terça-feira, outubro 21, 2014

Collie de Pêlo Longo - Cachorros.



Collie de Pêlo Longo - Cachorros: A Rough Collie, que também é conhecida como Collie de Pêlo Longo, é uma raça de tamanho médio grande, que é revestido por uma longa e bela pelagem. Foi inicialmente criado, desenvolvido e utilizado originalmente para pastoreio na Escócia, país onde se originou, na primeira década de 1800. Passando posteriormente a desfrutar de grande popularidade através da obra do autor Albert Payson Terhune, e atualmente por meio da novela Lassie, que deu origens a varios filmes e programas de televisão. Há também uma variedade com revestido do pelo liso, algumas organizações de raça, incluindo os americanos e os canadenses do Kennel Clubes, consideram o revestimento liso e tambem cachorros de pêlo áspero como sendo variações da mesma raça.


Os Rough Collie geralmente vêm em tons de negro, merles e bi-ou tri-colorido, esta raça é muito parecido com o menor Shetland Sheepdog que se originou nas ilhas Shetland, ao norte da Escócia, e é em parte descendente do Collie. Ambos Rough and Smooth Collies são descendentes de uma variedade de cachorros de pastoreio localizadas e originários da Escócia e País de Gales. A variedade escocêsa foi um grande, agressivo e forte cachorro, criado para perseguir carneiros altiplano. E a variedade de Gales era pequeno e ágil, caseiro, amigável porem também arrebanhador de cabras. Quando os Inglêses viram estes cachorros no mercado de Birmingham, eles cruzaram com sua própria variedade de cachorros pastores, produzindo então uma mistura de variedades de pelo curto e longo.


Após a revolução industrial, a posse destes cachorros virou moda, e estes Collies inícialmente acreditava-se que tinham sido cruzados com o Borzoi (russo Wolfhound) para obter uma cabeça com desenho mais definido, que inclusive hoje é uma das características verdadeiras do Rough Collie. Embora não seja confirmado de forma conclusiva, se houve realmente uma mistura de raças, atraves do cruzamento com o Borzoi. Quando a Rainha Vitória adquiriu uma Rough Collie, depois de ver um no Castelo de Balmoral, eles foram transformados em algo como um item fashion. Entretanto a reprodução da raça para fins de shows de apresentação mudou drasticamente a aparência dos cachorros.


Inclusive na década de 1960, os exemplares eram um tanto mais alto do que é são os cachorros de hoje, apesar de no Reino Unido e nos EUA, o padrão de tamanho não tenha sido revisado para baixo e os cachorros permaneceram com a altura entre 24 à 26 polegtadas. E tambem os cachorros anteriores eram mais resistentes na constituição fisica e eram supostamente capazes de cobrir até 100 milhas em um dia. No Reino Unido atualmente o Rough Collie não é mais quase utilizado para o trabalho de pastoreio, tendo sido substituído pelo Border Collie. Embora nos Estados Unidos e vários países europeus, tem havido um ressurgimento do uso do Rough Collie paqra trabalho, e com o mesmo obtendo sempre um otimo desempenho.


O Collie Club of America é um dos mais antigos clubes especifícos da raça existentes nos Estados Unidos, tendo sido fundado em 1886, sendo que o Collie Club da Inglaterra foi fundado pouco tempo antes, datando de 1881. Entretanto em propria citação de Collie Club of America, a origem exata do Collie é envolta em obscuridade, tendo sido inclusive objeto de muita pesquisa e especulação. Pois a simples origem da palavra "Collie", é tão obscuro quanto a da própria raça, pois este nome "Colliej" já foi escrito de diversas maneiras diferentes, tendo exemplos como Coll, Colley, Coally e Coaly. Sendo que por convenção, a origem mais aceita da palavra é "Coll", que no idioma dos Anglo-Saxões a palavra "coll" significa negro.


E no século 18, é casa natural dos Collies estava situada nas terras altas da Escócia, onde tinha sido usado por séculos como um cachorro ideal para o pastoreio. Onde inclusive os cachorros eram criados com muito cuidado, a fim de ajudar os seus mestres no trabalho de pastoreio e guarda de seus rebanhos. Entretanto enquanto a raça como a conhecemos pode ter se originado na Escócia, sempre pensamos na Inglaterra como sendo o verdadeiro lar da raça. Sem dúvida, está era uma fantasia do povo Inglês do fim de 1800, pois foi a época quando a raça teve um otimo desempenho como um cachorro de show popular, sendo que os Collies foram exibido em Dog Show pela primeira vez em 1860 na Inglaterra, em Birmingham, na classe genérica "Scotch-Sheep Dogs".


Sendo que em 1879, o primeiro Collie inglês foi levado para a Escócia, pois foi na Inglaterra que foram encontrados os pilares da raça, do qual os criadores norte-americanos procuraram não só as suas matrizes, mas também as normas comportamentais e os padrões da raça. E já na virada do século, os Collies americanos estavam em um otimo e bastante estágio de desenvolvimento continuado. Entretanto a raça tambem continuava a florescer na Inglaterra, tendo inclusive os exemplares campeões de Dog Shows americanos sendo dominados pelas importações britânicas. Como resultado das importações, a raça progrediu rapidamente entre 1900 e 1920, tendo inclusive estes cachorros construido os alicerces sobre os quais nos dias de hoje baseia-se a raça Collie.


E tambem pavimentado o caminho para o surgimento dos grandes American canis na década de 1920 e 1930, sendo então utilizada a palavra "cachorrinho" para poder rastrear atraves do Gaélico e / ou Irlandes, sendo respectivamente, càilean e cóilean. Isto seria inclusive mais coerente com a origem da raça na Highlands escocesas de língua gaélica do que em um termo anglo-saxão. E quanto ao seu porte e aparência o Rough Collie Blue Merle de três cores na pelagem são reconhecidos pelos Clubes da raça Rough Collie, que podem ser sable e branco, onde as "palancas negras" variam do castanho claro ao mogno, tricolor, que é basicamente preto debruado de tan, azul merle, que normalmente é manchada de cinza. Todos possuem áreas de pelagem branca, na gola, partes da perna, e geralmente a ponta da cauda, alguns podem ter chamas branco em suas caras.


Além disso, o American Kennel Club aceita tambem o branco, onde o cachorro é predominantemente branco com manchas cor de tricolor, sable, ou merle azul na cabeça e às vezes manchas do corpo. Os Colies tem um rosto mais contundente do que as raças menores, mas de outra forma são muito semelhantes aos Shetland Sheepdogs, que parcialmente parecem com as manchas do Rough Collie. Os planos do focinho e parte superior do crânio devem ser paralela nos Collies, com um ligeiro stop, porem distintas, nos Shelties, os planos não são paralelos. Nos Rough Collie, o sub-felpudo é coberto por um longo, denso revestimento exterior grosseiro com um colar notável ao redor do pescoço, penas sobre as pernas, uma anágua no abdômen, e um folho no traseiro.


O seu tamanho e peso desejado variam entre os padrões da raça, os Collies machos podem ter de 56 à 66 cm na altura do ombro, sendo que a média da altura das femeas é de geralmente 5 cm mais curtas.  E a faixa media de peso dos machos, são geralmente de 70 à 85 Kg, tendo as fêmeas geralmente um peso medio entre 10 a Kg a menos. Embora nos EUA sejam relatados com frequencia Collies com peso muitas superior aos cem quilos, este peso entretanto, mesmo sendo os Collies cachorros de grande porte, é um exagero para um Collie saudável, pois os Collies normalmente não pesam mais de 85 quilos. E mesmo que os padrões do Reino Unido para o peso e o porte da raça sejam significativamente menores do que aqueles sob o American Kennel Club, cachorros com este peso são considerados obesos.


E apesar de seu grande porte, Um dos traços característicos da Rough Collie é a sua cabeça, pois esta é extremamente afilada e leve em relação ao resto de seu corpo. E assemelha-se a uma cunha arredondada, afinando suavemente das orelhas ao seu nariz preto, com uma parada distinta e simetrica nos planos paralelos da cabeça. O seu focinho é bem arredondado, e nunca são no formato quadrado, existindo tambem, uma considerável variação na cor da cabeça, entretanto os seus olhos são de tamanho médio e amendoados. As orelhas devem ser semi-dobradas, e com o seu terço superior devidamente dobrado, porem as orelhas que não dobram corretamente são bastante comuns.


Pois muitos Collies tem seus ouvidos colados quando filhotes, porem usando-se um simples adesivo médico ou fita de papel, pode-se estabelecer adequadamente o seu padrão anatomico, sem necessidade de corte ou a cirurgia.  Sendo a anatomia da cabeça dos Rough Collies bastante semelhantes ao do Pastor de Shetland, porem entretanto um pouco maiores. E uma vez visto, o contraste entre a cabeça do Rough Collie e que de um Border Collie é imediatamente evidente, esta última tendo um focinho mais curto e consideravelmente distinto, principalmente na região entre o focinho e a testa, o colar também é bastante distintivo, e tambem serve para distinguir as duas raças.


Quanto ao seu temperamento, os Rough Collies são cachorros bastantes tranquilos e confiaveis, e não apresentar apresentam nenhum traço de nervosismo ou agressividade, e tambem geralmente são muito bons com crianças e outros animais. No entanto, eles devem ser bem socializados para evitar que se tornem cachorros timidos e anti-sociais com estranhos. E apesar de serem cachorros de médio a grande porte, podem facilmente se adaptarem muito bem para viverem em pequenos apartamentos, isto principalmente por causa de sua personalidade muito calma e tranquila. E como muitos cachorros de pastoreio, os Rough Collies podem ser bastante vocais, inclusive alguns são bastante difíceis de treinar para não latirem.


Sendo que tambem a quantidade de instinto de pastoreio varia, com alguns cachorros sendo bastante ativos e outros mais calmos. Os Rough Collie são muito leais e podem ser cachorros ideais para família, inclusive familias com crianças, pois eles normalmente são excelentes com crianças, desde que tenham sido bem-socializados. E apesar de muito protetores, raramente são agressivos para além de ladrar e raramente atacam de fato, somente quando não há alternativas.  Eles inclusive são ansiosos para aprender e responder a orientações, entretanto de forma suave, pois eles apreciam a companhia humana e geralmente se saem mal quando são criados sem companhia humana constante com outros cachorros no quintal ao ar livre.


E quanto a sua saúde, apesar dos Rough Collies serem geralmente resistentes e saudáveis, existem alguns problemas de saúde que podem afetar a raça. Como por exemplo a Sindrome da Anomalia do Olho (CEA), que é uma doença genética que provoca o desenvolvimento inadequado e uma possível cegueira do olho, e que é uma doença comum na raça. Mais raramente, os Collies podem ser afetados pela atrofia progressiva da retina (PRA), uma outra doença genética em que a degeneração bilateral da retina resulta em perda de visão progressiva culminando em cegueira. Porem através de testes genéticos e cuidadosos programas de triagem, seria teoricamente possível erradicar esses problemas em linhagens puras.


Entretanto mesmo no Reino Unido, o Canil Clube não requer esses testes para ser feito o registo. Pois a CEA é tão prevalente que a eliminação dos cachorros afetados, exceto através de cuidadosas decisões de seleção que são muito lentos para evitar a redução do pool genético mais do que o absolutamente necessário. Pois os Rough Collie filhotes devem ser selecionados em uma idade precoce entre 6 à 8 semanas por um certificado veterinário oftalmologista para verificar a CEA. Porem em cachorros jovens, que fazem os exames mais tarde, está doença pode ser detectada pelo teste de DNA, mas este exame é muito menos generalizada. No entanto alguns clubes britanicos como o Kennel Club britânico "Accredited Criador Scheme" requerem exames oftalmológicos, e recomendam tambem o teste genético para eliminação absoluta da doença em exemplares registrados nos mesmos.


Há tambem a Neutropenia Cíclica Canina, que é uma doença do sangue cíclica que é fatal para os filhotes afetados. A doença é também conhecida como "síndrome do Collie cinza", devido ao filhotes afetados geralmente terem a coloraçâo da pelagem cinza claro, cinza ou bege rosado, sendo que raramente acomete Rough Collies de cores normais. Inclusive os filhotes que sobrevivem até a idade adulta, sofrem com doenças imunes ao longo da vida e raramente vivem mais de três anos. exames de DNA podem ajudar a detectar portadores do gene recessivo que provoca a doença. Displasia da Anca, como a maioria das raças maiores, displasia da anca é uma preocupação potencial dos Rough Collies.


Embora esta doença parece ser "multigênica", uma selecção cuidadosa de muitos criadores pode reduzir substancialmente este problema. O Reino Unido o Kennel Club exige que sejam feitos uma seleção criteriosa, no entanto, uma pequena proporção de cachorros registrados no Reino Unido são criados ao abrigo deste regime. Apesar de a Displasia Coxo Femoral é rara em Rough Collies comparados aos seus parentes mais próximos e outras raças do mesmo tamanho. Podem tambem possuirem uma mutante MDR1 do gene que resulta em uma sensibilidade à ivermectina e drogas afins. Porem um teste de rastreamento é usado para determinar se os medicamentos alternativos são necessários.


Inclusive caso haja uma overdose de medicamentos proibidos, isto pode resultar em problemas neurológicas ou mesmo na morte do cachorro. Este gene defeituoso está presente em diversas raças, mas é bem conhecido entre os Collies. Além desses problemas, os quais podem ser testados, há uma série de problemas em que há hipoteses de que sejam genéticos, mas para as quais entretanto não existem ainda testes de triagem. Estes incluem a epilepsia, inchaço, uma tendência para alergias e doenças da tireóide, principalmente hipotireoidismo. E tambem não existem testes de DNA para esses transtornos (e todos podem ter outras causas alem da origem genética), os criadores só podem fazer o seu melhor para evitar a produzi-los através da remoção de cachorros afetados do pool genético.


E para manter a boa aparência da pelagem, a camada dupla precisa ser escovado com freqüência e cuidadosamente, para mantê-lo numa condição de excelencia. Inclusive a sua pelagem profusa adere sementes de gramíneas e rebarbas, e muitos cachorros tendem a esteira em algum grau,  principalmente atrás das orelhas, ao redor do colarinho (se um colar é deixado sobre o cachorro), e na pelagem das pernas. E tambme raspar o pelo dos Collies é bastante prejudicial para sua pele, e alguns acabaão regredindo uma quantidade significativa de pelos depois de ter sido raspado. Tambem a esterilização e a castração podem alterar a textura da pelagem, tornando-a mais macia e mais propenso a esteira.


Indivíduos que gostam de Collies, mas não tem tempo para escovação e limpezas constantes, é recomendado que seja considerada a aquisição de um cachorro da raça Rough Collie. Os Rough Collie são bastante dinamicos e ativos, e podem competir em agilidade nos quesitos de ensaios, obediência , exibicionismo , flyball , acompanhamento e eventos de pastoreio. Instintos de pastoreio e treinabilidade podem ser medidos em testes não competitivos de pastoreio. Os Rough Collies podem exibir com maêstria instintos basicos de pastoreio, podendo obviamente serem treinados para competir em provas de pastoreio. A raça também tem sido conhecido para trabalhar como cachorros de busca e salvamento, cachorros de terapia e de cachorros-guia para cegos.




Cachorros - Galgo Afegão.



Cachorros - Galgo Afegão: O Afghan Hound ou Galgo Afegão, é uma raça de origem muito remota e antiga, inclusive possui este nome por ser originária do Afeganistão. E o seu aspecto geral é nobre, forte e majestoso, com a altura na cernelha indo de 68 a 74 cm, sendo as fêmeas um pouco menores que os machos. Sua cabeça é simétrica longa, reta e fina, com stop moderado, a trufa do nariz é negra ou fígado, com olhos pequenos de formato quase triangular, que podem ser escuros ou amarelos. O seu pêlo é fino e sedoso, mas deve ser curto ao longo da coluna e mais longo, formando uma franja na parte inferior do corpo, porem deve ser escovado frequentemente.



A cauda termina com um anel encaracolado, suas cores mais comuns são fulvo, negro, tricolor, preto com marrom, creme, porem todas as cores são admitidas. E o seu temperamento é de um cachorro corajoso, doce e sensível, gosta de dar loucas corridas eventualmente, por isso é melhor que seja criado em lugares bastante espaçosos. É tambem desconfiado com estranhos, sem contudo demonstrar-se hostil, entretanto não é uma raça adequada para proteção e guarda, e deve ser treinado de forma gentil, suave e bastante tranquila, pois de acordo com o livro A Inteligência dos Cães, de Stanley Coren, o galgo afegão é o último colocado.



Isso entretanto não quer dizer que a raça seja "burra", mas que simplesmente eles não fazem a menor questão de obedecer a comandos. É importante ter em mente que a "inteligência" para Stanley Coren, é definida como "Inteligência de Obediência e Trabalho", e não da inteligência latente, Instintiva e natural dos cachorros. Normalmente quanto a sua saude, os Afghans são cachorros bastante fortes, resistentes e relativamente saudáveis, sendo que a maioria de seus problemas de saúde são de origem alérgica e câncerigena, não havendo registro de doenças específicas da raça. No entanto, de maneira geral tem predisposição para desenvolver alguns problemas como Otite, especialmente pelo formato de suas orelhas mais longas.



E a prevenção é feita basicamente com a limpeza semanal dos ouvidos para diminuir os riscos de uma infecção. E tambem tártaro e problemas de gengivite, existe tambem uma prê-disposição para uma doença oftálmica que é a catarata, devido há um defeito hereditário recessivo, que inclusive pode levar o cachorro a ficar cego. E tambem em função de seu rápido crescimento, tambem está sujeito a desenvolver raquitismo, que pode lhe causar deformações ósseas e dificuldade na locomoção, em filhotes é possível evitar ou corrigir está doença, porem nos adultos não há cura. E tambem sensitividade à anestesia, que é um problema que o galgo afegão tem em comum com cachorros de corpo esbelto, devido a estes cachorros possuírem pouca gordura corporal.



Possuem tambem uma boa expectativa de vida, pois os Galgos Afegães são uma raça que vivem bastante, normalmente entre 13 à 14 anos. No inicio de sua história, o Afghan Hound foi originalmente usada para caçar lobos, raposas e gazelas, entretanto após chegar na Europa e nas Américas, graças à sua extraordinária beleza, foi transformado unicamente em cachorro de luxo. porem para que possa participar de exposições, sua delicada e longa pelagem demanda muitos cuidados, e devido a todos estes cuidados, portanto passou a não ser mais utilizado na caça. Sempre se achou que a raça datava da era pré-Cristã, porem devido a descobertas recentes feita por pesquisadores estudando DNAs antigos, revelaram que o Galgo Afegão de fato é uma das mais antigas raças.



A origem do Afghan Hound, que é considerada uma das mais belas e exóticas entre todas as raças, é muito antiga e perde-se no tempo. Por isso mesmo, sobram lendas a respeito da raça, que teria sido, segundo relatos, o representante da espécie canina na arca de Noé. Alguns historiadores baseiam-se em um manuscrito chinês para provar que o Afghan, conhecido como Tazi em seu país de origem, seria o descendente direto dos primeiros canídeos que habitavam as estepes asiáticas 100 mil anos antes da era cristã. A palavra Tazi, utilizada pelos afegãos para o nome da raça também significa ‘rápido’ ou ‘branco’, e também seria o nome de uma cidade entre Ghazni e Kandahar, que o sultão Muhmud de Ghazni havia dedicado aos Afghans que teriam ajudado a conter uma invasão hindu.



Entretanto todas essas hipóteses na verdade dificilmente serão passíveis de comprovação, porem dão uma boa idéia do fascínio que estes cachorros despertam. O que parece certo é que o Afghan foi abordado, pela primeira vez, numa aquarela publicada na obra de Thomas D Broughton, chamada ‘Cartas escritas em um campo de Mahratta’, em 1809. O primeiro Afghan ‘real’ chegou à Inglaterra em 1907, levado pelo capitão John Barff e exposto no Palácio de Crystal em Outubro daquele mesmo ano. E outros exemplares da raça começaram a chegar à Europa a partir daquela data e provocaram grande discussão entre os criadores, uma vez que o tipo físico deles era bastante heterogêneo, chegando-se mesmo a considerar a divisão da raça em duas.



E em 1962, a proposta de divisão foi feita por uma juíza baseando-se nas diferenças entre os afghans ‘do deserto’, também chamados de ‘bell murray’ e os afghans ‘das montanhas’, ou ghazni.  E a principal diferença entre os dois tipos, era o tamanho dos cachorros, sendo que os do ‘deserto’ eram muito maiores do que os ‘da montanha’ e os ‘da montanha’ tinham uma pelagem muito mais longa do que os ‘do deserto’. De qualquer forma, o padrão oficial do Afghan, escrito apenas em 1933, contemplava os dois tipos físicos. Na sua terra natal, os Afghans eram utilizados para um grande número de tarefas, e foram utilizados para entrega de correspondências, como cachorro de caça à gazela e à lebre, e até mesmo como cachorro de defesa e guarda de propriedades.



Apesar das tarefas distintas, todas tinham em comum o fato de que o Afghan é um cachorro anatomicamente desenhado para desenvolver grande velocidade, o que lhe rendeu consequentemente ainda a tarefa de cachorro de corrida. Atividade esportiva que ainda é praticada em muitos países, especialmente na Inglaterra e Estados Unidos. O Afghan Hound, até em função de suas atividades originais, que obrigavam que ele mesmo tomasse suas decisões, não é um cachorro de atitudes submissas e devotadas. Isso não quer dizer que ele não se apegue aos seus responsáveis, mas sim que só vai obedecer se quiser. Para aqueles que esperam um cachorro que siga o seu responsável pela casa, o Afghan é totalmente contra-indicado.



No entanto para aqueles que desejam a companhia de um cachorro mais independente, que não fique pedindo carinho e solicitando atenção constantemente, o Afghan pode ser uma boa pedida. Alguns criadores sintetizam esse traço de seu comportamento, afirmando que o Afghan tem um comportamento muito mais ‘felino’ do que canino. inclusive é um cachorro bastante tranquilo, que pode até viver em pequenos espaços, mas que precisa fazer exercícios regulares para se manter saudável e em forma, uma vez que sua estrutura física foi moldada para esta finalidade. Tambem não costuma latir em excesso, e o relacionamento do Afghan com crianças é controverso e normalmente os criadores afirmam que a disposição de brincar e respeitar crianças varia muito de acordo com cada exemplar, o mesmo valendo para o convívio com outros cachorros e gatos.



Alguns podem conviver relativamente bem e outros não, porem com certeza é melhor evitar a presença de roedores na mesma casa, uma vez que em sua origem o Afghan era, antes de mais nada, um caçador e são grandes as chances de acontecer um ‘acidente’. O filhote de Afghan passa por uma transformação total até chegar aos dois anos, e logo que nasce não lembra nem de longe a elegância de um adulto. Pois tem a cara chata, focinho curto e poucos pêlos. Aos poucos, começa a ‘parecer’ um Afghan e a partir dos 3 meses fica mais fácil de identificar as  características da raça. Como todos os filhotes, o Afghan precisa, desde cedo, perceber quais são os seus limites de maneira  clara.



Especialmente devido ao seu temperamento independente, aulas de obediência devem ser feitas preferencialmente pelo responsável e de maneira que o filhote sinta-se estimulado constantemente, caso contrário as aulas podem ser uma grande frustração. Não se deve perder de vista o fato de que o Afghan tem um temperamento muito típico, mas que corretamente estimulado pode ser um cachorro bastante obediente. Um dos principais cuidados que se deve ter com o filhote é proporcionar bastante atividade física, mas nunca se deve soltar um afghan (mesmo depois de adulto), num espaço sem proteção de grades, caso contrário o cachorro pode facilmente escapar, e será muito improvável que o seu responsável consiga alcançar um Afghan correndo.



Caso o cachorro more em casa com quintal, deve-se ter o cuidado de aumentar o muro para uma altura segura, pois os Afghans conseguem pular grandes alturas com relativa facilidade. Uma das principais características da raça é sua pelagem longa e exuberante, no entanto essa mesma pelagem é uma das principais dificuldades da manutenção da raça. O Afghan precisa de escovações regulares, um processo que, num cachorro adulto pode levar mais de 2 horas. O banho deve ser dado semanalmente, e o eu pelo deve ser desembaraçado antes, caso contrário, a formação de nós será inevitável. A secagem deve ser feita com muito cuidado, para que o pelo não quebre, evitando-se assim o surgimento de fungos e outros problemas relacionados à pele.



O Afghan costuma perder o pelo ‘infantil’ em torno dos 9 meses, a partir desta idade a escovação deve ser, de preferência, diária, visando ajudar na troca de pelo. O mais importante, no entanto, é acostumar o filhote desde cedo a esta rotina de escovação, que inclusive passará a fazer parte do seu cotidiano. Alguns Afghans possuem uma espécie de barbicha, chamada de mandarim, que confere ao cachorro um aspecto ainda mais exótico e aristocrático. Durante o verão há uma tendência do Afghan perder mais pêlos, mas não a ponto de espalharem pela casa como ocorre com raças sujeitas à muda, inclusive neste período, pode-se escova-los a cada dois dias para removê-los.



E quanto a coloração de seu pelo, a raça admite todas as cores, no entanto algumas cores são mais valorizadas do que outras, especialmente devido à sua pequena frequência de aparecimento. Sendo que as cores mais comuns são o marfim, o dourado (numa grande variedade de tons que vai desde o creme ao acaju), os azuis, os tigrados e cinzas. Uma das mais raras é a chamada ‘dominó, que é o creme acompanhada de um tom cinzento/azulado no dorso. E em qualquer uma das variedades, é aceito que os cachorros tenham máscara preta no focinho. Um dado importante sobre a coloração do Afghan é que ela só é considerada definitiva após o cachorro ter feito a primeira troca de pelos com 9 ou 10 meses.



COMPARTILHE A POSTAGEM.

Visualizações de página do mês passado

.COMPRE E RECEBA EM CASA! COM TODA COMODIDADE, SEGURANÇA E RAPIDEZ.

.COMPRE E RECEBA EM CASA! COM TODA COMODIDADE, SEGURANÇA E RAPIDEZ.
.

.

.
.