COMPARTILHE A POSTAGEM.

SEGUIR NO TWITTER.

Follow CachorrosBlogs on Twitter
Seja bem-vindo. Hoje é

24 janeiro, 2011

Bulldog Frances - Cachorros.


                        

Bulldog Francês - Cachorros: O Bulldog Francês ou Frenchies, como é denominado em alguns países, é um otimo cachorro de companhia, devido principalmente ao seu temperamento e a seu pequeno porte. Seu nome indica a principio, que tenha sido a França o seu país de origem, porem os Norte Americanos e Britânicos tiveram uma influencia significativa, no aprimoramento e desenvolvimento desta raça .Não se tem com precisão, qual é a verdadeira origem do Buldogue Francês, mas há um consenso de que sua procedência seja francesa, e que descenda do grupo dos molossos. E sua ascendência teve inicio, a época da Revolução Industrial, ocorrida em meados do século XIX, que provocou a migração de artesãos ingleses, especialmente da região de Nottingham (Inglaterra), para o extremo norte da França, na região de Calais e Normandia.


E esses artesãos ingleses levaram consigo seus pequenos buldogues, chamados de "toy bulldogs", e inclusive, há muitas especulações sobre a definição dos toy bulldogs, pois existem teorias afirmando que eram miniaturas de Buldogues Ingleses, desprezados pelos criatórios tradicionais, que almejavam exemplares grandes e fortes. Já outras teorias dizem que os toy bulldogs eram o resultado de sucessivos acasalamentos entre buldogues ingleses, pugs e terriers de terras inglesas. Entretanto, estas teorias falham, em não conseguir explicar uma de suas principais caracteristicas anatómicas, que são as orelhas eretas do buldogue francês contemporâneo. Por sua vez, em terras Belgas e Francesas, já existiam os "Terriers Boules ou Ratiers", havia inclusive criadores dessa raça caçadora de ratos, como Monsieur Charles Petit, que foi um parisiense, que criou terrier boules na Bélgica por muitos anos, antes de retornar à França com seus melhores exemplares.


Os historiadores contam que entre os ancestrais dos terriers boules estão presentes varias raças como os pugs, os affenpinschers e alguns terriers. E em solo francês, os toy bulldogs e os terrier boules acasalaram-se e, e os descendentes do cruzamento destas raças, foram cachorros que foram muito apreciados e fizeram bastante sucesso. Pois eram ótimos cachorros, com grande aptidão para a caça, principalmente no extermínio de roedores e também eram excelentes para fazer companhia, e em pouco tempo espalharam-se pelo país. Estes foram então, os primeiros exemplares a darem inicio a linhagem dos "bouledogues françaises", sendo os açougueiros e ajudantes do matadouro de La Villette, em Paris, os primeiros a criarem o Buldogue Francês. E depois, rapidamente a Buldogue francês ganhou popularidade, sendo a raça predileta de grande camada da população na época, como cocheiros, sapateiros, vendedores, comerciantes e até por agentes da polícia, que se entusiasmaram com o pequeno Boule (Boule é a apócope de Bouledogue Français, nome francês do Buldogue Francês).


Nos cafés organizavam-se reuniões para comparar os melhores exemplares, trocavam-se conselhos e, sobretudo, tentava-se obter exemplares mais fortes sem medir sacrifícios. Transformado na estrela de Paris dos ofícios humildes, o boule frequentava os bairros populares de Pantin, Belleville e Lês Halles. O seu físico, o seu tamanho reduzido, a sua peculiar fisionomia, o seu caráter absolutamente encantador começaram a impor-se e a cativar os cada vez mais numerosos aficionados dos cachorros de cara chata. Pouco depois, o Boule introduzir-se-ia nas casas públicas, onde as mulheres de Belle Époque o adotaram por causa do aspecto excêntrico. Imortalizado por Toulouse-Lautrec no seu quadro Le Marchand de Marrons (O Vendedor de Castanhas) em 1901, o Buldogue Francês percorria como um conquistador os Champs Elysées, os grandes boulevards, o Bois de Boulogne.


Em 1888, foi fundado o 1º clube francês oficial da raça. e em 1894, a “Sociedade Central Canina”, reconheceu o Buldogue Francês como raça e pediu a união dos dois clubes pré-existentes, dessa maneira, foi fundado o “Clube do Bouledogue da França”. A raça foi reconhecida nos EUA em 1898, e é indiscutível que sem a influência e dedicação, de criadores do continente Americano, a raça talvez não seria o que fosse hoje, pois foram eles que organizaram o 1º clube do buldogue francês do mundo, e também destacaram uma de suas caracteeisticas peculiares, que são as “orelhas de morcego”.


E um fato de interesse histórico sobre o Buldogue Francês, foi a de um Boule, segurado pelo valor
“astronômico” (para a época) de U$750,00 (setecentos e cinquenta dólares), e que estava a bordo do famoso e naufragado Titanic. Seu nome era Gamin De Pycombe, e pertencia ao banqueiro Mr. Robert W. Daniels. Realmente, o Buldogue Francês é uma das poucas raças que deve sua existência aos esforços de criadores de diferentes países, França, Bélgica e Estados Unidos.


E as suas Características físicas e seu o porte, fizeram do Buldogue Frances um cachorro único, pois com um tamanho médio variando entre o pequeno e médio porte, e uma estrutura compacta e musculosa e uma sólida ossatura, o fazem ser um cachorro bastante possante em relação a proporção do seu tamanho. Possui também, um focinho curto e nariz achatada caracteristicos, com orelhas empinadas, abertas na base e arredondadas, e sua cauda é naturalmente curta, não sendo necessário cirurgia estética, e o peso médio do Bulldog Francês pode variar entre 8 a 14 kg, segundo o padrão proposto pela FCI. O Bulldog Frances atualmente, é utilizado como um cachorro de companhia por milhares de pessoas em todo mundo, e tem se popularizado muito nos últimos anos. E de acordo com a FCI, representada no Brasil pela Confederação Brasileira de Cinofilia, o Bulldog Francês está inserido no grupo 9, o grupo dos cachorros de companhia, onde também se encontram raças como os Pug, Shih Tzu, Poodle, Maltês, Lhasa Apso, dentre outras.


A classificação das cores da pelagem dos Buldogues Franceses, é objeto de estudo e de muitos debates de vários criadores no Brasil e no mundo, e infelizmente, o Padrão da Raça não é muito específico ao tratar de cores de pelagens, e pode abrir margens às interpretações pessoais dos criadores. De modo simples, as cores de pelagem de um Bulldog Francês podem ser objetivamente descritas como fulvo, com uma variedade de marcações e tons possíveis, o fulvo pode variar de tom desde o vermelho vivo e intenso ao café-com-leite e o dourado claro quase creme. As outras diferenças são devidas a variações de marcações, que variam desde o tigrado (listras negras em grau variável de repetição e grossura, que preenchem o fundo fulvo), até o pied (várias marcações tigradas com fulvo em um fundo branco) e o fulvo com máscara negra (fulvo, em suas tonalidades diferentes, com uma máscara negra clássica em sua face e, às vezes em algumas linhagens, em seu dorso também). São infinitas variações de tipos de marcação, de padrão, tamanho e localização nesses parâmetros. 


Algumas cores como o azul, o cinza, o preto com marrom, o marrom e o fígado, não são reconhecidas pelo Padrão da Raça, e são motivos de desclassificação em exposições de estrutura e beleza. Pequenas pintas escuras em cães pied são chamadas de ticking e não são almejadas, e não há uma tradução adequada para a palavra "pied" em português. Os exemplares completamente brancos sem marcações são classificados dentro dos "pieds" para fins de exposições caninas; mas seus cílios e contorno dos olhos devem ser pretos assim como os dos outros Bulldogs Franceses. E em relação ao temperamento do Bulldog Francês, este aspecto, também confere um tom especial à raça, pois são cachorros normalmente alegres, calmos, curiosos, companheiros, e brincalhões. Entretanto, como seus primos ingleses, são teimosos e pouco inteligentes, entende-se aqui inteligência, como a facilidade de assimilar e acatar adestramentos e treinamentos.


E como todas as raças de companhia, eles necessitam, acima de tudo, de contato constante com humanos, e suas necessidades de exercícios normalmente são mínimas, mas variam de cachorro para cachorro. Sua natureza calma, os torna grandes escolhas para aqueles que vivem em apartamento, assim como sua falta de interesse em latir. Sendo uma raça de cara achatada, é essencial que seus futuros donos entendam que Buldogues Franceses devem ser mantidos em locais com temperatura amena e preferencialmente dentro de casa, pois seu sistema de respiração pouco eficiente, não os permitem regular sua temperatura corporal eficazmente. Além do mais, o Bulldog Frances alem de ser pesado, e também devido a seus problemas respiratorios, deve-se ter sempre cuidado quando for praticar exercícios com eles, principalmente durante o verão, e também evitar banhos em praias ou piscinas, pois o Bulldog Frances, tem grande dificuldade em nadar.


E o nível de energia de um Buldogue Francês, pode variar de hiperativo e energético até a relaxado e calmo, porem é comum que os filhotes sejam mais ativos até os 12 ou 18 meses, quando mas após esta fase, eles se tornam efetivamentes adultos e começam a se acalmar. O Bulldog Francês, é uma raça essencialmente com sangue bull e sangue terrier, portanto, não é nenhuma surpresa que os problemas podem surgir quando dois cachorros desta raça se juntam, principalmente quando são do mesmo sexo. E donos que estão considerando adicionar um segundo cachorro à sua família, são geralmente advertidos e aconselhados a escolherem cachorros de sexo oposto, a castração também, pode minimizar bastante estas tendências antes mesmo delas começarem. E o Bulldog Frances, pode até ser usado também, como um cachorro de guarda ou vigia, devido a sua alta percepção de perigo no ambiente em que ele se localiza. Mas sem duvida, o melhor papel desempenhado Bulldog Francês, é como cachorro de companhia e lazer, seja pela sua pela sua alegria, companheirismo, fidelidade, e principalmente por seu carinho e paciência com as crianças. 


Resumidamente, o Bulldog Francês é um cachorro de boa índole, afetuoso, inteligente, disposto, brincalhão e carinhoso com crianças, no entanto, os exemplares da raça costumam ser agressivos entre si. Existem várias doenças a qual o Buldogue Frances esta predisposto, e quem deseja adquirir um exemplar da raça, precisa estar ciente de que, cachorros desta raça podem apresentar problemas de saúde muito específicos, que mesmo os criadores mais conscienciosos nunca poderão prometer que não ocorrerão. Testar os cachorros utilizados no programa reprodutivo auxilia até um certo limite, mas não assegura que nada acontecerá. Se alguém está procurando por uma raça com histórico livre de problemas de saúde, apesar de ser um cachorro maravilhoso, o Bulldog Frances é contra-indicado. 


E quando filhotes, o problema mais comum é o prolapso da glândula da terceira pálpebra, também conhecida como cherry-eye, alergias alimentares e a alergenos ambientais tambem são muito comuns. Porem o problema critico e mais alarmante no Bulldg Frances é a hipertermia, pois eles nunca devem ser mantidos em ambientes fechados, sem refrigeração, ou levados para passear sob o sol quente, estas são situações totalmente contra-indicadas. E lesões medulares também, são mais comuns em cachorros desta raça, a síndrome braquicefálica também está entre as complicações que os acometem, e esta condição deve ser corrigida cirurgicamente tão logo se faça o diagnóstico. 


E em função da protusão ocular, também são muito predispostos às úlceras de córnea. É importante ressaltar que criadores éticos sempre fazem exames de saúde em seus cachorros, antes de os reproduzirem, além de oferecerem extensas garantias sobre a saúde de seus cachorros, e cachorros com qualquer problema genético, não ser reproduzidos. E a reprodução é um outro quesito bastante complexo desta raça, uma vez que os cachorros desta raça pois alem de terem dificuldades de cruzar, não é recomendável que se faça cruzamentos naturais, mas somente inseminação artificial, e todos os partos se dão através de cesariana.










2 comentários:

  1. A primeira foto é de um Pug!

    ResponderExcluir
  2. Ah... e tem uma foto de um filhote segurando um pano na boca que é um Bulgogue Inglês!

    ResponderExcluir

COMPARTILHE A POSTAGEM.

SEGUIR NO TWITTER.

Follow CachorrosBlogs on Twitter

ADIÇIONAR NO GOOGLE +.

Seguidores

.

.
ELES NÃO TEM VOZ, NEM VEZ. MAS SEU OLHAR NOS DIZ TUDO. SE NÃO PUDER ADOTAR, AO MENOS AJUDE-NOS À AJUDA-LOS. ( CASTRAÇÃO/VACINAÇÃO ).
Custom Search