.

sábado, outubro 25, 2014

Bebês e Cachorros.



Bebês e Cachorros: Há uma dúvida bastante comum, que ocorre entre os responsáveis e seus familiares com relação a presença e o comportamento do cachorro com a futura presença de um bebê como um novo integrante da família. Pois há uma preocupação constante em imaginar qual será a reação do cachorro com a chegada do bebê, E muitos ficam imaginando e temendo se o cachorro sentirá ciumes? se o cachorro atacará o bebê? Entretanto estes pensamentos são infundados e precipitados, pois muito raramente há ocorrência deste tipo de situação, e quando isto acontece, geralmente é por culpa do próprio responsáveis pelo cachorro, que não educaram, orientarão e socializaram o cachorro adequadamente. 


Pois cachorros são animais essencialmente sociais, e que tem por natureza viverem em grupos, inclusive para os cachorros, os bebês nada mais são do que “filhotes humanos”, e os filhotes da matilha, isto pelo próprio instinto do cachorro devem sempre ser acolhidos e protegidos. Inclusive um bebê quando chega em casa fica dormindo em seu quarto quase que 95% do tempo, portanto não afeta diretamente a rotina da casa, pois praticamente quase não aparece ou participa dela. E conforme este bebê for crescendo, sua participação na rotina doméstica vai aumentando gradativamente, o que fará com que o cachorro se acostume facilmente à presença do novo filhote. 


Porem devido ao bebê ser extremamente vulnerável a qualquer tipo de germe e bactéria, pois seu sistema imunológico ainda está se formando, não é recomendável que haja um excesso de contato físico entre o bebê e o cachorro, antes deste bebê ter completado ao menos um ano de idade. Entretanto isto não é nenhum grande problema ou impedimento, para que possa haver uma perfeita convivência entre um cachorro e um bebê, bastando para isto, que se tenha determinados cuidados e precauções. Pois a relação entre ambos vai evoluindo e se estabelecendo lentamente, gradativamente, porem é fundamental tambem, que o cachorro tenha sido devidamente educado e socializado. 


E tenha consequentemente um comportamento confiável, tranquilo e equilibrado, e com toda a certeza e sem nenhum problema o cachorro e o bebê vão se dar muito bem. Porem algumas precauções devem ser consideradas, principalmente com cachorros de médio e grande porte ou mesmo pequenos muito ativos e estabanados, pois é conveniente e mais seguro manter uma supervisão ou deixá-lo há uma certa distância do bebê, ou mesmo deixá-los em contato com algum tipo de barreira entre eles, como por exemplo uma grade. E o problema nestas situações  não é agressividade ou a falta de confiança no cachorro, é que os cachorros estabanados ou de grande porte podem involuntariamente derrubar e até mesmo machucar um bebê ou mesmo uma criança maior. 


Pois muitas vezes o cachorro não tem consciência e nem noção da brutalidade excessiva de suas brincadeiras, e se não protegemos a criança de um “carinho mais animado”, a criança pode-rá passar a ter medo do cachorro. Entretanto se o seu cachorro é educado, sociável, mas porem nunca teve muito contato com bebês ou crianças, a solução é muito simples, e tudo é uma questão de fazê-lo começar a ter contato com bebes e crianças gradativamente. Deve-se a principio começar a leva-ló, com guia e coleira a locais onde há a presença de muitas crianças, como jardins ou praças publicas. E nos primeiros dias passeie com ele longe das crianças, e conforme os dias forem passando vá gradativamente levando ele para passear mais próximo das crianças. 


E o objetivo principal deste processo, é que ele fique habitue com a sua presença e fique tranquilo junto delas. Se você achar que mesmo depois deste treinamento, o seu cachorro aceita e fica bastante tranquilo estando perto delas, mas porem não gosta de seus assédios, opte pela solução preventiva de manter uma barreira entre eles, desta forma eles poderão se relacionar e se entrosar gradativamente e sem que haja a possibilidade da ocorrência de acidentes. Porem se o seu cachorro costuma ter um comportamento hostil a tudo e todos que ele não conheça, então isto pode-rá ser um problema de fato, pois este tipo de cachorro tem muito mais dificuldade de se adaptar a novas situações, deve-se ficar atento e tomar certas precauções, e principalmente supervisionar todos os contatos que houver entre ambos. 


E tambem dê ocasionalmente brinquedos novos para o seu cachorro, de preferência quando ele e o bebê estiverem juntos. E reserve um tempo diário para dedicar ao seu cachorro, mesmo que este tempo seja curto, pois ele precisa sentir que não foi trocado pelo bebê, e que ainda tem a sua atenção e o seu carinho. Mostre a ele que tratar bem do bebê te fará feliz, portanto sempre que ele ficar tranquilo perto do bebê, elogie-o. E felizmente na grande maioria dos casos, tirando os casos extremos e com raríssimas excessões estas situações costumam ter finais felizes, com o cachorro se apegando a criança e se tornando extremamente carinhoso e protetor.



Casa Nova - Cachorros.



Casa Nova - Cachorros: A mudança de casa geralmente é uma situação bastante complicada para os cachorros, pois se para os humanos esta adaptação à nova casa já é difícil, imagine só para um cachorro. Até porque eles não tem a compreensão humana, e não entendem o porquê que de uma hora para outra ele passou a morar num local completamente estranho, e com todas as referências que ele tinha como sede da matilha sumindo repentinamente. Inclusive ele não reconhece este novo espaço,e não sabe como este novo espaço será preenchido, onde ele pode e deve fazer as suas necessidades fisiológicas, onde dormir. 


Ele tambem não reconhece os seus novos barulhos e cheiros, ou seja, o cachorro fica completamente desorientado e perdido. Além disso, os cachorros tem tambem a capacidade de percebem toda a dificuldade inicial por que passam os seus responsáveis, e o estresse que tudo isso causa. E isto reforça ainda mais neles a ideia de que esta é uma situação estranha e de certa forma vulnerável. E por conta de tudo isto, para a maioria dos cachorros esta fase pode ser bastante traumática, e se o seu responsável não tiver um pouco de sensibilidade, a coisa pode se tornar ainda mais complicada. Sendo que o ideal nestes casos é com muita tranquilidade re-educar o cachorro da mesma forma que foi feito quando ele ainda era filhote. 


E mais uma vez temos aqui o responsável, tendo que exercer a liderança da matilha, e mostrando a ele como deve funcionar esta mesma matilha, porem em um novo local. E geralmente, a assimilação e o consequente novo aprendizado é muito mais rápido e simples, pois ele já passou por isso antes. E tambem a grande questão aqui é saber se o novo local é o mesmo tipo de imóvel, ou seja se foi de uma casa, para outra casa, ou de um apartamento para outro apartamento, ou de um apartamento para uma casa ou vice-versa. Pois quanto mais diferenças tiverem as duas situações, mais cuidados e paciência serão necessários para se poder ajudar o cachorro a se adaptar ao seu novo ambiente. Entretanto se este novo ambiente, seja ele casa ou apartamento, tiver um espaço bem menor que o ambiente anterior, deve-se prestar bastante atenção a este grande detalhe. 


Pois a situações que podem vir a se tornarem bastante problematicas,crônicas e até criticas. Pois raças de cachorros de grande porte, principalmente os mais novos, que estão com muita vitalidade, geralmente não se adaptam com facilidade em apartamentos. E com algumas excessôes, os cachorros mais velhos, que não tem tanta atividade e algumas raças, mesmo sendo de grande porte, porem calmas conseguem fazer esta transição com mais facilidade. Porem não espere que um labrador ainda novo e cheio de energia aos 2 anos acostume-se a não ter onde correr e desgastar sua energia, não irá demorar muito até que ele comece a roer os objetos e móveis do novo apartamento ou da nova casa para se distrair. Portanto se o espaço disponível do novo ambiente, seja ele casa ou apartamento, tiver um espaço menor para o cachorro. 


Deve-se fazer uma analise dimensional e racional, sobre se o cachorro consegui-rá se adaptar e suportar esta diminuição em seu novo ambiente e consequentemente em seu ritmo e nível de atividade, sem grandes sofrimentos, traumas ou depressões. Pois, dependendo de como o cachorro irá reagir e se adaptar a este novo ambiente, muitas vezes doa-lo para quem tenha mais espaço, pode ser o maior ato de amor que se pode fazer a este cachorro. Pois se antes o cachorro ficava o tempo todo do lado das pessoas, não espere que de um dia para o outro ele vá se acostumar a ficar sozinho o dia inteiro num quintal. Devido a isto, se deve fazer esta transição de forma lenta e gradual. 


Faça com que ele se acostume a ficar no quintal por 15 minutos sozinho, para então voltar para dentro de casa, depois 30 minutos, e assim sucessivamente, até que ele se acostume com o espaço de seu novo ambiente. Entretanto se ao contrário, o cachorro estava acostumado a ficar no quintal o tempo todo, e agora ele irá desfrutar da companhia de todos dentro de casa, ele provavelmente terá que ser ensinado a se comportar dentro de casa, pois provavelmente ele não sabe. E da mesma forma que nos demais itens, aqui também tudo dependerá do quão diferente será o novo ambiente em relação ao antigo. Se o ambiente for parecido, as coisas serão bem mais fáceis e simples. 


E se o cachorro já souber que ele deve-rá fazer suas necessidades fisiológicas no lugar que lhe for determinado, o único trabalho ai é só mostrar a ele o novo local. E se já moravam num apartamento, e o cachorro já estava acostumado a fazer suas necessidades na rua, então não haverá nem necessidade de adaptação a está questão, pois tudo continuará igual a situação anterior. Sendo que os problemas normalmente acontecem quando existe uma mudança no tipo de ambiente que o cachorro vivia, e o seu cotidiano acaba se modifica de forma muito acentuada. Normalmente os cachorros que moravam em casas têm muita dificuldade em se adaptar a só fazer suas necessidades quando seus responsáveis têm tempo de levá-los na rua. 


Pois na casa antiga eles faziam suas necessidades na hora em que tinham vontade, e isso nada tinha a ver com o seu responsável estar por perto ou não. Neste caso é preciso começar tudo novamente, e tentar educá-los a só fazerem suas necessidades na rua, porem a dificuldade aqui é proporcional à idade do cachorro. Pois quanto mais velho ele for, maior será a dificuldade dele em aprender os novos hábitos da casa. E não adianta achar que a culpa é do cachorro, pois não é, e também não é de seu responsável, pois simplesmente os cachorros não foram determinados geneticamente para mudarem de ambiente desta forma. E se não for possível conseguir que o cachorro só faça suas necessidades na rua, o melhor que se tem a fazer, é compreender, aceitar o fato e providenciar um “banheiro” para ele, inclusive jornais e caixas higiênicas, ajudam muito neste processo e dão ótimos resultados.  


E neste quesito, também os cachorros de grande porte perdem, pois fazem uma quantidade maior que os cachorros de pequeno porte, e dependendo do espaço, pode ser bastante inconveniente. E o local de dormir também é um ponto importante, e se o ambiente no qual ele vai dormir é semelhante ao que ele já dormia na casa antiga, não haverá muito problema. E de preferência deve-se colocar o cachorro para dormir no local escolhido já a partir da primeira noite. Inclusive tente colocar o máximo de brinquedos, ossinhos e paninhos que ele já tinha na casa antiga para que ele possa ficar mais familiarizado com o novo ambiente, sentido o seu próprio cheiro. 


Outra recomendação que tambem ajuda e o tranquiliza bastante é colocar lá algo como um pedaço de pano, com o seu próprio cheiro, no caso o cheiro do responsável pelo cachorro.  E basta esfregar um pano sobre o próprio corpo e coloca-lo junto às coisas do cachorro. E se o cachorro já estiver acostumado a dormir em uma caminha ou casinha, melhor. O simples fato de você colocar a casinha ou caminha em determinado local já será suficiente para ele entender onde deve-rá dormir. Se, no entanto, se há pretensão de se fazer alguma mudança nesta questão, será preciso ter um pouco mais de cuidado aqui. pois se seu o cachorro estava acostumado a dormir dentro de casa, e deve agora passar a dormir no quintal na nova casa, não se deve pensar que ele não estranhará tal diferença. 


Inclusive se ele for colocado para dormir no quintal repentinamente e sem nenhuma adaptação, na primeira noite ele ficará assustadíssimo. Deve-se portanto, se fazer este processo de transição gradualmente, e antes de se colocá-lo para dormir no quintal, deve-se primeiramente se esperar que ele se acostume com o novo ambiente como um todo. Pois se ele morava num apartamento, o fato de ter que ficar sozinho no quintal, pode parecer para o cachorro que ele está sendo abandonado, ou mesmo apartado dos demais. E como ele não consegue entender o motivo do exílio, ele reclama-rá e pedirá socorro da única maneira que sabe se expressar, que é latindo, esperando que o seu responsável apareça para salvá-lo. 


E para se evitar maiores problemas com a vizinhança, deve-se agir da forma certa, ou seja, tem que se acostumar gradualmente e em etapas o cachorro a habitar e dormir no quintal. Deve-se começar a deixar o cachorro a ficar alguns minutos sozinho no quintal, para que ele possa se habituar ao seu novo ambiente, e o ideal é que tambem se possa oferecer algum atrativo a ele. Como deixar no quintal um osso novo, ou algum brinquedo novo do tipo que ele gosta, pois desta forma ele ficará distraído, e não sentirá tanto o fato de estar sofrerá sozinho. E inclusive, de preferência só se deve aparecer por lá num momento em que ele estiver calmo, e jamais quando ele estiver latindo ou chorando. Pois a última coisa que se quer aqui, é que o cachorro se acostume a chorar e latir para te chamar a atenção de seu responsável.



E tambem cachorros que anteriormente moravam em casas e que se mudaram para apartamentos costumam sofrer muito com os novos barulhos com os quais eles passam a ter que conviver. E devido a isto há cachorros que acabam latindo sempre que os vizinhos chegam, ou saem de suas casas, e no caso de apartamentos, outros ainda não conseguem deixar de latir toda vez que escutam o barulho do elevador funcionando em seu andar. Sendo que nestes casos, é necessário tentar repreender e reprimir este tipo de comportamento nos cachorros, com muita orientação, educação e tambem com carinhos e agrados nos casos positivos, antes que os mesmos se tornem habituas e crônicos. De maneira geral este é o momento ideal para se promover mudanças na rotina do cachorro. Já que se está mudando de ambiente, pode-se aproveitar e também mudar os hábitos e o cotidiano do cachorro. Porém, é fundamental se ter muita paciência e compreensão, e saber principalmente que não existem milagres, pois para se promover tais mudanças deve-se fazer um trabalho de re-educação intenso.

















Cachorros ou Cadela.



Cachorro ou Cadela: Para se poder escolher com tranquilidade e segurança qual o melhor sexo para a escolha do cachorro, é necessario se analisar as diferenças, e as vantagens e desvantagens apresentadas tanto pelo cachorro quanto pela cadela. E se observar cuidadosamente as características de cada gênero, e, principalmente tambem, tomar conhececimento de que tipo de mudanças poderá haver em seus comportamentos e hábitos, em decorrência do desenvolvimento hormonal em ambos os sexos. E a primeira coisa a se fazer é acabar com certos mitos, pois era comum há algum tempo se achar que a fêmea só dava trabalho, pois tinha o problema do cio, podia ficar prenha, que não era tão boa para guarda por não ser tão agressiva, etc. 


E outra crença tambem muito comum era a de que as alterações hormonais na época do cio faziam com que a fêmea ficasse “histérica” e hipersensível. Ou seja, em outras palavras, a fêmea era considerada um problema, porem só de uns tempos para cá é que tais mitos foram caindo, a verdade foi aparecendo, e começou-se a se perceber que nem o macho é tão fácil assim, nem a fêmea é um tamanho transtorno. pois os dois sexos apresentam vantagens e desvantagens, e a questão é qual o perfil que mais se adapta a situção requisitada.Sem duvida, de fato as fêmeas entram no cio duas vezes por ano, e isto pode ser complicado se a mesma for criada em apartamento, ou ainda se morar num local onde a fêmea não tenha como ficar separada e livre dos “pretendentes” que podem aparecer à porta, e de uma forma bastante insistente. 


E cientes desta situação, os petshops estão cheias de opções interessantes para resolver tais problemas bastante incômodos. E já existem disponiveis inclusive calcinhas higiênicas especialmente feitas para as cadelinhas que moram em apartamentos usarem “naqueles dias”, e estas calcinhas são super absorventes, e impedem que os móveis e tapetes fiquem sujos de sangue. Outra boa opção é usar um spray anticheiro (“Anti Mating” da Four Paws) na cadelinha, este spray costuma disfarçar o cheiro do cio, fazendo com que cachorros de outras casas próximas não percebam que há uma cadela no cio por perto. Tudo isso, é claro, não dispensa que juntamente com estas providencias, que já ajudam bastante, tenha-se todos os cuidados para que a cadela no cio fique longe dos cachorros, que nestas situações são bastante inconvenientes, insistentes e oportunistas. 


Sendo que o ideal realmente seria ter um quintal fechado, ou pelo menos um canil, para evitar certos acidentes, que geralmente se transformão em surpresas bastante desagradáveis, e que infelizmente depois acabam aumentando as estatisticas de cachorros abandonados. E tambem esta dita “histeria” que acometeria a fêmea sempre que estivesse no cio também é lenda, de fato certas fêmeas podem ter seu comportamento alterado em função das alterações hormonais. Porém, tais fêmeas fazem parte de uma minoria, e mesmo estas nem sempre sofrem de histeria, e algumas ficam até mais quietas, outras mais irritadiças, outras ainda mais melancólicas, e, sem dúvida algumas ficam muito alteradas, porém isto é uma exceção à regra. 


A chamada “Gravidez Psicológica” também pode acometer algumas fêmeas, mas também estamos falando de uma minoria, pois a grande maioria passa por este período sem maiores problemas. Já os machos não têm a ocorrência do cio, porém é comum que eles fujam de casa atrás das fêmeas quando estas entram nesta fase de reprodução. Atraídos pelo cheiro do cio, eles escapam de suas casas, e quando se dão conta já estão em regiões absolutamente desconhecidas. Muitos deles, inclusive, não conseguem voltar para casa depois. Portanto, se a decidisão for ter um macho, nunca se esqueça de colocar uma placa nele com a identificação e o telefone. 


Desta forma dá-se a oportunidade para que alguém possa entrar em contato, para informar onde possa estar o cachorro, aumentando em muito a possibilidade de resgate. Outro problema comum, também, na época de acasalamento é a disputa entre os machos pela fêmea, se há vários machos e só uma fêmea, estes machos vão brigar entre si para estabelecer quem é o líder, e, por conseqüência, quem tem direito a copular com a fêmea em primeiro lugar. E estas disputas são terrivelmente desgastantes para os machos, pois costumam durar vários dias. Além disso, neste período o macho nem mesmo se alimenta, conclusão, quando este cachorro volta pra casa, tem-se de volta um macho todo machucado, fraco, e, invariavelmente precisando de uma visita urgente ao veterinário. 


E tambem a questão da demarcação de território é outra situação delicada relativa aos machos, e apesar de não ser com todos cachorros ou raças, tal comportamento é perfeitamente normal e esperado em um cachorro macho adulto. E é principalmente uma questão hormonal, e não de educação, pois no mundo canino, os machos líderes costumam demarcar seu território (com uma secreção de cheiro bastante forte) para mostrar que tal território já tem dono. Este comportamento, porém, não é uma regra, pois muitos cachorros não apresentam tal comportamento seja por não serem líderes natos, ou por não compartilhar territórios com outros cães, ou ainda por não serem socializados. 


Além disso, na maioria dos casos este comportamento pode ser controlado e possivelmente eliminado, desde que seja trabalhado assim que começa a se manifestar. Outro mito bastante difundido é o de que o macho é melhor para a função de guarda que a fêmea, entretanto tal mito deve estar ligado à idéia de que um bom cachorro de guarda deve ser necessariamente muito agressivo, e por uma questão hormonal, os machos são sabidamente mais agressivos que as fêmeas. Porem em primeiro lugar, o bom cachorro de guarda não precisa ser agressivo, ele precisa ser valente, além disto, é certo que muitas fêmeas podem ser muito mais valentes que muitos machos. 


Pois não é o sexo do cachorro que vai determinar a sua valentia, mas sim o seu temperamento. E há aqui uma diferença bastante interessante, pois as fêmeas costumam guardar melhor as pessoas, enquanto os machos guardam melhor o território. Tal diferença provavelmente se dá devido à sua vida selvagem, onde os machos cuidam do território, e as fêmeas dos filhotes e membros mais fracos da matilha. Outra questão a se abordar na questão da guarda, é que os cachorros machos podem ser facilmente distraídos se for jogada uma fêmea no cio, ou mesmo simplesmente jogando-se um pano com cheiro de cadelas no cio no terreno que ele guarda. 


Pois por o instinto de reprodução ser muito forte, ele se sobrepõe sobre a todos os outros, e tal macho abandonará seu posto sem pestanejar, indo atrás da fêmea. Já as fêmeas dificilmente podem ser ludibriadas tão facilmente, inclusive por serem mais desconfiadas.

Entretanto em favor dos machos deve-se falar de seu inegável porte e beleza, pois na grande maioria das espécies animais, o macho é infinitamente mais bonito que a fêmea. Como em muitos casos temos muitos machos para poucas fêmeas receptivas, a competição entre eles é muito mais acirrada, fazendo com que em muitas espécies tenhamos machos muito maiores e mais vistosos que as fêmeas. 


E no mundo canino, isto não é diferente, pois o macho é muito mais forte, mais robusto, tem um porte mais bonito e elegante. Outra diferença Importante a ser considerada, é muito mais fácil termos um macho agressivo e brigão do que uma fêmea com estas mesmas caracteristicas. Pois as fêmeas costumam estabelecer a liderança entre elas de forma mais rápida, clara e muito mais duradoura. Ao contrário dos machos, as fêmeas não costumam desafiar a fêmea-líder para tomar-lhe a liderança, e uma vez estabelecida a hierarquia, esta durará muitos anos, ou até que esta fêmea-líder não tenha mais condições físicas para manter este posto, só então ela será destronada. 


Isto acaba por determinar um comportamento social muito mais tranqüilo e menos competitivo entre as fêmeas, e como é muito improvável que um macho a ataque, se ela for bem socializada, e souber respeitar as regras do mundo canino, não terá muitos problemas nas ruas e praças na companhia de outros cachorros. Já no caso de um macho, este relacionamento social pode mudar radicalmente quando ele entrar na puberdade. E uma questão muito importante a ser considerada é que muito dos comportamentos, e características descritas aqui são devidos ao desenvolvimento hormonal dos cachorros. 


Por isso mesmo, muitos deles podem ser evitados, ou ainda controlados, através da castração do mesmo. Inclusive uma escolha bem feita é aquela que é decidida sobre dados reais, e não sobre mitos, e para se descobrir qual é a escolha ideal, precisa-se analisar racionalmente tais características, e ver quais delas serão mais adequadas para você. Pense bem e escolha sem pressa, pois este é um relacionamento que deve durar no mínimo por uns 10 anos, portanto, é necessário todo cuidado nesta escolha.








Espirutualidade - Cachorros.



Espiritualidade - Cachorros:  No Judaismo os hebreus consideravam todos os cachorros absolutamente impuros, isto porque os cachorros, principalmente durante a Idade Media. E apesar de não serem selvagens, eles viviam em grandes bandos ou matilhas proximos aos grandes feudos, e para sobreviverem tambem comiam carniça, pois subsistiam à base dos refugos, lixo e até corpos humanos. E para os israelitas, qualquer contato com um cadáver é ritualmente aviltante (em parte por motivos religiosos e em parte buscando evitar contaminações), por estas razões, os hebreus concluíram que qualquer animal que procurasse alimento em fontes impuras seria, ele também, considerado impuro.


Não obstante tudo isso, o judaísmo sustenta algumas posições positivas sobre os cachorros, o Talmude, autoridade aceita pelos judeus em toda parte, diz que os cachorros, apesar de impuros, devem ser respeitados e tolerados, afirmando ainda que o acesso ao alimento ritualmente impuro foi a recompensa concedida por Deus aos cachorros, retribuindo o silêncio destes na noite em que os israelitas começaram o êxodo do Egito, e tambem segundo o Talmude, o sinal de proteção dado por Deus a Caim foi um cachorro. E o catolicismo, por ter as suas origens diretamente ligada ao Judaismo, em consequencia, herdou algumas das opiniões negativos do judaísmo quanto aos cachorros.


No entanto elas se diluíram bastante em diversas narrativas positivas sobre o papel dos cachorros, em especial nas versões populares da tradição religiosa. Inclusive no episódio do nascimento de Jesus, bastante associado à imagem de pastores, é bem comum a presença de cachorros nas cenas da natividade, um relato da Granada afirma que três cachorros seguiram os pastores até Belém. E tambem vários santos cristãos tiveram em suas vidas fatos relacionados à presença de cachorros, como nos casos de Santa Margarida de Cortona; São Patrício e principalmente São João Bosco, defendido inúmeras vezes pelo cachorro Giggio. E tambem no Islamismo, igualmente a sua tradição começa com uma visão negativa do cachorro, mas como sempre, misturada a diversos aspectos positivos.


E assim como no judaísmo, o cachorro é considerado impuro, a ponto de que uma bacia em que um cachorro tenha comido ou bebido deva ser lavada sete vezes e friccionada com terra antes de poder ser utilizada pelo homem. Inclusive o que tambem contribuiu para aumentar a rejeição, éra que nos grandes centros islâmicos, as matilhas de cachorros párias eram um grave problema urbano, pois havia uma grande incidencia de transmissão de raiva e várias outras doenças. Apesar disso, eram consideradas importantes porque comendo os restos deixados pelos homens, acabavam cumprindo um papel importante na limpeza pública.


E até mesmo o próprio Maomé defrontou-se com o problema dos cachorros vadios na cidade de Medina, e num primeiro momento, Maomé tomou a inflexível decisão de editar um decreto pelo qual todos os cachorros deveriam ser exterminados. Porem refletindo mais sobre o assunto, moderou seu decreto, determinando que apenas os cachorros pretos vadios fossem eliminados, e esta alteração deveu-se a duas razões, a primeira, de ordem religiosa, pois sendo os cachorros criaturas de Alá, somente ele poderia exterminá-la e a segunda, mais pragmática, era que algumas classes de cachorros, especialmente os de guarda, caça e pastoreio eram extremamente úteis para os seres humanos.

















COMPARTILHE A POSTAGEM.

.

.
.

Visualizações de página do mês passado