terça-feira, agosto 02, 2011

Cachorros - Gripe Canina.



Cachorros - Gripe canina: O vírus da gripe canina tem sido observada e reconhecida em outros animais, principalmente cavalos a mais de 40 anos. sendo que posteriormente, a aproximadamente uma década atrás o vírus migrou e teve mutação para uma forma altamente infecciosa para os cachorros. E a principio houve o receio por parte dos veterinários de que a gripe canina seria bastante letal. porem felizmente, como ocorre com o vírus da gripe humana, este vírus mesmo que infeccione e acometa um individuo, os seus sintomas são brandos e a sua cura é rápida e natural, dificilmente causando complicações e muito raramente sendo fatal para indivíduos saudáveis.
Entretanto estima-se que o vírus da gripe mate entre 5 e 8 por cento dos cachorros que a contra-em, um percentual que não é nada desprezível, porem geralmente é mais em decorrencia de os cachorros estarem suscetiveis e vulneráveis por sua saúde estar debilitada, devido a outras enfermidades. porem uma vacina já foi desenvolvida e recentemente aprovada, e já se encontra disponível para os veterinários. E a vacinação contra a gripe canina deve ser considerado, pois qualquer raça corre o risco de ser infectada, principalmente os cachorros idosos ou com condições pré-existentes, cardio-respiratorias ou de baixa imunidade ocasionados por doenças ou medicamentos, ou aquelas que forem viajar ou tenham contato frequente e extensivo com outros cachorros. Porem raças de cachorros que tem o focinho curto, as faces planas, como Pugs , Boxers , Shih Tzu , Pequinês e Boston Terriers são também em risco potêncial. E os responsáveis devem ficar atentos para saberem suspeitar e distinguir se os sintomas manifestados pelo cachorros são os sinais da gripe canina, pois por terem uma certa semelhança são frequentemente confundidos com os sintomas da tosse canina ou tosse do canil. Então a qualquer manifestação caracteristica do cachorros é recomendável consultar um veterinário.
E os sintomas da gripe canina, manifestados pelos cachorros são semelhantes aos da gripe humana, com tosse no nariz, corrimento nasal e febre, e tambem os sintomas são praticamente idênticos ao de outras infecções respiratórias, como a tosse do canil. E na verdade, muitos casos de gripe canina podem facilmente serem confundidos como a tosse dos canis ou outras infecções respiratórias. O que pode a principio causar confusões,erros e precipitações na constatação da presença da doença pelos responsáveis, pois os sintomas são complexos e semelhantes entre estas varias doenças. E devido à todas estas dificuldades em se distinguir a gripe canina de outras infecções que apresentam sintomas semelhantes, qualquer cachorro que manifeste qualquer destes sinais clínicos deve ser levado imediatamente para uma consulta ao veterinário, para caso realmente seja diagnosticada a presença da gripe canina, impedir que a doença se desenvolva e se agrave e ponha em risco a saúde do cachorro. Principalmente se forem cachorros mais velhos ou que apresentem problemas pré-existentes de insuficiência imunológica, de coração ou respiratórios pois pertencem a um grupo que é mais suscetivel e consequentemente corre um maior risco potencial de contrair a doença e desenvolver complicações serias, e tambem para este grupo a gripe canina tem uma maior probabilidade de ser até fatal. Pois praticamente 100% dos cachorros que forem expostos a gripe serão infectado, exceto os que já estejam preventivamente vacinados. Por esta razão, é muito importante que os responsáveis que saibam que os seus cachorros estejam eventualmente infectados pela gripe canina, tenham a consciência de mantê-los longe de qualquer outro cachorro que não esteja vacinados. Isso inclui viagens, ou passeios e idas a jardins, praças e canis, ou entre em contato com outros cachorros durante caminhadas. E tambem roupas, equipamentos, pisos e as mãos devem ser lavados e limpas após o contato com qualquer cachorro que apresente qualquer sinal de doença respiratória.

Cachorros - Vacinação/Importância.



Cachorros - Vacinas/Importância: As vacinas atualmente tornaram-se imprecindiveis e praticamente obrigatórios para os cachorros e outros animais domésticos, pois elas podem prevenir a contaminação dos cachorros por doenças potencialmente graves como cinomose , raiva e hepatite . Inclusive as vacinações regulares alem de protegerem a saúde dos animais de estimação, também consequentemente protegem os membros de sua família humana. Pois algumas doenças caninas, que são denominadas zoonoses tambem podem ser transmissiveis para os seres humanos.
E as diretriz da vacinação são variáveis e diferentes para cada cachorro, pois os esquemas de vacinação devem ser adaptados individualmente às necessidades específicas de cada cachorro e os seus respectivos fatores de risco. E entre os fatores a serem considerados incluem as suas condições de saúde, a sua raça , a sua idade , o seus hábitos e seu estilo de vida, e o ambiente em que vive e se viaja de forma frequente ou periodicamente para outras regiões.
Pois os riscos de contaminação são diferenciados para os diversos tipos de doenças, e podem variar de região para região, como cidade, campo, litoral e zona rural ou urbana em todo o país, e pode mesmo variar dentro de diferentes áreas da mesma região, tipo casa, sitio e interior e litoral. É por isso que é tão importante estar atento e analisar seriamente todas estas possibilidades e situações variáveis e juntamente com o auxilio e orientação de um veterinário ter noção e estar ciente para poder determinar exatamente quais são os tipos e quais são as frequências das imunizações preventivas que são importantes e necessárias para proteger adequadamente o seu cachorro.
E existem dois tipos diferentes de vacinas que os cachorros devem ou podem ocasionalmente receber. O primeiro tipo são as consideradas vacinas básicas e essenciais, e incluem as vacinas que são consideradas obrigatórias e imprecindiveis para todos os cachorros, envolvendo doenças que são facilmente transmissiveis e até mesmo fatais. E entre estas doenças se incluem a raiva, o adenovírus, o parvovírus e a cinomose, e todas são passiveis de contaminação em todo o território brasileiro.
As outras vacinas são considerados vacinas especificas, e protegem os cachorros contra doenças que são dependentes de exposição ambiental ou de estilo de vida. E estas são as vacinas que devem ser analisadas juntamente com o auxilio veterinário para determinar se o cachorro necessita realmente destas imunizações, que incluem as vacinas contra a doença de Lyme , a tosse do canil e a leptospirose.




Cachorros - Dor/Diagnostico e Tratamento.



Cachorros - Dor/Diagnóstico e Tratamento: A algum tempo atrás, as pessoas em geral e tambem até os veterinários acreditavam que a dor sentida pelos cachorros, era de certa forma benéfica e tinha a sua utilidade, pois ajudava a manter os cachorros calmos e estáticos fazendo assim com que eles pudessem curar mais rapidamente. Além disso, o pensamento predominante era que não havia nenhuma maneira precisa de saber se um cachorro estava sentindo dor, ou se o tratamento aplicado surtia algum tipo de alívio na mesma. Entretanto, atualmente os veterinários têm uma maior sensibilidade e consequentemente uma nova maneira de olhar para está questão. 

Que anteriormente era considerada como uma preocupação desnecessária, que eram os tratamentos e medicações aplicadas com o intuito de eliminar ou diminuir a intensidade da dor sentida pelos cachorros em decorrência de eventuais doenças, acidentes ou cirurgias. Sendo que atualmente já existem diversos tipos de medicamentos específicos, prescritos pelos veterinários no qual a única e exclusiva função é o alivio da dor sentida pelo cachorro, juntamente com o medicamento para uma eventual doença ou qualquer lesão ou problema que esteja causando está dor. 

Inclusive atualmente a medicina veterinária tem dado uma grande prioridade, e estão dedicando muito tempo e recursos para pesquisas e estudos a respeito da dor em animais. E estes estudos têm mostrado que o alívio da dor pode ser capaz de acelerar o processo de recuperação, seja em decorrencia de dores originadas por motivo de doença, cirurgia ou lesão. E o mais importante, o controle e o alívio da dor pode ajudar o cachorro a ter uma maior expectativa de vida, ou seja viver por mais tempo, pois reduz o imensamente o stress e aumenta a sensação de bem-estar e consequentemente a qualidade de vida. 

E há dois tipos de dores, sendo que um tipo é a dor aguda, que geralmente ocorre de forma súbita e repentina, e é proveniente de um ferimento provocado por um eventual acidente, por uma cirurgia ou até mesmo ser motivada por uma infecção recente, que pode ser até dentária. e este tipo de dor é bastante intensa e pode fazer com que o cachorro sinta muita dor e fique em estado de agonia e extremamente desconfortável, limitando tambem a sua mobilidade. Porem, este tipo de dor não se manifesta de forma cronica e raramente permanece, e geralmente desaparecem quando a condição que originou e causou a dor ela é tratada. 

O outro tipo de dor é a dor crônica, que geralmente se desenvolve lentamente e quase sempre é de longa duração. E a dor cronica normalmente está relacionada, e é em decorrencia da idade e de doenças como artrite, podendo também ser causada por câncer ou doença óssea. E este tipo de dor geralmente é de tratamento difícil e demorado, pois ela pode perdurar por anos, e às vezes até mesmo ser incurável, tendo que permanecer o tratamento com a respectiva medicação para o resto da vida do cachorro. Entretanto devido a se desenvolverem lentamente. 

Alguns cachorros conseguem tambem progressivamente se adaptarem a este tipo de dor, tendo uma menor sensibilidade e aprendendo a tolerar e conviver com este tipo de dor progressiva e cronica, quase que sem manifesta-las, o que muitas vezes atrasa e dificulta a detecção da doença, acarretando a descoberta tardia da doença, o que causa bastante complicações, dificultando em muito a cura, e podendo causar inclusive o súbito e eminente óbito do cachorro, devido o atraso no tratamento. Devido a isto, é importante se observar, e ficar muito atento a qualquer mudança em seu comportamento. 

Pois muitos cachorros tem uma certa tendência a não querer demonstrarem fraqueza, escondendo a dor. principalmente as dores progressivas nas quais eles consigam vir a se adaptar. E mesmo que o cachorro não apresente sintomas ou sinais de dor, isso não significa que ele não há esteja sentindo, dor está que pode ter sido motivada por uma lesão ou doença oculta, ou por um acidente desconhecido. O mais importante, é que assim que houver suspeitas ou for detectado qualquer mudança ou problema comportamental, ou indicio de dor ou doença no cachorro, deve-se leva-lo imediatamente ao veterinário. 



Cachorros - Clima Frio/Saude e Proteção.



Cachorros - Clima Frio/Saude e Proteção: O clima frio do inverno em muitas situações pode se tornar difícil para muitos cachorros, principalmente se não forem de raças típicas de regiões frias como o Husky Siberiano ou o Malamute,  pois apesar de possui-rem pelos, a grande maioria das raças de cachorros, principalmente as de pelos curtos que são mais suscetiveis a sentirem com maior intensidade os rigores do clima frio, como temperaturas baixas e chuva, o que acontece principalmente com cachorros abandonados nas ruas ou que durmam sem proteção no relento ao ar livre no quintal das casas. E para proteger e prevenir os cachorros de qualquer problema que possa ser decorrente da chuva e do frio do inverno, deve-se tomar a precaução de levar o cachorro ao veterinário para se certificar de que ele não tenha qualquer problema de saúde que os tornem mais vulneráveis ao frio. Como tambem limitar o tempo de o cachorro fica exposto ao ar livre quando o clima fica mais frio. Se eles forem permanecer ao ar livre por um período significativo de tempo, não se deve esquecer de fornecer-lhes um bom abrigo isolados e protegido da chuva, confortável e quente, especialmente no período da noite. Atenção aos sinais de desconforto quando você está fora com o seu cão durante o inverno. Se lamentar ou parecem ansiosos, começam a tremer, retardar ou parar de se mover, ou começar a olhar para lugares quentes para burrow, eles estão dizendo que querem chegar em algum lugar quente. Enquanto a maioria dos cachorros de pêlo longo podem passar mais tempo fora do que as raças de pêlo curto, lembre-se que os cães menores, mesmo que tenham cabelos longos, terá frio mais rapidamente do que os cães maiores. Lembre-se, os filhotes são pouco wading embora ombro de profundidade da neve. Saúde do seu cão também afetará quanto tempo ela pode ficar de fora. Condições médicas, como diabetes , doença cardíaca , doença renal, e os desequilíbrios hormonais podem comprometer a capacidade de um cão de regular o seu calor do corpo, assim um cão que não está de boa saúde não deve ficar fora por muito tempo. filhotes e cães mais velhos também são mais vulneráveis ao frio. Não importa o que sua saúde é, no entanto, nenhum cão deve ficar fora por quantidades ilimitadas de tempo no congelamento de tempo frio. Se não tiver certeza sobre quanto tempo seu cão pode estar fora de forma segura, pergunte ao seu veterinário.



COMPARTILHE A POSTAGEM.

Visualizações de página do mês passado

.COMPRE E RECEBA EM CASA! COM TODA COMODIDADE, SEGURANÇA E RAPIDEZ.

.COMPRE E RECEBA EM CASA! COM TODA COMODIDADE, SEGURANÇA E RAPIDEZ.
.

.

.
.