.

sexta-feira, junho 27, 2014

Jogados em Cruzamentos ( Encruzilhadas ) - Cachorros.


Jogados em Cruzamentos ( Encruzilhadas ) - Cachorros:  Na semana que passou, a população rio-grandina teve notícias de mais um caso de maus-tratos a animais, que levou a questionamentos e dilemas, visto envolver o assunto religião. Um pobre animal, assim como muitos dos que vemos por aí jogados em cruzamentos (encruzilhadas) de ruas ou em áreas verdes menos habitadas (vegetação do Jardim Sol, beira de estradas etc.) e mortos, foi encontrado com vida por transeuntes que se sensibilizaram com o sofrimento alheio e de espécie que não a humana.

Buscaram ajuda com as professoras da escola pública Getúlio Vargas, estas, em exemplo de solidariedade, colocaram a mão no feitiço, resgataram o animal com as duas asas e patas quebradas, abandonado para morrer de dor, de inanição, sede, atropelado etc. Essas professoras passaram grande parte de seu sábado de folga procurando soluções a fim de que a ave tivesse destino diferente do almejado pelos seres cruéis que o torturaram e depois o “arrumaram” em uma encruzilhada, com pacotes vermelhos e alguns charutos. Eu pude presenciar no dia posterior o sofrimento do animal, aos cuidados de pessoa humilde, de situação financeira limitada e de coração nobre.

Acompanhei o desenrolar dos comentários à matéria publicada no jornal e, inclusive, a denúncia feita na Câmara de Vereadores. Fiquei feliz em ver a unanimidade de opiniões em condenar o ato. Aprendi que a Umbanda não usa animais em seus rituais (mas não entendo por que o título da matéria do dia 28/10 do Jornal Agora fala em líder umbandista e este afirma o uso de animais).

Usam-nos as religiões de matriz africana que, segundo sustentaram seus representantes, não aprovam animais quebrados jogados nas ruas. Afirmou o sr. Nilo: “Nós não queremos sofrimento em nossas vidas, então, por que fazer um animal sofrer? Não tem lógica. Nós sacrificamos animais em nossas festas, mas sempre para nos servir de alimento”.

Ou seja, sempre que a discussão sobre morte de animais em ritos religiosos vem à tona, a justificativa “nobre” é a de que esses animais, depois de manipulado nos ritos (e sinceramente não consigo entender como um ser que não quer morrer e sente dor não sofra), servem de alimento. Assim também os povos antropófagos comiam seus inimigos, a fim de absorverem suas qualidades.

Como disse a doutora em filosofia Sonia Felipe quando palestrou em Rio Grande, há cerca de dois anos, o ser humano cultua a “religião do prato”, “meu prato é sagrado, não ponham as mãos nele. Eu ‘preciso’ de pedaços de animais em meu prato para viver. Aprendi a ser assim, não tirem a minha comida! Vou morrer sem ela.”

Ao longo da história, o uso de animais humanos passou a ser abominado pela espécie (embora às vezes surjam notícias de que tais atos continuem acontecendo), infelizmente os animais de outras espécies ainda o continuam sendo. Ao longo da história, muitas vozes também têm se levantado contra o hábito alimentar humano de servir-se de outras espécies (Anna Kingsford, Helena Blavatsky, Gandi, Henry Salt, Schopenhauer, Plutarco e tantos outros nomes) e muitos humanos entenderam que o sagrado do seu prato é justamente não se alimentar de seres sencientes, aprenderam que “não devem e não precisam” se alimentar dos corpos dos animais não-humanos.

Assim como muitos seres humanos trocaram e trocam seus hábitos a cada dia, substituindo os animais do seu prato por uma infinidade de alimentos sem precisar da morte de seres sencientes, as religiões que ainda os usam poderiam fazer o mesmo.

Riobaldo, o personagem de Guimarães Rosa, nos diz “Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa.” Esse número expressivo de pessoas que discordam do uso de animais em ritos religiosos, embora ainda não seja de vegetarianos, tem no seu íntimo a desconfiança de que alguma coisa está errada… Tom Regan (filósofo da libertação animal) chama-os de “relutantes”. Todos os humanos pertencem à mesma espécie animal e ninguém é superior a ninguém, mas todos podemos fazer diferença, a cada dia, para milhões e milhões de seres indefesos escravizados, torturados, explorados, comidos, somente pelo fato de não pertencerem à nossa espécie.

Nenhum comentário:

COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado