quinta-feira, outubro 23, 2014

Cachorros - Sir Edwin Landser.



Cachorros - Sir Edwin Landseer: Landsser é uma raça de cachorro, que porem muitos clubes de cinofilia consideram como sendo simplesmente uma variação preta e branca da raça Terra Nova, entretanto o FCI a considera como sendo uma raça separada. Esta raça se bem treinada ajuda tambem muito os nadadores salvadores a recuperar pessoas na água que estão a se afogar. O Landseer é um grande cachorro de pernas longas, com a pelagem branco e preto e com um corpo poderoso e bem equilibrado. E está sempre atento e disposto a rebocar e salvar pessoas que estejam se afogando ou com dificuldades de nadar para a costa. E são muitas as histórias sobre os esforços corajosos deste cachorro em resgatar as pessoas que estejam se afogamento.



Na verdade, a raça tem o nome de Sir Edwin Landseer, um pintor que comemorou os feitos heróicos de um Landseer em resgatar o capitão do afogamento, pois os Landseers são definitivamente “bebés d’água”. Inclusive é um cachorro que não hesitaria em dar um mergulho se eventualmente estiver passando próximo a um rio ou mesmo um pequeno riacho, mesmo que esteja carregando alguma mochila presa as suas costas. O Landseer teve sua origem no Continente Europeu, mas precisamente na Alemanha e na Suíça, porem ainda é considerada por muitos clubes de cinofilia como sendo uma variante revestida de branco e preto da raça Terra Nova que é totalmente negro.



O Landseer, porém é uma raça distinta e separada que é reconhecida pela FCI, pois devido a ter sido considerada uma variante da Terra Nova, o Landseer quase desapareceu completamente, principalmente quando o Terra Nova tipicamente preto tornou-se moda. E tambem a existência da raça foi gravemente afetada pela 2 ª Guerra Mundial, e graças aos esforços feitos pelos criadores alemães e suíços, o Landseer foi revivida nos anos 1930. O cachorro que foi desenvolvido pelo cruzamento da Terra Nova com o Cão de Montanha dos Pirinéus é muito mais leve, com uma pelagem mais pesada que é muito mais fácil de cuidar. O Landseer tambem possui um excelente nariz, pois igualmente ao Retriever é igualmente hábil na recuperação na terra ou na água.



E o Landseer faz um bom cachorro de guarda também, e é uma raça das mais exigentes neste quesito, pois ao ter a percepção de que a família está em perigo imediatamente não hesitaria em colocar entre a família e o perigo detectado. E apesar de não ser um cachorro feroz, é bastante destemido e ficaria bravamente na frente do membro da família para enfrentar a ameaça. E quanto a sua aparência e porte o Landseer é uma raça de cachorros que é muitas vezes confundido como um Terra Nova. No entanto, além do óbvia diferença nas características, um Landseer é comparativamente mais alto do que uma Terra Nova. Sendo que a Landseer é uma raça grande, com uma bela e nobre aparência, e a sua simétrica e enorme cabeça está intimamente equipado com um couro cabeludo curto e sem rugas que cobre a cabeça.



A Landseer tem um crânio largo e um focinho curto, mas forte, que porem parece estar fora do quadrado,tendo tambem um nariz preto escuro, e os olhos são amendoados dando ao cachorro uma expressão amigável. As orelhas de tamanho médio são de forma triangular e têm pontas ligeiramente arredondadas,e as orelhas são tambem cobertas com pelos bem curtos. O pelo mais comprido situa-se na parte de trás da base dos ouvidos. As orelhas são simetricamente postas em planos ao lado da cabeça. Esta raça tem um pescoço largo e musculoso, uma parte traseira reta e nivelada, com um lombo musculoso e um peito profundo, com costelas bem arqueadas.



A cauda é forte densamente coberta com cabelo espesso, quando está em repouso, a cauda forma uma ligeira curva no final e trava para baixo. Em movimento, a cauda é portada reta com uma ligeira curva no final. A raça tem uma pelagem dupla, o acabamento é longo, reto e macio ao toque, com o acabamento levemente ondulado, e tambem é grossa e oleosa, sendo que o subpêlo é grosso e muito oleoso. E sua pelagem predominantemente branca é marcada com manchas pretas no corpo, a cabeça e as orelhas são pretas. Uma mancha branca que vai do focinho ao colar melhora a aparência e a torna impressionante. A personalidade e o temperamento do Landseer o tornam definitivamente um cachorro de família, pois esta raça adora estar próxima de sua familia.



E apesar de seu grande porte, preferem a qualquer coisa estar no colo de um membro da família e ser carinhosamente afagado. Pois este afável cachorro faz um bom e calmo membro da família, e não gostaria de ser relegado para um canil ou o quintal, pois prefere ficar dentro de casa, se preguiçar no sofá ou na frente do fogo onde ele pode dedicar toda a sua atenção para a família. E este gigante gentil seria tambem uma ótima babá, gentil e tolerante, o Landseer é um companheiro maravilhoso e um guardião seguro para toda a família e especialmente as crianças, pois é um protetor por natureza. O Landseer sabe tambem imediatamente discernir uma situação perigosa, e vai agir imediatamente para proteger a família.



E é um cachorro amigável com estranhos, outros cachorros e animais, desde que não os reconheça como uma ameaça à família.  A Landseer é um bebedor bagunçado, e baba muito também, porem é um cachorro muito inteligente, que é conhecido por ser fácil de treinar, o que não deixa de ser uma vantagem para esta raça de grande porte. O Landseer é uma raça grande e energética, porem eles se adaptam muito bem em um apartamento, pois são praticamente inativos dentro de casa, e podem mesmo ser considerada como almofadas de sofá. Pois esta é uma raça preguiçosa, pronto para descansar dentro de casa o dia todo, entretanto são nadadores exímios e natos, principalmente pelos seus pés palmados que o fazem nadadores excelentes.



Se a natação não é possível, uma longa caminhada seria benéfica para o Landseer. Entretanto são cachorros bastante sensíveis ao clima quente, e para exercitar o Landseer é melhor faze-lo no início da manhã ou começo da noite quando a temperatura é mais amena e fria. E quanto aos cuidados com a pelagem, a raça tem uma pelagem grossa que se faz necessária uma escovação cuidadosa diária. E de preferência uma escovação com um pincel duro, para poder remover os emaranhados de sua pelagem. E a escovação regular tambem vai distribuir os óleos da pelagem, e banhos freqüentes não são necessário nem recomendáveis para não retirar o óleo que impermeabiliza o pêlo, e no lugar da lavagem um banho seco é recomendado.



As unhas devem ser cortadas regularmente, e os cachorro devem ter os dedos ergôs removidos. O Landseer é muitas vezes confundida com a Terra Nova, na verdade, nos EUA e na Grã-Bretanha estas duas raças são consideradas como sendo a mesma coisa. No entanto, a FCI considera o Landseer do Continente Europeu uma raça separada. Este grande cachorro branco e preto foi retratada no famoso quadro “Um membro ilustre da Humane Society” feito pelo renomado pintor Sir Edwin Landseer em 1838. Este pintor fez inúmeras pinturas retratando grandes cachorros brancos e negros. E estes cachorros eram cachorros da raça Landseer, eventualmente nomeado em homenagem ao famoso pintor.



O cachorro que foi retratado na pintura era de um exemplar chamado Bob. Diz a lenda que este cachorro e o seu responsável ficaram como náufragos por duas vezes, a primeira vez, o cachorro foi capaz de trazer o mestre em segurança à costa nadando duas milhas de onde o navio tinha afundado. No segundo naufrágio do cachorro não foi bem sucedido em resgatar o mestre e ele nadou até a praia sozinho. E Bob passou a freqüentar com frequência as ruas das docas para salvar pessoas de afogamento, e devido ao seu valoroso empenho o cachorro foi adotado pela Humane Society. Nos seus 14 anos de dedicação e serviços prestados aos náufragos o cachorro foi creditado com 23 resgates.



Bob é considerado um dos grandes cachorros brancos e negros que existiram por mais de 200 anos nas ilhas de Newfoundland. Estes cachorros gigantes que foram utilizadas pelos pescadores para puxar redes europeias à costa foram levados para a Inglaterra. E eram conhecidos por sua habilidade de ajudar as pessoas que estavam a se afogar. E um grande número de cachorros desta raça eram trazidos e vendidos pelos pescadores europeus, na Inglaterra. Acreditava-se que as exportações dos cachorros foram feitos na década de 1770. No entanto, constatou-se que estes cachorros já existiam na Inglaterra a muito tempo, pois uma pintura do Conde de Romney já tinha retratado um cachorro da raça Landseer.



Onde foram feitas extensas descrições da raça em 1732 no livro “Senhores do ferrador”. “Uma História da Terra e da Natureza Animados”, escrito por Oliver Goldsmith em 1774 descreveu extensivamente o cachorro. Por causa da aparência impressionante a raça Landseer foi retratado na pintura e tem sido objeto de numerosos livros. E cachorros da raça Landseer são originados da Alemanha e da Suíça, foi especulado de que a raça foi criada através do cruzamento da Terra Nova branco e preto com cachorros Pyranean Mountain, para se criar um cachorro que se assemelha-se ao cachorro na pintura feita por Sir Edwin Landseer. Otto Walterspiel, um criador alemão tinha aprimorado e desenvolvido seletivamente a raça.



Entretanto o primeiro exemplar da raça Landseer nasceu na Holanda em 1893, já a segunda ninhada de raça pura, nasceu em 1902 na Suíça. Em 1960, o Landseer do tipo europeu-continental, que é um cachorro que tem as pernas mais longas e tambem é conhecido por ser bem mais ativa do que a raça Terra Nova, quando foi então considerada como uma raça separada pela FCI, sendo a raça registada sob o número 226. E após o registro, a popularidade da raça continuou a subir. A raça conquistou outros países europeus, podem inclusive agora serem vistos por toda a Europa.









Cachorros - American Eskimo.



Cachorros - American Eskimo: American Eskimo Dog - Cachorros: O American Eskimo Dog americano é uma raça de cachorros de companhia originário da Alemanha, sendo inclusive tambem mais um membro do família Spitz. E apesar de seu nome e de sua aparência, a raça American Eskimo não tem nada a ver com o Alaska, pois sua a origem de seus ancestrais é remota e remonta toda a area da Europa do Norte. A sua raça progenitora foi o Spitz Alemão, porem devido ao preconceito anti-alemão durante a Primeira Guerra Mundial, ela foi renomeada "American Eskimo Dog". Embora os modernos American Eskimos ainda podem ser confundidos com o Spitz Alemão, dependendo da altura, os padrões da raça são realmente muito diferentes.


E além de servir como um cachorro de guarda e companhia, o American Eskimo também alcançou um elevado grau de popularidade nos anos 1930 e 1940 nos Estados Unidos como um circo performer. Há três variedades de tamanho da raça American Eskimo, inclusive eles compartilham uma semelhança comum com os Spitz japoneses e a raça Samoieda. O pintor inglês Thomas Gainsborough (1727-1788) pintou "The Morning Walk" representando o Sr. e a Sra. Hallet, acompanhado por seu Spitz Branco, uma raça que está entre os antepassados do American Eskimo. O American Eskimo foi originalmente criado e desenvolvido para proteger pessoas e bens, e portanto é territorial por natureza, sendo portanto um cachorro de guarda valoroso.


Eles inclusive não são considerados uma raça agressiva, mas devido à sua história como cachorro de guarda, são tambem geralmente bastante vocais, latindo para qualquer estranho que chega muito próximo aos seus responsáveis ou a seu território. No Norte da Europa, raças de Spitz menores foram eventualmente desenvolvidas em diferentes Spitz Alemão, e imigrantes europeus trouxeram Spitz como seus animais de estimação com eles para os Estados Unidos, principalmente Nova York, no início de 1900, "todos eles descendem de maior Spitz Alemão, o Keeshond , o branco da Pomerânia , Spitz e os italianos, o Volpino Italiano ". Embora o branco não era sempre uma cor conhecida no Spitz Alemão, entretanto era geralmente a cor preferida nos EUA.


Em uma demonstração de patriotismo na época em torno da Primeira Guerra Mundial, os responsáveis destes cachorros passaram a se referir aos seus animais de estimação como o americano Spitz, em vez de Spitz Alemão. Após a I Guerra Mundial, os pequenos Spitz chamaram a atenção do público americano quando os seus cachorros se tornaram artistas populares nos circos da América. Em 1917, os Irmãos Cooper Railroad Circus obtiveram um grande destaque com os seus American Eskimos como cachorros de circo, e tambem um American Eskimo chamado de Pal Stout Pierre ficou famoso por andar perfeitamente numa corda bamba no circo de Barnum e Bailey em 1930.


Inclusive devido a popularidade alcançada pelos cachorros de circo, muitos dos atuais American Eskimo tem a sua linhagem proveniente dos cachorros de circo. E após a Segunda Guerra Mundial, os American Eskimo continuaram a ser animais de estimação populares, no pós-guerra o contato com o Japão levou à importação pelos Estados Unidos de exemplares da raça Spitz Japonês, que tambem obteve um grande sucesso, e devido a sua grande semelhança com o American Esquimo acaba sendo confundido com o mesmo. A raça foi reconhecida oficialmente como o "American Eskimo" já em 1919 pelo clube norte-americano United Kennel Club (UKC), e o primeiro registro formalizado e a história da raça foram impressa em 1958, pelo UKC.


Naquele tempo não havia nenhum clube oficial e tambem nenhum padrão da raça, e os American Eskimo foram aceitos para registro com um único exemplar da raça, com base na aparência. Em 1970, a National American Eskimo Dog Association (NAEDA) foi fundada, tendo inclusive desaparecido os registros de 1919. Em 1985, o American Eskimo Dog Club of America (AEDCA) foi formado por amadores que tambem desejavam registrar a raça do American Kennel Club (AKC). Após AKC estabelecer requisitos para o reconhecimento da raça, o AEDCA coletou as informações de pedigree de 1.750 cachorros que agora formam a base da AKC, que reconheceu a raça, que é chamado de Cachorro Eskimo Americano.


Sendo a raça tambem reconhecida pelo American Kennel Club em 1995, o livro genealógico foi aberto em 2000 e 2003, em uma tentativa de registrar mais exemplares da raça, baseados na UKC que já havia registada anteriormente as linhas originais, e hoje muitos Eskimos Americanos são duplamente registados em ambos Clubes Caninos americano. A raça também foi reconhecida pelo Kennel canadense Club a partir de 2006, porem mas não é reconhecido em outros lugares do mundo. Pois o Eskimo Americano não é totalmente uma raça reconhecida internacionalmente, e uma vez que nenhum dos clubes caninos americanos são filiados à Fédération Cynologique Internationale.


E os criadores que desejam participar de certas exposições caninas internacionais, registram seus exemplares de Eskimo Americanos como o Spitz Alemão, devido a sua grande semelhança. Isso é feito apenas por pessoas que desejem participar de exposições caninas internacionais, entretanto  não significa que o Eskimo Americano e o Spitz Alemão sejam o mesmo cachorro. Embora o Eskimo Americano seja conhecido como o Spitz Alemão em vários países fora dos Estados Unidos, apesar de as duas raças terem se desenvolvido de maneira bastante diferentes desde que o Eskimó Americano foi transferida para a América do Norte, isto a mais de um século atrás. Não é incomum para criadores de Spitz Alemão incorporarem linhagens importadas do Eskimo americano em seu programa de melhoramento genético da raça para ampliar o conjunto de genes, e vice-versa.


E no aspecto de sua saúde, O Eskimó Americano é uma raça bastante rústica, com uma expectativa de vida média de aproximadamente 16 anos. Entretanto esta raça tende a ficar acima do peso com muita facilidade, então uma dieta adequada e exercício físico são essências e necessários para manter o seu bem-estar geral. E exames de saúde devem ser realizados por todos os criadores responsáveis, e quem adquirir um filhote de American Esquimo deve estar ciente dos problemas genéticos inerentes que possam eventualmente serem encontrados em alguns indivíduos da raça, como o PRA ( Atrofia Progressiva da Retina ), Luxação da Patela e Displasia da Anca. Entretanto nenhum destes problemas são crônicos ou comuns à raça, que geralmente é muito saudável. E além dos problemas mencionados, porem bastante raros, a raça pode tambem ter uma tendência a alergias e mais comumente, a lágrima de coloração, a raça também é conhecida em alguns casos a tambem ter problemas dentários.







Cachorros - Épagneul Breton.



Cachorros - Épagneul Breton:  O Spaniel Bretão, que em francês é Épagneul Breton, sendo também conhecido por Brittany, é a raça de cachorro de tiro mais popular da França e favorita nos Estados Unidos, e que foi salva da extinção na década de 1900 pelo criador Arthur Enaud. Entretanto o Spaniel Bretão apesar de ser um Spaniel, comporta-se como um Pointer, levantando e carregando as presas das caçadas. De adestramento considerado fácil, pode atingir em media os 15 kg e tem a pelagem do corpo fina e densa, que varia em três cores que são o preto, laranja e chocolate, junto ao branco. A raça nasceu na Vila de Callac, que é uma região da Bretanha na França, e o seu mais provável antecessor pondera-se que teriam sido cachorros da raça Oysel, bastante popular e conhecido na Idade Média e sem dúvida uma das mais antigas raças de cachorros de aponte na França.


Durante o século XIX a pequena nobreza inglesa, possuidora de terras, tinha o hábito de caçar perdizes na França e levavam com eles seus melhores cachorros-de-tiro, sendo na sua maioria Seter Inglêses, Gordon Seter e Pointers. Estes cachorros eram comumente deixados aos cuidados dos proprietários da terra até a estação de caça seguinte, o que resultou em um grande número de cruzamentos entre estas diversas raças, dando origem a um popular Spaniel da região.  Daí surgiu o grande cachorro-de-tiro, Spaniel Bretão, esta combinação se tornou tão popular que em torno do ano de 1900, diversos cruzamentos planejados foram feitos. Sendo que o 1º Campeão da raça, foi um cachorro francês de nome "Max de Callac", de cor branco e fígado.


Outro cachorro de destaque, também oriundo da França, foi o "Ska de Saint Tugen", um tricolor de preto que também foi pai, avô, e bisavô de muitos campeões. O Spaniel Bretão é um ótimo Pointer e Retriever, sociável com seus semelhantes e um companheiro ideal, sendo equilibrado, franco, doce e inteligente. A pelagem é relativamente fina, densa, moderadamente franjada, podendo ser lisa ou levemente ondulada. As cores são branco e laranja, branco e fígado, branco e preto, ou Tricolor branco, laranja e fígado ou branco laranja e preto e ainda ruão com qualquer dessas cores. Na aparência geral é um cachorro de pequeno porte, robusto, muito vigoroso, esperto e de expressão inteligente. As orelhas são pendentes e bem guarnecidas de pêlos. O Spaniel Bretão por vezes nasce anuro (sem cauda) ou quando não, devem ter a cauda amputada em no máximo 10 cm.



PADRÃO DA RAÇA:

Padrão FCI n. - 95
Grupo n. 7, - Cães de Aponte
Tamanho - 47 a 50 cm com tolerância de 1cm
Peso - padrão não comenta
Pelagem - medianamente longa
Agressividade - moderada
Aptidão - caça
Atividade - Espontânea moderada
País de Origem - França


Aspecto geral - Altura máxima de 51cm, mínimo de 46cm; altura ideal nos machos de 48 a 50cm, de 47 a 49 nas fêmeas. Curto de lombo; cabeça arredondada com focinho de lábios não pendentes, orelha curta e inserida alta, relativamente com poucas franjas, pelo liso acamado contra o corpo, franjas onduladas mas nunca frisadas; tipo cob, cauda de mais ou menos 10cm, embora o animal possa também ser anuro.


Cabeça -

Trufa: bem aberta e um pouco angulosa, da cor mais escura do corpo quando a pelagem do cão for branca e castanha ou branca e preta.

Lábios: finos, bastante retraídos, com o lábio superior que ultrapassa um pouco o lábio inferior; reto ou muito ligeiramente curvado. Cana nasal: mais curta que o grande eixo maior, reta ou ligeiramente curvada.


Crânio: de comprimento médio, arredondado, paredes laterais marcadas e arredondadas; stop com depressão bastante marcada.

Olhos: âmbar escuro em harmonia com o pêlo, vivos e expressivos.

Orelha: inserida alta, de preferência curta, ligeiramente arredondada, com um pouco de franja embora bem provida de pelos ondulados.


Pescoço

De comprimento médio, embora desprendido dos ombros, sem papadas.

Membros anteriores

Ombros inclunados e musculosos. Braços musculosos e ossudos. Pernas anteriores muito retas. Munhecas ligeiramente inclinadas, finas e musculosas.


Corpo

Peito profundo, descendo plenamente até o nível do cotovelo, costelas bastante arredondadas e largas. Costas curtas, cernelha bem deslocada, nunca afundada. Lombo curto, largo e vigoroso. Flancos levantados, sem excesso.

Membros posteriores

Garupa mais baixa do que a cernelha, saliente, chegando à altura da linha superior. Garupa ligeiramente fugidiça. Pernas posteriores com músculos largos muito descidos, muito musculosos; jarrete e ponta do ísquio na mesma vertical. Pernas com franjas onduladas até meia coxa. Metatarso bem aprumado, jarrete não muito marcado.


Pés

Dedos unidos com um pouco de pelo entre eles. Cauda - Ereta ou caída se o cão não é anuro, sempre curta, em torno de 10cm, às vezes um pouco desviada e terminada com uma mecha de pelo. Pele - Bastante solta. Pelo - Finos no corpo, sem excesso e tende para o liso ou muito ligeiramente ondulado.

Pelagem

Branca e laranja, branca e castanha, branca e preta, tricolor ou ruão de uma ou outra dessas cores. Conjunto - Compacto e robusto, pequeno cão elegante embora muito vigoroso, de movimentos energéticos, de fisionomia inteligente, apresentando o aspecto de um cob cheio de classe.










COMPARTILHE A POSTAGEM.

COMPRE E RECEBA EM CASA! COM TODA COMODIDADE, SEGURANÇA E RAPIDEZ.

,

,

CURSO DE VIOLÃO: EBOOK + VIDEO AULAS - TOTALMENTE GRATIS!