.

quarta-feira, novembro 12, 2014

Problemas Renais - Cachorros.



Problemas Renais - Cachorros: Todo o líquido que é ingerido pelos cachorros, e tambem  outros animais, assim como acontece no organismo humano, é absorvido e depois passa para o sangue. E através do sangue, a água passa por dois filtros bastante seletivos, e estes filtros são exatamente os rins. Inclusive a função desses órgãos é muito importante, pois são os rins que se encarregam de regular a quantidade de urina formada, que liberam as toxinas para fora do organismo e retem os compostos importantes, e que não devem ser eliminados, como as vitaminas, proteínas, sais minerais etc... E quando a capacidade de filtragem dos rins, apresenta-se insuficiente, prejudicada ou alterada, são a principio sintomas de que o cachorro possa vir a estar com insuficiência renal. 



Pois quando os rins ou "filtros" não estão funcionando adequadamente, o reflexo mais importante é a alteração consequente e imediata na quantidade de urina formada. E dependendo do tipo e do grau de lesão apresentada nos rins, o cachorro pode até vir a parar de urinar, ou passar a urinar em grande quantidade e com freqüência. E estas alterações, consequentemente, irão tambem desequilibrar o seu organismo como um todo. Nas lesões agudas, normalmente causadas por infecções urinárias que atingem os rins, o cachorro urina muito pouco ou até mesmo chega a não urinar por um ou vários dias. Quando isto ocorre, as toxinas que deveriam ser liberadas pela urina vão sendo retidas em seu organismo. 



Causando intoxicação, e o cachorro passa então a ter sintomas gerais como vômitos, inapetência, apatia, etc.. Entretanto há outros fatores que tambem podem vir a causar diminuição na quantidade de urina tais como, cálculos urinários (nesse caso a urina é formada, mas não pode ser eliminada pela obstrução causada pela pedra), desidratação grave, hemorragias severas, etc.. E quando é formada pouca urina, esta se apresenta bastante concentrada, de coloração amarelo forte ou escurecida. Sendo que o tratamento consiste em basicamente eliminar as toxinas do organismo, administrando medicamentos que "estimulem" os rins. 


Associado a isso, é preciso combater a causa principal da falta de formação de urina. Ou seja, combater a desidratação ou a hemorragia, combater uma possível infecção renal, etc.. No caso de lesões renais crônicas, os rins perdem a capacidade seletiva e permitem que a água, vitaminas e proteínas, tão importantes ao organismo, sejam eliminadas em quantidade. Ao mesmo tempo, permitem que a uréia e a creatinina, compostos tóxicos, sejam retidos. E o cachorro passa a urinar a todo o momento, em quantidade exagerada e tambem passa a beber muita água. Apresenta tambem vômitos, falta de apetite, desidratação e emagrecimento. 



Inclusive a anemia tambem ocorre frequentemente em cachorros com insuficiência renal crônica, já que os rins produzem fatores que estimulam a formação de sangue pela medula óssea. Outras doenças também podem fazer com que o animal urine muito e constantemente, como a diabetes, ou medicação a base de cortisona por longos períodos, etc.. E o tratamento visa a restabelecer o equilíbrio orgânico, com uma dieta apropriada, com baixo teor de proteína, suplementos vitamínicos e até anabolizantes, na intenção de aumentar a capacidade dos rins. Inclusive nas lesões crônicas, que muitas vezes se manifestam quando grande parte dos rins já perdeu suas funções, não é possível a recuperação do órgão, mas apenas controle da doença. 



E o diagnóstico da doença renal é feita através de exames laboratoriais (exames de sangue), radiografias e ultra-sonografia. O transplante de rins tambem já é feito em cachorros e outros animais, porém, não é uma cirurgia rotineira, e é necessário haver um doador compatível. porem a hemodiálise já é um tratamento realizado em cachorros e gatos, e com bastante sucesso. E tambem é fundamental e muito importante, se ficar atento às alterações significativas no hábito de urinar dos cachorros e tambem outros animais domesticos. Pois a prevenção e o socorro imediato e a tempo é o tratamento mais eficaz.












Cachorros - Febre Negra.




Cachorros - Febre Negra: A febre maculosa, também conhecida como febre negra ou febre do cachorro, é uma doença grave que causa vários sintomas, e é transmitida por uma bactéria (Rickettsia ricketsii) através do carrapato Amblyoma cajennense também conhecido como "carrapato estrela" ou carrapato de cavalo, além dele outros carrapatos também podem transmitir esta doença. A transmissão da doença acontece por meio da picada do carrapato infectado, e os sintomas podem aparecer já a partir de 4 a 6 horas da ocorrência da picada do carrapato na pele. Nos seres humanos os sintomas da doença acontecem subitamente, com febre alta, dores de cabeça e dores musculares, geralmente após quatro dias surgem manchas rosadas nas extremidades, em torno dos punhos e tornozelos, tronco, face, pescoço, palmas das mãos e solas dos pés. Um dos problemas graves no diagnóstico da febre maculosa está na semelhança dos seus sintomas iniciais (febre, dor de cabeça) com os de outras doenças comuns como a gripe. Isto faz com que as pessoas geralmente não procurem tratamento medico no início do processo, e a doença acaba evoluindo para um quadro mais grave. Cerca de 80% dos casos com forma grave, se não diagnosticados e tratados no tempo devido podem ser fatais.  Doença de Lyme: A doença de Lyme é transmitida por carrapatos do tipo Ixodes Scapularis aos cachorros e também aos seres humanos, e e causada por uma bactéria espiroqueta chamada Borrelia burgdorferi, que provoca uma grave infecção, e esta infecção pode atingir vários orgãos, inclusive a pele, o sistema nervoso, o coração e as articulações. Nos seres humanos pode haver ainda o surgimento de lesões eritematosas na pele (vermelhão) que evoluem do local da picada do carrapato (chamado de eritema migratório), no entanto nem sempre é frequente. Em cachorros, os sintomas mais comuns são dor articular aguda, letargia e febre. Doença rara em território brasileiro, mas já foram detectados focos em São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e Amazonas. Em caso da presença de sintomas, e devido a gravidade destas doenças( Febre Maculosa / Doença de Lyme ), deve-se procurar um medico veterinário para prevenção, diagnóstico e se necessário tratamento. 

E existem no Brasil três espécies de carrapatos, o carrapato estrela (Amblymma cajennense) que é nativo do Brasil e habita o interior e as matas, e parasita principalmente os cavalos, podendo eventualmente parasitar os cachorros e ate os humanos. O carrapato de boi (Boophilus microplus) que também habita o interior, entretanto parasita somente os bovinos. E o Carrapato Vermelho de Cachorro (Rhipicephalus sanguineus) como é vulgarmente conhecido, que e originário da África, e foi trazido ao Brasil na época da colonização. E é esta a espécie de carrapato predominante, e que esta perfeitamente adaptado as áreas urbanas em todo Brasil. Sendo encontrado no interior das residências, em batentes de portas e janelas, frestas de paredes, muros e habita preferencialmente lugares altos, sem luminosidade e com baixa umidade. O carrapato de cachorro não troca de fase no proprio cachorro, ele o faz no proprio ambiente, e eles se alojam nos locais altos, e de difícil acesso para mudar de fase ou para a fêmea se preparar para iniciar a postura dos ovos.

E após a conclusão de mudança de fase, eles saem geralmente a noite a procura de um hospedeiro (cachorro) e muito raramente os seres humanos, o macho para se fixar e se alimentar, e a fêmea para iniciar a postura dos ovos. Pois a fêmea, ao abandonar o hospedeiro precisa de alguns dias para iniciar a postura dos ovos, e para que os ovos sobrevivam no meio ambiente, é necessária a ação de uma glândula, chamada Órgão de Genet, que secreta uma camada pretetora para os ovos. Tendo voltado ao ambiente, e realizado a postura dos ovos ( 3000 a 4000 ovos), a fêmea morre, entretanto os ovos depositados por ela, reiniciam todo o ciclo. E após a postura, os ovos levam de 30 a 60 dias para se desenvolverem, e transformarem-se em larvas com 6 pernas, e podem suportar ate 60 dias de jejum antes de se alimentarem, parasitando um hospedeiro. E ao encontrarem um cachorro, fixem-se e se alimentam sugando seu sangue vorazmente. 

As larvas ficam no cachorro entre 5 a 7 dias, depois desprendem-se,sendo que o carrapato vermelho não troca de estagio no hospedeiro,ele sempre o faz no ambiente, abrigando-se em lugares altos e escuros para se transformarem em ninfas, este estagio leva de 5 a 50 dias. E após a transformação da larva em ninfa, que possuem 8 pernas, enquanto as larvas possuem 6, as ninfas conseguem suportam um jejum de ate 90 dias. E ao fixarem-se em um hospedeiro, as ninfas sugam-lhe o sangue principalmente da região da cabeça, orelhas, pescoço, e entre os dedos. Ficam parasitando o cachorro de 3 a 5 dias, quando desprendem-se novamente e se abrigam para dar inicio ao estagio adulto, que demora entre 10 a 16 dias. No estagio adulto os carrapatos tem a definição do sexo, macho ou fêmea, e podem resistir ate 220 dias sem se alimentarem. E ao fixar-se novamente em um cachorro, para sugar-lhe o sangue, e após o macho ter fecundado a fêmea, esta se alimenta intensamente do sangue do cachorro, ate desprender-se novamente, a procura de um local propicio para a postura dos ovos. 

E o carrapato não somente parasita o cachorro sugando-lhe o sangue, podendo inclusive deixa-lo anêmico. Como também transmite doenças, tanto para o cachorro, como para o ser humano, que são as zoonoses, sendo inclusive doenças graves, e que se não forem diagnosticadas e tratadas, podem até serem fatais. E entre as principais doenças, está a Erliquiose, que é uma doença altamente infecciosa, e o processo de transmissão inicia-se, ao carrapato picar um cachorro contaminado, e depois ao picar um cachorro saudável, consequentemente transmite a bactéria causadora da doença. Que é uma bactéria do género Ehrlichia, a Ehrlichia Canis, que é uma bactéria que vive dentro das células e causa uma infecção cronica. E embora raros, existem casos de seres humanos infectados por determinadas espécies da bactéria Ehrlichia sp. A Erliquiose tem três estágios, que é o estagio agudo, que ocorre no início da infecção, o segundo estagio onde geralmente não apresenta sintomas, e o terceiro estagio, ou estagio crônico onde acontecem infecções persistentes. 

E entre os principais sintomas apresentados pelos cachorros acometidos pela doença, estão a prostração, a falta de apetite, o sangramento ( nasal,cutâneo ) e o desenvolvimento de anemia grave. E a Babesiose é uma doença transmitida aos cachorros por varias espécies de carrapatos, mas a principal é a do carrapato vermelho de cachorro ( Rhipicephalus Sanguineus ), e é feita atraves de um protozoário ( Babesia canis ). Este protozoário infecta os glóbulos vermelhos do sangue do cachorro, multiplicando-se, e há manifestação de febre no inicio do estágio em que as células são rompidas. E após o inicio da infecção os protozoários se multiplicam intensamente, e em consequencia se deslocam para outras células, causando uma anêmia grave nos cachorros. Os cachorros acometidos pela doença apresentam como sintomas tristeza, emagrecimento repentino e prostação. 

Nos seres humanos  a doença ocorre por infecções com o protozoário ( Babesia microti ) através do carrapato I. scapularis. Apesar de ocorrer geralmente no interior e nas áreas rurais,e raramente nos grandes centros urbanos, já foram registrados casos na Baixada Fluminense e na Cidade de São Paulo. Em caso da presença de sintomas, e devido a gravidade destas doenças ( Erliquiose / Babesiose ), deve-se procurar um medico veterinário para prevenção, diagnóstico e se necessário tratamento. E mesmo sendo muito raro, em caso de suspeita de ocorrência de Babesiose por contaminação pelo  protozoário ( Babesia microti ) em seres humanos, deve-se igualmente procurar um medico imediatamente. E a Febre Maculosa, também conhecida como febre negra, ou febre do cachorro, tambem é uma zoonose, muito grave, e que causa a manifestação de vários sintomas igualmente graves e complexos. 

E é transmitida por uma bactéria (Rickettsia ricketsii), através do carrapato Amblyoma cajennense, também conhecido como "carrapato estrela" ou carrapato de cavalo, porem além dele, outros carrapatos também podem transmitir esta doença. E a transmissão da doença acontece por meio da picada do carrapato infectado, e os sintomas podem aparecer já a partir de 4 a 6 horas após a picada do carrapato na pele. Nos seres humanos, os sintomas da doença acontecem subitamente, com febre alta, dores de cabeça e dores musculares,geralmente após quatro dias surgem manchas rosadas nas extremidades do corpo, em torno dos punhos e tornozelos, tronco, face, pescoço, palmas das mãos e solas dos pés. Um dos problemas graves no diagnóstico da febre maculosa, está na semelhança dos seus sintomas iniciais (febre, dor de cabeça) com os de outras doenças comuns como a gripe. 

Isto faz com que as pessoas geralmente não procurem tratamento medico no início do processo, e a doênça acaba evoluindo para um quadro mais grave. E cerca de 80% dos casos com forma grave, se não forem diagnosticados e tratados, no tempo devido podem ser fatais. A Doença de Lyme, tambem é uma zoonose, que é transmitida por carrapatos do tipo Ixodes Scapularis aos cachorros, e também aos seres humanos, sendo causada por uma bactéria espiroqueta, chamada Borrelia burgdorferi, e que provoca uma grave infecção, e esta infecção pode atingir vários orgãos, inclusive a pele, o sistema nervoso, o coração e as articulações. Nos seres humanos pode haver ainda o surgimento de lesões eritematosas na pele (vermelhão), que evoluem do local da picada do carrapato (chamado de eritema migratório), no entanto nem sempre é frequente. Em cachorros, os sintomas mais comuns são dor articular aguda, letargia e febre. 

Esta porem é uma doença rara em território brasileiro, mas já foram detectados focos em São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e Amazonas. Em caso da presença de sintomas, e devido a gravidade destas doenças( Febre Maculosa / Doença de Lyme ), deve-se procurar um medico veterinário para prevenção, diagnóstico e se necessário tratamento. O tratamento e a eliminação dos carrapatos, é feito com a utilização de produtos que controlem a infestação de carrapatos principalmente no meio ambiente, e não somente sobre os cachorros, sendo este procedimento necessario e fundamental para o controle e o extermínio dos carrapatos. Pois somente 5% do total dos carrapatos estão parasitando diretamente o cachorro, sendo que o restante encontra-se no ambiente. E com condições climáticas favoráveis, constantemente novos carrapatos sairão de seu abrigo a procura de novos hospedeiros ou cachorros para parasitar. Devido a isto, é importante tratar tanto o cachorro quanto o ambiente em que ele vive, para que se possa obter um resultado eficaz no tratamento. 

E os principais locais a serem tratados, são os lugares altos, como batentes de portas e janelas, e frestas de muros e paredes. E deve-se utilizar produtos seguros, e que sejam de empresas reconhecidas e recomendados por um veterinário. Deve-se tambem ler com bastante atenção as instruções da bula ou da embalagem, preparar a diluição na quantidade correta e adequada, e tambem seguir as orientações quanto ao tempo de isolamento do local tratado, sendo muito importante e até imprencindivel também dar continuidade ao tratamento. E estes procedimentos quando bem executados, exterminam quase que 100% dos ovos, larvas, ninfas e carrapatos adultos.  E quanto ao tratamento aplicado diretamente aos cachorros existam diversos medicamentos carrapaticidas para serem diluídos na agua e aplicados em forma de banhos semanais, medicamentos topicos que são aplicados na pele e no pelo dos cachorros, e também sabonetes e coleiras carrapaticidas de longa duração. Em ambos os casos, tanto com o tratamento aplicado aos cachorros quanto ao aplicado no ambiente, deve-se procurar obrigatoriamente um medico veterinário para uma orientação adequada e segura.  










Cachorro com Sarna.




Cachorro com Sarna: A sarna e uma doença causada por ácaros (Sarcoptes Scabiel), que são parasitas microscopicos que habitam  a pele dos cachorros. Alguns tipos de sarnas acometem exclusivamente os cachorros, outras são Zoonozes que acometem tanto os cachorros, como os seres humanos, como a Escabiose (Sarna Sarcóptica), e a sarna sarcóptica se dissemina e tem predominância em regiões quentes, sendo também muito contagiosa. Outro tipo de sarna e a Sarna Demodécica, que  possui as mesmas caracteristicas da sarna sarcoptica, entretanto não e uma zoonoze, ou seja não é contagiosa aos seres humanos.



Tanto a Sarna Demodecica quanto a Sarna sarcoptica são causadas por ácaros que se abrigam nos pelos (folículos pilosos) e nas glândulas sebáceas da pele dos cachorros. E caso não sejam rápida e devidamente diagnosticadas e tratadas, além de provocarem uma intensa queda de pêlos, ocasionam também feridas extensas e profundas que podem inclusive levar o cachorro a morte, causada pelas infecções  oportunistas que ocorrem  em sua pele produzida por germes patogénicos encontrados  no ambiente ou inclusive  na sua própria pelagem.  Tendo como agravante  ainda o prurido e a intensa irritação provocada no cachorro, aumentando o seu grau de infecção e piorando o seu ferimento pelo próprio ato de se coçar.

COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado