se fazer um trabalho de educação e socialização com o Chihuahua, para se evitar estes problemas. Pois não basta somente ter a vontade de adquirir um Chihuahua, e para que estas situações não ocorram, e o Chihuahua não se torne um "incomodo", é necessário saber educa-lo, cuidar dele, dar segurança, carinho e atenção. Pois, podem acontecer constrangimentos futuros, imagine um Chihuahua, que fique latindo para qualquer cachorro ou pessoa que se aproxime, enquanto o seu dono passeia com ele, ou que quando um parente ou amigo, chegue perto dele, e ele aja de forma extremamente raivosa e agressiva. 



A com relação ao relacionamento dos Chihuahua com as crianças, deve-se tomar certos cuidados, principalmente em casa que tenham crianças com menos de 10 anos, devido a seu temperamento um Chihuahua pode não ser um bom cachorro para uma criança, mas também devido a sua fragilidade e baixa estatura, o que pode provocar alguns eventuais acidentes, e ferir seriamente o cachorro. Pois, devido a seu temperamento um Chihuahua supervisiona e vigia constantemente, o que está acontecendo com a família e em torno dele, em uma casa com crianças, especialmente as pequenas, isso se torna difícil. pois os Chihuahuas são intolerantes à vida agitada, pessoas e lugares estranhos, a manipulação áspera e constante e a barulhos altos. Famílias com crianças que adotaram um geralmente reclamam de problemas no comportamento do cachorro como, mordidas, a quebra de algum objeto da casa, máxima proteção de apenas um membro da família, ser anti-social, Uma casa que tenha um Chihuahua e crianças com menos de 10 anos, pode gerar conflitos em ambas as partes, porque as crianças, não sabem lidar com o temperamento do cachorro, e gostam de ficar tocando e pegando ele, coisa que o Chihuahua não supora, neste caso, deve-se orientar e educar as crianças há respeitar o espaço do cachorro e não provoca-lo. E no aspecto da saude, os Chihuahuas, devem ser bem cuidados desde filhote para que possam ter uma vida tranquila e longa, e apesar de ter poucos problemas de saúde, o Chihuahua requer atenção de um veterinário, e de alguns cuidados que farão com que viva facilmente por mais de 15 anos de idade. Pois doenças caracteristicas como hipoglicemia, hidrocefalia, luxação da patela, entre outras, sã comuns a raça, e podem acometer frequentemente os Chihuahuas.

Frenchies - Cachorros.




Frenchies - Cachorros: O Bulldog Francês ou Frenchies, como é denominado em alguns países, é um otimo cachorro de companhia, devido principalmente ao seu temperamento e a seu pequeno porte. Seu nome indica a principio, que tenha sido a França o seu país de origem, porem os Norte Americanos e Britânicos tiveram uma influencia significativa, no aprimoramento e desenvolvimento desta raça .Não se tem com precisão, qual é a verdadeira origem do Buldogue Francês, mas há um consenso de que sua procedência seja francesa, e que descenda do grupo dos molossos. E sua ascendência teve inicio, a época da Revolução Industrial, ocorrida em meados do século XIX, que provocou a migração de artesãos ingleses, especialmente da região de Nottingham (Inglaterra), para o extremo norte da França, na região de Calais e Normandia.

E esses artesãos ingleses levaram consigo seus pequenos buldogues, chamados de "toy bulldogs", e inclusive, há muitas especulações sobre a definição dos toy bulldogs, pois existem teorias afirmando que eram miniaturas de Buldogues Ingleses, desprezados pelos criatórios tradicionais, que almejavam exemplares grandes e fortes. Já outras teorias dizem que os toy bulldogs eram o resultado de sucessivos acasalamentos entre buldogues ingleses, pugs e terriers de terras inglesas. Entretanto, estas teorias falham, em não conseguir explicar uma de suas principais caracteristicas anatómicas, que são as orelhas eretas do buldogue francês contemporâneo. Por sua vez, em terras Belgas e Francesas, já existiam os "Terriers Boules ou Ratiers", havia inclusive criadores dessa raça caçadora de ratos, como Monsieur Charles Petit, que foi um parisiense, que criou terrier boules na Bélgica por muitos anos, antes de retornar à França com seus melhores exemplares.

Os historiadores contam que entre os ancestrais dos terriers boules estão presentes varias raças como os pugs, os affenpinschers e alguns terriers. E em solo francês, os toy bulldogs e os terrier boules acasalaram-se e, e os descendentes do cruzamento destas raças, foram cachorros que foram muito apreciados e fizeram bastante sucesso. Pois eram ótimos cachorros, com grande aptidão para a caça, principalmente no extermínio de roedores e também eram excelentes para fazer companhia, e em pouco tempo espalharam-se pelo país. Estes foram então, os primeiros exemplares a darem inicio a linhagem dos "bouledogues françaises", sendo os açougueiros e ajudantes do matadouro de La Villette, em Paris, os primeiros a criarem o Buldogue Francês. E depois, rapidamente a Buldogue francês ganhou popularidade, sendo a raça predileta de grande camada da população na época, como cocheiros, sapateiros, vendedores, comerciantes e até por agentes da polícia, que se entusiasmaram com o pequeno Boule (Boule é a apócope de Bouledogue Français, nome francês do Buldogue Francês).

Nos cafés organizavam-se reuniões para comparar os melhores exemplares, trocavam-se conselhos e, sobretudo, tentava-se obter exemplares mais fortes sem medir sacrifícios. Transformado na estrela de Paris dos ofícios humildes, o boule frequentava os bairros populares de Pantin, Belleville e Lês Halles. O seu físico, o seu tamanho reduzido, a sua peculiar fisionomia, o seu caráter absolutamente encantador começaram a impor-se e a cativar os cada vez mais numerosos aficionados dos cachorros de cara chata. Pouco depois, o Boule introduzir-se-ia nas casas públicas, onde as mulheres de Belle Époque o adotaram por causa do aspecto excêntrico. Imortalizado por Toulouse-Lautrec no seu quadro Le Marchand de Marrons (O Vendedor de Castanhas) em 1901, o Buldogue Francês percorria como um conquistador os Champs Elysées, os grandes boulevards, o Bois de Boulogne.

Em 1888, foi fundado o 1º clube francês oficial da raça. e em 1894, a “Sociedade Central Canina”, reconheceu o Buldogue Francês como raça e pediu a união dos dois clubes pré-existentes, dessa maneira, foi fundado o “Clube do Bouledogue da França”. A raça foi reconhecida nos EUA em 1898, e é indiscutível que sem a influência e dedicação, de criadores do continente Americano, a raça talvez não seria o que fosse hoje, pois foram eles que organizaram o 1º clube do buldogue francês do mundo, e também destacaram uma de suas caracteeisticas peculiares, que são as “orelhas de morcego”.

E um fato de interesse histórico sobre o Buldogue Francês, foi a de um Boule, segurado pelo valor
“astronômico” (para a época) de U$750,00 (setecentos e cinquenta dólares), e que estava a bordo do famoso e naufragado Titanic. Seu nome era Gamin De Pycombe, e pertencia ao banqueiro Mr. Robert W. Daniels. Realmente, o Buldogue Francês é uma das poucas raças que deve sua existência aos esforços de criadores de diferentes países, França, Bélgica e Estados Unidos.

E as suas Características físicas e seu o porte, fizeram do Buldogue Frances um cachorro único, pois com um tamanho médio variando entre o pequeno e médio porte, e uma estrutura compacta e musculosa e uma sólida ossatura, o fazem ser um cachorro bastante possante em relação a proporção do seu tamanho. Possui também, um focinho curto e nariz achatada caracteristicos, com orelhas empinadas, abertas na base e arredondadas, e sua cauda é naturalmente curta, não sendo necessário cirurgia estética, e o peso médio do Bulldog Francês pode variar entre 8 a 14 kg, segundo o padrão proposto pela FCI. O Bulldog Frances atualmente, é utilizado como um cachorro de companhia por milhares de pessoas em todo mundo, e tem se popularizado muito nos últimos anos. E de acordo com a FCI, representada no Brasil pela Confederação Brasileira de Cinofilia, o Bulldog Francês está inserido no grupo 9, o grupo dos cachorros de companhia, onde também se encontram raças como os Pug, Shih Tzu, Poodle, Maltês, Lhasa Apso, dentre outras.

A classificação das cores da pelagem dos Buldogues Franceses, é objeto de estudo e de muitos debates de vários criadores no Brasil e no mundo, e infelizmente, o Padrão da Raça não é muito específico ao tratar de cores de pelagens, e pode abrir margens às interpretações pessoais dos criadores. De modo simples, as cores de pelagem de um Bulldog Francês podem ser objetivamente descritas como fulvo, com uma variedade de marcações e tons possíveis, o fulvo pode variar de tom desde o vermelho vivo e intenso ao café-com-leite e o dourado claro quase creme. As outras diferenças são devidas a variações de marcações, que variam desde o tigrado (listras negras em grau variável de repetição e grossura, que preenchem o fundo fulvo), até o pied (várias marcações tigradas com fulvo em um fundo branco) e o fulvo com máscara negra (fulvo, em suas tonalidades diferentes, com uma máscara negra clássica em sua face e, às vezes em algumas linhagens, em seu dorso também). São infinitas variações de tipos de marcação, de padrão, tamanho e localização nesses parâmetros. 

Algumas cores como o azul, o cinza, o preto com marrom, o marrom e o fígado, não são reconhecidas pelo Padrão da Raça, e são motivos de desclassificação em exposições de estrutura e beleza. Pequenas pintas escuras em cães pied são chamadas de ticking e não são almejadas, e não há uma tradução adequada para a palavra "pied" em português. Os exemplares completamente brancos sem marcações são classificados dentro dos "pieds" para fins de exposições caninas; mas seus cílios e contorno dos olhos devem ser pretos assim como os dos outros Bulldogs Franceses. E em relação ao temperamento do Bulldog Francês, este aspecto, também confere um tom especial à raça, pois são cachorros normalmente alegres, calmos, curiosos, companheiros, e brincalhões. Entretanto, como seus primos ingleses, são teimosos e pouco inteligentes, entende-se aqui inteligência, como a facilidade de assimilar e acatar adestramentos e treinamentos.

E como todas as raças de companhia, eles necessitam, acima de tudo, de contato constante com humanos, e suas necessidades de exercícios normalmente são mínimas, mas variam de cachorro para cachorro. Sua natureza calma, os torna grandes escolhas para aqueles que vivem em apartamento, assim como sua falta de interesse em latir. Sendo uma raça de cara achatada, é essencial que seus futuros donos entendam que Buldogues Franceses devem ser mantidos em locais com temperatura amena e preferencialmente dentro de casa, pois seu sistema de respiração pouco eficiente, não os permitem regular sua temperatura corporal eficazmente. Além do mais, o Bulldog Frances alem de ser pesado, e também devido a seus problemas respiratorios, deve-se ter sempre cuidado quando for praticar exercícios com eles, principalmente durante o verão, e também evitar banhos em praias ou piscinas, pois o Bulldog Frances, tem grande dificuldade em nadar.

E o nível de energia de um Buldogue Francês, pode variar de hiperativo e energético até a relaxado e calmo, porem é comum que os filhotes sejam mais ativos até os 12 ou 18 meses, quando mas após esta fase, eles se tornam efetivamentes adultos e começam a se acalmar. O Bulldog Francês, é uma raça essencialmente com sangue bull e sangue terrier, portanto, não é nenhuma surpresa que os problemas podem surgir quando dois cachorros desta raça se juntam, principalmente quando são do mesmo sexo. E donos que estão considerando adicionar um segundo cachorro à sua família, são geralmente advertidos e aconselhados a escolherem cachorros de sexo oposto, a castração também, pode minimizar bastante estas tendências antes mesmo delas começarem. E o Bulldog Frances, pode até ser usado também, como um cachorro de guarda ou vigia, devido a sua alta percepção de perigo no ambiente em que ele se localiza. Mas sem duvida, o melhor papel desempenhado Bulldog Francês, é como cachorro de companhia e lazer, seja pela sua pela sua alegria, companheirismo, fidelidade, e principalmente por seu carinho e paciência com as crianças. 

Resumidamente, o Bulldog Francês é um cachorro de boa índole, afetuoso, inteligente, disposto, brincalhão e carinhoso com crianças, no entanto, os exemplares da raça costumam ser agressivos entre si. Existem várias doenças a qual o Buldogue Frances esta predisposto, e quem deseja adquirir um exemplar da raça, precisa estar ciente de que, cachorros desta raça podem apresentar problemas de saúde muito específicos, que mesmo os criadores mais conscienciosos nunca poderão prometer que não ocorrerão. Testar os cachorros utilizados no programa reprodutivo auxilia até um certo limite, mas não assegura que nada acontecerá. Se alguém está procurando por uma raça com histórico livre de problemas de saúde, apesar de ser um cachorro maravilhoso, o Bulldog Frances é contra-indicado. 

E quando filhotes, o problema mais comum é o prolapso da glândula da terceira pálpebra, também conhecida como cherry-eye, alergias alimentares e a alergenos ambientais tambem são muito comuns. Porem o problema critico e mais alarmante no Bulldg Frances é a hipertermia, pois eles nunca devem ser mantidos em ambientes fechados, sem refrigeração, ou levados para passear sob o sol quente, estas são situações totalmente contra-indicadas. E lesões medulares também, são mais comuns em cachorros desta raça, a síndrome braquicefálica também está entre as complicações que os acometem, e esta condição deve ser corrigida cirurgicamente tão logo se faça o diagnóstico. 



E em função da protusão ocular, também são muito predispostos às úlceras de córnea. É importante ressaltar que criadores éticos sempre fazem exames de saúde em seus cachorros, antes de os reproduzirem, além de oferecerem extensas garantias sobre a saúde de seus cachorros, e cachorros com qualquer problema genético, não ser reproduzidos. E a reprodução é um outro quesito bastante complexo desta raça, uma vez que os cachorros desta raça pois alem de terem dificuldades de cruzar, não é recomendável que se faça cruzamentos naturais, mas somente inseminação artificial, e todos os partos se dão através de cesariana.

COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado

.COMO ACABAR COM AS PULGAS!