.

quarta-feira, maio 18, 2011

Griffon de Bruxelas - Cachorros.


Griffon de Bruxelas - Cachorros:  O Griffon de Bruxelas é uma raça de cachorros de tamanho miniatura nomeada pela cidade de sua origem, que é Bruxelas, na Bélgica. Em sua terra natal é tratada como raça distinta de seus parentes, os Griffon Belga e Brabançon, embora em alguns outros países estes três caninos sejam vistos como uma única raça. E de sua função inicial de rateira (caçador de ratos), tornou-se um cachorro de companhia, que pode ser descrito como dócil e tolerante, inclusive com outros cachorros e demais animais. Fisicamente, o Griffon de Bruxelas possui uma pelagem mais longa e dura que os outros Griffons, resultado dos cruzamentos seletivos entre variadas raças, incluído o Yorkshire Terrier, de pelagem alongada e lisa. 

Essa pelagem dá ao Griffon de Bruxelas a vantagem de resistir a climas mais frios, e inclusive a neve, embora não seja eficiente sob temperaturas extremamente rigorosas. Podendo chegar aos 5,5 kg e medir até 20 cm, tem o seu adestramento considerado como de dificuldade moderada. A história do Griffon de Bruxelas é bastante confusa e misteriosa, pois existem algumas representações de cachorros muito semelhantes ao Griffon, como no quadro de Van Eyck, datado de 1434. Outros registros apontam que a Rainha Draga, da Sérvia, tinha um desses ´Griffons´ que lhe salvou a vida, uma vez que, temendo ser envenenada, ela dava sua comida antes ao seu cachorro, e de fato, um dia ele morreu envenenado. 

Na França e nos países baixos, eram chamados de ´Griffons de Cocheira, uma vez que dividiam com os cavalos as cocheiras e, acreditava-se, que serviam para tranqüilizar os eqüinos. Inclusive parece haver um consenso quanto às raças que deram origem aos Griffon de Bruxelas e aos demais Griffons (que na verdade existem em 3 versões (Griffon de Bruxelas, Griffon Belga e Petit Brabançon). Há um certo consenso de que derivem dos Barbets, Yorkshire, Fox terrier, Pug e, possivelmente, Affenpinscher. Sendo que a primeira aparição destes cachorros aconteceu em 1880, durante uma exposição canina, mas o primeiro padrão oficial da raça foi aprovado apenas em 1883 e a versão definitiva é de 1904. 

A raça sofreu muito com a Primeira Guerra Mundial, e inclusive por pouco não foi extinta, mas graças ao trabalho dos criadores, em especial dos ingleses, recuperou-se em termos de qualidade e número de exemplares. Entretanto nada foi tão impactante para popularizar a raça, quanto ter tido papel de destaque no sucesso mundial do cinema ´Melhor Impossível`, de 1997, quando um pequeno exemplar de Griffon de Bruxelas contracenava com o astro Jack Nicholson. Os Griffons são cachorros que incorporam muito bem o papel de cachorros de companhia, pois são vivazes e alegres, porem não costumam ser indicados para quem tenha crianças muito pequenas, uma vez que não gostam de brincadeiras mais abrutalhadas. 

Inclusive normalmente os criadores não recomendam a raça para quem tenham crianças menores do que 5 anos, sendo que alguns criadores sequer vendem seus cachorros para quem tenha crianças em casa. São cachorros muito orientados aos seus responsáveis, a quem seguem por onde quer que ele vá. Por isso mesmo não são adequados a pessoas que passem a maior parte do dia fora. Pois se deixados sozinhos por longos períodos, com certeza vão procurar alguma atividade para distrair-se, e podem até mesmo se tornar destrutivos. Extremamente atentos a toda movimentação da casa, são excelentes cachorros de alarme, uma vez que latem sempre ao menor sinal de que há algo de estranho ou diferente. 

E apesar de seu tamanho reduzido, os Griffons adoram um bom passeio e caminhadas, mas deve-se prestar muita atenção e evitar estas atividades nos períodos mais quentes do dia, uma vez que o formato do focinho, achatado como o dos Boxers, Bulldogues e Pug, dificulta a respiração e a refrigeração do cachorro, e isto pode até mesmo vir a provocar o óbito do cachorro. Na escala de obediência elaborada por Stanley Coren e publicada em seu livro ‘A Inteligência dos Cães’, o Griffon aparece em 59ª posição entre as raças pesquisadas. Normalmente as ninhadas são pequenas, não mais do que 4 filhotes, e deve-se tomar alguns cuidados para o seu perfeito desenvolvimento, evitando-se quedas bruscas e piso muito liso que venham a forçar as articulações. 

Até por não serem muito afeitos à obediência, os filhotes devem receber desde cedo aulas de obediência, evitando-se assim que se tornem adultos temperamentais. Outro cuidado importante é com a socialização dos filhotes, que deve ser incentivada após o término das vacinas. E quanto a sua pelagem, o Griffon de Bruxelas possui o pelo duro, e este consequentemente requer alguns cuidados para sua manutenção. Pois o pelo duro do Griffon não deve ser tosado à máquina, mas sim arrancado (stripping), para que não cresça demais e perca a sua textura correta. Este processo deve ser feito apenas por um profissional, caso contrário pode vir a machucar o cachorro. Outro cuidado importante com a higiene dos Griffons de Bruxelas, refere-se aos shampoos e condicionadores utilizados. 

Pois dependendo do tipo, podem vir a prejudicar a textura de seus pelos, assim como tambem o excesso de banhos. Durante algumas épocas do ano, pode ser verificada a troca do pelo, que por ser duro, não vai cair tanto quanto outras variedades de pelo curto, mas para que não venha a exalar odores fortes caracteristicos deve receber escovações semanais. E a única cor que é permitida para esta variedade é o vermelho, com marcações pretas aceitáveis apenas no bigode, ao redor do focinho. O Griffon de Bruxelas não apresenta problemas específicos à raça, mas alguns cuidados devem ser tomados afim de se evitar maiores problemas. Sendo que o primeiro cuidado a ser tomado, é com relação aos seus olhos, que por serem saltados, podem vir a ferir-se ou irritarem-se com bastante facilidade.

   


   

Dingo - Cachorros.



Dingo - Cachorros: O Dingo (Canis lupus dingo) é uma sub-espécie de lobo, assim como o cachorro doméstico, sendo originária da Ásia. Se encontrando atualmente em estado selvagem na Austrália e no sudeste asiático. Porem a origem dos Dingos permanece incerta, inclusive especula-se que resultem de uma das primeiras domesticações do lobo. E quanto a sua estatura e peso, os Dingos são considerados como tendo um porte entre o pequeno e o medio, e pesam entre 10 a 24 kg, apresentando um pelo curto e amarelado. E ao contrário dos demais cachorros, os Dingos só se reproduzem uma vez por ano.



Não ladram e tambem têm os dentes caninos mais desenvolvidos. Inclusive os Dingos não formam alcateias, pois vivem ou sozinhos, ou em pequenos grupos familiares. Entretanto,  há tambem outras teorias sobre a sua origem, defendendo que os Dingos chegaram à Austrália há cerca de 4000 anos, trazidos por navegadores austronésios, e não com os primeiros aborígenes. E de imediato espalharam-se rapidamente por todo  o continente australiano, inclusive consequentemente afetando significativamente todo o ecossistema. E contribuindo significadamente para a aumentar ainda mais  a recessão dos carnívoros marsupiais nativos.



Que na propria época já estavam  em declínio, porem com a chegada dos colonos europeus e os seus rebanhos de ovelhas, os Dingos começaram a ser perseguidos e caçados, pois representavam uma ameaça a estes rebanhos, e quase foi extinto, assim como aconteceu com o tigre-da-tasmânia, que porem foi extinto. Inclusive nos anos da década de 1880, construiu-se a uma barreira de cerca de 8500 km de comprimento, com o objetivo não sómente de se evitar o total exterminio dos Dingos, mas tambem mante-los afastados do sudeste australiano, onde se concentravam as quintas (fazendas), e tambem consequentemente proteger os rebanhos. Inclusive até aquela data,  era considerada a maior estrutura já construída pelo homem.








Australian Cattle Dog - Cachorros.



Australian Cattle Dog - Cachorros: Australian Cattle Dog - Cachorros: A Australian Cattle Dog, tambem conhecida como Boiadeiro Australiano, Queensland Heeler, Blue Heeler ou Red Heeler, é uma raça de cachorros originária da Austrália, reconhecido pela Fédération Cynologique Internationale. É um cachorro de médio porte e com muita energia, a pelagem do Boiadeiro Australiano vem com uma variedade de marcas, inclusive com algumas bem surpreendentes. A cor primária é normalmente o azul e o vermelho, a distribuição aleatória das cores e padrões, especialmente na face, sendo que o Australian Cattle Dog apresenta uma grande variedade de marcações, porem basicamente a sua cor se divide em Blue ou Red.



Da onde vem os nomes pelos quais também são conhecidos Blue Heller e Red Heller. Inclusive o Australian Cattle Dog tem um pelo médio para curto e que não necessita de nenhum cuidado especial para a manutenção de sua pelagem, além de banhos eventuais e escovações. E a sua estranha e exótica tonalidades e combinações de cores, podem muitas vezes aparecerem estranhos para muitas pessoas, principalmente para quem não está acostumado com as suas misturas e combinações, o que as vezes ocasionalmente acaba lhe angariando o título de "O cachorro mais feio e estranho", apesar de muitos responsáveis gostarem do fato de seus cachorros possuírem as marcas e colorações mais originais e distintas do qualquer outro cachorro.



O Australian Cattle Dog é uma raça relativamente recente, os principais registros foram feitos por Robert Kaleski, que se apaixonou pela raça ainda na adolescência e dedicou sua vida ao seu estudo e desenvolvimento. Apesar disso, há grande controvérsia sobre quais as raças que teriam contribuído para a formação definitiva do Australian Cattle Dog. Pois esta dificuldade se explica pelo grande número de tentativas e combinações que foram feitas até se chegar ao resultado final. Originária da Austrália, acredita-se que seu desenvolvimento aconteceu a partir da colonização inglesa na região. Durante a migração, os ingleses levaram seus cachorros de trabalho para a Austrália, e tentaram aproveitar as raças que possuíam grande habilidade no pastoreio nas ilhas britânicas num ambiente totalmente diferente que é o deserto australiano.



Estes primeiros cachorros eram conhecidos como Smithfields, que é o nome do mercado central de carnes em Londres. Genericamente, estes cachorros eram descritos como sendo pesados, pretos, com orelhas caídas e pelagem longa. Entretanto apesar de serem excelentes pastores em sua terra natal, não conseguiam a mesma performance no novo ambiente, especialmente porque a pelagem densa e longa aliada ao calor australiano dificultava sua atuação no trabalho com o gado. E diante da dificuldade de adaptação destes cachorros, os fazendeiros locais iniciaram os acasalamentos entre estes cachorros ingleses com os cachorros nativos da Austrália, conhecidos como Dingos.



O resultado não foi o esperado, uma vez que, apesar dos cachorros obtidos serem realmente silenciosos como o esperado, eram pouco confiáveis porque com freqüência mostravam-se muito mordedores, o que atrapalhava o trabalho com o gado. A tentativa seguinte foi o do acasalamento dos Dingos com os Collies, porem mais uma vez o resultado não agradou completamente porque desta vez, a grande maioria dos cachorros latia em excesso, o que também prejudicava a condução dos rebanhos. Finalmente, em 1840, Mr. Thomas Hall of Muswelbrook, importou um casal de Blue Smooth Highland Collies, que são cachorros muito parecidos com os Border Collies ou Bearded Collies atuais.



Estes cachorros descritos como de coloração blue merle, foram acasalados com os Dingos nativos, e a partir destes acasalamentos, se obteve cachorros merle ou vermelhos, que ficaram conhecidos como "Hall's Heelers". Estes cachorros, possuíam uma grande habilidade em conduzir o gado em silêncio, e inclusive deitavam-se no chão a fim de evitar que o gado saísse da trilha desejada. Sendo que o trabalho deste pioneiro foi reproduzido até sua morte, em 1870. O trabalho de Mr. Tomas Hall e seu cachorros, que passaram a ser conhecidos como "Blue Heelers" ou "Queensland Heelers", deu frutos para o desenvolvimento da raça e incluindo alguns acasalamentos com Bull Terrier, visando aumentar a tenacidade dos cachorros e até mesmo Dálmatas.



E no ano de 1902, Robert Kaleski, escreveu o primeiro padrão da raça, baseando-se para isso no tipo físico dos dingos australianos, que acreditava serem os mais bem adaptados ao trabalho na região. Porem a raça só foi reconhecida pelo American Kennel Club no grupo ´Miscelaneous´ no final da década de 60 e graças aos esforços dos criadores, e em 1980 a raça foi finalmente reconhecida plenamente. No Brasil, a raça só começou a ser conhecida bem mais recentemente, e ainda há poucos registros e criadores oficiais. A principal característica dos Australian Cattle Dogs é sua versatilidade e inteligência, que o colocaram em 10º lugar no ranking de inteligência elaborado pelo pesquisador Stanley Coren em seu livro "A Inteligência dos Cães".



Sua inteligência inata e a sua grande facilidade em aprender rapidamente comandos mais complexos, fizeram com que a raça ganhasse destaque especialmente entre os fazendeiros que precisavam de cachorros altamente confiáveis no trabalho com os seus rebanhos. Mas além de serem excelentes em suas funções originais, os Australian Cattle Dog destacam-se em várias outras atividades, como o Agility e as competições de obediência e Schutzhund, onde podem aproveitar todas as melhores qualidades da raça. Os Australian Cattle Dog se caracterizam por serem reservados com estranhos, mas sem porem demonstrarem qualquer agressividade.



Já com seus responsáveis, são devotados ao extremo, a quem seguem como verdadeiras sombras. Como são cachorros bastante inteligentes e que constante e freqüentemente precisam tomar ´suas próprias´ decisões na condução dos rebanhos, podem se tornar um tanto insubordinados se perceberem que seus responsáveis não lhe transmitem a liderança necessária. São tambem bastante silenciosos, latindo somente quando necessario, pois inclusive uma de suas características básicas, em sua função original é trabalhar em silêncio. Porem não são cachorros para um responsável pouco experiente ou que proporcione pouca atividade física e mental a seus cachorros.



Da mesma forma, não suportam bem a solidão ou a vida isolada de um quintal, pois precisam de contato constante com a sua família, e caso não possam desfrutar desta experiência, podem vir a desenvolver sérios problemas de comportamento. Na atividade de pastoreio, são cachorros especialistas em gado, não sendo a raça mais adequada, por exemplo, para trabalhar com ovelhas, mas com o treinamento adequado, podem realizar o este tipo de pastoreio sem grandes problemas. E tambem o relacionamento destes cachorros com crianças e outros animais é bastante bom, lembrando sempre que, pois por se tratarem de cachorros de pastoreio, a tendência é que eles naturalmente encarem crianças e os demais animais como seres a serem pastoreados. Inclusive os Australian Cattle Dog, independente da cor de seus pais, nascem completamente brancos, e com a sua cor definitiva se fixando em aproximadamente 1 semana, porem a tonalidade de sua cor só se confirma após 1 ano.



Como são cachorros muito ativos e com grande necessidade de atividade, é fundamental que se inicie desde cedo o seu adestramento de obediência. E tambem para os cachorros que forem destinados ao trabalho com o gado, é absolutamente essêncial que além do adestramento de obediência, o cachorro receba juntamente o treinamento especifico para a função do pastoreio onde aprimora-rá seus instintos básicos. E quanto a sua saude, os Australian Cattle Dog são cachorros extremamente resistentes, rústicos e robustos, e que consequentemente, de uma maneira geral, gozam de uma excelente saúde. Sendo que os principais problemas de saude enfrentados pela raça são a Atrofia Progressiva da Retina, Luxação da Patela e Surdez congênita.





COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado

.COMO ACABAR COM AS PULGAS!