.

segunda-feira, janeiro 31, 2011

Animais e Tragedias Naturais.


Animais e as Tragédias Naturais: Alagamentos, queda de barreiras ou qualquer outra catástrofe natural são temas de tragédias preferidos pela mídia em geral, entretanto, a grande questão é a forma como estes fatos são abordados. Pois existem diversas maneiras de se expor uma matéria, porem à imprensa as focalizam sempre com o mesmo olhar, e do mesmo ângulo.É neste olhar, não existe um angulo em que se possa focalizar os animais. Pois os assuntos relacionados a eles, são de interesse, na visão distorcida da grande imprensa, de uma minoria. Principalmente quanto são assuntos relacionados ao fim da exploração e da crueldade contra os animais. Porque a notícia antes de ser uma fonte de informação, é um produto e uma mercadoria a ser.“Vendida” e falar sobre animais não da audiência ou "ibope", então matérias sobre animais não merecem destaque. O que resultado em uma falta de cobertura quase que total da mídia em geral sobre a situação dos animais vitimas de catástrofes.


E quando o fazem, é de forma limitada e superficial, como o caso de uma noticia sobre um cavalo que.havia ficado preso entre os escombros de uma casa e uma árvore ainda o prendia, a mídia noticiou o. fato ocorrido, no entanto não deu mais informações,.e não se sabe se ele foi resgatado e conseguiu sobreviver, ou se continua lá até agora, e consequentemente morreu. Por causa do desprezo e o descaso em relação aos animais, o publico em geral só é informado do superficial, pois a mídia não se interessou e não se deu ao trabalho de acompanhar o desdobramento do fato ocorrido com este e outros animais. E tambem não. informa ou cobra por parte do poder público uma maior atenção e um maior cuidado para com os animais, que tambem foram vitimas potenciais da tragédia da Região Serrana. Simplesmente não ha. interesse por parte da grande mídia sequer em informar o drama sofrido pelos animais. Ou seja, para a mídia empresarial, que é regida pelos índices de audiência, o sofrimento e a vida dos animais não tem a menor importância.



Houve casos de abrigos de animais, localizados na Região Serrana, em Nova Friburgo e Teresópolis que foram atingidos por deslizamentos e enchentes, ficando isolados em uma situação calamitosa e desesperadora, com centenas de animais correndo risco de morte, com frio, fome e sede, alem de. vários gravemente feridos. E que se não fosse pelo socorro, ajuda e colaboração de entidades protetoras dos animais e tambem de voluntários, a tragédia teria se consumado, e o drama e sofrimento dos animais teria se transformado em uma tragédia muito maior. E graças ao precioso auxilio destas entidades e dos voluntários foi possível salvar a vida de centenas de animais, inclusive muitos que estavam gravemente feridos. Enquanto que a grande mídia e o poder publico, foram totalmente omissos, e nada fizeram para ajudar ou ao menos divulgar a situação calamitosa, dramática e desesperadora vivido por estes animais. Que por não serem considerados uma vida, mas sim. seres inferiores e desprezíveis foram totalmente ignorados e deixados para morrer a mingua.


Inclusive o poder público não possui qualquer tipo de estratégia para o auxilio e resgate de animais neste tipo de situação Embora os meios de comunicação não tenham como obrigação ajudar a salvar animais em situação de catástrofe, a mídia tem o poder de ao divulgar os fatos concientizar, influenciar e solidarizar aos que assistem o noticiario, e que tem a possibilidade de ajudar. Principalmente o poder publico que não somente tem a possibilidade, como tambem deveria ter aa obrigação. Entretanto o poder publico, não tem o menor interesse ou preocupação com assuntos relacionados aos animais. Pois já existem milhares de animais abandonados famintos e doentes pelas ruas das grandes cidades, com total omissão das autoridades constituídas. E seria no mínimo uma grande ilusão, esperar algum tipo de auxilio ou preocupação para com os animais vitimados por esta e outras tragédias por parte do poder publico. E em relação à omissão da mídia, houve tambem o caso da senhora que foi resgata por pessoas de um prédio próximo, mais a mídia sequer comentou sobre os três cachorros que lhe pertenciam. 


E estavam juntamente com ela, passando pelo mesmo drama. E da escolha que ela teve de fazer para tentar salvar ao menos um, ao invés de simplesmente largá-los lá, e só pensar em sua própria vida. Mas que infelizmente acabou com todos os cachorros sendo levados pela enxurrada. E depois ela extremamente triste disse em um site que lamentou profundamente não poder ter feito nada para salvar a vida dos seus bichinhos de estimação. Entretanto a mídia pouco ou nada falou a respeito da vida perdida destes três animaizinhos, e a tristeza desta senhora por tê-los perdidos. Não dando a menor importância, ao fato da senhora ter. tentado salvar ao menos um cãzinho e não ter conseguido. Parecia ao ver na TV, que o cachorrinho que a senhora não conseguiu salvar, e os outros dois que não puderam ser carregados, eram apenas pares de sapatos velhos, ou simples objetos descartáveis. Pois se a mídia tivesse dado mais atenção aos animais vitimados pela tragédia da Região Serrana, muitos animais que perderam a vida poderiam ter sido salvos.


Pois uma grande quantidade ficou perdida, sem água ou comida, e que no desespero de seus donos foram simplesmente abandonados em áreas de risco, alguns até presos por correntes. Muitos foram levados pela enxurrada, alguns morreram afogados ou soterrados, e muitos ficaram gravemente feridos. E os jornais e noticiários simplesmente pouco ou nada falaram, houve abrigos de animais abandonados que foram seriamente atingidos, cavalos que morreram, e outros tiveram ferimentos gravíssimos e até faturas expostas tendo que ser sacrificados. Se as notícias sobre os animais que foram vitimas deste drama, fossem mais difundidas, com certeza haveria mais ajuda, e muitos dos animais que morreram poderiam ter sido salvos. Pois as ONGs que estão atuando no auxilio e resgate destes animais, como a participação de voluntarios, praticamente trabalharam sozinhas principalmente no inicio, sem nenhuma colaboração do poder publico ou orientação e informação por parte da mídia.


As ONGSs heróica e eficientemente montaram toda uma estrutura para mapear a área, localizar, socorrer e resgatar os animais, e tambem arrecadar donativos que foram e ainda são essenciais, como rações, medicamentos, jornais e até dinheiro, para serem depositados em contas bancárias. Porem muitas pessoas que queriam participar de alguma forma, não o conseguiram fazer, pois para saberem notícias sobre como ajudar os animais, era preciso buscar informações na internet, pois em outros meios de comunicação quase nada era falado. É lastimável e vergonhosa a situação dos animais no Brasil, e isto já prevalecendo em situações normais do cotidiano, porem em casos de tragédias como a da Região Serrana e similares, esta situação se torna dramatica para os animais, com total omissão, despreso e abandono. E se depende-se da atenção da mídia ou da ação do poder publico, estas tragédias para os animais alcançariam proporções imensuráveis.


Mas porem, graças à atuação heróica, na base da cara e a coragem das ONGs e dos amigos voluntários, superando todas as adversidades, obstáculos e carências com muita eficiência e determinação, o sofrimento dos animais vitimados foi bastante minimizado, com muitos sendo atendidos, alimentados, tratados e resgatados e tendo as suas vidas salvas. Em outros paises, existe toda uma cultura voltada para a consideração e o respeito pelos animais. Na Austrália, por exemplo, que tambem esta sendo atingida por fortes chuvas e inundações, há preocupação e respeito pela vida animal. Com atenção da midia, e ação por parte do poder publico, com o proposito de salvar e resgatar todos os animais vitimados, incluindo cavalos, bois e até animais selvagens, que estejam precisando de socorro. No Brasil, no entanto ha necessidade de se criar uma conscientização de que os animais são seres vivos, são vidas que apesar de serem considerados irracionais, tambem sofrem, sentem dor, fome, e frio como qualquer ser humano. E são dignos de todo respeito e consideração, pois são vitimas inocentes e indefesas dos efeitos nocivos da ação dos racionais e pretensiosos seres humanos na flora e na fauna do planeta, como desmatamentos de florestas, poluição dos rios, mares e do ecossistema com lixo, detritos e esgoto. 















domingo, janeiro 30, 2011

Pequinês - Cachorros.



Pequinês - Cachorros: O Pequinês é uma raça muito antiga de cachorro miniatura, é originária da China. E apesar de ser um cachorro de pequenas dimensões, tem bastante personalidade e é bem valente. O seu aspecto é leonino, é independente e capaz de defender-se. O peso médio do Pequinês varia entre 2 e 8 kg. E foram os cachorros favoritos da corte imperial. O Pequinês também eram chamados de cachorro Fu (ou Fu Lin) pelos chineses, que os reverenciaram representando-os em várias obras de arte. Eram considerados espíritos guardiões, visto que se assemelham ao mítico leão chinês. A raça pequinêsa tem mais de 2000 anos de existência e mudou pouco no decorrer deste tempo, sendo sua origem muito provavelmente a resultante do cruzamento de cachorros do tipo Maltês e Terriers tibetanos (que originaram o Lhasa Apso) com os pequinesês já existentes nesta época. 



Atualmente, os criadores modernos e juízes de competições caninas parecem preferir o tipo de pêlos longos ao tipo mais tradicional, de pêlo estilo spaniel. Um poema escrito pela imperatriz Tzu Hsi descreve aqueles que seriam os aspectos essenciais da raça e nos ajudam a entender como os chineses de então viam este cão. Os padrões da raça admitem praticamente todo tipo de combinação de cores. A mais comum é o sable vermelho; esta é a cor da maioria dos pequinesês do Westminster Kennel Club Dog Show. Preto e bronze são populares também, mas os dourados parecem ser os preferidos para cachorros de exposição. O pequinês totalmente branco (exceto a face) ou totalmente preto é deveras impressionante. É fundamental que a face (nariz, lábios e contorno dos olhos) seja negra e os olhos, marrons. Supostamente, há uma variante de pêlo azul (acinzentado) na linhagem pequinesa britânica. Os olhos do Pequinês são grandes, cristalinos, de cor escura e brilhante, levemente proeminentes e redondos. 




As orelhas, em forma de coração, são providas com longas franjas. O pescoço é um pouco curto e grosso. O tronco é curto, mas com tórax amplo. A cauda é de inserção alta, posição rígida, levemente curva sobre o dorso, com franjas abundantes. Sua pelagem é longa e reta, com crina abundante que se estende atrás dos ombros, formando uma espécie de coleira ao redor do pescoço. O pêlo de cobertura é basto, com franjas abundantes nas orelhas, nos membros, nas coxas, na cauda e nos pés. Todas as cores e manchas são admitidas, e apreciadas igualmente, com exceção do albino e da cor de fígado. Os exemplares multicoloridos apresentam manchas bem definidas. O modo de andar bamboleante do Pequinês não tem similar no mundo canino. Visto que os chineses os criavam originalmente para fazer companhia ao imperador, suas damas da corte e eunucos, as pernas são arqueadas para desencorajar perambulações. 


Todavia, eles o podem fazer e o farão, mesmo com cachorros maiores, quando permitido. É impressionante como as pernas arqueadas lhes permitem caminhar, correr ou trotar. Pelo padrão inglês, os pequinesês devem pesar até 5 Kg (machos) e 5,5 kg (fêmeas), e medir de 15 a 23 cm de altura nas espáduas, podendo viver entre 10 e 12 anos. Em competições, o padrão americano recomenda que animais acima de 7 kg sejam desclassificados. Cachorros pequinesês são temperamentais, geniosos e teimosos, porem sempre atendem quando o dono chama. Não são agressivos com outros cachorros se acostumando muito rápido com estes. O Pequinês é um cachorro amigo e muito fiel e é um otimo cachorro de companhia, e geralmente dedicam todo este carinho e fidelidade a uma só pessoa da família, podendo inclusive ter muito ciúmes e se tornar um cachorro bastante agressivo. 



Devido a sua personalidade forte e atitude independente, mesmo sendo muito gentil e leal com seu dono, tem, no entanto um comportamento ciumento e teimoso, e é um cachorro que exige cuidado durante o convívio e interação com pessoas estranhas, pois pode não aceitar afagos ou gestos de carinho reagindo aos mesmos com violência. Na verdade o cachorro Pequinês é considerado mal humorado por pessoas que não tenham intimidade com os cachorros desta raça, graças ao gênio forte e a sua aparência um tanto altiva. Principalmente no caso de cachorros adultos,.entretanto depois que se acostumam, aceitam facilmente a presença destas pessoas na sua vida, e também adoram crianças. É um cachorro amigo, contente, e quando recebe carinho e é bem tratado pode até dar a vida pelo seu dono. O Pequenes foi introduzido no Brasil na década de 1960, e em fins da década de 1970 houve uma grande procura pela raça. 


Fato este que estimulou a ganância dos criadores, e levou a ocorrência de vários cruzamentos equivocados, e já no início dos anos 1990 o Pequinês legítimo era raro no Brasil. E em relação a saúde, o principal problema do Pequinês envolve os seus olhos, que alem de se projetarem pra fora, também são grandes e sensíveis. E tambem o sistema respiratório, por conta de seu crânio pequeno e cara chata, e as alergias de pele. Um problema bastante comum são ulcerações nos olhos que podem se desenvolver espontâneamente. Além da Vacinação e Vermifugação permanentes deve-se atentar para a saúde e higiene do animal dando especial atenção a sua grande fragilidade, que são os olhos que devem ser mantidos sempre limpos com água boricada para que o cachorro não corra o risco de ficar cego como acontece, devido à falta de cuidados higiênicos necessários, com muitos exemplares desta raça. 


Pequinesês dorsos longos demais se comparados às pernas, os fazem vulneráveis a lesões nas costas. Deve-se tomar cuidado ao erguê-los, para proporcionar suporte adequado para as costas: coloca-se uma mão sob o peito e outra sob o abdômen. Por causa das pernas curtas, alguns pequinesês têm problemas com escadas; e cachorros idosos podem não ser mais capazes de subir ou descer escadas sozinhos. Manter a pelagem do Pequinês saudável e apresentável exige que ela seja escovada pelo menos uma vez ao dia, embora alguns criadores admitam que isso possa ser feito apenas três vezes por semana, a escovação diária lhe permitirá levar seu cachorro ao tosador apenas de 3 em 3 meses. Todavia, se o cachorro se sujar e a sujeira secar no pêlo, será necessário levá-lo ao tosador, posto que seja difícil para um leigo fazer a limpeza sem machucar o cachorro. 


Análises de DNA recentes indicam que o Pequinês são cachorros, em que a raça está entre as mais antigas do mundo. Pelo menos desde a Dinastia Ming (1368-1644), sua posse estava restrita aos membros da corte imperial chinesa, sendo que o cruzamento e a criação ficavam a cargo dos eunucos. Estes, por sinal, disputavam arduamente entre si as boas graças dos governantes, tentando produzir os exemplares mais ferozes e de aparência mais leonina. Companhias constantes do imperador, quando este seguia para o salão de audiências, muitos dos seus pequenos companheiros lideravam a procissão anunciando sua chegada com latidos agudos (uma dica para que os simples mortais virassem o rosto para o outro lado). À noite, eles carregavam lanterninhas penduradas nos pescoços. Ao longo dos primeiros dois séculos da Dinastia Manchu (1644-1912), o pequinês e o Lhasa Apso eram mais parecidos entre si do que são hoje. 


Mas foi somente nos últimos 100 ou 150 anos que programas especializados de cruzamento na Cidade Proibida e no Ocidente estabeleceram uma conformidade que permitisse distinguir claramente entre ambas as raças. Durante a Segunda Guerra do Ópio, em 1860, a Cidade Proibida foi invadida pelas tropas inglesas. E O imperador Xianfeng fugiu com toda a sua corte. Todavia, uma tia idosa do imperador ficou para trás e, quando os ‘diabos estrangeiros’ entraram, ela suicidou-se. Junto do corpo, os soldados encontraram cinco pequinesês que pranteavam sua morte. Os animais foram recolhidos pelos ingleses antes que o Velho Palácio de Verão fosse queimado. Lord John Hay levou um casal, posteriormente chamados de ‘Schloff’ e ‘Hytien’ e os deu à sua mãe, a duquesa de Wellington, esposa de Henry Wellesley, 3° duque de Wellington. Sir George Fitzroy levou outro casal, e os deu para seus primos, o duque e a duquesa de Richmond e Gordon; este dois que receberam o prefixo de Goodwood, são os fundadores da linhagem inglesa. O tenente Dunne presenteou o quinto pequinês para a rainha Vitória do Reino Unido, que o denominou Looty. 


A Imperatriz Viúva Tzu Hsi presenteou com pequineses vários americanos, incluindo John Pierpont Morgan e Alice Lee Roosevelt Longworth, filha de Theodore Roosevelt. Os primeiros pequinesês na Irlanda foram introduzidos pelo Dr. Heuston. Ele fundou clínicas de vacinação contra varíola na China e o efeito foi dramático. Em reconhecimento, o ministro chinês Li Hung Chang presenteou-o com um casal de pequinesês. Eles foram chamados de Chang e Lady Li. O Dr. Heuston fundou o canil Greystones. O ápice do pequinês como queridinho dos palácios imperiais chineses ocorreu durante o reinado da Última Imperatriz (Tzu Hsi), que ascendeu ao poder em 1861. Para obter prestígio, ela se fez cercar dos diminutos "cães-leões", insistindo para que sua semelhança com o leão fosse tão próxima quanto possível. Após a morte dela em 1908, os serviçais da corte mataram a maior parte dos animais para que eles não caíssem em mãos indignas. Os poucos que escaparam desapareceram em residências particulares sem deixar vestígios; não fosse a raça estar firmemente estabelecida no Ocidente, teria muito provavelmente sido extinta nesta ocasião.

sábado, janeiro 29, 2011

Bichon Frisé - Cachorros.



Bichon Frisé - Cachorros: O Bichon Frisé, é um cachorro de origem Franco-Belga, que possui um porte pequeno e uma pelagem fina e sedosa, e são cachorros muito populares, sendo muito semelhantes com os Poodles em aparência. Com uma altura variando entre 17 e 30 cm, e com um peso entre 4.5 e 8 kg., a sua ascendência genética vem do cruzamento do Maltes com o Poodle,.sendo também o mais típico dos cachorros de companhia que existe. E o traço marcante de sua personalidade é a doçura, a sensibilidade, a sutileza no dar e receber, Conseguindo até a velhice, manter as características de um filhote, pois.está sempre investigando, correndo pela casa, fazendo brincadeiras. Pode brincar bem sozinho, mas prefere a companhia de pessoas, principalmente crianças. É muito social, alegre, simpático, meigo, bastante afeiçoado ao dono, e com um porte majestoso. 


Sendo um cachorro extremamente activo, simpático, divertido, inteligente, amistoso, expansivo, e muito sociável Mesmo com pessoas estranhas ou outros cachorros, está sempre alegre e tentando agradar o dono e estar perto dele, meigo, robusto, vivo, de temperamento estável. Com movimentação elegante, estilo e ar de dignidade e inteligência, com porte majestoso. O seu temperamento excepcional faz dele um cachorro ideal para famílias com crianças. E é também muito usado em trabalhos de terapias com pessoas, que envolvam a presença de animais, já que o seu tamanho e aspecto contribuem favoravelmente no relacionamento com os doentes, que se sentem estimulados pela sua docilidade. Mas apesar do seu aspecto frágil e simpático, assume perfeitamente o papel de desportista, participando sempre com otimo desempenho em competições como o agility e o flyball. 


O Bichon tem também um especial talento para travessuras, o que poderá surpreender quem adquiriu o cachorro, baseados apenas pela sua aparência, por isso, deve ser educado desde muito cedo por forma a que perceba facilmente os limites para as suas brincadeiras. Se for preciso deixá-los longos períodos sozinhos, seus donos devem acostumá-los desde pequenos a não latir enquanto estiverem sós. Procure não o mima-los em demasiado, e assuma a posição de líder da matilha,. o principal elemento para o sucesso de uma boa educação será a postura dos donos que não devem deixar-se levar pelo aspecto frágil de filhote, mimando excessivamente o cachorro. Apesar de se adaptarem muito bem a apartamentos, os Bichons precisam de gastar a sua energia em passeios diários, pois mesmo sendo um cachorro de aparência frágil, aguentam facilmente longas caminhadas ao lado do dono, e gostam de ter espaço para correr e brincar. 


A sua aparência quando filhote é um pêlo tosquiado e com manchas rosadas em algumas partes do corpo, tais manchas podem ou não sumir, dependendo de sua genética. O Bichon Frisé quando adulto tem o pêlo normalmente branco puro, com vestígios ou não das manchas. E a sua aparência, que é a de um cachorro branco de pequeno porte, com pêlos cheios e sedosos, leva muitas pessoas a confundi-lo com um Poodle. Na verdade o Bichon é resultado do cruzamento do Poodle e o Maltês. O porte é assemelhado ao do Maltês, como a textura de seu pelo que também é macio. E foi o seu pêlo cheio e encaracolado, que o levou a ser chamado por seu nome atual, Bichon Frisé, que em francês significa "Bicho Encaracolado".Ideal para pequenos espaços, o pouco pêlo que solta acaba ficando retido na escova e não suja o ambiente,. entretanto ele é muito dependente de seu dono.


O Bichon Frisé tem origem muito antiga, pois é descendente de uma linhagem de cachorros muito semelhantes ao Maltes, ao Barbet e ao Poodle, e que já existiam no antigo Egito e na Fenícia, 1400 anos antes de Cristo. Acredita-se também que o Bichon Frisé, ou Bichon à Poil Frisé (Bichon de pêlos encaracolados), possa ter sido introduzido por marinheiros no Tenerife, Ilhas Canárias, no século XIV, sendo considerado um descendente do Barbet, um dos ancestrais do Poodle. O nome francês Barbet, inclusive, deu origem ao diminutivo “barbichon” ou “bichon”. Porem está é uma teoria sem fundamentos, que carece de credibilidade, pois na realidade, foi na Europa que a raça foi se moldando, e sendo aprimorada, após sucessivos cruzamentos entre o Maltes e o Poodle, especialmente na França e na Bélgica. e adquirindo uma aparência similar à do Poodle Miniatura. 


O Bichon Frisé e reconhecido como uma raça franco-belga, porém sua popularização realmente se deu nos Estados Unidos,. com o registro da raça no AKC (American Kennel Club) ocorrendo no ano de 1972. A pelagem do Bichon Frisé é comprida e encaracolada, demandando cuidados como escovação e tosa frequentes, a cor dos pêlos aceita pelo padrão da CBKC (Confederação Brasileira de Cinofilia) é o branco puro, preferencialmente com pele escura podendo ser pigmentada em preto, azulado ou bege. E a palavra "bichon" costuma ser utilizada coletivamente para descrever cachorros pequenos e brancos, como o Coton de Tulear, o Maltês, o Frisé, o Bolonhês e o Havanês. Os principais problemas específicos de saúde que costumam acometer o Bichon Frise, são, as Dermatites alérgicas, pois a raça apresenta uma pele muito sensível, por isso, pode manifestar uma série de reações alérgicas, também os Cálculos Renais podem ocorrer com frequência, caso haja uma alta concentração de proteína e magnésio na sua alimentação, e as Otites, devido à conformação de suas orelhas, os exemplares desta raça estão propensos a desenvolver inflamação nos ouvidos.

sexta-feira, janeiro 28, 2011

Pug - Cachorros.



Pug - Cachorros: O Pug é uma raça de cachorros de companhia originária da China, era uma das raças prediletas dos nobres e da realeza. O Pug tem características marcantes, como focinho achatado, o rabo em formato de espiral, com olhos redondos e proeminentes. Seu porte é pequeno e o seu peso médio ideal, varia entre os 6 a 11kg, porém devido a sua voracidade, a raça tende a ser obesa e alguns podem chegar a mais de 30 kg. A pelagem do seu musculoso e pesado corpo é fina, lisa, macia e curta. A cor é prateado, abricó-castanho, preto ou cor de sujeira. O Pug tem um grande charme e boa disposição, seus olhos são grandes e sedutores, de formato globular, sua expressão doce, porem sempre alerta., medindo em media entre 25 a 28 cm de altura. É também não suporta viagens longas e cansativas, pois seu focinho achatado dificulta a sua respiração, deixando-o propenso a ficar com renite alérgica, além disso é normalmente muito ofegante.


Devido a esta caracteristica de seu focinho, não resiste a ficar em locais quentes e abafados. Este cachorro charmoso, mascarado, de cara achatada, olhos saltados e cauda enroscada, pode mesmo encher a casa de alegria. Pois sua energia e simpatia são contagiantes.,e adora correr e pular sobre as pessoas, transformando qualquer momento numa verdadeira festa. Recebe as visitas como um verdadeiro anfitrião, animado e solícito, reunindo sobre si o foco das atenções, pois é impossível resistir a tanta empolgação. E por ser um cachorro de companhia, adora ficar junto das pessoas da casa, Entretanto pode ser também um ótimo cachorro de guarda, sendo ideal para lugares pequenos, pois é muito limpo e quieto e extremamente alerta com estranhos. Torna-se facilmente um companheiro inseparável, na verdade, acompanha seu dono para todos os lugares, chegando mesmo a ser chato e intrometido.


O Pug demonstra-se extremamente sociável e rapidamente se enquadra e se adapta a ambientes e pessoas estranhas, é considerado uma das raças mais dóceis. Outra característica diferenciada é o seu latido, e de acordo com o livro A Inteligência dos Cães, de Stanley Coren, o Pug encontra-se na 53ª posição entre as raças pesquisadas no quesito Inteligência adestramento e obediência. A expectativa de vida do Pug varia entre cerca de 13 a 15 anos, sendo também, um cachorro que perde muito pêlo o ano inteiro, intensificando ainda mais nas épocas de troca de pelagem. O Pug foi levado da China para a Holanda por volta do século XVI pela Companhia Mercante de Navegação Holandesa, dita Companhia das Índias, e foi bastante apreciado pelas damas da sociedade como cachorro de companhia. Depois chegou à Inglaterra que o adoptou e mais tarde redigiria o seu padrão, antes, porém, no início do século XVII, já era difundido em vários países europeus como Itália, França, Espanha e Alemanha. 


Sempre tido como cachorro de companhia da nobreza e alta sociedade, e sua trajectória remonta os episódios com Napoleão Bonaparte, o rei da Holanda: Guilherme o Silencioso, e mais recentemente com o Duque de Windsor. Sem o aviso de um pequeno Pug, Guilherme teria morrido nas mãos dos espanhóis. O latido de alerta do cachorro avisou sobre a invasão e salvou uma vida real. Após este episódio, o Pug tornou-se o cachorro oficial da corte, e o túmulo de Ghilherme exibe, além dele, o seu querido cachorro também. Contudo, há especulações de que sua origem seja de ascendência europeia, e o seu nome provavelmente pode se referir a um tipo de sagüi de aparência similar, que também é chamado de Pug. Possui também outros nomes como por exemplo: Mops do verbo "Moppen" que significa "de aspecto franzido", na Alemanha.Os ingleses o baptizaram-no Pug ou "Pug-Dog", o que significa "coisa diminuta" ou "cão diminuto".


O nome Carlino ou Carlini foi usado pela primeira vez em França, pelo aspecto cómico, curioso e mal-humorado ao mesmo tempo, que lhe conferem as rugas e a pigmentação particular do rosto, No Brasil a difusão da raça ainda é muito pequena, mas basta que seja um pouco divulgada para demonstrar seu potencial de carisma que há muito já foi descoberto pelo mundo. E também o Pug por sua pelagem curta não requer muitos cuidados com higiene, enquanto filhote um banho mensal é suficiente para a conservação da limpeza, inclusive o Pug não é um cachorro de cheiro forte, mas as rugas do seu rosto devem ser limpas com algodão embebido em água, uma vez a cada cinco ou seis dias. os ouvidos devem ser limpos semanalmente com cotonete umidecido em álcool. O Pug é um cachorro sem muita pelagem por baixo, por isso sente muito frio se for deixado a dormir ao relento, principalmente nas épocas de maior frio ou quando houver queda de temperatura.



Por ter o focinho extremamente curto, sua pré-disposição a má respiração faz com que sejam necessários certos cuidados com gripes e resfriados, para que depois, não possam vir a trazer maiores complicações, por isso mantenha-o longe de geladeiras e jamais dê a ele nada gelado. Porém, mesmo no inverno, não se deve agasalha-lo muito, pois ele pode ter sua resistência diminuída, e ficar propenso a pegar tosses e resfriados. Os Pugs são cachorros que geralmente apresentam uma excelente saúde, e que se for devidamente cuidada, lhe garantiram muita longevidade. pois é comum que os Pugs normalmente vivam mais do que 14 anos. No entanto, como todas os cachorros de raça pura, apresentam algumas vulnerabilidades e problemas de saúde que lhes são comum. E entre as principais vulnerabilidades estão os os seus olhos, que ficam muito expostos a acidentes, pois são proeminentes e não existe um focinho longo para atuar como "pára-choques".



E as suas vias aéreas superiores, que são curtas, ocasionando prejuízo no preparo e condicionamento do ar inalado. Um terceiro pode ser considerado: a pele. Os Pugs apresentam pré-disposição à dermatites, por isso é importante investir numa boa alimentação (ração super-premium), escovação diária e pouquíssimos banhos, acredite quanto menos melhor. Com relação aos olhos, deve-se ter muito cuidado com plantas espinhosas, gatos e suas unhas, e qualquer coisa pontiaguda que possa ferir os olhos do Pug se ele eventualmente vir esbarrar nela. Além disso, as unhas do Pug devem ser mantidas curtas, principalmente as do quinto-dedo (dedão da mão), pois ele pode se machucar ao esfregar a cara com as patas dianteiras. Deve-se também ter muita atenção com qualquer alteração nos olhos de um Pug, como secreções purulentas, áreas esbranquiçadas, manchas, etc, e. se for detectada qualquer alteração, o médico veterinário deve ser consultado imediatamente. Com relação ao problema respiratório, comum em todas as raças braquicéfalas, ou seja, que apresentam focinho muito curto, devem ser tomadas algumas precauções.


O principal problema ocorre porque o ar inspirado não é condicionado apropriadamente, como por exemplo, o ar frio não é suficientemente aquecido, e o ar quente não é suficientemente esfriado, antes de ir para os pulmões ("Síndrome do Cachorro Braquicefalo). E devido a esta "limitação" respiratória, os Pugs não são aptos a exercícios rigorosos, como corridas, porem,. podem e devem ser submetidos a exercícios moderados, como caminhadas, que devem ser gradativamente aumentados, para se acostumarem a elas. Além disso, sua dificuldade respiratória é agravada em dias muito quentes, quando podem apresentar o chamado "estresse do calor", que pode levar à morte por parada respiratória. Em dias quentes, os Pugs não devem ser exercitados e devem ser protegidos do calor. Um exemplo de estresse do calor que pode levar à morte, é o que acontece quando um Pug fica preso em um carro fechado, no sol, em um dia muito quente. Ele pode entrar em choque e morrer em apenas 30 minutos,. por isso, muito cuidado nesse sentido. Outro cuidado muito importante que deve-se ter com um Pug é durante a anestesia, pois os Pugs podem vir a morrer durante uma anestesia geral, dependendo do tipo de anestésico e da técnica utilizada. Detalhes estes que devem ser informados ao médico veterinário, caso seja necessário fazer-se um eventual procedimento cirúrgico.




quinta-feira, janeiro 27, 2011

Pinscher Miniatura - Cachorros.


Pinsher Miniatura - Cachorros: O Pinscher Miniatura, também chamado de Zwergpinscher e Miniature Pinscher, é uma raça de cachorros de pequeno porte, originaria da Alemanha, Sabe-se que o Pinscher era encontrado nas florestas da Alemanha, há séculos, onde passou a ser criado. O verdadeiro movimento deu-se em 1895, com a fundação do Pinscher Clube Alemão, que redigiu o primeiro padrão da raça. Porem, há especulações de que o Pinscher tenha se originado do cruzamento do Italian Greyhound, com o pequeno Techel (o nosso conhecido "Salsichinha"). O Pinscher Miniatura possui uma pelagem curta e densa, e suas cores são sólidas e em várias tonalidades que vão do vermelho-acastanhado até vermelho cor de cervo, do preto com marcas vermelho-acastanhadas, marrom e preto com marcas marrons bem nítidas nas maçãs do rosto, focinho, acima dos olhos, no queixo e garganta, nos dois lados do antepeito, metatarso, pernas dianteiras, patas, face interna das pernas traseiras. 


Morfologicamente, são cachorros semelhantes ao Doberman, tendo ancestrais em comum, mas não sendo uma miniatura desta raça, como muitos pensam. O Pinscher tem somente um padrão de tamanho médio definido oficialmente que é de 25 a 30 cm de altura, da cernelha (região onde as espáduas se encontram) ao chão. Quando ele ultrapassa 30 cm de altura, ou quando não atinge 25 cm, está fora dos padrões, o que pode desclassificá-lo para competições. A cabeça do Pinscher também é menos alongada, e as orelhas são proporcionalmente maiores. É a menor raça de guarda classificada pela Federação Cinológica Internacional. Na Alemanha é encontrado com dois tipos de tamanho, o médio e o miniatura, porem no Brasil só existem os Pinscher Miniaturas. Há ainda outros tipos de Pinscher na Alemanha e nos Estados Unidos, o Afghan Pinscher, que surgiu do cruzamento do Griffon e Schauzer, que são conhecidos como grandes caçadores de ratos, e o Pinscher Manchester, de tamanho maior, que foi usado na criação da raça Dobermann. 


E apesar do tamanho reduzido o Pinscher Miniatura é classificado pela Federação Cinológica Internacional como um cão de guarda. Em exposição neste tipo de segmento ele desfila ao lado de Dobermans, Rottweillers, Boxers, etc. e uma curiosidade a respeito do Pinscher, é a de ser conhecida como a raça que inspirou o lobisomem do filme Harry Potter e o Prisioneiro de Azkabam. Alguns criadores optam por cortar parte das orelhas e o rabo dos Pinscher Miniatura ainda filhotes, prática cada vez mais condenada em todo o mundo, exceto Estados Unidos. inclusive a cirurgia estética em cachorros, que realmente é uma pratica condenável , que causa muita dor e sofrimento aos cachorros submetidos a mesma, é proibida em muitos países. Em boas condições de criação, com trato correto na sua saúde, higiene e alimentação, são bastante longe-vos, não raro ultrapassando os 15 anos de vida, e as crias normalmente variam de 3 a 6 filhotes. 


Os Pinschers Miniaturas, por serem pequenos, são uma boa opção para pessoas que moram em apartamentos. São inteligentes e leais, embora tenham o instinto de cão de guarda e apresentem a tendência a latir para estranhos. É necessário o cuidado na convivência com crianças, pelo tamanho reduzido do dos Pinschers, acidentes podem acontecer pelo contato brusco ou brincadeiras não super-visionadas. Os Pinschers, caso tenham que conviver com outros cachorros, precisam ser acostumados gradualmente para se evitar brigas, pois não obstante o seu tamanho reduzido e sua pouca força física, podem atacar cachorros muito maiores. Eles têm também, uma certa tendência a obesidade, e precisam de alimentação balanceada e controlada. Outra fragilidade é a sua propensão a acidentes, devido a sua ousadia combinada ao tamanho reduzido,. de maneira geral a raça é dotada de uma boa saúde e inteligência notável. 


E é um cachorro de grande mobilidade, ágil, de aspectos muito elegante. temerário e alerta, embora de caráter dócil, revela- se um ótimo guardião da casa, sendo muito desconfiado com estranhos. É um cachorro muito fiel ao dono, porem pouco sociável e agressivo com estranhos, e é destemido, não tendo medo de nada, nem de ninguém, apesar de seu diminuto tamanho. E por seu pequeno porte, e também por suas qualidade de guardião , é um cachorro que se adapta muito bem a apartamentos. Possuem uma audição bastante aguçada, podendo perceber com facilidade a aproximação de estranhos. Por esta razão é considerada excelente cão de guarda, pois apesar do seu tamanho, seu latido alerta o dono e consequentemente afugenta os estranhos. E além dessa qualidade é um cachorro fácil de se cuidar, e a pelagem lustrosa e curta dispensa maiores cuidados. 


Pois um banho mensal e duas vezes escovações semanais, já são o suficiente para mante-lo limpo e higienizado. No inverno, devido a seus pelos curtos, o Pinscher Miniatura sente muito frio. É aconselhável então deixa-lo dormir em lugares abrigados e com cobertores. Como ele é um cachorro, que tem como caracteristica ser destemido e agitado, comportamentos estes que podem aumentar muito seus batimentos cardíacos, deve-se evitar que ele fique muito agitado, pois tais atitudes, podem levá-lo a ter problemas cardíacos. E é de fundamental importantancia também, a aplicação de vacinas e vermifugos, que os protegera de varias doenças infecto-contagiosas, e são imprenscindiveis para manutenção de uma boa saúde. No mais, é uma raça muito fácil de ser criada, e devido a sua rusticidade e resistência, dificilmente fica doente.

quarta-feira, janeiro 26, 2011

Lulu da Pomerânia - Cachorros.



Lulu da Pomerânia - Cachorros: O Spitz Alemão Anão ou Pequeno, conhecido popularmente como Lulu da Pomerânia ou simplesmente Pomerânia, é uma raça de cachorros muito antiga, porém seu reconhecimento oficial é relativamente recente, remontando ao século XIX. E o que mais chama atenção nesta raça, é certamente sua exuberante pelagem, que atinge todo o seu esplendor por volta dos 2 anos de idade, extremamente abundante e armada. A raça possui ainda olhos amendoados e orelhas pequenas e pontiagudas, lembrando a aparência de uma raposa. Descendentes dos cães de puxar trenó originários da Islândia e da Lapônia, seus ancestrais foram introduzidos na Inglaterra pela Rainha Vitória, no começo do século XIX, trazidos da região da Pomerânia na Alemanha - daí o nome popular da raça.


Muito difundido na Europa e nos Estados Unidos da América, este cachorro foi o companheiro de Mozart, em Viena, enquanto compunha. Os exemplares primitivos possuíam ossatura mais pesada, orelhas maiores e não possuíam profusão de pelos, que caracteriza a raça hoje em dia. Os primeiros Spitz eram empregados como hábeis condutores de gado por seu porte grande e pesado, porém, na Inglaterra, foram criados menores e mais leves, com pelagem copiosa. Atualmente os Lulus da Pomerânia ou Pomeranian nos EUA (AKC) são chamados oficialmente pelo sistema FCI (da qual o Brasil faz parte) de Spitz Alemão Anão. Em 1995 e 1996 a CBKC não registrou nenhum exemplar da raça. A raça foi re-introduzida no Brasil no final dos anos 90 principalmente pelo canil Love Blue, que importou diversas matrizes dos EUA, principalmente o macho "Starfire's Thunder Wind".


Desde 2005 a popularidade da raça vem crescendo, registrando-se cada vez mais exemplares ao ano pela CBKC (Confederação Brasileira de Cinofilia). O Spitz Alemão Anão/Pequeno precisa de cuidados para que a pelagem seja mantida em boas condições, entretanto 2 escovadas na pelagem por semana são suficientes. O único cuidado é que a escova deve ser de aço, com cerdas retas e sem pinos nas pontas. As de cerdas retorcidas de Poodle não são indicadas, pois retiram muito sub-pelo impedindo a pelagem de armar. Mesmo os banhos não precisam ser frequentes, bastando um a cada 40 dias para mante-los limpos e bonitos. Os filhotes passam por uma dramática troca de pelos ao redor dos 4 meses, a qual só termina por volta de 1 ano de idade, quando adquirem a esplendorosa pelagem de adulto (chegando ao ápice em torno dos 2 anos de idade). 


E existe uma grande variedade de cores de pelagem existentes nos Spitz, entre as principais estão a cor cinza sombreado, preta, marron, marron escuro, branco, laranja, castanho, cinza, creme, sable claro, e sabre alaranjado. São extremamente dóceis, por isso mesmo são considerados cachorros de companhia, sendo um cachorro fácil de ser treinado, extremamente dedicado ao dono e capaz de ficar sozinho por bastante tempo, sem problema algum. E é um cachorro que esta sempre alerta, esperto e excepcionalmente devotado a seu dono, de fácil condução e treinamento.


Sua desconfiança para com estranhos, e a ausência do interesse para com a caça, o tornam ideal como cachorro de vigia, para o lar e fazenda. Não é tímido, porem também não é agressivo, e seus mais importantes atributos são a resistência à mudanças climáticas, a robustez e a longevidade. Mas o que seduz realmente nos Spitz é a beleza de suas pelagens, mantidas eretas pela abundância do subpêlo, e particularmente impressionante é a exuberante juba em torno do pescoço. E a frondosa cauda emplumada portada, de maneira soberba, deitada sobre o dorso. A cabeça de raposa de olhos aguçados e inteligentes. e as orelhas pequenas, pontudas e de inserção conferem ao Spitz alemão uma ar característico impertinente.

-Tamanho e peso segundo o padrão oficial: 

-O peso varia de 1,5 kg a 5 kg, dependendo da varidade e sexo.

•Spitz lobo: 50 cm, pode ter uma variação para mais ou para menos de 5 cm, admite-se até 60 cm

•Spitz grande: 42 a 50 cm

•Spitz médio: 30 a 38 cm

•Spitz pequeno: até 29 cm

•Spitz anão: até 22 cm


O Spitz alemão remonta da idade da pedra, a origem vem doTurfspitz (canis familiaris palustris) são as mais antigas raças de cachorros da Europa Central. Muitas outras raças foram reproduzidas a partir delas. Nos países de língua não germânicas os wolfspitz são conhecidos como keeshonds e o Spitz anão como Pomerânia. O nome Pomerânia vem de uma pequena região na Alemanha oriental, local de onde a raça se originou, presumivelmente derivado de um Spitz.



A Rainha Charlotte (a esposa do Rei George III) importou um casal da Inglaterra em 1767. Ela deu nome a eles de Phoebe e Mercúrio. Ela gostou tanto da raça que mandou pintar vários quadros e, essas pinturas podem ser vistas em vários locais em Londres. Nestas pinturas está claro que o Pomerânia era substancialmente maior que a variedade moderna, pesando presumidamente uns 12 quilos, bem mais pesado que os Lulus da Pomerânia atuais, que pesam 2.5 quilos em média. O envolvimento de Rainha Victoria foi de grande importância para o desenvolvimento da raça. Embora ela fosse neta de Charlotte, ela parece não ter se encontrado com os cachorros até 1888 quando viajava pela Itália. Ela parece ter obtido vários cães em Florença, e desenvolveu uma afinidade particular com a raça. Seu cãozinho favorito, o Turi estava ao seu lado quando morreu.


O interesse da Rainha Victoria teve um impacto significativo e a raça Pomerânia cresceu. O Kennel Clube reconheceu a raça em 1870 mas até 1900 havia relativamente poucos exemplares competindo nas exposições. O primeiro Pomerânia registrado pelo Kennel Clube americano (AKC) foi Dick em 1888. E o seu nome varia em diferentes regiões no mundo, Lulu é apelido da raça na França e no Brasil, Pomerânia é o nome que americanos e canadenses usam e que em seus padrões deve ter de 1,3 a 3,1 quilos. Como a nossa criação se baseava na americana até 1986, muitos estão mais familiarizados com tal nome. Spitz Alemão é o nome da raça em seu País de origem, que é a Alemanha, e adotado pela Federação Cinológica Internacional, que rege mais de 70 países, inclusive a maior parte da criação brasileira.


E em relação a saude e higiene, o Lulu da Pomerânia, é um cachorro naturalmente com perspectiva de vida longa, porem existem algumas doenças que são relativamente comuns de lhes acometer. Como problemas cardíacos e de pele, especialmente alergias, e algumas complicações ao nível das articulações, tais como o síndrome de Legg-Calvé-Perthes, tambem podem ocorrer nos cachorros desta raça. Em estações de tempo quente, durante o dia, o Lulu da Pomeranea deve ficar sempre a sombra, e não deve ser exercitado. 

O Lulu da Pomerânia tende a ser selectivo com a comida, mas não deverá substituir a comida seca. Devido à alta probabilidade de desenvolverem problemas dentários, deve-se ter especial atenção ao seu tipo de dieta. As rações secas são a melhor forma de prevenir tártaro, è importante por isso, não descuidar tambem da escovação dos dentes do cachorro. A profusa pelagem do Lulu da Pomerânia obriga a escovagens frequentes, uma a duas vezes por semana. Apesar de cada escovagem demorar algum tempo, se as mantiver regulares, não será difícil desembaraçar o pêlo. O Lulu larga pêlo durante todo o ano, mas uma a duas vezes por ano renova a pelagem. Nessas alturas, deve se intensificar as escovações, para remover o pêlo solto e prevenir












terça-feira, janeiro 25, 2011

Chihuahua - Cachorros.


Chihuahua - Cachorros: O Chihuahua é a menor raça de cachorros do mundo, e a sua origem e o seu nome, estão ligados a região de Chihuahua no México, É um cachorro extremamente inteligente e afetuoso, porem bastante possessivo, sendo considerado um otimo cachorro de companhia. Pois alem de ser um excelente companheiro para todos os momentos, o Chihuahua é também um bom cachorro de guarda, pois está sempre alerta a qualquer barulho ou movimento. O Chihuahua é um cachorro encantador que sempre cativará as pessoas, e ainda proporciona muitos benefícios e facilidades, para aquelas pessoas que não querem ter muito "trabalho" na hora de cuidar de seu cachorro, entre elas, o seu pequeno tamanho e peso, alem de sua rusticidade e facilidade de adaptação. A historia cronológica da raça, por falta de registros, ainda não foi totalmente revelado, o que se sabe, é que há um consenso entre pesquisadores de que a origem da raça é mexicana, mas existem especulações também de que o Chihuahua pode ser originário da ilha de Cuba ou até do Egito. È provável que sejam descendentes de uma raça muito antiga, a Techichi, que é uma raça associada a realeza da civilização Asteca, e é a raça mais antiga da América do Norte. E os Chihuahuas estão muito relacionados aos Techichis, devido a imagens de cachorros cravadas em pedras no período tolteca serem muito parecidas com os Techichis e os Chihuahuas.



Alguns dizem que o Techichi viveu de forma selvagem, na época da civilização tolteca, onde foi capturado e domesticado por seus habitantes, sendo que os Techichi, eram um pouco maior que os Chihuahuas, suas cores também eram similares, os Techichi, não auxiliavam os humanos no trabalho, por serem muito pequenos para o rebanho de gado ou para a caça, eles também não conseguiam carregar pacotes ou puxar carga, mas, mesmo assim os toltecas valorizavam os Techichis, e acreditavam que a amizade entre humanos e cachorros continuava após a morte, sendo assim quando o seu dono morria, o Techichi tinha que morrer também, e era enterrado junto, fato que ficou comprovado em tumbas onde foram encontrados os techichis. E por estes fatos, especula-se que os Chihuahua tenham se originado, a partir do cruzamento do Techichi, com um pequeno cachorro que foi trazido da Ásia para o Alasca, esse cachorro que não tinha nenhum pelo , supostamente seria o responsável, pela baixa estatura do Chihuahua. Depois disto, apareceram vários outros indícios sobre sua origem, alguns deles apontam para a ilha de Cuba, e inclusive o Egito, onde muitas pessoas acham que é de lá que o Chihuahua tenha se originado, devido a achados de restos mortais de e pinturas de cachorros com aparência muito próxima a dos Chihuahua, e esses achados eram de aproximadamente 1000 anos A.C.. Entretanto os Chihuahua foram quase extintos, depois que os espanhóis invasores chegaram a costa mexicana. 


Pois a civilização asteca foi quase que totalmente destruída, e os Chihuahuas ficaram sem as pessoas que criavam e cuidavam deles, e a grande acabou morrendo abandonada, Entretanto os remanescentes da civilização asteca, juntamente com outros povos nativos do México, acolheram muitos exemplares do Chihuahua, dando continuidade a sua reprodução, e consequentemente salvando a raça. Até que os norte-americanos descobriram esta raça exótica que nomearam de Arizona ou Texas, provavelmente por esses estados estadunidenses, fazerem fronteira com o México. Os norte-americanos se apaixonaram pelo pequeno cachorro e ajudaram a aumentar em muito o número de chihuahuas. Porem, o reconhecimento e a popularização dos Chihuahua, só veio a ocorrer no final do século XIX, aproximadamente em 1890, e a partir dai, a raça ganhou fama mundial, e para aumentar mais ainda a sua popularidade, houve a aparição do Chihuahua, ao lado de artistas, como a mexicana Lupe Vélez, atriz que fez o filme The Wolf Song (1929), do diretor Victor Fleming, e o longa-metragem de Cecil B. de Mille em The Squaw Man (1931). E o que ajudou para a disseminação do Chihuahua no mundo, foi principalmente seu aspecto exótico, sua personalidade e o seu tamanho e peso diminuto, o Chihuahua também é uma das raças mais antigas a serem registradas no kennel club. 



A estatura do Chihuahua está compreendida entre 16-22 cm(mini) e é proporcional ao seu peso, que vai de 1,0 a 3,0 kg, e os tamanhos menores são os mais apreciados. Tem um crânio em forma de maçã, com o focinho curto e pontudo, olhos redondos, orelhas grandes que se erguem quando alerta e bem separadas entre si, um corpo compacto, com um comprimento proporcionalmente maior que a altura, cauda mantida curvada sobre o dorso ou de lado, e um Chihuahua de olhos verdes, apesar de ser aceitável, não é desejável. E as cores mais frequentes são o fulvo-claro, o areia, o marrom, o prateado e o azul-aço, a pelagem pode ser unicolor ou malhada. O Chihuahua é encontrado em dois tipos de pelagem, uma curta, e outra alongada e ondulada, esta mais rara e difícil. Sua pele é lisa e elástica em toda a superfície corporal, seu comprimento é quase do mesmo tamanho que a altura na cernelha, com tronco quase quadrado, especialmente nos machos, entretanto nas fêmeas, o tronco é um pouco maior por causa que isso irá ajuda na sua função reprodutiva. Existem duas variedades, o pêlo longo e o pêlo curto. o Chihuahua de pêlo curto, tem o seu pelo assentado em todo o corpo, ligeiramente mais longo quando apresenta capa interna (subpêlo), se haver uma certa escassez na garganta e no abdome, sendo ligeiramente mais longo no pescoço e na cauda, e curto na cara e as orelhas; é brilhante e sua textura suave, E o de pelo longo, o seu pelo deve ser fino e sedoso, liso ou ligeiramente ondulado. 



É desejável a capa interna (subpêlo) não muito densa, apresentando pelo muito longo em forma de pluma nas orelhas, pescoço, face posterior dos membros anteriores e posteriores, patas e cOs Chihuahuas podem ter várias cores e são conhecidos pelas suas grandes orelhas em pé. Filhotes de Chihuahuas às vezes são confundidos com porquinhos-da-índia por causa das suas caras apertadas, tamanho extremamente pequeno. olhos grandes, redondos e brilhantes, não exageradamente salientes. E, o focinho ideal é o curto, levemente apontado num ângulo de praticamente 90º, orelhas grandes, portadas eretas em estado de alerta, e ficam mais caídas com inserção lateral num ângulo de 45º de abertura quando estão em repouso (parece um morcego). Dentição desejável em forma de tesoura, mas é comum encontrar mordeduras em torquês, ou até mesmo uma leve prognatismo, mas os dentes nunca devem ser visíveis. Todas as cores são admissíveis, inclusive todas as combinações de cores (quanto mais exótico, melhor). Nas cores claras, a trufa e os olhos podem ser claros, a cor mais comum é a rubi escuro. Cauda moderadamente longa, portada em foice para cima, ou fazendo uma curva sobre o dorso, com a ponta tocando o mesmo. O Chihuahua apesar de seu pequeno tamanho, mostra-se um habilidoso caçador de ratos. De uma natureza forte, o cachorro, é um dos poucos autóctones do continente americano, isso se pode observar pelas suas origens indígenas. Sempre muito alerta ele, late a menor ruído, e é muito fiel ao dono. 



E em relação a alimentação do Chihuahua, eles são são onívoros, e deve-se tomar cuidado para fornece-los uma alimentação adequada e equilibrada. E ao mesmo tempo, não alimenta-los demais, pois eles tem uma certa tendencia a ficarem obesos, e os Chihuahuas com excesso de peso podem vir a ter problemas com os ligamentos, colapso da traqueia, bronquite crônica e esperança de vida encurtada. Alguns potenciais compradores buscam animais extremamente pequenos. e eles podem estar doentes ou desnutridos, ou, se forem saudáveis, podem ter vida curta e problemas de saúde devido ao extremo nanismo. Normalmente são utilizados para reprodução e podem precisar de cuidados especiais. Alguns criadores de chihuahuas propositadamente tentam produzir exemplares muito pequenos, para consequentemente poder aumentar os preços destes examplares, a maioria dos reprodutores respeitáveis desaprova essa prática, pois o tamanho de um Chihuahua adulto é imprevisivel. Os chihuahuas apresentam diversos atributos que fazem dele um cachorro perfeito, principalmente para pessoas que não dispõem de muito espaço, e tempo para cuidar de um cachorro. No entanto, algumas características dele, podem se tornar um desafio para muitos que devem ser tomados com muito cuidado. Na hora de adquirir o seu Chihuahua esteja certo de que você está completamente consciente dos atributos da raça e seus eventuais problemas, e que está pronto para lidar com eles. 



Um Chihuahua pode ser um excelente companheiro na casa certa e com o dono certo. Na verdade, o cachorro pode se adaptar muito fácil a qualquer casa, devido ao seu tamanho. Essa raça pode igualmente viver em um apartamento pequeno, assim como em uma mansão. A chave para o sucesso de ter o seu próprio Chihuahua, está no seu próprio dono, pode-se dizer que quem quer adotar esse cachorro irá ter sucesso. Se você está disposto a enfrentar e conhecer todos os desafios de ter um Chihuahua, então ele será seu companheiro, por longos anos. Além do mais, é muito importante manter a segurança de seu cachorro, assim como, sua higiene e beleza bem cuidadas. O Chihuahua não se tornou uma raça popular, e favorita para quem quer ter um cachorro, por várias razões incluindo essas, entre estas o seu tamanho e pesos pequenos, da para carregar facilmente e até para viajar confortavelmente no colo, a sua grande variedade de cores, E se corretamente alimentado e cuidade é um cachorro de vida longa, com tempo medio variando entre 14 e 18 anos, podendo chegar até mais de 20 anos.Se adapta tranquilamente em qualquer local, mesmo pequeno, não sendo necessario fazer-se exercicios ou caminhadas, e alem de fazer companhia, é um excelente cachorro de guarda. Assim como todo cachorro de raça, o Chihuahua tem seus próprios problemas, muito deles são ocasionados pela reprodução de má qualidade, é podem ser evitados através de cachorros que venham de um reprodutor de qualidade. 



Isso é uma das coisas mais importantes ao se adquirir um cachorro, e outros podem ser próprios de todos os membros da raça. Para que o chihuahua venha a ter uma vida longa e para que você não fique preocupado, caso tenha que deixar seu cachorro sozinho em casa, é necessário que tome algumas medidas de segurança. Como não deixar fios conectados a tomada, pois um choque pode lhe ser fatal, não se deve também usar produtos de limpeza com quimica muito forte no vaso sanitario, ou mata mosquitos em spray, pois eles são muitos sensiveis a estes produtos, inclusive pequenas quantidades de certas plantas, alimentos extragados ou venenos que eles possam vir eventualmente a ingerir, podem lhes ser fatais. E em relação aos banhos, apesar de existirem afirmações de que o Chihuahua só deve tomá-los após a última dose de vacina, pode-se banhar o filhote antes desta data tranquilamente, em casa, com água morna e em local sem correntes de vento e frio. Evite dar banhos em Pet Shops antes das vacinas completas para preveni-lo contra eventuais contágios. Com as unhas caso seu Chihuahua não saia frequentemente de casa, pode vir a ter problemas com o crescimento exagerado destas. Neste caso, convém apará-las de mês em mês, de preferência em um veterinário de confiança. E pela parte da escovação procure escovar os dentes do seu Chihuahua com frequência. Acostume-o desde cedo com este hábito. pois a escovação, e a consequente hugiene bucal, traz enormes benefícios de saúde dos cachorros. 



Os Chihuahuas, são conhecidos pela sua personalidade e lealdade, mas não são recomendáveis para as crianças por causa do seu tamanho e pela fragilidade. No entanto, sua agilidade, inteligência e tamanho os fazem adaptáveis a vários ambientes, inclusive cidades e apartamentos. Negativamente, podem estar propensos a serem muito nervosos. Muitos Chihuahuas tendem a focalizar seu amor e devoção a uma pessoa apenas, tornando-se extremamente ciumentos em relação a mesma. E o Chihuahua pode ter vários graus de temperamento, e apesar de seu tamanho, eles se mostram muito corajosos em diversas situações, inclusive podendo ser muito agressivo com outros animais e pessoas que não conheça, mas, se educado corretamente, para não ser agressivo com estranhos, mostrarar-se um cachorro afetuoso, divertido, amoroso, e uma boa companhia. Os Chihuahua são caracterizados por seus donos, como cachorros de colo, que não precisam de muito exercício, mas, mesmo assim, é sempre bom para ele pequenos passeios pela rua. Como excelente cachorro de alerta que é, deve-se evitar que desenvolva o hábito de latir demais, para isto, deve haver paciência na hora de educá-lo. A raça aparece na 67ª posição em um ranking do livro 'A inteligência dos cães', de Stanley Coren, de cachorros mais comportados. No Brasil, infelizmente há 'vendedores', que produzem com frequência cachorros pequenos, isso gera graves desvios de comportamento. 



A raça sofre também com a mestiçagem do Chihuahua com o Pinscher e até mesmo com o Lulu da Pomerânia, e é por esse motivo que se deve escolher bem onde adquirir o seu cachorro, para não ser enganado por esses vendedores, que só querem lucrar. Toda a educação do cachorro depende da criação que lhes é dada por seus donos, o que pode definir fatores como longevidade, obediência ao dono, doenças, temperamento, inteligência, entre outros, ou seja, o cachorro pode ser bem-educado ou mal-educado. No caso do Chihuahua, como foi mostrado pode haver críticas positivas ou negativas em relação ao comportamento desse cachorro. Alguns donos de Chihuahua dizem: "Seu comportamento é muito bom. e ele é muito sociavel, inclusive late pouco, e se dá muito bem com outros cachorros e crianças, e é muito inteligente!". Porem há donos que dizem exatamente o contrário, que seu cachorro é anti-social, que faz muito barulho à noite, e que tem um temperamento agressiva. Então, há necessidade de se fazer um trabalho de educação e socialização com o Chihuahua, para se evitar estes problemas. Pois não basta somente ter a vontade de adquirir um Chihuahua, e para que estas situações não ocorram, e o Chihuahua não se torne um "incomodo", é necessário saber educa-lo, cuidar dele, dar segurança, carinho e atenção. Pois, podem acontecer constrangimentos futuros, imagine um Chihuahua, que fique latindo para qualquer cachorro ou pessoa que se aproxime, enquanto o seu dono passeia com ele, ou que quando um parente ou amigo, chegue perto dele, e ele aja de forma extremamente raivosa e agressiva. 


A com relação ao relacionamento dos Chihuahua com as crianças, deve-se tomar certos cuidados, principalmente em casa que tenham crianças com menos de 10 anos, devido a seu temperamento um Chihuahua pode não ser um bom cachorro para uma criança, mas também devido a sua fragilidade e baixa estatura, o que pode provocar alguns eventuais acidentes, e ferir seriamente o cachorro. Pois, devido a seu temperamento um Chihuahua supervisiona e vigia constantemente, o que está acontecendo com a família e em torno dele, em uma casa com crianças, especialmente as pequenas, isso se torna difícil. pois os Chihuahuas são intolerantes à vida agitada, pessoas e lugares estranhos, a manipulação áspera e constante e a barulhos altos. Famílias com crianças que adotaram um geralmente reclamam de problemas no comportamento do cachorro como, mordidas, a quebra de algum objeto da casa, máxima proteção de apenas um membro da família, ser anti-social, Uma casa que tenha um Chihuahua e crianças com menos de 10 anos, pode gerar conflitos em ambas as partes, porque as crianças, não sabem lidar com o temperamento do cachorro, e gostam de ficar tocando e pegando ele, coisa que o Chihuahua não supora, neste caso, deve-se orientar e educar as crianças há respeitar o espaço do cachorro e não provoca-lo. E no aspecto da saude, os Chihuahuas, devem ser bem cuidados desde filhote para que possam ter uma vida tranquila e longa, e apesar de ter poucos problemas de saúde, o Chihuahua requer atenção de um veterinário, e de alguns cuidados que farão com que viva facilmente por mais de 15 anos de idade. Pois doenças caracteristicas como hipoglicemia, hidrocefalia, luxação da patela, entre outras, sã comuns a raça, e podem acometer frequentemente os Chihuahuas.









COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado

.COMO ACABAR COM AS PULGAS!