.

domingo, setembro 14, 2014

Pit Bull - Falsas Crenças.



Pit Bull - Falsas Crenças: Existe uma crença, divulgada erroneamente de que a raça Pit Bull foi criada e desenvolvida em laboratório, o que na realidade não passa de uma crendice. Pois os cachorros da raça Pit Bull, são descendentes de raças de grande porte, conhecidas como Molossos, que eram preparadas e condicionados, para atuarem nas batalhas das guerras em que participavam os exercitos do Imperio Romano. E após a queda de Roma, os cachorros descendentes destas raças, ficaram concentrados em sua maioria na região da Bretanha, atual Inglaterra.





E séculos depois, seus descendentes, viriam a constituir e formar a raça do antigo Buldogue Inglês, que devido ao seu porte e ferocidade, foram muito utilizados em combates com touros (bull baiting). Porem, como a Corte Inglesa, acabou por proibir este tipo de combate (bull baiting), fato este que veio a ocasionar posteriormente, o inicio da pratica da luta direta entre cachorros, as famosas e populares rinhas. Porem como o Buldogue Inglês, apresentava uma estrutura muito robusta, mas com pouca agilidade, o antigo Buldogue Inglês, já não era o cachorro ideal para este novo tipo de combate.





Devido a isto, os criadores com o proposito de aprimorarem a raça, cruzaram o Buldogue Inglês com os Terriers, com o intuito de lhe dar mais agilidade e rapidez, originando assim o Bull-and-Terrier. Que foi levado posteriormente para os Estados Unidos durante o século 19, onde veio a receber o nome de American Pit Bull Terrier. E durante todo o período em que foram utilizados em combates, ao longo dos anos, a seleção da raça dos Pit Bull, privilegiou sempre cachorros com temperamento agressivo, principalmente com relação aos outros cachorros, visando objetivamente acirrar a sua agressividade durante os combates.





Entretanto, esses mesmos cachorros, que foram treinados e condicionados, para serem extremamentes agressivos com outros cachorros, não o eram com as pessoas, principalmente com seus treinadores e responsáveis, pois mesmo durante o calor de um combate acirradissimo, quando havia necessidade, o próprio juiz, que nem convivia com os Pit Bulls, como o seu treinadores ou donos, apartava os Pit-Bulls durante os combates, com as suas próprias mãos. Ou seja, o Pit Bull é uma raça que realmente tem grande dificuldade e aversão em se relacionar com outros cachorros, porem sua relação para com as pessoas, principalmente com o seu dono e familiares, é bastante harmoniosa e tranquila.





Sendo bem diferente, do que muitas pessoas sem o menor conhecimento, leigas, ignorantes e precipitadas propagam. Pois a chance de haver um acidente com o Pit Bull, principalmente com as pessoas com que ele convive, inclusive crianças, são as mesmas das que qualquer outro cachorro de seu porte, como Dálmatas, Boxers, ou Labradores.  Pois o Pit Bull absolutamente, não é este cachorro assassino como se intitula e apregoa, e se observarmos as ocorrências de acidentes envolvendo Pit Bulls, veremos que pelas estatísticas são poucas, quando comparadas com outras raças.



Entretanto como estas raças não tem a má fama, que é atribuida injustamente aos Pit Bulls, os acidentes ocorridos com elas são ignorados, entretanto quando o acidente ocorre com um Pit Bull, logo vira manchete. E quando na verdade, quem faz o cachorro, é o seu proprio responsável, pois nas mãos de um proprietario irresponsável e com índole violenta, inclusive até mesmo um cachorro de uma raça considerada tranquila e inofensiva como um Golden Retrivier, pode se tornar uma fera perigosa. Pois o Pit-Bull, sendo criado, orientado e educado de uma maneira tranquila e equilibrada, e sem se incitar ou se condicionar agressividade ou violência ao mesmo. Com toda certeza, será um otimo companheiro, tranquilo, amigo e fiel, e proporciona-ra muitas alegrias ao seu dono e a seus familiares.

Envelhecimento - Cachorros.



Envelhecimento - Cachorros: Quando o Bill chegou, ele era um lindo e charmoso filho- tinho de poodle, com pêlo espesso e macio, todo preto, e era tão bonito que rendia elogios por onde passava. Entretanto cerca de 10 anos depois, o mascote da família começou a dar sinais que não era mais o mesmo, não tinha mas aquela energia e vitalidade de antes.  Mesmo que aos olhos dos responsáveis, os cachorros nunca envelhecem, e os filhotes nunca crescem. No entanto, a realidade surgiu de repente, ao reverem uma foto antiga, o seu pêlo que era motivo de tanto orgulho, não exibia mais a mesma cor e brilho, as manchas ao redor dos olhos e os cílios também se tornaram totalmente grisalhos, e os indícios eram mais que evidentes, Bill estava envelhecendo.


E saber identificar os sinais que os cachorros apresentam nessa fase da vida, é estar consciente dos cuidados que devem ser tomados nesta fase vulnerável e delicada de sua vida, fase esta em que o cachorro precisa-rá de todo amor e carinho. Pois para os cachorros, os sinais do tempo do relógio da vida tem uma contagem diferente, sendo que no caso dos cachorros eles também são divididos pelo tamanho, os maiores são considerados idosos a partir dos 7 anos e os menores depois dos 9, e a senilidade pode aparecer a partir do nono ano. Porem velhice não é sinônimo de doença, mas pede uma maior atenção, e deve-se ficar atento, sempre que o cachorro sinalizar quando sente alguma dor ou desconforto. 


Os sintomas manifestados na velhice, e que são apontados como os mais comuns, são o cansaço, a tosse noturna, o emagrecimento sem causas aparentes, aumento na ingestão de líquidos e na produção de urina, dificuldades para defecar, diminuição da audição e visão, dificuldades em subir e descer escadas. E estes sintomas, são indicativos que podem camuflar doenças graves como diabetes, câncer e até Doença Articular Degenerativa (DAD). O cansaço, tosse noturna e intolerância ao exercício, podem ser indícios de uma alteração cardíaca, e o tratamento e a terapia são feitos a base de dieta, atividade fisica especifica, medicamentos, controladores de pressão e diuréticos.


O emagrecimento progressivo pode ser indicio de verminose, doença periodontal, diabetes, insuficiência renal, doenças metabólicas e infecciosas, e o tratamento é feito com soroterapia, alimentação parenteral e vitaminas. Muita sede e excesso de urina, podem ser indícios de Diabetes e/ou insuficiência renal, o tratamento é feito com uma dieta específica, insulinoterapia, e castração. E volumes internos, abcessos, verrugas, cistos, tumores e câncer, o tratamento é feito com quimioterapia, laserterapia e cirurgia.Dificuldade em defecar, obstrução intestinal, constipação, hérnias, problemas de coluna, neoplasias e vermes, tratamento é feito com cirurgias, alterações na dieta, enemas e medicamentos. Opacidade ocular, menor produção de lágrimas, secreção ocular crônica e "olhos vermelhos" catarata, tratamento feito com cirurgias, e colirios específicos


Diminuição da audição, otites e surdez, tratamento feito a base de medicamentos. Dificuldade em locomover-se, andar enrijecido e problemas nas articulações, tratamento a base de Condroitina, antiinflamatórios especificos, acupuntura, homeopatia, fisioterapia e deve-se também evitar-se escadas. Aumento de peso, obesidade, tratamento a base de dieta com ração específica e fisioterapia Mau-hálito, perda de dentes, dificuldade mastigatória e acúmulo de tártaro, doença periodontal, tratamento com remoção cirúrgica, limpeza periodíca com escovação e produtos comestíveis E um simples exame de sangue e urina pode diagnosticar problemas nos rins, fígado e diabetes, já a insuficiência cardíaca pode ser detectada com auscultação, eletrocardiogramas e radiografias.


Reveja também o tipo de ração fornecida, inclusive existem no mercado muitas opções de rações especificas para cachorros idosos. Uma nutrição adequada fortalece o organismo e a saúde do cachorro, controla o seu peso evitando a obesidade e impede a formação de tártaro. E este problema bucal que é o principal causador de mau-hálito nos cachorros, e pode levar a perda de seus dentes e também facilita a entrada de bactérias em sua corrente sanguínea, causando problemas cardíacos e renais. Então evite fornecer ao seu cachorro, alimentos que facilitem o acumulo de resíduos na sua gengiva e nos seus dentes, de preferência por oferecer ração, e evite dar comida caseira ao cachorro, pois ela deixa muitos resíduos.


E escove os dentes do cachorro ao menos uma vez por semana, e a limpeza e remoção do tártaro deve ser feita anualmente no veterinário. E além de contar com os remédios tradicionais, atualmente os peludos dispõem também de tratamentos alternativos. Como a acupuntura e a homeopatia, que retardam o aparecimento de enfermidades e aliviam as dores, aumentando o bem-estar e a qualidade de vida dos cachorros. A acupuntura ajuda no tratamento de problemas articulares, e os colírios homeopáticos podem diminuir a progressão de processos oftálmicos senis etc...


Entretanto esgotadas todas as possibilidades de cura e tratamento de uma enfermidade, que compromete a qualidade de vida do cachorro, juntos o responsavel e veterinário devem decidir o que fazer. E esta decisão de extrema responsabilidade e nada simples, feita sempre com o devido acompanhamento médico veterinário, pode significar a última demonstração de amor ao querido companheiro, que é o procedimento da eutanásia. Pois qualquer sentimento de culpa deixa de existir, quando todas as possibilidades de tratamento foram levantadas, e esta é uma necessidade que se mostra absoluta, a eutanásia, que é uma palavra de origem grega, que significa Boa Morte.

Cachorros - Filhotes Limpos.



Cachorros - Filhotes Limpos: A higienização do filhote e a limpeza do local onde ficam os mesmos inicialmente é feito caprichosamente pela própria cadela lactente, inclusive está tarefa já começa logo após o nascimento dos filhotes. E durante um determinado periodo a cadela se encarregará da mesma, mantendo tanto o filhote quanto o ambiente sempre limpos e higienizados. O que juntamente com os anti-corpos fornecidos por seu leite materno, impedirão os filhotes de adoecerem ou contraírem infecções ou problemas de pele. E tão logo a fêmea lactante cesse este procedimento de higienização autónoma dos filhotes. A pessoa responsavel já pode assumir está tarefa e começar a fazer o processo de higienização dos filhotes. e não somente por uma questão de limpeza, mas tambem para se evitar que os mesmos fiquem suscetiveis a doenças e infecções.


A principio deve-se fazer a higienização dos filhotes utilizando-se uma toalha ou um pano macio com agua morna. E em um prazo médio de trinta aproximadamente dias do nascimento dos mesmos, já se pode banhá-los, devendo-se utilizar água morna e sabonete e xampu apropriados para filhotes, e de preferência em um ambiente fechado, para evitar que possam vir a sofrer com variações bruscas de temperatura. E durante o banho deve-se tomar alguns cuidados, principalmente com os ouvidos. pois a entrada de agua nos ouvidos pode consequentemente facilitar e propiciar a ocorrência de infecções e inflamações no canal auditivo. E para evitar que isso venha a acontecer, deve-se colocar um tampão de algodão embebido com produtos de limpeza específicos nos ouvidos dos filhotes. pois este procedimento irá impedir a entrada de água,


Inclusive não se deve colocar o algodão seco nos ouvidos do filhote, pois assim ele irá permitir que a água passe, podendo causar sérios problemas auditivos nos mesmos. E após este procedimento, pode-se dar banho tranquilamente e com toda segurança nos filhotes, somente tomando-se certos cuidados para que o xampu não entre nos seus olhos e possa vir causar alguma irritação. E o banho para uma higienização completa e correta do filhote, deve remover todas as impurezas e as gorduras naturais residuais contidas na pele e nos pêlos dos filhotes. E depois de se esfregar bem o pelo e a pele, deve-se então se enxaguar suficientemente para se tirar todo o sabão, e depois pode-se utilizar um xampu apropriado e especifico para filhotes. Existem no mercado diversos tipos de xampus para pêlo escuro, branco, longo, curto e todas as outras variações possíveis.


Porem durante está fase de filhote lactante do cachorro, deve-se usar somente xampus específicos para filhotes, pois estes não possuem substancias que possam vir a causar alergias ou problemas cutâneos nos mesmos. E após o termino do banho, pode-se tirar o algodão dos ouvidos dos filhotes. inclusive pode-se perceber que a cera que havia dentro dos ouvidos já está amolecida, facilitando a sua remoção e consequentemente limpeza, que deverá ser feita com algodão seco e somente na parte externa e no inicio do canal auditivo. Não se deve em hipotese alguma tentar limpar dentro dos ouvidos, pois há um grande risco de se ferir o canal auditivo ou até de se perfurar os tímpanos.E após o termino da limpeza dos ouvidos e do banho nos filhotes, vem a seguir uma etapa tão importante quanto o próprio banho, que é a secagem.




E deve-se usar uma boa toalha, e que seja bem absorvente para que possa retirar a maior quantidade de água possível dos pêlos. Caso somente a toalha não seja suficiente para a secagem total dos pelos e da pele. Pode-se utilizar um secador de cabelos para a finalização do processo de secagem, principalmente da pele dos filhotes, pois a pele úmida propicia a proliferação de fungos e bactérias, o que pode vir inclusive a acarretar a descamação na pele sensível dos filhotes. E quanto ao espaçamento ou intervalo entre os banhos nos filhotes, em regiões de clima quente, pode-se dar banho um vez por semana,já em regiões mais frias pode-se aumentar o prazo para a cada 15 dias. Porem é de fundamental importância que seja feita a higienização nos filhotes, principalmente para se proteger e preservar a saúde dos mesmos, evitando-se que estes fiquem vulneráveis e suscetiveis a contraírem doenças e infecções diversas devido a falta de limpeza e higienização.
      

      

        

Cachorros - Horror e Agonia.



Cachorros - Horror e Agonia: Este post descreve a provável sensação de medo, horror e agonia que um cachorro sente ao ser submetido a este terrível procedimento. Que é ser utilizado com vida, em uma aula de dissecação anatómica num curso de medicina veterinária. E antes desta indiferente e cruel experiência derradeira, ele é deixado isolado, numa sala escura preso numa gaiola, juntamente com outros cachorros e demais animais. E todos igualmente aguardando de forma passiva e inconscientemente, o mesmo trágico e tenebroso destino. E no silêncio e na solidão da noite, ele acaba ficando acordado com medo e em agonia, na expectativa e pressentindo algo entranho e sinistro. Pois já se cansou de latir, uivar, e agora apenas espera resignado e sem esperanças, pelo terrível destino.


Que mesmo não conseguindo prever nem saber que destino o aguarda, consegue de forma apavorante pressenti-lo. E ele foi trazido, para está sala fria e escura provavelmente de um Centro de Controle de Zoonoses de alguma prefeitura. E depois de ter sido capturado nas ruas, sem ter um lar, sem ter um nome, esteve próximo da execução no Centro de Controle de Zoonoses. Porem alguém interveio e se apropriou dele, mais precisamente uma faculdade de medicina ou veterinária, entre as muitas que ainda se utilizam deste procedimento abominável e monstruoso, para com os cachorros e outros animais. O tempo parece não passar, só existe a companhia e os e ruídos de lamento e desespero de outros cachorros e demais animais. E para piorar o quadro dramático e dantesco, ainda são privados de alimentos, pois são mantidos em jejum, pois faz parte do procedimento para a aula de dissecação.


E o cachorro se mantém inerte e em silencio, como se anestesiado pela pavorosa e implacável realidade, e a única coisa que os seus olhos conseguem ver, alem das grades da gaiola é a desesperança. Então de repente, uma porta se abre, e um homem vestido com uniforme entra na sala, e todos os cachorros em uma atitude de ansiedade, medo e desespero começam a latir incessantemente. Mas o cachorro se mantem frio e estático na sua gaiola, e apenas pressente impotente o seu trágico destino, e acompanha com os olhos a todo a movimentação. Vê as grades se abrirem, até ser seguro por mãos firmes, e é retirado imediatamente da jaula, sem o menor carinho ou compaixão. E o homem de uniforme, o retira tambem da sala fria e escura, e os latidos de lamento e desespero dos outros cachorros vão ficando cada vez mais distantes.


Cruzam um corredor de paredes brancas e janelas gradeadas, e depois de passarem por uma porta, o cachorro se-vê diante de varias de pessoas, e todos vestidos com jalecos brancos. Sentindo e farejando no ar, o cachorro percebe o ambiente pesado e sinistro, e o pavor, o medo e o desespero tomam conta do seu ser. E ele implora, tremendo e chorando, por algum tipo de compaixão ou ajuda, mas a única resposta que recebe, é o silêncio e a desfaçatez de todos. E um outro homem de jaleco branco, certamente o professor que vai ministrar a aula de dissecação para a turma, toma-o fria e mecânicamente, das mãos do primeiro homem. E absolutamente sozinho e impotente, o cachorro olha ao em redor, mas só vê nas pessoas frieza e indiferença. E ai vê e ouve o professor falar aos estudantes, e vira o alvo da atenção e dos olhares de todos. E todos ficam em silêncio, atentos a cada palavra do homem de branco, que o manipula sem a menor delicadeza, com as suas mãos percorrendo e apertando todo o seu corpo.


Chega então o momento em que o professor, ou o homem de jaleco branco para de falar, e os alunos todos tambem de jalecos brancos acercam-se do cachorro. E juntos, colocam o cachorro sobre uma fria mesa metálica de costas, e enquanto os alunos o seguram, o professor o estende e amarra as suas patas, mantendo-o nesta posição. O cachorro assiste a tudo, tente resistir, lutar, se mover, mas impotente e resignado é obrigado a se submeter. Sentem manipularem e pressionarem sem nenhuma gentileza ou compaixão todo o seu corpo, seu crânio, sua barriga, e seu dorso. E sob um imenso terror, desespero e tensão, o cachorro vê todos os movimentos e escuta todas as palavras e instruções do homem de jaleco branco, mas são movimentos, palavras e instruções que ele não entende. Porem se pudesse entender, o seu sofrimento seria ainda maior, pois teria consciência do terrível, abominável, cruel e desnecessário procedimento de que viria a ser a vitima.


Então, de repente o cachorro sente uma picada, pois estão aplicam-lhe uma injeção anestesica, mas ele continua consciente, porem não pode mais se mover. E ele consegue escutar um som metálico, de uma caixa que é colocada ao seu lado, e um estudante de jaleco, tira um objeto e o entrega ao professor. E o cachorro sente o seu coração batendo no peito, e os seus pulmões respirando com rapidez, e está sensação fica cada vez mais angustiante. Já não consegue ver com muita nitidez, mas consegue ouvir os ruídos e os sons das conversas na sala, e tenta olhar ao redor de si, mas só consegue ver objetos metálicos e frascos escuros e cartazes com desenhos. Nesse momento, o grupo aproxima-se e se fecha ao seu redor, varias pessoas de jalecos brancos, sendo que o mais próximo é o professor. Que a seguir manipula o objeto metalico, brilhante e pontiagudo, que lhe foi entregue por um aluno, em sua direção.


Então logo a seguir o cachorro sente uma terrivel dor aguda, pois de uma forma fria, e sem nenhum sentimento de piedade, o professor começa a corta-lhe a barriga, E o seu coração dispara, e ele tenta em vão desesperadamente soltar-se, mas nada acontece, pois devido a anestesia seu musculos não respondem. E a dor vai ficando cada vez mais insuportável, e os seus pulsos estalam, o seu pescoço incha, seus olhos ficam vermelhos, e um gemido de agonia escapa por sua boca já inerte. Mas impotente ele não consegue ganir ou desabafar a terrivel dor, que se apossa de seu corpo quente e pulsante. So lhe resta a resignação conciente, e a assimilação do sofrimento e da dor, em seu ventre que arde e queima enquanto o bisturi avança. E o cachorro tenta ao menos gemer ou gritar, para tentar dissipar a dor, mas o som perde-se na garganta. Não mas se consegue distinguir nenhum som, apenas o barulho desconexo de um lamento de dor, pois so lhe restou o som das batidas do seu coração.


E as demais pessoas de jaleco branco, com seus rostos serios e rigidos, com um olhar atento e indiferente, mas que porem evitam cruzar os seus olhares, com o olhar de agonia, desespero e dor expressado pelo cachorro. Que agora quase inconsciente, já tem a sua visão vacilante e embaçada e sua respiração ofegante, e sobre a mesa fria, só consegue tremer e gemer de dor. Mas ainda está vivo e consciente, e sua mente delira de agonia, e seu sangue vivo e quente jorra escorrendo pelo seu dorso. E ele ainda consegue sentir o bisturi rasgando suas entranhas, e suas vísceras sendo manuseadas. Porem o seu coração bate cada vez mais fraco, e seus olhos se escurecem, e se fecham lentamente, a sua respiração diminui drasticamente, quando então, ele inerte ele dá o seu ultimo e quase silencioso gemido de dor, e o seu ultimo e derradeiro suspiro, que o liberta desta desumana, pavorosa e agoniante experiência. E a questão crucial, e a que fica é, não existe outra alternativa que não está, de submeter os inocentes e indefesos animais a tamanha crueldade e sofrimento? Sera que os seres humanos, tem o direito de tratar os animais desta maneira repugnante, indgina, impiedosa e desumana? E você o que acha?



COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado